POLAROIDS

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE -

15 de agos­to de 2018, 5h10.

O des­per­ta­dor to­ca e meus olhos se abrem fa­cil­men­te com a cla­ri­da­de en­tran­do no meu quar­to. Não há cor­ti­na e a pa­re­de é to­da de vi­dro, dan­do to­tal vi­são da flo­res­ta. Es­tou hos­pe­da­da nu­ma ca­sa que fi­ca no to­po de uma mon­ta­nha. O ruí­do dos ani­mais que es­tão por ali tam­bém me des­per­ta.

É ani­ver­sá­rio de um ami­go que es­tá na ca­sa, e jun­to com meus ou­tros ami­gos en­tra­mos no quar­to de­le sem fa­zer ba­ru­lho e o acor­da­mos com vá­ri­os ba­lões de fes­ta pra­te­a­dos e can­tan­do “Fe­liz Cum­ple­años”.

Pas­sa­do o al­vo­ro­ço da mi­ni­fes­ta de ani­ver­sá­rio, a agi­ta­ção ago­ra é pre­en­chi­da por ou­tro as­sun­to: ho­je é o mai­or dia do swell em Pavones. A pre­vi­são mar­ca de 10 a 12 pés na me­lhor di­re­ção, e a vi­la es­tá cheia de surfistas do mun­do in­tei­ro que tam­bém vi­e­ram pa­ra o swell. Co­me­mos qual­quer coi­sa e agi­ta­mos a des­ci­da pa­ra a praia. As pran­chas fi­ca­ram amar­ra­das no car­ro no dia an­te­ri­or.

Es­tou vi­a­jan­do com dois ami­gos meus do Uru­guai, tam­bém long­bo­ar­ders pro­fis­si­o­nais. Na­que­la de co­nhe­cer um ami­go que tem um lu­gar ira­do pa­ra fi­car em Pavones, re­ce­be­mos o con­vi­te de nos hos­pe­dar nu­ma ca­sa ma­ra­vi­lho­sa no to­po de uma mon­ta­nha ao la­do da vi­la de Pavones. Há dois vi­de­o­ma­kers na ca­sa, o que tor­na a trip ain­da mais in­te­res­san­te, pois o que é me­lhor do que pe­gar al­tas on­das? Po­der ter o re­gis­tro das mes­mas de­pois.

Fo­mos di­re­to pa­ra Rancho Mar, que é uma das se­ções mais em­bai­xo de Pavones que na ma­ré se­ca nos pre­sen­te­ou com es­quer­das per­fei­tas e rá­pi­das de 1 a 1,5 me­tro. Es­co­lhi o meu long­bo­ard pro­gres­si­vo do dia a dia e re­sol­vi tes­tá-lo co­mo qua­dri­qui­lha. Ti­nha bas­tan­te gen­te na água (ain­da é bem mais va­zio do que um pi­co crowd, mas ten­do em vis­ta que já ha­vía­mos sur­fa­do ali so­zi­nhos...), e a on­da es­ta­va cor­ren­do mui­to na ban­ca­da por con­ta da ma­ré se­ca.

De­pois de pe­gar umas cin­co on­das lon­gas (mais de um mi­nu­to, mais de seis ma­no­bras) e até a bei­ra (o que me fa­zia ca­mi­nhar de vol­ta até o pi­co), saí pa­ra tro­car de pran­cha. Pe­guei meu no­vo xo­dó, uma bi­qui­lha 5’8. Não es­ta­va me sen­tin­do tão sa­tis­fei­ta de long­bo­ard, e com a bi­qui­lha eu sei que é di­ver­são na cer­ta em qual­quer on­da. En­trei com a bi­qui­lha, e a pri­mei­ra di­fe­ren­ça gran­de que vi foi a le­ve di­fi­cul­da­de de me man­ter no pi­co com a cor­ren­te (nes­sas ho­ras a gen­te dá va­lor pa­ra a re­ma­da de um long­bo­ard). Mas não de­mo­rei mui­to pa­ra pe­gar uma on­da di­ver­ti­dís­si­ma da sé­rie e, pe­la pri­mei­ra vez, con­se­gui sen­tir a li­nha de surf em uma pran­cha pe­que­na.

Mes­mo ain­da no­va­ta quan­to à lei­tu­ra di­fe­ren­te da on­da, me­dir a for­ça pa­ra mo­vi­men­tar a pran­cha e se­gu­rar na mes­ma po­si­ção os meus pés que au­to­ma­ti­ca­men­te já ca­mi­nham pa­ra fren­te foi uma sen­sa­ção má­gi­ca. Ca­da mo­vi­men­to era uma des­co­ber­ta, e o sor­ri­so no meu ros­to au­men­ta­va. Uma se­ma­na com a pran­chi­nha nas mi­nhas mãos, ou me­lhor, sob os meus pés, e eu já ha­via me apai­xo­na­do por ela. Mais umas cin­co on­das até a bei­ra, e meus bra­ços es­ta­vam can­sa­dos da re­ma­da, e a per­na, as­sa­da da ca­mi­nha­da.

En­quan­to amar­ra­mos as pran­chas no car­ro, so­mos ata­ca­dos por mos­qui­tos, pois es­ta­ci­o­na­mos os car­ros no meio do ma­to, a uns 200 me­tros da praia. A pró­xi­ma pa­ra­da é o se­gun­do de­sayu­no, num res­tau­ran­te mui­to sim­ples, on­de mãe e fi­lha ser­vem ce­vi­che, pinto e ca­sa­do − pra­tos cos­ta-ri­que­nhos tí­pi­cos. Em­bo­ra mui­to bom, a mis­tu­ra de ar­roz e fei­jão no ca­fé da ma­nhã cai um pou­co pe­sa­do en­tre du­as ses­sões de surf, en­tão es­co­lhi o ce­vi­che. Aca­ba­mos de co­mer e vol­ta­mos à praia sem mui­ta pres­sa. Na ver­da­de, sem sa­ber o que nos es­pe­ra­va.

Pa­ra­mos pri­mei­ro pa­ra che­car o point prin­ci­pal de Pavones, e vi uma sé­rie de 10 pés en­trar, sen­do o me­lhor exem­plo de uma per­fei­ção da na­tu­re­za. Es­ta­ci­o­na­mos o car­ro e em cin­co mi­nu­tos es­ta­va pron­ta. A vi­são que eu ti­nha de fo­ra da água era que a on­da cor­ria mui­to e pa­re­cia meio di­fí­cil de pas­sar a se­ção. Mas, sen­do a der­ra­dei­ra caí­da em Pavones e mi­nha úl­ti­ma da vi­a­gem − já que meu voo de vol­ta era no dia se­guin­te, nem dá pa­ra pen­sar mui­to −, pas­so a pa­ra­fi­na, pe­go o strep e co­me­ço a ca­mi­nhar pa­ra o point. Na cal­ma­ria, va­ra­mos a ar­re­ben­ta­ção sem to­mar uma on­da se­quer na ca­be­ça. O out­si­de es­tá cheio de surfistas lo­cais de pran­chi­nha, que on­da após on­da dão um show de surf. De long­bo­ard na água, só eu e meu ami­go. De mu­lher, ape­nas eu. As­sim que en­trei, veio uma on­da in­ter­me­diá­ria que nin­guém re­mou, e eu apro­vei­tei a opor­tu­ni­da­de pa­ra co­me­çar lo­go a caí­da. Foi uma on­da su­per­lon­ga, e vol­tei pa­ra o out­si­de an­tes da sé­rie.

Quan­do ela en­trou, eu era a úl­ti­ma da fi­la. Es­ta­va re­ce­o­sa de ir lá pa­ra fo­ra no out­si­de dis­pu­tar on­da com os ca­ras. Vi meu ami­go ali no meio de­les mas não ti­ve co­ra­gem de ir de ca­ra. A sé­rie com seis on­das pas­sou e o pi­co es­va­zi­ou. Co­me­cei a re­mar pa­ra fo­ra pa­ra ga­ran­tir a pri­o­ri­da­de na pró­xi­ma on­da que en­tras­se. Fui re­man­do con­tra a cor­ren­te que le­va­va pa­ra o in­si­de e de re­pen­te me vi so­zi­nha no out­si­de, só com três lo­cais a uns 100 me­tros mais no out­si­de que es­pe­ra­vam as bom­bas. Os ou­tros surfistas co­me­ça­ram a vol­tar pa­ra o pi­co, e eu con­ti­nu­ei re­man­do pa­ra me man­ter po­si­ci­o­na­da. Quan­do me dei con­ta, es­ta­va bem atrás no pi­co − on­de an­tes eu es­ta­va um pou­co re­ce­o­sa de fi­car.

E aí veio a sé­rie.

Dez pés de pu­ra per­fei­ção, sem ven­to. Um lo­cal vai na pri­mei­ra e o ou­tro dei­xa pas­sar a se­gun­da on­da... pa­ra mim. Co­me­ço a re­mar sem pen­sar du­as ve­zes e pa­ra não per­der es­sa chan­ce. Quan­do fi­co em pé, co­me­ça a brin­ca­dei­ra.

Uma pa­re­de gran­de, ex­ten­sa, per­fei­ta, sem um pin­go de água fo­ra do lu­gar. Sur­fo a on­da sem acre­di­tar... tu­do foi mais fá­cil do que ima­gi­nei. E ali eu era uma só com o mar. Re­des­co­brin­do mi­nha es­sên­cia, mi­nha pai­xão pe­lo surf de no­vo. A qua­dri­qui­lha des­gar­ra um pou­co nas gran­des cur­vas, mas no bi­co ela se­gu­ra per­fei­ta­men­te a ve­lo­ci­da­de da on­da, que cor­re por mui­to, mui­to, mui­to tem­po. Na me­ta­de da on­da, mi­nha per­na quei­ma, des­can­so e vol­to a ma­no­brar. Saí mui­to lon­ge de on­de meus ami­gos fil­ma­vam e mais lon­ge ain­da de on­de en­trei. Por mim, ali, eu po­dia vol­tar pa­ra ca­sa. Já es­ta­va re­a­li­za­da.

Fiz es­sa vi­a­gem pa­ra es­que­cer um pou­co a ro­ti­na de com­pe­ti­ções e trei­nos e pa­ra me re­co­nec­tar com o pra­zer de sur­far

no­va­men­te. Uma surf trip só com os ami­gos. Sur­far quan­do qui­ser, o tem­po que de­se­jar, com a pran­cha que me ape­te­cer. Uns di­as des­li­ga­da do ce­lu­lar, dos e-mails. Umas miniférias. E, en­quan­to eu ca­mi­nha­va de vol­ta pa­ra o pi­co − o que le­vou por vol­ta de 15 mi­nu­tos −, vim pen­san­do em tu­do is­so... e co­mo aque­la on­da que eu ha­via aca­ba­do de sur­far ti­nha si­do mui­to mais do que uma on­da. Eu es­ta­va em um mo­men­to de transe.

Cla­ro que vol­tei pa­ra pe­gar mais uma on­da. E de­pois ou­tra. Pe­guei qua­tro on­das no to­tal da que­da. Que­ria mais, mas já me sen­tia sa­tis­fei­ta. Com tu­do. Com a ener­gia, com a fe­li­ci­da­de de sur­far, com a abun­dân­cia de on­das, por ver o sor­ri­so es­tam­pa­do de to­dos no gru­po. Per­ce­bi ali o re­al sen­ti­do da ex­pres­são “Pu­ra Vi­da”.

Na­que­la tar­de ain­da tí­nha­mos que ar­ru­mar as malas e pran­chas e vi­a­jar de vol­ta pa­ra Playa Her­mo­sa, a cin­co ho­ras de Pavones, on­de eu pas­sa­ria mi­nha úl­ti­ma noi­te. Sa­bía­mos que, quan­to mais tar­de saís­se­mos, mais tem­po di­ri­gi­ría­mos de noi­te e mais can­sa­dos fi­ca­ría­mos. Mas to­dos re­lu­ta­vam por um mo­men­to e de­pois se li­be­ra­vam pa­ra fi­car mais dez, cin­co, um mi­nu­to que fos­se na­que­le lu­gar.

Quan­do che­guei em ca­sa e me co­nec­tei ao wi-fi, que­ria con­tar pa­ra o meu pai, mi­nha mãe, mi­nha trei­na­do­ra, meus ami­gos do mar o que tí­nha­mos aca­ba­do de vi­ver. Mas era tan­ta in­for­ma­ção que eu não con­se­guia for­mu­lar uma men­sa­gem com ape­nas al­gu­mas pa­la­vras. Não era jus­to com to­da a ma­gia do lu­gar, não ca­bia ali. Re­sol­vi dei­xar de la­do e cur­tir mais o mo­men­to.

No fim, tu­do ar­ru­ma­do no car­ro, pran­chas no te­to, fo­mos em­bo­ra de Pavones com um céu azul e an­tes da tor­men­ta que re­fres­ca­va a vi­la na tar­de de ca­da dia. No ban­co de trás, en­quan­to os uru­guai­os to­mam ma­te e fa­lam es­pa­nhol rá­pi­do de­mais − e ain­da em êx­ta­se por con­ta do surf −, eu abro a ja­ne­la e, ca­la­da, apre­cio o si­lên­cio den­tro de mim e re­lem­bro com a bri­sa no meu ros­to ca­da mo­men­to má­gi­co que pas­sei em Pavones. Não à toa que é uma cos­ta tão ri­ca...

O sol vai in­do em­bo­ra, a tor­men­ta vem ao nos­so en­con­tro, e à nos­sa fren­te te­mos a mais be­la pin­tu­ra de ar­te: atrás, um céu azul e o sol bri­lhan­do à fren­te, um céu ne­gro com chu­va e rai­os, e dos la­dos um lin­do e ní­ti­do ar­co-íris, de pon­ta a pon­ta, nos dá tchau e um so­pro de tem­pe­ran­ça.

Até a pró­xi­ma, Pu­ra Vi­da.

Uma pa­re­de gran­de, ex­ten­sa, per­fei­ta, sem um pin­go de água fo­ra do lu­gar. Sur­fo a on­da sem acre­di­tar... tu­do foi mais fá­cil do que ima­gi­nei. E ali eu era uma só com o mar. Re­des­co­brin­do mi­nha es­sên­cia, mi­nha pai­xão pe­lo surf de no­vo.

POR CH­LOÉ CALMON

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.