MA­TA BA­RA­TA

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR IGOR ROICHMAN

En­quan­to as eta­pas do “Dre­am Tour” con­ti­nu­am em con­di­ções me­dío­cres (com al­gu­mas ex­ce­ções), a WSL in­ves­te to­das as su­as fi­chas em sua pis­ci­na de on­da.

Em 2018 se­rão, ao to­do, três cam­pe­o­na­tos di­fe­ren­tes no Surf Ran­ch. Já ro­lou a Foun­ders Cup, even­to re­a­li­za­do em maio, no qual a se­le­ção bra­si­lei­ra foi vi­ce-cam­peã. A oi­ta­va eta­pa do WCT, iné­di­ta, acon­te­ceu na pri­mei­ra se­ma­na de se­tem­bro. E um cam­pe­o­na­to es­pe­ci­al de aé­re­os de­sen­vol­vi­do por Josh Kerr, mais pa­ra o fim do ano.

A pres­são em ca­pi­ta­li­zar em ci­ma do brin­que­do é for­te. Com a apro­xi­ma­ção dos Jo­gos Olím­pi­cos, a pri­mei­ra edi­ção da qual o surf fa­rá par­te, é for­te o lobby pa­ra o even­to acon­te­cer em uma pis­ci­na de­sen­vol­vi­da pe­la WSL no Ja­pão. Além do me­mo­ran­do en­vi­a­do aos atle­tas, in­cen­ti­van­do os mes­mos a pos­ta­rem em su­as re­des so­ci­ais pessoais pe­din­do que a Olim­pía­da acon­te­ça na pis­ci­na, a en­ti­da­de até se propôs a ar­car com os cus­tos da cons­tru­ção. É cer­to que o cam­pe­o­na­to nas on­das de Shi­buya se­rá jo­go du­ro de as­sis­tir, mas a pres­são pe­la pis­ci­na no Ja­pão guar­da ou­tros in­te­res­ses que são mais do que so­men­te o es­por­te.

O que pa­re­ce uma missão im­pos­sí­vel. Ca­da dia que pas­sa, tor­na-se ain­da mais di­fí­cil con­cre­ti­zar o so­nho elé­tri­co-me­câ­ni­co da WSL. Sem ne­nhu­ma no­tí­cia do iní­cio da cons­tru­ção, pe­lo me­nos até o mo­men­to em que es­cre­vo es­te ar­ti­go, mi­nha coluna inau­gu­ral na re­vis­ta im­pres­sa da HARD­CO­RE, tam­bém é im­pro­vá­vel que a pis­ci­na es­te­ja pron­ta pa­ra o ga­me.

Com os gran­des pro­ble­mas que a trans­mis­são ex­clu­si­va no Fa­ce­bo­ok trou­xe até ago­ra e a re­pul­sa dos fãs do surf em pa­gar pay-per-vi­ew pa­ra as­sis­tir às eta­pas, a pis­ci­na de on­das re­sol­ve tan­to o pro­ble­ma de ter um ho­rá­rio fi­xo pa­ra en­trar na TV aber­ta, co­mo co­brar in­gres­so pa­ra ver o even­to in lo­co. O pri­mei­ro tes­te, com a Foun­ders Cup, nes­se sen­ti­do foi um gran­de su­ces­so.

Pis­ci­nas de on­das não são no­vi­da­des pa­ra o surf, es­ta­mos rein­ven­tan­do a ro­da. Já ti­ve­mos eta­pas “ma­jor” em pis­ci­nas na dé­ca­da de 1990 no Ja­pão e even­tos es­pe­ci­ais na Dis­ney. Na vi­ra­da do mi­lê­nio, os even­tos su­mi­ram e a pis­ci­na do Ja­pão che­gou a fe­char. Na Áfri­ca do Sul, em Dur­ban, tí­nha­mos uma pis­ci­na de on­da pa­ra­da (que ro­da no mes­mo lu­gar co­mo um tur­bi­lhão tu­bu­lar) que era mui­to fa­mo­sa en­tre os atle­tas do Mis­ter Pri­ce Pro, pois quem per­dia ce­do o even­to na praia pas­sa­va o res­to do dia se que­bran­do na pis­ci­na. Mas es­sa tam­bém fe­chou.

Nos úl­ti­mos anos, as pis­ci­nas em que Kelly Slater bus­cou “ins­pi­ra­ção” es­tão pas­san­do por di­fi­cul­da­des pa­ra de­co­lar. A es­tru­tu­ra em Snow­do­nia, pis­ci­na ins­ta­la­da no nor­te do País de Ga­les, pre­ci­sou fe­char pa­ra re­pa­ros em 2015. Na Es­pa­nha, a ma­triz de­sa­ti­vou sua prin­ci­pal pis­ci­na. Ago­ra o gru­po es­tá fo­ca­do no de­sen­vol­vi­men­to de uma no­va tec­no­lo­gia, de pre­fe­rên­cia mais ba­ra­ta e que pro­du­za du­as on­das a ca­da oi­to se­gun­dos.

Além do Wa­ve­gar­den, nos EUA, que tem al­gu­mas das pis­ci­nas, ou­tras con­cor­ren­tes es­tão sur­gin­do. A Ame­ri­can Wa­ves Ma­chi­ne, que com­por­ta o slo­gan “re­al surf for re­al bu­si­nes­ses”, ofus­cou o even­to de inau­gu­ra­ção do Surf Ran­ch. Com uma tec­no­lo­gia mui­to mais aces­sí­vel pa­ra im­ple­men­ta­ção, uma má­qui­na que pro­duz uma quan­ti­da­de mui­to mai­or de on­das e com a me­lhor se­ção de aé­reo do mun­do, a pis­ci­na em Wa­co, no Te­xas, se tor­nou a ver­da­dei­ra Wo­odward pa­ra o surf e se fir­mou co­mo a me­lhor pis­ci­na pa­ra trei­nar aé­re­os.

Se o Surf Ran­ch per­deu o tí­tu­lo de me­lhor on­da ar­ti­fi­ci­al pa­ra aé­re­os, em 2019 po­de dei­xar de ser a me­lhor se­ção de tu­bo ar­ti­fi­ci­al.

Mark Oc­chi­lu­po é o ga­ro­to pro­pa­gan­da de um imen­so pro­je­to que es­tá em cons­tru­ção na Aus­trá­lia. Uma pis­ci­na com oi­to pi­cos, que vai de uma on­da pa­ra ini­ci­an­tes a um slab de 7 a 8 pés. Se is­to se con­fir­mar, a WSL es­ta­rá em maus len­çóis.

Se o Surf Ran­ch per­deu o tí­tu­lo de me­lhor on­da ar­ti­fi­ci­al pa­ra aé­re­os, po­de dei­xar de ser a me­lhor de tu­bo ar­ti­fi­ci­al. Oc­cy é o ga­ro­to pro­pa­gan­da de um imen­so pro­je­to em cons­tru­ção na Aus­trá­lia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.