AL­MA HARD­CO­RE

PRES­TES A SER PRO­MO­VI­DO A DI­RE­TOR DE TV, O CA­RI­O­CA PE­DIU DE­MIS­SÃO E SE MAN­DOU PA­RA A IN­DO­NÉ­SIA, EM BUS­CA DE UMA VI­DA ME­LHOR

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE -

Meus pais eram só­ci­os de um clu­be no Pos­to 6 de Co­pa­ca­ba­na. Com 4, 5 anos, eu pe­ga­va on­da com pran­chi­nha de iso­por. Com 12 pa­ra 13 anos, des­co­bri que meu pri­mo ti­nha uma mo­no­qui­lha ha­vai­a­na alu­ci­nan­te, e ele me deu a pran­cha. Na­que­la épo­ca, pa­ra co­me­çar a sur­far no Ar­po­a­dor, vo­cê ti­nha que pas­sar por umas pro­vas. A ga­le­ra pe­ga­va tua pran­cha e fi­ca­va um tem­pão sur­fan­do. No fin­zi­nho de tar­de, eles me dei­xa­vam sur­far. De­va­ga­ri­nho, pe­guei mi­nhas pri­mei­ras on­das e ra­pi­da­men­te fi­quei vi­ci­a­do.

Ti­ve uma car­rei­ra de 30 anos co­mo pro­du­tor de efei­tos vi­su­ais na te­le­vi­são. Não con­se­guia mais sur­far por­que tra­ba­lha­va de se­gun­da a sá­ba­do e no do­min­go fi­ca­va com mi­nha mãe ou mi­nha fi­lha. Gor­do, 108 kg, não con­se­guia re­mar. Fu­ma­va mui­to por cau­sa do es­tres­se do dia a dia. En­tão sur­giu a ideia de mo­rar na In­do­né­sia. Meus che­fes não con­se­gui­am en­ten­der a de­ci­são, por­que eu es­ta­va pa­ra ser pro­mo­vi­do a di­re­tor. Es­cre­vi mi­nha car­ta de de­mis­são e ven­di tu­do. Em vez de Ba­li, pen­sei em um lu­gar mais re­mo­to, tran­qui­lo. Já ti­nha vin­do pa­ra as Men­tawai, fi­quei apai­xo­na­do e eu e uns ami­gos re­sol­ve­mos cons­truir um re­sort aqui, o Hid­den Bay.

Alu­guei uma ca­si­nha de um lo­cal. Ia ao ba­nhei­ro no mar, to­ma­va ba­nho de ca­ne­qui­nha. Úni­co es­tran­gei­ro na ilha, apren­di a lín­gua lo­cal. Ar­roz com pi­men­ta e um pou­qui­nho de pro­teí­na. Per­di 28 kg no pri­mei­ro ano. A ilha era to­ma­da de li­xo, en­tão a lim­pa­mos in­tei­ra. De­pois de um ano e meio, fi­na­li­za­mos a es­tru­tu­ra bá­si­ca do re­sort – um res­tau­ran­te e dois ban­galôs.

Tra­ba­lho co­mo ge­ren­te, surf gui­de e ci­ne­gra­fis­ta. Acor­do às 5 ho­ras da ma­nhã, to­mo ca­fé, fa­ço um alon­ga­men­to, às ve­zes yo­ga. Pre­pa­ra­mos equi­pa­men­to e pran­chas e le­vo a ga­le­ra pa­ra o surf. Vol­tan­do ao re­sort, se­pa­ro as ima­gens, jan­ta­mos fa­zen­do um sli­de show, de­pois a ga­le­ra vai dor­mir e fi­co aqui li­dan­do com o mar­ke­ting e a ro­ti­na do re­sort.

É di­fí­cil di­zer qual foi a me­lhor tem­po­ra­da aqui, mas des­ta­co o ano de 2015, quan­do ti­ve­mos o Muz­za Swell. Foi o mai­or e mais per­fei­to mar que já vi aqui. Três di­as in­ten­sos em Kan­dui, com on­das de até 12 pés. Fo­ram os me­lho­res di­as de surf da mi­nha vi­da. Já na tem­po­ra­da des­te ano, ju­lho foi mui­to es­pe­ci­al, deu on­da di­re­to. Pe­ga­mos Hi­de­aways, Kan­dui, Ebay, Ri­fles. No mai­or dia, ti­ve­mos a vi­si­ta do Lu­cas Chum­bo e do Pau­lo Mou­ra.

Aqui no re­sort, fa­ze­mos um ma­ne­jo do li­xo, pa­ra ter o mí­ni­mo de im­pac­to pos­sí­vel. Se­pa­ra­mos or­gâ­ni­co do não or­gâ­ni­co. As la­tas man­da­mos pa­ra Pa­dang, pa­ra re­ci­clar. A mai­or par­te do plás­ti­co, in­fe­liz­men­te, não con­se­gui­mos dar fim. Se man­dar­mos pa­ra al­gum lu­gar, vão jo­gar no mar. En­tão pre­fi­ro fa­zer um bu­ra­co e quei­mar. Na praia co­le­ta­mos, por se­ma­na, mais ou me­nos de cin­co a se­te sa­cos de li­xo – que che­ga do mar e aca­ba na praia. É um pro­ble­ma mui­to sé­rio. Usa­mos com­pos­to or­gâ­ni­co e te­mos fos­sas sép­ti­cas.

Nas Men­tawai, re­ce­be­mos o li­xo de to­do o con­ti­nen­te e dos bar­cos que o des­car­tam no mar. Acho que a so­lu­ção de lon­go pra­zo é en­si­nar edu­ca­ção am­bi­en­tal às cri­an­ças. E os surfistas e tu­ris­tas que vêm pa­ra cá pre­ci­sam as­su­mir o im­por­tan­te pa­pel de cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção lo­cal. Acre­di­to que o tu­ris­mo nas Men­tawai po­de ajudar mui­to na pre­ser­va­ção das nos­sas prai­as, baías e to­do o nos­so mar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.