Que­ría­mos Que Vo­cê Es­ti­ves­se Aqui

Mal­di­vas com Mick, Wilko e Conner... A bus­ca tem de con­ti­nu­ar

Hard Core (Brazil) - - KLAUS BOHMS - Por An­na Jor­dan Fotos Co­rey Wilson e Ted Gram­be­au

SãO 9 DA MA­NHã DO DIA UM da vi­a­gem e es­ta­mos an­co­ra­dos em al­gum lu­gar dos Atóis do Sul das Mal­di­vas. Re­vi­go­ra­da pe­la eta­pa eu­ro­peia do Tour, a equi­pe vai se jun­tan­do len­ta­men­te pa­ra se li­vrar da res­sa­ca pós-Por­tu­gal com um pou­co de ca­feí­na. Ape­nas dois di­as atrás es­tá­va­mos em­bru­lha­dos em nos­sas mais ele­gan­tes rou­pas de in­ver­no em Su­per­tu­bos, ven­do o Ga­bri­el Me­di­na su­bir ao lu­gar mais al­to do pó­dio pe­la se­gun­da vez em me­nos de 15 di­as. Não pre­ci­so nem di­zer que o as­tral es­ta­va ani­ma­do e li­vre na­que­la noi­te, mas a pro­mes­sa de um swell de ta­ma­nho con­si­de­rá­vel pres­tes a atin­gir o Oce­a­no Ín­di­co foi su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer com que es­ti­vés­se­mos no ae­ro­por­to às 8h em pon­to da ma­nhã se­guin­te.

Ao lon­go da vi­a­gem, des­co­bri­mos que não es­tá­va­mos nos nos­sos me­lho­res di­as. Par­ti­mos do ae­ro­por­to de Lisboa com uma equi­pe de seis pes­so­as e che­ga­mos a Ma­le, ca­pi­tal das Mal­di­vas, com cin­co. Em al­gum mo­men­to, a com­pa­nhia aé­rea fi­cou sa­ben­do que res­ta­vam me­nos de seis me­ses até o ven­ci­men­to do pas­sa­por­te de Gabby, e não hou­ve pe­di­dos, im­plo­ra­ções ou so­lu­ços de ho­mens fei­tos ca­pa­zes de con­ven­cer as au­to­ri­da­des a dei­xá-lo em­bar­car no nos­so úl­ti­mo voo. Com os hu­mo­res um pou­co de­te­ri­o­ra­dos, não tí­nha­mos mui­to mais a fa­zer além de nos des­pe­dir apres­sa­da­men­te e en­trar em ou­tro avião sem ele. Ha­via uma su­per­lan­cha nos es­pe­ran­do em Ma­le e não es­tá­va­mos a fim de per­dê-la.

A bus­ca tem de con­ti­nu­ar.

A água ao re­dor da lan­cha é de um azul-tur­que­sa vi­bran­te, e os rai­os do sol da ma­nhã cri­am um show de lu­zes de­bai­xo d’água, in­ter­rom­pi­dos ape­nas pe­lo pre­gui­ço­so de­am­bu­lar oca­si­o­nal de uma ou ou­tra ar­raia-man­ta. Olhan­do pa­ra a nos­sa di­rei­ta, po­de­mos ver dú­zi­as de pe­que­nas ilhas cin­ti­lan­do co­mo bri­lhan­tes es­me­ral­das so­bre um ho­ri­zon­te sa­fi­ra, e à es­quer­da, nos­sa ilha da uto­pia, Niya­ma, on­de nos­so swell en­con­trou sua ca­sa. Pa­ra ser ho­nes­ta, pa­re­ce um pou­co in­jus­to que um lu­gar já do­ta­do de ta­ma­nha abun­dân­cia de atra­ti­vos na­tu­rais tam­bém abri­gue uma das es­quer­das mais ar­re­pi­an­tes do pla­ne­ta, mas a 100 me­tros de nós há sé­ri­es trans­lú­ci­das de um me­tro a um me­tro e meio en­tran­do no nos­so cam­po de vi­são e ne­nhu­ma al­ma à vis­ta.

Ga­bri­el Me­di­na te­ria ama­do pra c*ra­lho es­te lu­gar.

A on­da, co­nhe­ci­da co­mo Vo­di, é uma da­ma in­cons­tan­te que pre­ci­sa de um só­li­do swell su­do­es­te e de li­gei­ros ven­tos do nor­te pa­ra mos­trar to­dos os seus atra­ti­vos. En­tão, quan­do ela faz is­so, vo­cê sim­ples­men­te se pre­pa­ra e a apro­vei­ta en­quan­to ela du­ra. Conner Coffin, Mick Fanning e Matt Wil­kin­son pas­sam a mai­or par­te do dia de­bai­xo do abra­sa­dor sol tro­pi­cal pe­gan­do to­das as sé­ri­es que che­gam. A úni­ca pes­soa que re­ma pa­ra fo­ra é um ci­rur­gião or­to­pé­di­co cha­ma­do Daniel que com sur­pre­sa se ra­la. A on­da é pro­pri­e­da­de do re­sort, en­tão ra­ra­men­te es­tá “crow­de­a­da”, es­pe­ci­al­men­te quan­do há um swell con­si­de­rá­vel. Ela tam­bém fi­ca con­ve­ni­en­te­men­te si­tu­a­da bem na fren­te do Ti­ki Bar, que re­tum­ba reg­gae, ema­na co­que­téis e é ad­mi­nis­tra­do por um ca­ra ja­mai­ca­no cha­ma­do Tony, que tem os me­lho­res dre­a­dlocks da his­tó­ria. À me­di­da que

Vo­di é uma da­ma in­cons­tan­te que pre­ci­sa de um só­li­do swell su­do­es­te e de li­gei­ros ven­tos do nor­te pa­ra mos­trar to­dos os seus atra­ti­vos. En­tão vo­cê sim­ples­men­te se pre­pa­ra e apro­vei­ta en­quan­to du­ra.

o dia avan­ça e o sol con­ti­nua gol­pe­an­do im­pla­ca­vel­men­te, os atra­ti­vos do Ti­ki Bar fi­nal­men­te su­pe­ram os do oce­a­no, e os ga­ro­tos afun­dam os pés nas ave­lu­da­das arei­as bran­cas de Niya­ma pe­la pri­mei­ra vez.

As on­das ar­dem e as se­que­las da li­ber­ti­na­gem da noi­te an­te­ri­or se re­ve­lam tão di­fí­ceis de eli­mi­nar quan­to a pin­tu­ra ne­on en­du­re­ci­da de nos­sas ca­ras. Le­van­ta­mos nos­sas bun­das ar­re­pen­di­das e va­mos até Vo­di, ab­sur­da­men­te mag­ní­fi­ca.

Nes­se pon­to, pro­va­vel­men­te va­lha a pe­na men­ci­o­nar que a mai­or par­te da ga­le­ra es­tá acos­tu­ma­da a se amon­to­ar de­bai­xo de seus equi­pa­men­tos den­tro de vans ba­gun­ça­das, se jo­gan­do em qual­quer tre­cho aci­den­ta­do de cos­ta on­de re­sorts são um con­cei­to dis­tan­te e o ris­co de ma­lá­ria é al­to. Pa­ra os ve­te­ra­nos do The Se­ar­ch, não pa­re­ce­ria in­co­mum que pe­dis­sem que le­vas­sem um wet­suit de 6 mm e um co­le­te sal­va-vi­das pa­ra uma vi­a­gem, mas per­gun­tar se pre­fe­rem buf­fet be­a­ch sty­le ou fru­tos do mar à la car­te pa­ra o al­mo­ço os pe­ga des­pre­ve­ni­dos. Nós nos re­sig­na­mos com o fa­to de que ha­via si­do uma sim­ples e for­tui­ta ati­vi­da­de da fu­são at­mos­fé­ri­ca o que ti­nha nos tra­zi­do até aqui. Po­de­ria ha­ver la­gos­ta e cham­pa­nhe ho­je, mas quem sa­be­ria aon­de o ama­nhã po­de­ria nos le­var.

En­quan­to o sol se der­re­te atrás das nu­vens e nos­sos hu­mo­res se dis­sol­vem em uma tor­men­ta in­su­fla­da pe­lo rum, con­cluí­mos o dia de surf e fo­mos em bus­ca de al­gu­ma coi­sa um pou­co me­nos sau­dá­vel. Tí­nha­mos ou­vi­do ru­mo­res de uma ra­di­an­te fes­ta sub­ma­ri­na, e nem pre­ci­so di­zer que não fi­ca­ría­mos sa­tis­fei­tos até des­co­brir que c*ra­lho aqui­lo sig­ni­fi­ca­va exa­ta­men­te.

SÃO 9 DA MA­NHÃ DO DIA DOIS e acor­da­mos com 37 men­sa­gens de texto não li­das. Ra­ra­men­te um bom si­nal. As on­das es­tão ar­den­do e as se­que­las da li­ber­ti­na­gem da noi­te an­te­ri­or es­tão se re­ve­lan­do tão di­fí­ceis de eli­mi­nar quan­to a pin­tu­ra ne­on en­du­re­ci­da de nos­sas ca­ras. Quan­do nos­sos ban­galôs em ci­ma da água fi­cam um pou­co me­nos em­ba­ça­dos, le­van­ta­mos nos­sas bun­das ar­re­pen­di­das da ca­ma e va­mos até Vo­di, on­de fo­mos re­ce­bi­dos por ou­tro dia de on­das ab­sur­da­men­te mag­ní­fi­cas.

Da­do o es­ta­do das coi­sas, não sur­pre­en­de que al­guns âni­mos te­nham des­pen­ca­do nes­tes úl­ti­mos di­as. Pe­gos pe­la re­pes­ca­gem da ma­ré de vi­tó­ri­as de Gabby, a per­na eu­ro­peia foi can­sa­ti­va, tan­to fí­si­ca quan­to emo­ci­o­nal­men­te, pa­ra o res­to da equi­pe da Rip Curl. Pa­ra Wilko, sua saí­da do round 3 com um de­sem­pe­nho in­fe­ri­or ao da mé­dia do Su­per­tu­bos foi di­fí­cil de en­go­lir. Com sua cam­pa­nha pe­lo tí­tu­lo mun­di­al de 2017 ofi­ci­al­men­te ter­mi­na­da, ele foi obri­ga­do a re­bai­xar um pou­co sua mi­ra no ran­king mun­di­al e es­tá le­van­do um tem­po pa­ra se adap­tar à ideia. A eta­pa eu­ro­peia de Conner foi igual­men­te frus­tran­te. Uma que­da es­pe­ta­cu­lar no round 3 o jo­gou no meio da bri­ga pe­la qua­li­fi­ca­ção, e sua car­rei­ra ago­ra de­pen­de do seu de­sem­pe­nho nas ro­chas cor­tan­tes e ma­rés tu­mul­tu­a­das de Ban­zai Pi­pe­li­ne.

Pa­ra Mick, as úl­ti­mas seis se­ma­nas fo­ram en­co­ber­tas por ru­mo­res de des­gas­te e uma pos­sí­vel apo­sen­ta­do­ria, e só ago­ra a né­voa es­tá co­me­çan­do a le­van­tar. In­do pa­ra o Hawaii sem ne­nhu­ma pres­são pe­lo tí­tu­lo mun­di­al, ele pa­re­ce ter de­sen­vol­vi­do um pro­fun­do apre­ço pe­los

En­ca­ran­do a pai­sa­gem tro­pi­cal à nos­sa fren­te, a ce­na tur­bu­len­ta do surf com­pe­ti­ti­vo pa­re­ce es­tar a um mun­do de dis­tân­cia. Em uma ma­ré di­fe­ren­te, que po­de ser es­que­ci­da tran­qui­la­men­te.

sim­ples pra­ze­res da ami­za­de e das fri­vo­li­da­des, du­as coi­sas que ele pos­sui em abun­dân­cia. Olhan­do des­de fo­ra, fi­ca bem cla­ro que es­ta vi­a­gem veio a ca­lhar (bem, ig­no­ran­do o fa­to de que o pas­sa­por­te do Gabby não pô­de lhe dar um vis­to por ape­nas seis di­as). En­ca­ran­do a pai­sa­gem tro­pi­cal à nos­sa fren­te, a ce­na tur­bu­len­ta do surf com­pe­ti­ti­vo pa­re­ce es­tar a um mun­do de dis­tân­cia. Em um oce­a­no di­fe­ren­te. Em uma ma­ré di­fe­ren­te. Uma que po­de ser es­que­ci­da tran­qui­la­men­te du­ran­te al­guns di­as.

Al­gu­mas ho­ras mais tar­de, en­quan­to nos de­lei­ta­mos com as re­mi­nis­cên­ci­as de ou­tra ses­são dos so­nhos, pas­sa por nos­sas ca­be­ças que po­día­mos com fa­ci­li­da­de sim­ples­men­te fi­car aqui nes­te re­sort se­te es­tre­las com on­das de pri­mei­ra.

“Se­rá que o The Se­ar­ch aca­bou? Se­rá que já foi en­con­tra­do?”, ques­ti­o­na Conner.

“Não de for­ma san­gren­ta”, res­pon­de The Oce­an.

Nos­so guia aca­ba de fi­car sa­ben­do de um swell que es­tá pres­tes a che­gar a um lu­gar que es­tá a um dia de vi­a­gem da­qui, em di­re­ção ao sul, en­tão saí­mos do nos­so so­nho de mi­mos e lu­xos e re­em­bar­ca­mos na lan­cha. Ao lon­ge, nu­vens de tem­pes­ta­de dan­çam so­bre ma­res pro­fun­dos cor tur­que­sa e uma sen­sa­ção de eletricidade nos var­re. En­quan­to re­co­lhe­mos a ân­co­ra e co­me­ça­mos a na­ve­gar em di­re­ção ao vas­to des­co­nhe­ci­do, Mick ti­ra uma sel­fie con­tra o pôr do sol com uma cer­ve­ja na mão e en­via a fo­to pa­ra Gabby. “Que­ría­mos que vo­cê es­ti­ves­se aqui, ir­mão.” Bem an­tes da nos­sa co­ber­tu­ra aca­bar e de nos­sos vín­cu­los com a ci­vi­li­za­ção se per­de­rem, ele res­pon­de com o re­tra­to de al­guém des­pen­te­a­do que es­te­ve vi­a­jan­do por 48 ho­ras e pre­ci­sa de­ses­pe­ra­da­men­te de um ba­nho. Acho que não me ar­ris­co a di­zer que ele tam­bém que­ria mui­to.

SÃO 9 DA MA­NHÃ DO DIA TRÊS e es­ta­mos ma­chu­ca­dos e com quei­ma­du­ras de sol. A on­da que tí­nha­mos aca­ba­do de vi­a­jar oi­to ho­ras pa­ra sur­far não é exa­ta­men­te o blo­co de 5 a 6 pés que a pre­vi­são pro­me­te­ra, e es­ta­mos mais lon­ge de ou­tras al­ter­na­ti­vas que qual­quer ou­tra pes­soa do pla­ne­ta.

No fim da tar­de, o té­dio fi­cou in­su­por­tá­vel, e Wilko e Conner co­man­da­ram o bar­co em bus­ca de al­gu­ma coi­sa, qual­quer coi­sa que evi­tas­se que al­go mais sé­rio acon­te­ces­se. Ao lon­go do ca­nal, eles en­con­tram um re­bo­ca­dor car­re­gan­do um gran­de bar­co de con­cre­to que en­ca­lha­ra no re­ci­fe pou­co pro­fun­do. Nos­so guia diz que o lu­gar cos­tu­ma­va ter bo­as es­quer­das, mas que o re­bo­ca­dor ti­nha fo­di­do tu­do. No en­tan­to não é to­do dia que vo­cê po­de pe­gar uma on­da com um bar­co de con­cre­to no meio de­la, en­tão os ca­ras re­mam pa­ra ver o que con­se­guem fa­zer.

No co­me­ço? Não mui­to. O bar­co pa­re­ce mi­nar a ener­gia da on­da, dei­xan­do-a fra­ca e ti­tu­be­an­te. Em pou­co tem­po Mick de­ci­de pe­gá-la de ou­tro ân­gu­lo e, com uma pran­cha na mão e pou­co mais que uma cor­da co­ber­ta de algas pa­ra se se­gu­rar, ele so­be com di­fi­cul­da­de até o to­po do bar­co e sal­ta em ci­ma da on­da. Wilko e Conner

“Se­rá que o The Se­ar­ch aca­bou? Se­rá que já foi en­con­tra­do?”, ques­ti­o­na Conner. “Não de for­ma san­gren­ta”, res­pon­de The Oce­an. Nos­so guia aca­ba de sa­ber de um swell pres­tes a che­gar a um pi­co a um dia de vi­a­gem da­qui.

fa­zem a mes­ma coi­sa, e a tar­de se trans­for­ma em uma in­ten­sa ba­ta­lha pa­ra ver quem dá o sal­to de bar­co mais im­pres­si­o­nan­te sem que­brar os jo­e­lhos. Não é a ce­na mais con­ven­ci­o­nal de surf que já tes­te­mu­nhei, mas, ei!, pe­lo me­nos is­so nos man­tém sãos.

Sem­pre ha­ve­rá uma par­te de nós que se per­gun­ta­rá o que mais po­de­ria ser ex­plo­ra­do. Po­de pro­cu­rar a vi­da in­tei­ra o bre­ak per­fei­to ou a ses­são ide­al, mas as res­pos­tas só po­dem ser en­con­tra­das nos mo­men­tos fu­ga­zes.

SãO 9 DA MA­NHã DO DIA QUA­TRO e nin­guém pre­gou o olho. To­das as vi­a­gens de bar­co têm aque­le dia em que a mer­da voa pa­ra fo­ra do ar­má­rio e al­guém fi­ca pro­fun­da­men­te en­jo­a­do; e a úl­ti­ma noi­te foi o nos­so dia. Des­de que o swell pas­sou pe­los Atóis do Sul, to­ma­mos a de­ci­são de co­me­çar uma lon­ga jor­na­da se­guin­do ao nor­te com a es­pe­ran­ça de che­gar a Lohis ou Sul­tans an­tes de que ele se des­va­ne­ces­se.

A mãe na­tu­re­za bra­mou pro­fe­ti­ca­men­te du­ran­te to­da a noi­te, en­tão não nos sur­pre­en­de­mos quan­do che­ga­mos e en­con­tra­mos on­das de 1 pé e uma chu­va tão es­pes­sa que pra­ti­ca­men­te po­día­mos nos afo­gar de­bai­xo de­la.

Nos­so úl­ti­mo dia nas Mal­di­vas eva­po­rou di­an­te de nós en­quan­to be­be­ri­cá­va­mos ca­fés que fo­ram gra­du­al­men­te se trans­for­man­do em coi­sas um pou­co mais for­tes. Quan­do o relógio deu mei­a­noi­te e fi­ze­mos nos­sos úl­ti­mos brin­des an­tes de ir pa­ra a ca­ma, ain­da ha­via ves­tí­gi­os de perguntas en­tre os cu­bos de ge­lo res­tan­tes, nos es­pa­ços en­tre as açoi­tes das go­tas de chu­va. Se­rá que tí­nha­mos apro­vei­ta­do ao má­xi­mo? Se­rá que ha­vía­mos se­gui­do os swells cer­tos? De­ve­ría­mos ter sur­fa­do mais? Me­nos? Pe­ga­do mais pe­sa­do? Me­lhor? Se o pas­sa­por­te de Gabby ti­ves­se ape­nas uma se­ma­na a mais de va­li­da­de, se­rá que tu­do te­ria si­do di­fe­ren­te?

Pre­pa­ran­do-nos pa­ra em­bar­car no lon­go voo que nos le­va­ria de vol­ta pa­ra ca­sa no dia se­guin­te, pas­sa pe­la mi­nha ca­be­ça que is­to é a pró­pria es­sên­cia do The Se­ar­ch. Não im­por­ta quão bom fos­se o swell, quão di­ver­ti­do ou quão per­fei­to fos­se o tem­po – sem­pre ha­ve­rá uma par­te de nós que se per­gun­ta­rá o que mais po­de­ria ser ex­plo­ra­do. Vo­cê po­de pro­cu­rar a vi­da in­tei­ra o bre­ak ide­al ou a ses­são per­fei­ta, mas as res­pos­tas só po­dem ser en­con­tra­das nos mo­men­tos fu­ga­zes, co­mo a areia acu­mu­la­da na pal­ma da sua mão que fi­nal­men­te aca­ba cain­do.

Con­fi­ro meu Ins­ta­gram uma úl­ti­ma vez e ve­jo uma fo­to de Gabby sen­ta­do con­for­ta­vel­men­te em ca­sa com seu ca­chor­ro, ves­tin­do a ber­mu­da que ele de­ve­ria ter usa­do nes­ta vi­a­gem.

“Sen­ti falta de vo­cês”, ele escreve.

Em­bo­ra seu pe­sar não se di­ri­gis­se a nós nem mes­mo à nos­sa es­pé­cie, e mes­mo que eu já pos­sa es­cu­tar a ava­lan­che de mer­das que os ga­ro­tos vão lan­çar so­bre ele quan­do se en­con­tra­rem no Hawaii, pos­so di­zer, sem me­do de er­rar, que es­se sen­ti­men­to é de­fi­ni­ti­va­men­te re­cí­pro­co.

NAS FOTOSMatt Wil­kin­son não te­ve su­ces­so na cor­ri­da pe­lo tí­tu­lo mun­di­al de 2017, mas em com­pen­sa­ção se re­vi­go­rou nas on­das per­fei­tas das Mal­di­vas.

NAS FOTOSNos Atóis do Sul, a on­da de Vo­di sa­be re­cep­ci­o­nar com ele­gân­cia, co­mo ates­ta o tri­cam­peão mun­di­al Mick Fanning. Pa­ra ajudar a di­ge­rir ca­da ses­são épi­ca, na­da me­lhor que uma cer­ve­ja em al­to-mar, a exem­plo de Mick e Conner Coffin (aci­ma).

MAI­OR Wilko era o úni­co go­ofy des­ta vi­a­gem The Se­ar­ch – e o aus­sie não te­ve na­da a re­cla­mar.

NAS FOTOSVo­ar e en­tu­bar com es­ti­lo pa­ra hon­rar o pa­raí­so no qual fo­ram pa­rar. Conner Coffin ques­ti­o­na se o The Se­ar­ch fi­nal­men­te te­ve seu ápi­ce nos bre­aks das Mal­di­vas.

MAI­ORNas Mal­di­vas, Wilko te­ve a li­ber­da­de de des­gar­rar sem cri­té­ri­os de jul­ga­men­tos – o ver­da­dei­ro es­pí­ri­to The Se­ar­ch.ABAI­XONa­ve­gan­do en­tre atóis, um bar­co en­ca­lha­do, opor­tu­ni­da­de pa­ra sur­far nas ma­ro­las de um jei­to di­fe­ren­te, com Fanning.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.