TRA­BA­LHO E RES­PI­RA­ÇÃO

Hard Core (Brazil) - - KLAUS BOHMS - POR KE­VIN DAMASIO RE­TRA­TOS HENRIQUE PINGUIM

O que fa­zer após sair da eli­te do surf mun­di­al? Jad­son An­dré, 28 anos, sen­te sau­da­des, so­bre­tu­do da pa­ra­da no Tai­ti, con­tex­to no qual ocor­reu a en­tre­vis­ta a se­guir. Tra­ta-se de um even­to no qual o es­pí­ri­to do Tour se re­vi­go­ra, na vi­são do po­ti­guar. Boa par­te dos bra­si­lei­ros se hos­pe­dam na ca­sa da mes­ma família tai­ti­a­na. A hos­pi­ta­li­da­de e o as­tral do po­vo, so­ma­dos às be­le­zas da ilha, se har­mo­ni­zam com a ami­za­de dos tops – pos­ta de la­do as­sim que ves­tem a ly­cra, é cla­ro. Mas Jad­son não dei­xa que as sau­da­des o aba­lem. Con­ti­nua fo­ca­do em dois ob­je­ti­vos cen­trais: vol­tar à eli­te e se tor­nar cam­peão bra­si­lei­ro.

Jad­son co­me­çou a sur­far em Na­tal, Rio Gran­de do Nor­te, e, ado­les­cen­te, se mu­dou pa­ra o Gu­a­ru­já, São Pau­lo, após um ano de tra­ba­lho com o Luiz Cam­pos “Pin­ga”. Lon­ge da família, apren­deu a cui­dar de si mes­mo na mar­ra e ini­ci­ou sua ca­mi­nha­da nos cam­pe­o­na­tos, com as pran­chas do sha­per Ri­car­do Mar­tins. Em 2008, ini­ci­ou sua ca­mi­nha­da no QS e, no ano se­guin­te, ga­ran­tiu seu lu­gar na eli­te. Lo­go no ano de es­treia, 2010, em sua ter­cei­ra eta­pa co­mo top, sa­grou-se cam­peão do San­ta Ca­ta­ri­na Pro, a eta­pa bra­si­lei­ra do Mun­di­al, dis­pu­ta­da na Praia da Vi­la de Im­bi­tu­ba. E foi mui­to con­vin­cen­te: pe­lo ca­mi­nho, dei­xou pa­ra trás surfistas co­mo Da­mi­en Hob­go­od, Lu­ke Mun­ro, Mi­chel Bou­rez, Da­ne Rey­nolds e Kelly Slater. No fim, ter­mi­nou seu ano de ro­o­kie em 13º no ran­king. Em 2011, fez du­as quar­tas de fi­nal (Bells Be­a­ch e No­va York), po­rém al­gu­mas eli­mi­na­ções pre­co­ces per­sis­ti­ram e o ti­ra­ram da eli­te no fim de 2012.

Em 2013, a pri­mei­ra bri­ga pe­lo re­tor­no ao Tour foi bem­su­ce­di­da. Na ca­be­ça, a cons­ci­ên­cia da re­cei­ta da gló­ria no QS: pas­sar o má­xi­mo de ba­te­ri­as pos­sí­veis, in­de­pen­den­te­men­te de ser ou não cam­peão. As­sim Jad­son fez em Mar­ga­ret Ri­ver, Aus­trá­lia (9º lu­gar); em Sa­qua­re­ma, Rio de Ja­nei­ro (5º); em Bal­li­to, Áfri­ca do Sul (9º); no US Open da Ca­li­fór­nia (9º); e, por fim, com o tí­tu­lo do Cas­cais Pro, Por­tu­gal.

De vol­ta à eli­te em 2014, te­ve seu se­gun­do me­lhor de­sem­pe­nho em uma eta­pa do Mun­di­al: vi­ce-cam­peão do Fran­ce Pro, em Hos­se­gor. Na Eu­ro­pa, tam­bém se tor­nou bi­cam­peão do QS Cas­cais Pro. Po­rém Jad­son ob­ser­va que o ner­vo­sis­mo to­ma­va con­ta em si­tu­a­ções ad­ver­sas du­ran­te as ba­te­ri­as e o im­pe­dia de se­guir adi­an­te e al­can­çar vo­os mai­o­res e re­sul­ta­dos me­lho­res.

É es­sa au­tor­re­fle­xão que, ho­je, dei­xa o po­ti­guar mais con­fi­an­te. Até o fim de agos­to, lí­der do ran­king bra­si­lei­ro (com des­ta­que pa­ra o tí­tu­lo do Ma­re­sia Pro, em on­das de 10 pés) e 5º lu­gar no QS, o sur­fis­ta de Na­tal sen­te que es­tá pre­pa­ra­do pa­ra vol­tar à eli­te e fa­zer bo­ni­to. E tan­to a clas­si­fi­ca­ção co­mo o tí­tu­lo na­ci­o­nal es­ta­vam mui­to pró­xi­mos. Um dos se­gre­dos, além do trei­na­men­to, é a res­pi­ra­ção.

Em ca­sa, que­bra­do do pe­sa­do cam­pe­o­na­to em Ma­re­si­as e pres­tes a em­bar­car pa­ra mais uma ma­ra­to­na do QS, Jad­son ar­ru­mou um tem­po pa­ra con­ver­sar com a HARD­CO­RE.

Já ha­via sur­fa­do em um cam­pe­o­na­to no Bra­sil com tan­ta on­da as­sim, tão pe­sa­do?

Par­ti­cu­lar­men­te, acho que não. Não lem­bro a úl­ti­ma vez que com­pe­ti em um mar tão pe­sa­do, só na re­ma­da. No WCT, com con­di­ções des­se ti­po, te­mos três, cin­co jet-skis pa­ra nos le­var pa­ra o fun­do. Es­se em Ma­re­si­as era no bra­ço mes­mo [ri­sos]. Três di­as de­pois do cam­pe­o­na­to, eu ain­da es­ta­va me re­cu­pe­ran­do. A ga­le­ra que se deu bem no even­to é uma tur­ma que re­al­men­te le­va o surf co­mo um tra­ba­lho. Tem mui­tos atle­tas com ta­len­to in­crí­vel, mas só fa­zem sur­far. Es­se cam­pe­o­na­to de Ma­re­si­as mos­trou a im­por­tân­cia de ser um pro­fis­si­o­nal com­ple­to – o ca­ra que trei­na fun­ci­o­nal, que tem um qui­ver de pran­cha pre­pa­ra­do pa­ra quais­quer con­di­ções. Não é sem­pre que a par­te fí­si­ca faz a di­fe­ren­ça, e em Ma­re­si­as o fí­si­co re­pre­sen­tou qua­se 80%. Vo­cê vê, por exem­plo, o Marco Cor­rêa, que fi­cou em 5º. Ele sem­pre trei­na fun­ci­o­nal, pos­ta vá­ri­os ví­de­os. O Dei­vid Sil­va é um go­ri­la de for­te. O ir­mão do Gui­gui, o Wesl­ley Dan­tas, e o Du­du Mot­ta tam­bém são. São atle­tas que le­vam o surf mui­to além do que só en­trar na água, que se­guem uma ro­ti­na de surfistas ní­vel A.

“NA TE­O­RIA, EU SEM­PRE SOU­BE O QUE LE­VA O ATLE­TA A TER RE­SUL­TA­DOS. MAS NES­TE ANO ES­TOU BEM FO­CA­DO EM TREI­NAR MI­NHA PAR­TE FÍ­SI­CA.”

Há quan­to tem­po vê es­sa trans­for­ma­ção no per­fil do sur­fis­ta pro­fis­si­o­nal, co­mo atle­ta de al­to ren­di­men­to?

Nos úl­ti­mos anos, os atle­tas, prin­ci­pal­men­te os de pon­ta, não ape­nas sur­fam. Trei­nam ab­sur­da­men­te. Oi­to, dez anos atrás, não era to­do mun­do que fa­zia is­so – e a meia dú­zia que pe­lo me­nos cui­da­va da saú­de era so­be­ra­na. Ho­je não há um atle­ta na eli­te que não te­nha uma ro­ti­na dis­ci­pli­na­da pa­ra o surf. Quan­do fa­lo em ro­ti­na, não é só pe­gar a pran­cha e ir sur­far. Os ca­ras se ali­men­tam bem, pas­sam o dia trei­nan­do, fa­zen­do exer­cí­ci­os, se alon­gan­do. Nos úl­ti­mos três, qua­tro anos, to­do atle­ta que con­se­guiu se des­ta­car se­guia es­sa ro­ti­na. Exem­plo dis­so: Ga­bri­el Me­di­na, Fi­li­pi­nho To­le­do e Íta­lo Fer­rei­ra trei­nam igual ca­va­lo; o Adri­a­no de Sou­za sem­pre foi su­per­pro­fis­si­o­nal; o Mi­cha­el Rodrigues trei­na bas­tan­te; o Wil­li­an Car­do­so mu­dou mui­to sua pos­tu­ra de uns anos pa­ra cá e ho­je es­tá en­tre os me­lho­res do mun­do. Is­so só fa­lan­do dos bra­si­lei­ros. Se tam­bém for­mos in­cluir os grin­gos, pas­sa­mos o dia in­tei­ro nes­se as­sun­to. Ago­ra, só con­se­gue se dar bem quem tem uma ro­ti­na top, por­que to­do mun­do sur­fa bas­tan­te, tem um ta­len­to in­crí­vel, mas é o pe­que­no de­ta­lhe que faz a di­fe­ren­ça. Nes­se even­to de Ma­re­si­as, en­tão…

Que mo­men­to des­sa fi­nal fi­cou mais na sua me­mó­ria?

As seis pri­mei­ras on­das que pe­guei fo­ram to­das de 1 pon­to ca­da. Caía, não vol­ta­va na ma­no­bra ou a es­co­lha da on­da era ruim. Eu vi­nha do US Open, en­tão es­ta­va mui­to can­sa­do. Tu­do bem que as on­das na Ca­li­fór­nia não es­ta­vam pa­re­ci­das, mas Hun­ting­ton can­sa mui­to, por­que vo­cê fi­ca o tem­po in­tei­ro ma­tan­do ba­ra­ta, fa­zen­do for­ça pa­ra po­der an­dar na ma­ro­la – e eu fui até o úl­ti­mo dia. En­tão eu vi­nha de uma ro­ti­na pe­sa­da. Che­guei em Ma­re­si­as e pe­guei aque­le mar­zão pe­sa­do. Quan­do che­guei à fi­nal, es­ta­va des­truí­do, can­sa­do, não ti­nha mais for­ças, pa­ra fa­lar a ver­da­de. De­pois da sex­ta on­da ruim, vol­tei pa­ra o fun­do e co­me­cei a res­pi­rar bem pro­fun­da­men­te – qua­se uma yo­ga no meio da ba­te­ria. Re­zei, res­pi­rei e pen­sei: “Só te­nho 12 mi­nu­tos ago­ra e não pos­so mais er­rar. Meu Deus, me guia aqui e man­da a on­da”. E con­se­gui pe­gar uma es­quer­da in­crí­vel, um 8,33. Vol­tei pa­ra o fun­do e já pe­guei uma di­rei­ta, com a qual vi­rei a ba­te­ria. Is­so, pa­ra mim, foi um dos mo­men­tos que mais mar­cou, não pe­lo fa­to de ter ga­nha­do, mas por es­tar em uma si­tu­a­ção mui­to des­con­for­tá­vel – can­sa­do, em com­bi­na­ção. Em pou­co tem­po, fiz al­go que um tem­po atrás não te­ria o po­der, a ca­pa­ci­da­de men­tal de re­a­li­zar: vol­tar, res­pi­rar, bai­xar meu ba­ti­men­to car­día­co com o mun­do aca­ban­do ao meu la­do e vi­rar a ba­te­ria. Em mui­tas ba­te­ri­as na mi­nha vi­da, quan­do me en­con­tro nes­sa si­tu­a­ção, eu pra­ti­ca­men­te pa­ro de res­pi­rar, co­me­ço a fi­car mui­to ner­vo­so, per­co o con­tro­le de tu­do e aca­bo me ar­ra­san­do na ba­te­ria in­tei­ra. Nes­sa, não. Mes­mo no ní­vel má­xi­mo de es­tres­se psi­co­ló­gi­co, sem ener­gia, con­se­gui me acal­mar, res­pi­rar e ga­nhar. Is­so, pa­ra mim, foi uma vi­tó­ria pes­so­al.

Co­mo tem si­do sua pre­pa­ra­ção fí­si­ca e men­tal nes­te ano?

Na te­o­ria, eu sem­pre sou­be o que le­va o atle­ta a ter re­sul­ta­dos, mas nes­te ano es­tou bem fo­ca­do em re­al­men­te trei­nar mi­nha par­te fí­si­ca, mes­mo em si­tu­a­ções em que, tal­vez al­guns anos atrás, eu fa­la­ria que não iria con­se­guir. Es­tou trei­nan­do com uma pes­soa no­va, o Carlos Ca­bral, pre­pa­ra­dor fí­si­co, e com o Da­ni­lo Cos­ta, ex-atle­ta de eli­te. Os dois tra­ba­lham jun­tos, por­tan­to es­tou com uma equi­pe bem en­tro­sa­da. O Da­ni­lo me co­nhe­ce me­lhor que to­do mun­do. Ele me ori­en­tou a vi­da in­tei­ra e vol­tou a me ajudar ago­ra, co­mo técnico. Tam­bém pro­cu­ro tra­ba­lhar mais es­sa par­te da res­pi­ra­ção. Nun­ca fa­lei is­so, mas te­nho um sé­rio pro­ble­ma de des­vio de sep­to. En­tão sem­pre acor­do can­sa­do e de­mo­ro mui­to pa­ra re­cu­pe­rar. Des­co­bri is­so há pou­co tem­po e fa­rei a ci­rur­gia no fim do ano. Mas, jun­tan­do es­se pro­ble­ma com a an­si­e­da­de, che­ga­va uma ho­ra em que eu nem res­pi­ra­va no meio da ba­te­ria. Tra­va­va tu­do e não pas­sa­va oxi­gê­nio... aca­ba­va que eu não con­se­guia ren­der. Te­nho fei­to com o Bru­no de Fran­ça, aqui em Na­tal, es­se tra­ba­lho de yo­ga, de res­pi­ra­ção, de men­ta­li­zar. A ga­le­ra ho­je em dia es­tá em um ní­vel bem pa­re­ci­do, por­tan­to são es­ses pe­que­nos de­ta­lhes que fa­rão o ca­ra se des­ta­car. E tu­do vem da res­pi­ra­ção. Apren­der a res­pi­rar cons­ci­en­te de que tem de fa­zer de tal for­ma, que es­tá ner­vo­so e pre­ci­sa tra­ba­lhar a res­pi­ra­ção pa­ra vol­tar ao seu es­ta­do nor­mal – is­so a yo­ga en­si­na mui­to. Não sou ne­nhum psi­co­pa­ta da yo­ga, fa­ço pouquís­si­mas ses­sões.

Mas só o fa­to de ter cons­ci­ên­cia de que te­nho de fa­zer is­so já vem me aju­dan­do bas­tan­te.

“EM MUI­TAS BA­TE­RI­AS NO WCT ACA­BEI ER­RAN­DO, CAIN­DO, TO­MAN­DO DE­CI­SÕES PRE­CI­PI­TA­DAS, POR­QUE NÃO ES­TA­VA CAL­MO, RESPIRANDO, CON­TRO­LA­DO.”

Hou­ve al­gu­ma si­tu­a­ção no CT em que is­so fez falta?

Não me lem­bro exa­ta­men­te de um mo­men­to, mas, sem dú­vi­da, mui­tas ba­te­ri­as no WCT em que aca­bei er­ran­do, cain­do, to­man­do de­ci­sões pre­ci­pi­ta­das foi por­que eu não es­ta­va cal­mo, respirando da ma­nei­ra cor­re­ta, con­tro­la­do. Por não es­tar bem, aca­bo to­man­do de­ci­sões er­ra­das. E com­pe­tin­do ali no Tour com os ca­ras... não se po­de er­rar. Te­nho bas­tan­te cons­ci­ên­cia dis­so e es­tou tra­ba­lhan­do for­te pa­ra vol­tar. Se Deus qui­ser, is­so vai fa­zer a di­fe­ren­ça.

Além da par­ce­ria com o Da­ni­lo Cos­ta, vo­cê re­a­li­za um tra­ba­lho du­ra­dou­ro com o Ri­car­do Mar­tins. Co­mo co­me­çou?

Foi há mais de 15 anos. Na épo­ca, eu ti­nha 12 anos e fa­lei pa­ra o Luiz Cam­pos “Pin­ga” que es­ta­va pre­ci­san­do de pran­cha, en­tão ele me pas­sou o te­le­fo­ne do Ri­car­do. Aí eu dis­se o que es­ta­va pre­ci­san­do, ele fez e, meu ir­mão, bi­zar­ro. Lem­bro que na pri­mei­ra on­da que pe­guei eu caí pa­ra trás, de tão rá­pi­da que a pran­cha era. Des­de en­tão, nun­ca mais pa­ra­mos de tra­ba­lhar jun­tos. O Ri­car­do é a prin­ci­pal pes­soa da mi­nha car­rei­ra. Já sur­fei com vá­ri­as pran­chas de ou­tros sha­pers, grin­gos e tu­do mais, mas, sem ex­ce­ção, em to­dos os even­tos que ga­nhei na mi­nha vi­da eu es­ta­va sur­fan­do de Ri­car­do Mar­tins. O WCT na Praia da Vi­la, os dois de Por­tu­gal, o Pri­me da Áfri­ca em Dur­ban. Na­que­le cam­pe­o­na­to em que fiz a fi­nal com o John John Flo­ren­ce, na Fran­ça, em 2014, ga­nhei to­das as ba­te­ri­as de Ri­car­do. Na se­mi­fi­nal con­tra o Jordy, lem­bro que ele pre­ci­sa­va de 16 pon­tos pa­ra vi­rar e já es­ta­va aca­ban­do a ba­te­ria. Fal­tan­do uns 20 se­gun­dos, eu pe­guei uma on­da e que­brei a pran­cha RM ao meio. A ou­tra que ti­nha pa­ra a fi­nal não era RM. Não con­se­gui nem fi­car em pé di­rei­to… O John John me es­cu­la­chou.

Co­mo é sua re­la­ção com o Ri­car­do?

Acho que fa­lo com o Ri­car­do mais do que com a mi­nha na­mo­ra­da. Pas­sa­mos o dia tro­can­do ideia, man­do as ima­gens das pran­chas, ví­de­os. Di­go o que acho dis­so, da­qui­lo, e ele sem­pre ten­ta ar­ru­mar. “Ri­car­do, es­tou in­do pa­ra tal even­to”, e ele já sa­be as pran­chas que tem de fa­zer, o que al­te­rar pa­ra de­ter­mi­na­da on­da. É im­por­tan­te es­sa co­mu­ni­ca­ção, es­se tra­ba­lho com o sha­per, e ele não é só o me­lhor do Bra­sil, mas um dos me­lho­res do mun­do. Um fenô­me­no mes­mo.

E o tra­ba­lho com o Da­ni­lo Cos­ta?

Ele é da­qui do Rio Gran­de do Nor­te, en­tão fi­ca tu­do mais fá­cil. Na re­a­li­da­de, o Da­ni­lo des­de ce­do foi meu técnico. Quan­do eu era pir­ra­lho, ele sem­pre me aju­da­va. Vi­a­jei mi­nhas pri­mei­ras eta­pas do QS com ele me aju­dan­do. Ago­ra vi­rou al­go pro­fis­si­o­nal. O tra­ba­lho é diá­rio. Va­mos pa­ra a praia trei­nar, ele vê o que acha que de­vo me­lho­rar, o que pos­so ex­plo­rar mais, o que de­vo se­gu­rar mais. To­do dia, quan­do es­tou em Na­tal, sur­fa­mos jun­tos, fa­ze­mos si­mu­la­ções de ba­te­ria. Um tra­ba­lho bem ba­ca­na mes­mo. A gen­te cai na cos­ta in­tei­ra, em to­dos os pi­cos aqui de Na­tal.

Ago­ra vo­cê vol­tou a mo­rar em Na­tal, mas pas­sou mui­to tem­po dis­tan­te da ci­da­de. Co­mo foi sua mu­dan­ça pa­ra São Pau­lo, em ter­mos de es­tru­tu­ra pa­ra um sur­fis­ta pro­fis­si­o­nal?

Na re­a­li­da­de, eu apren­di a sur­far em Na­tal, mas evo­luí meu surf em São Pau­lo, es­ta­do on­de fui mo­rar em 2003. Quan­do co­me­cei a tra­ba­lhar com o Pin­ga, ain­da fi­quei um ano e pou­co aqui em Na­tal, de­pois fui pa­ra o Gu­a­ru­já, es­tu­dar, sur­far, com­pe­tir. Do la­do pro­fis­si­o­nal, foi a me­lhor coi­sa que acon­te­ceu na mi­nha vi­da. Che­ga uma ho­ra em que vo­cê tem que pro­cu­rar me­lho­rar, evo­luir. No li­to­ral pau­lis­ta tem al­tas on­das, é ou­tra re­a­li­da­de com­pa­ra­do a Na­tal. Lá, ad­qui­ri a mi­nha res­pon­sa­bi­li­da­de, por­que aos 15 anos já ti­nha que fa­zer tu­do so­zi­nho – ir pa­ra a es­co­la, fa­zer meu ran­go, cui­dar da ca­sa. En­tão fa­lo que a mai­or evo­lu­ção que ti­ve na mi­nha vi­da até ho­je acon­te­ceu quan­do saí de Na­tal pa­ra mo­rar so­zi­nho em São Pau­lo. Mi­nha família nun­ca se me­teu mui­to nas mi­nhas de­ci­sões. Meus pais sem­pre con­fi­a­ram e acre­di­ta­ram mui­to em mim, en­tão apoi­a­ram mi­nha ida por­que sa­bi­am que era o cer­to a se fa­zer.

Nes­te ano, em que es­tá fo­ca­do no tí­tu­lo bra­si­lei­ro tam­bém, com que ce­ná­rio na­ci­o­nal vo­cê se de­pa­rou?

É a pri­mei­ra vez que par­ti­ci­po do Cir­cui­to Bra­si­lei­ro. É di­fí­cil de­mais, a tur­ma sur­fa mui­to. Não é à toa que os bra­si­lei­ros es­tão do­mi­nan­do o mun­do. Tem gen­te que vo­cê nun­ca ou­viu fa­lar o no­me, olha e se per­gun­ta: “Quem é es­se ca­ra que pos­sui ní­vel de ven­cer eta­pa do Mun­di­al?”. Sem dú­vi­das, is­so tem si­do mui­to po­si­ti­vo pa­ra mim, por­que es­tá me obri­gan­do a trei­nar ca­da vez mais, a ser ca­da vez mais pro­fis­si­o­nal, vi­ven­do um mo­men­to mui­to bom no surf.

Por que vo­cê es­ta­be­le­ceu co­mo fo­co ser cam­peão bra­si­lei­ro?

Ca­ra, aci­ma de tu­do, pa­ra com­pe­tir. Pra­ti­ca­men­te to­dos os ca­ras do Bra­sil no WCT ho­je tem o tí­tu­lo bra­si­lei­ro. Íta­lo, Adri­a­no… Eles ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par do Cir­cui­to Bra­si­lei­ro Pro­fis­si­o­nal. A ou­tra mo­le­ca­da que não pos­sui o tí­tu­lo nem opor­tu­ni­da­de te­ve, por­que, uma vez que vo­cê é WCT, não po­de par­ti­ci­par de cir­cui­to na­ci­o­nal e re­gi­o­nal. Quan­do fi­quei de fo­ra do Tour, no fim do ano pas­sa­do, já com­pa­rei os ca­len­dá­ri­os na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais pa­ra es­tu­dar e es­ta­be­le­cer mi­nhas me­tas. Quan­do vi que as

“UMA COI­SA EU GARANTO: TRA­BA­LHO DU­RO, FO­CO, FOR­ÇA DE VON­TA­DE E FO­ME DE VEN­CER NÃO FAL­TA­RÃO. NUN­CA ES­TI­VE TÃO FO­CA­DO NOS MEUS OB­JE­TI­VOS.”

eta­pas não iri­am ba­ter, de­fi­ni que os ob­je­ti­vos pa­ra a tem­po­ra­da se­ri­am vol­tar pa­ra a eli­te e ser cam­peão bra­si­lei­ro.

Com a vi­tó­ria no Ma­re­sia Pro, vo­cê te­ve a opor­tu­ni­da­de de dis­pu­tar o ISA Ga­mes no Ja­pão, mas abriu mão da va­ga, né?

Ti­ve que abrir mão da va­ga, por­que meu ob­je­ti­vo mai­or é vol­tar pa­ra o WCT. Eu fi­quei mui­to tris­te de não po­der ir pa­ra o Ja­pão. Já ti­ve que abrir mão do even­to das Mal­di­vas, que ro­lou es­ses di­as. Fui con­vi­da­do, mas não acei­tei por cau­sa do Cir­cui­to Bra­si­lei­ro, que é pri­o­ri­da­de pa­ra mim. Se eu fos­se pa­ra o Ja­pão, che­ga­ria um dia an­tes do pe­núl­ti­mo Pri­me do ano, em Por­tu­gal e com­pli­ca­ria mi­nha pri­o­ri­da­de má­xi­ma, de vol­tar pa­ra o Tour. Foi uma de­ci­são mui­to di­fí­cil pa­ra mim. Fa­lei com o pes­so­al da con­fe­de­ra­ção: “Ca­ra, dói fa­lar que não vou, só que nes­te mo­men­to é pre­ci­so fri­e­za e sa­ber o que é mais im­por­tan­te ago­ra”. O úni­co mo­ti­vo de não com­pe­tir o ISA se­ria se caís­se em uma da­ta des­sa. In­fe­liz­men­te, caiu. Da mes­ma for­ma que eu não fui com­pe­tir nas Mal­di­vas, com tu­do pa­go, com acom­pa­nhan­te e ga­nhan­do uma pu­ta gra­na no re­sort de surf mais lu­xu­o­so do mun­do. Mas, não, vol­tei pa­ra o Bra­sil pa­ra com­pe­tir por­que é mi­nha pri­o­ri­da­de.

Co­mo vo­cê en­ca­rou sua saí­da do Tour no ano pas­sa­do?

Nin­guém quer sair, né. Não tem co­mo fa­lar: “Ah, fi­quei de boa”. Mas al­guém tem que ro­dar pa­ra ou­tra pes­soa per­ma­ne­cer e ou­tros en­tra­rem… Foi a mi­nha vez. Fi­quei tris­te, por­que no ano pas­sa­do ti­ve uma das mi­nhas me­lho­res per­for­man­ces. Acho que nun­ca ti­nha sur­fa­do tão bem em qua­se uma dé­ca­da de WCT co­mo no ano pas­sa­do. Mas é mui­to di­fí­cil. Os ca­ras con­se­gui­ram sur­far me­lhor ain­da. Per­di vá­ri­as ba­te­ri­as por “ze­ro vír­gu­la” – con­tra o Mi­chel no Tai­ti, con­tra o Ko­lohe… No fim, foi a mi­nha vez, pa­ci­ên­cia. Só me res­ta bo­tar os pés no chão e ten­tar vol­tar.

No

QS, vo­cê te­rá pe­la fren­te du­as re­giões on­de tem ti­do su­ces­so: Eu­ro­pa e Hawaii. Co­mo tem pla­ne­ja­do es­sa re­ta fi­nal?

Mi­nha pre­pa­ra­ção con­ti­nua a mes­ma. Se­gui­rei fo­ca­do, com o ob­je­ti­vo de pas­sar o má­xi­mo de ba­te­ri­as pos­sí­veis nos pró­xi­mos even­tos. É cla­ro que ca­da even­to é uma on­da, uma re­a­li­da­de. Vo­cê faz os ajus­tes ne­ces­sá­ri­os e che­ga lá pa­ra ten­tar avan­çar ao má­xi­mo. To­dos os atle­tas que­rem se ga­ran­tir o quan­to an­tes. Eu, par­ti­cu­lar­men­te, mes­mo es­tan­do em 5º no ran­king (até o fim de agos­to) – te­o­ri­ca­men­te em 3º, por cau­sa dos tops Grif­fin Co­la­pin­to e do Ka­noa Iga­rashi –, não aca­bei o US Open com meu ob­je­ti­vo, que eram os 16 mil pon­tos. Mas is­so foi de­vi­do à cam­pa­nha que fiz em Bal­li­to, na Áfri­ca do Sul, on­de per­di de ca­ra. Só aca­ba­ria o US Open com a me­ta se ti­ves­se fei­to a fi­nal. Eu me sin­to in­co­mo­da­do com is­so, mas de uma for­ma po­si­ti­va. Foi por mui­to pou­co. Fi­quei só a uma ba­te­ria dis­so, en­tão vou pa­ra Por­tu­gal com o ob­je­ti­vo de ga­ran­tir os 18 mil pon­tos.

A no­va or­dem mun­di­al do surf tem mos­tra­do que o Bra­sil é ho­je a mai­or po­tên­cia. Vo­cê en­xer­ga des­sa ma­nei­ra? Is­so dá um gás a mais pa­ra vo­cê?

Is­so é ní­ti­do. É só ver o ran­king e o que os mo­le­ques es­tão fa­zen­do. O Bra­sil es­tá do­mi­nan­do a pa­ra­da. E nem fa­lo por mi­nha cau­sa, es­tou em ou­tra re­a­li­da­de ho­je. Di­go pe­lo que os mo­le­ques es­tão fa­zen­do: Fi­li­pe, Me­di­na, Íta­lo… Vê-los fa­zen­do es­sas coi­sas, ain­da mais sa­ben­do que um dia fui re­fe­rên­cia pa­ra eles… A tur­ma me cha­ma de ve­te­ra­no, mas sou de 1990, o Mi­guel é de 1992, Me­di­na de 1993. Só três anos mais no­vos que eu, não sou tão ve­lho as­sim. Eles me con­si­de­ram ve­te­ra­no por eu ter en­tra­do na pa­ra­da com 19 anos. Es­tou aí há qua­se uma dé­ca­da, mas sou no­vo, te­nho 28 anos. Que­ren­do ou não, ain­da fa­ço par­te des­se no­vo ci­clo que o Bra­sil vi­ve no surf e, par­ti­cu­lar­men­te, ain­da que­ro dar mui­ta ale­gria pa­ra a tur­ma e tam­bém al­can­çar meus ob­je­ti­vos pessoais.

Nes­te ano fo­ra do Tour, tem al­go que vo­cê sen­te mais falta?

Não vou men­tir, não. Es­tan­do no WCT, vo­cê faz mui­to mais di­nhei­ro. É ab­sur­da a di­fe­ren­ça. Sin­to mui­ta falta do Tour, por­que é on­de que­ro es­tar. Quan­do ro­lou a eta­pa de Teahupo’o, fi­quei com mui­ta sau­da­de, por­que sou apai­xo­na­do por aque­le lu­gar. Se pu­des­se, mo­ra­ria no Tai­ti, pe­la ener­gia da ilha, a on­da, o lu­gar, as pes­so­as. Te­nho uma co­ne­xão e um ca­ri­nho pe­las pes­so­as de lá, pe­la família Si­do­nie e Di­di­er, que nos hos­pe­da há um bom tem­po – eu, Me­di­na, Íta­lo, Mi­guel. Vo­cê po­de ti­rar es­sas con­clu­sões pe­los ví­de­os que os mo­le­ques pos­tam to­do dia. A ale­gria, a ener­gia de­les… Além de es­ta­rem jun­tos, o lu­gar é sen­sa­ci­o­nal. No Tour, não tem ti­me bra­si­lei­ro, é um es­por­te 100% in­di­vi­du­al. Nin­guém es­tá ali pa­ra jo­gar no mes­mo “ti­me”, e, sim, pa­ra ga­nhar do ou­tro, é a pu­ra ver­da­de. Mas, quan­do te­mos a opor­tu­ni­da­de de fi­car jun­tos, é ba­ca­na. Vo­cê se di­ver­te, brin­ca, se dis­trai. E a tur­ma sem­pre foi as­sim. Bo­tou a ly­cra, aca­bou tu­do. Mas a ga­le­ra é bem uni­da mes­mo, é le­gal de ver is­so. Mes­mo sen­do um es­por­te em que um quer “ar­ran­car a ca­be­ça do ou­tro”, a ga­le­ra se dá su­per­bem.

O que es­pe­rar de vo­cê pa­ra o ano que vem?

O que ja­mais pro­me­to são re­sul­ta­dos, por­que não de­pen­dem só da gen­te. Mas uma coi­sa eu garanto: tra­ba­lho du­ro, fo­co, for­ça de von­ta­de e fo­me de ven­cer – to­das as coi­sas que nos di­re­ci­o­nam pa­ra a vi­tó­ria – não fal­ta­rão da mi­nha par­te. Es­tou tra­ba­lhan­do co­mo nun­ca an­tes. Fa­lo is­so de bo­ca cheia, por­que, na mi­nha vi­da, nun­ca es­ti­ve tão fo­ca­do nos meus ob­je­ti­vos. Se Deus qui­ser, con­se­gui­rei vol­tar pa­ra o WCT e vou me de­di­car 1000% so­men­te no que me fa­rá al­can­çar meu mai­or ob­je­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.