POLAROIDS

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR CHLOÉ CALMON

Fa­zer par­te do processo de cons­tru­ção de uma pran­cha de surf é fun­da­men­tal pa­ra um surfista (di­go que qu­a­se man­da­tó­rio), e acom­pa­nhar de per­to o nas­ci­men­to de um no­vo ta­pe­te má­gi­co é de­mais.

Re­cen­te­men­te, fui con­vi­da­da pa­ra o Duct Ta­pe In­vi­ta­ti­o­nal, or­ga­ni­za­do pe­lo icô­ni­co Jo­el Tu­dor. É um even­to mun­di­al que reú­ne os 16 me­lho­res “log­gers” do mun­do – aque­les sur­fis­tas cu­jas pran­chas são logs (mo­no­qui­lhas clás­si­cas que lem­bram mo­de­los an­ti­gos). Foi uma gran­de sur­pre­sa, já que se­rei a pri­mei­ra bra­si­lei­ra a com­pe­tir nes­se even­to do­mi­na­do por ca­li­for­ni­a­nos e aus­tra­li­a­nos, além de nos úl­ti­mos anos me de­di­car ao surf pro­gres­si­vo de­vi­do ao Cir­cui­to Mun­di­al da WSL.

O que acon­te­ce no long­bo­ard é uma di­vi­são bem gran­de en­tre dois gru­pos: o clás­si­co e o per­for­man­ce. De um la­do, olhan­do pa­ra o pas­sa­do, os log­gers man­têm a tra­di­ção do surf clás­si­co – pran­cha pe­sa­da e de ape­nas uma qui­lha –, em que to­dos en­tram na água pa­ra se di­ver­tir, sem nem pas­sar pe­la ca­be­ça a dis­pu­ta de al­go. “It’s all about

ha­ving fun” é o man­tra de­les. Cada surfista com seu es­ti­lo al­ter­na­ti­vo e úni­co, mas to­dos usan­do um mo­de­lo de pran­cha mui­to pa­re­ci­do.

Do ou­tro la­do, olhan­do pa­ra o fu­tu­ro, os sur­fis­tas da ver­ten­te per­for­man­ce são atle­tas profissionais, e, gra­ças à evo­lu­ção do equi­pa­men­to e do es­por­te, vá­ri­as ma­no­bras ra­di­cais oriun­das da pran­chi­nha fa­zem par­te do re­per­tó­rio de um long­bo­ar­der pro­gres­si­vo. Pran­chas cada vez mais le­ves e mo­der­nas per­mi­tem que­brar bar­rei­ras no pran­chão, bus­can­do ino­va­ção e o mix dos dois es­ti­los co­mo o prin­ci­pal pon­to do jul­ga­men­to no Cir­cui­to Mun­di­al da WSL.

Mes­mo sen­do tu­do surf de long­bo­ard, há uma di­vi­são mui­to gran­de, em que vo­cê vê os pró­pri­os atle­tas se se­gre­gan­do e não se mis­tu­ran­do com o ou­tro gru­po. É uma pe­na, pois na mi­nha opi­nião e na de mui­ta gen­te não exis­te ró­tu­lo! Vo­cê sur­fa da maneira que mais te ape­te­cer. Pro­gres­si­vo ou clás­si­co...

E, di­fe­ren­te­men­te dos even­tos da WSL, em que não há re­gras pa­ra o equi­pa­men­to, no Duct Ta­pe há uma es­pe­ci­fi­ca­ção nas pran­chas que os atle­tas irão usar: uma log, mo­no­qui­lha – sem cai­xas de qui­lha la­te­rais, bor­das re­don­das 50/50 (sem ed­ge ne­nhum) – de po­liu­re­ta­no e pe­sa­da. Lo­go quando re­ce­bi o con­vi­te, li­guei pa­ra o meu sha­per Ne­co Car­bo­ne pa­ra con­tar a no­vi­da­de e dis­cu­tir sobre a pran­cha que iría­mos fa­zer pa­ra es­se even­to, já que eu não ti­nha na­da pa­re­ci­do no meu qui­ver atu­al.

O que é mais va­li­o­so na re­la­ção de surfista e sha­per é um sa­ber ou­vir o ou­tro e a tro­ca cons­tan­te de in­for­ma­ções. O Ne­co é de­mais por­que, mes­mo sen­do um dos sha­pers de long­bo­ard mais re­no­ma­dos e ex­pe­ri­en­tes do Brasil e com mais experiência, sem­pre es­cu­ta e pon­de­ra tu­do o que te­nho a di­zer e pres­ta aten­ção nas mi­nhas ne­ces­si­da­des. De­pois de um tem­po no te­le­fo­ne, fi­nal­men­te che­ga­mos ao mo­de­lo ide­al de pran­cha e des­li­ga­mos.

Ho­ra de fa­lar com o Ser­gio da Sil­va, à fren­te na fá­bri­ca New Ad­van­ce e que iria me aju­dar a de­ci­dir co­mo se­ria o vi­su­al da pran­cha. Eles es­ta­vam co­mi­go na Ca­li­fór­nia es­te ano e, de­pois de ob­ser­var to­dos os mo­de­los de long­bo­ard pos­sí­veis lá, de­ci­di­mos por um pig­men­to azul-ma­ri­nho bem clás­si­co e que com­bi­na to­tal­men­te com es­se es­ti­lo de pran­cha.

Es­ta se­ma­na fui na fá­bri­ca da New Ad­van­ce, que fica em São Vi­cen­te, pa­ra acom­pa­nhar de per­to as úl­ti­mas eta­pas da pran­cha. Eu sin­to mui­ta di­fe­ren­ça en­tre pe­gar uma pran­cha pron­ta pa­ra sur­far no ca­va­le­te e uma que es­tá aca­ban­do de nas­cer na sa­la em­po­ei­ra­da do sha­pe. Acho que ali mes­mo, an­tes de ela nas­cer, vo­cê já cria uma co­ne­xão for­te. Sin­to que es­sa par­te é sen­ti­men­tal por­que o ato de sur­far en­vol­ve sen­ti­men­to, al­ma e a co­ne­xão com a on­da, a pran­cha e vo­cê.

Foi mui­to le­gal tam­bém ver quan­tas pes­so­as par­ti­ci­pa­ram de al­gu­ma eta­pa do processo de nas­ci­men­to des­sa pran­cha. To­dos mui­to ani­ma­dos com o re­sul­ta­do final e an­si­o­sos pa­ra sa­ber co­mo ela fun­ci­o­na­ria na água: ago­ra en­tra­va a mi­nha par­te. Cada pes­soa ali, des­de quem trans­por­tou o blo­co pa­ra a sa­la de usi­na­gem até quem deu o úl­ti­mo po­li­men­to, dei­xou um pouco da sua ener­gia e um pouco de boa sor­te.

No mo­men­to em que se­gu­rei a pran­cha, sen­ti de ca­ra uma ener­gia mui­to boa. Sa­be aque­le pres­sen­ti­men­to “ca­ram­ba, es­ta pran­cha tem ma­gia”, an­tes mes­mo de colocar na água? Quando me lem­brei de tu­do o que eu ha­via ide­a­li­za­do, tu­do o que con­ver­sei com o Ne­co lá no iní­cio, to­das as pran­chas que ser­vi­ram de ins­pi­ra­ção pa­ra mim... e olhei pa­ra a log que ti­nha em mi­nhas mãos, vi que mi­nhas ex­pec­ta­ti­vas fo­ram su­pe­ra­das.

Saí da fá­bri­ca di­re­to pa­ra a praia, su­per­pi­lha­da pa­ra en­trar na água e tes­tar a pran­cha. In­fe­liz­men­te, o mar não co­la­bo­rou... um mar flat e um ven­to ma­ral mui­to for­te abor­ta­ram a ses­são, e eu ti­ve que me con­ten­tar em ape­nas pre­pa­rá-la, colocar os ade­si­vos e a pa­ra­fi­na e so­nhar com as pri­mei­ras on­das.

Já de vol­ta ao Rio, a ca­mi­nho da mi­nha ca­sa en­quan­to es­cre­vo es­ta co­lu­na, con­to os mi­nu­tos pa­ra colocar a pran­cha na água e apro­vei­tar a úl­ti­ma se­ma­na de trei­nos em ca­sa an­tes de par­tir pa­ra a Chi­na. A ilha de Hai­nan vai re­ce­ber os me­lho­res log­gers do pla­ne­ta pa­ra um even­to iné­di­to: pe­la pri­mei­ra vez na história com as du­as ca­te­go­ri­as – fe­mi­ni­no e mas­cu­li­no. Es­tou con­tan­do os di­as pa­ra vol­tar pa­ra a mi­nha se­gun­da ca­sa, a es­quer­da per­fei­ta de Riyue Bay.

O mais va­li­o­so na re­la­ção de surfista e sha­per é a tro­ca cons­tan­te de in­for­ma­ções. Re­no­ma­do sha­per, Ne­co Car­bo­ne sem­pre es­cu­ta e pon­de­ra tu­do o que te­nho a di­zer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.