MATA BARATA

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - POR IGOR ROICHMAN

Che­ga­mos à úl­ti­ma eta­pa do Cir­cui­to Mun­di­al de 2018. Foi uma tem­po­ra­da nun­ca an­tes vis­ta na história do país. Fo­ram oi­to vi­tó­ri­as em dez eta­pas, com 80% de apro­vei­ta­men­to ver­de e ama­re­lo. Há 66% de chan­ce de ter­mos nos­so ter­cei­ro tí­tu­lo mun­di­al. Nun­ca fi­ze­mos al­go pa­re­ci­do.

Bells já in­di­ca­va que o ano se­ria mui­to lou­co. Um go­ofy ga­nhou a eta­pa mais des­fa­vo­rá­vel de to­do o cir­cui­to. Íta­lo Fer­rei­ra abriu a por­tei­ra com um back­si­de in­crí­vel, apre­sen­tou um ní­vel mui­to aci­ma dos de­mais atle­tas e foi re­com­pen­sa­do com sua pri­mei­ra vi­tó­ria no WCT. As ar­bi­tra­gens po­lê­mi­cas tam­bém ti­ve­ram iní­cio na per­na aus­tra­li­a­na. Ya­go Do­ra so­freu uma das mais mal jul­ga­das ba­te­ri­as de to­da tem­po­ra­da. Mi­nha rai­va foi tan­ta que aca­bei in­do pa­ra o pron­to-so­cor­ro. Três dos cin­co juí­zes de­ram a vi­tó­ria pa­ra Ya­gui­nho na re­pes­ca­gem, mas a mé­dia final aca­bou sain­do um dé­ci­mo abai­xo do ne­ces­sá­rio. Em inú­me­ras ou­tras ba­te­ri­as acon­te­ce­ria es­sa mes­ma sa­ca­na­gem ao lon­go do ano. Tal­vez se­ja um pon­to em que o jul­ga­men­to de­va ser ajus­ta­do.

Con­ti­nu­an­do com as lou­cu­ras no cir­cui­to, ti­ve­mos a ter­cei­ra eta­pa can­ce­la­da de­vi­do a ata­ques de tu­ba­rão em prai­as pró­xi­mas a Mar­ga­ret Ri­ver. O cam­pe­o­na­to se de­sen­ro­lou ape­nas até o se­gun­do round e foi in­ter­rom­pi­do mes­mo com al­guns di­as ain­da na ja­ne­la. Em uma de­ci­são iné­di­ta, a WSL de­ci­diu ter­mi­nar a eta­pa pos­te­ri­or­men­te em Uluwa­tu. Já em Ke­ra­mas, mais uma vez o back­si­de do Íta­lo des­to­ou dos de­mais e o con­sa­grou rei de Ba­li.

Sa­qua­re­ma foi in­crí­vel. A me­lhor eta­pa do tour em re­la­ção à con­di­ção do mar. A Bar­ri­nha que­brou de ga­la, ti­ve­mos tu­bos ani­mais e mais uma vez Fi­li­pe To­le­do le­vou os ca­ri­o­cas à lou­cu­ra.

O cir­co em­bar­cou pa­ra a per­na ba­li­ne­sa. Após a se­gun­da vi­tó­ria do Íta­lo no ano, ti­ve­mos um cam­pe­o­na­to que, acre­di­to, emo­ci­o­nou a to­dos. Wil­li­an Car­do­so foi o gran­de cam­peão em Uluwa­tu – ele mos­trou pa­ra to­do mun­do co­mo a força de von­ta­de e a su­pe­ra­ção são fer­ra­men­tas fun­da­men­tais na car­rei­ra de qual­quer atle­ta e que, se vo­cê acre­di­tar, o re­sul­ta­do acon­te­ce.

Fi­li­pe To­le­do, mais uma vez, foi in­do­má­vel em J-Bay. Em um even­to mar­ca­do pe­lo iní­cio das trans­mis­sões ex­clu­si­vas no Fa­ce­bo­ok, Fi­li­pi­nho apli­cou um surf ve­loz e pre­ci­so, des­truin­do seus ad­ver­sá­ri­os e dis­pa­ran­do na li­de­ran­ça do ran­king. As con­di­ções pa­ra o Tai­ti es­ta­vam mui­to abai­xo do que nor­mal­men­te é es­pe­ra­do pa­ra es­se cam­pe­o­na­to. Em vez da­que­les 8 a 10 pés, Co­de Red, fe­chan­do o ca­nal, ti­ve­mos 3 a 5 pés com a maior par­te dos di­as me­xi­dos e sé­ri­es mui­to de­mo­ra­das. Gabriel Medina, se­guin­do o script, le­vou o ca­ne­co e deu iní­cio à per­se­gui­ção im­pla­cá­vel atrás do Fi­li­pi­nho.

A me­ni­na dos olhos ver­des, a eta­pa que de­ve­ria re­vo­lu­ci­o­nar o surf com­pe­ti­ti­vo, on­de a WSL co­lo­cou to­dos seus es­for­ços e es­pe­ran­ça du­ran­te to­do o ano, fi­nal­men­te acon­te­ceu. O Surf Ran­ch de­ve­ria ter si­do o mar­co na história do es­por­te, mas sin­ce­ra­men­te eu mal lem­bro des­sa eta­pa. A on­da era lon­ga e re­pe­ti­ti­va. Ela cris­ta­li­za as vir­tu­des e de­fei­tos de cada surfista. De­pois da dé­ci­ma ba­ti­da vo­cê já co­me­ça a re­pa­rar em cada ca­co­e­te dos atle­tas. O show fi­cou por con­ta de Fi­li­pe To­le­do e Gabriel Medina. Eles mos­tra­ram mais uma vez que em 2018 estão um ní­vel aci­ma de to­dos os ad­ver­sá­ri­os.

Fi­li­pi­nho apa­ren­tou ter sen­ti­do a pres­são pe­la cor­ri­da ao tí­tu­lo mun­di­al – a par­tir da­li seu ren­di­men­to co­me­çou a cair.

Ju­li­an Wil­son, que já ti­nha ven­ci­do a pri­mei­ra eta­pa do cir­cui­to na Gold Co­ast, bri­lhou no­va­men­te na Fran­ça. Ga­nhou do Medina na se­mi com um aé­reo de back­si­de mons­tru­o­so e co­lou na dis­pu­ta pe­la tem­po­ra­da. Nes­sa eta­pa o jul­ga­men­to pas­sou o sar­ra­fo e te­ve o jul­ga­men­to mais po­lê­mi­co de to­do o ano. Não me lem­bro de ter vis­to em ou­tro mo­men­to tan­tas ba­te­ri­as se­gui­das com no­tas to­tal­men­te ques­ti­o­ná­veis. To­mi­nhas, Íta­lo, Ya­go e Ian, em ba­te­ri­as pra­ti­ca­men­te se­gui­das, se sen­ti­ram pre­ju­di­ca­dos com o quadro de jul­ga­men­to.

Por­tu­gal de­fi­niu o pon­to em que es­ta­mos: Gabriel Medina ti­nha a chan­ce de ter si­do cam­peão an­te­ci­pa­da­men­te, po­rém aca­bou pa­ran­do na mu­ra­lha cha­ma­da Íta­lo Fer­rei­ra.

To­dos os ho­lo­fo­tes ago­ra irão pa­ra Pi­pe. O Brasil tem tu­do pa­ra em­pla­car seu ter­cei­ro tí­tu­lo mun­di­al. Gabriel tem uma van­ta­gem enor­me em re­la­ção aos seus ad­ver­sá­ri­os. Ju­li­an é o úni­co Pi­pe Mas­ter na cor­ri­da. E se há uma coi­sa que es­te ano nos mos­trou é que, de­pen­den­do das con­di­ções, tu­do po­de acon­te­cer. Ne­nhu­ma eta­pa da tem­po­ra­da ro­lou em con­di­ções perfeitas, e Fi­li­pi­nho não po­de ser des­car­ta­do. O Hawaii tem tu­do pa­ra ser o clí­max des­te lon­go cir­cui­to, vai ser emo­ci­o­nan­te até o úl­ti­mo mi­nu­to. O Brasil es­tá na sua me­lhor tem­po­ra­da da história, e temos tu­do pa­ra fe­char com cha­ve de ou­ro.

Gabriel tem uma van­ta­gem enor­me em re­la­ção aos seus ad­ver­sá­ri­os. Ju­li­an Wil­son é o úni­co Pi­pe Mas­ter na cor­ri­da, e se há uma coi­sa que es­te ano nos mos­trou é que, de­pen­den­do das con­di­ções, tu­do po­de acon­te­cer. O Hawaii tem tu­do pa­ra ser o clí­max des­te lon­go cir­cui­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.