IMPOSTO AVALANCHE

AS PREVISÕES ERAM DIFÍCEIS DE ACRE­DI­TAR. AS IMA­GENS DE SATÉLITE MOSTRAVAM CO­RES USUALMENTE ASSOCIADAS AO HAWAII, à NAZARé E A OU­TRAS REGIÕES TRADICIONALMENTE XXL. A IN­DO­NÉ­SIA ES­TA­VA MURMULHANDO ENTUSIASMO DE TIMOR A ACEH. PO­DE­RIA SER VER­DA­DE?

Hard Core (Brazil) - - ÍNDICE - TEXTO INTERPRETAÇÃO STEVE LEVINE FO­TOS CHICO MUNIZ

JORGE PACELLI, HAROLDO AMBRÓSIO, SAMPAIO, LEVINE, NOTO E TAPIA ENCARAM UM SWELL XXL EM ASU

Em Ba­li, mui­tos pla­nos es­ta­vam sen­do fei­tos, sur­fis­tas do mun­do in­tei­ro es­ta­vam or­ga­ni­zan­do su­as vi­a­gens, e no nor­te da Su­ma­tra, na pe­que­na ilha de Asu, a ga­le­ra do Puri Asu Re­sort já es­ta­va 90% pre­pa­ra­da e pra­ti­ca­va no pri­mei­ro gran­de swell da sé­rie de três que ha­via si­do pre­vis­ta. O se­gun­do é o que fi­ze­ra as pes­so­as se per­gun­ta­rem: “Se­rá que a In­do­né­sia po­de­ria re­al­men­te che­gar a que­brar tão gran­de?”.

Marcelo Noto, um dos do­nos do re­sort, li­gou pa­ra seu só­cio, Steve Levine, e dis­se pa­ra ele ir pa­ra o re­sort o mais rá­pi­do pos­sí­vel. Os ex­pe­ri­en­tes pi­lo­tos Jorge Pacelli e Haroldo Ambrósio já es­ta­vam lá; aque­le se­ria um swell his­tó­ri­co, e o Puri Asu Re­sort ti­nha a sor­te de con­tar com dois fai­xas pre­tas, ve­te­ra­nos de Jaws, Hawaii, pron­tos pa­ra o que qu­er que o Oce­a­no Ín­di­co lhes ofe­re­ces­se. Chico Muniz, fo­tó­gra­fo pro­fis­si­o­nal de São Paulo, tam­bém es­ta­va pron­to pa­ra do­cu­men­tar es­se dia his­tó­ri­co.

No dia an­te­ri­or ao swell, tan­ques fo­ram en­chi­dos, cor­das e co­le­tes, con­fe­ri­dos; ig­ni­ções, tro­ca­das; re­bo­ca­do­res, en­gan­cha­dos; e bar­cos, abas­te­ci­dos e pre­pa­ra­dos pa­ra par­tir. Os dois jet-skis es­ta­vam na água e ha­vi­am si­do amar­ra­dos às boi­as dos bar­cos na noi­te an­te­ri­or, por­que era ób­vio que, ca­so as previsões fos­sem ver­da­dei­ras, sair da praia se­ria mui­to di­fí­cil. Um pro­gra­ma de tow-in te­ve iní­cio no Puri Asu Re­sort qua­tro anos atrás, ins­pi­ra­do no Ma­re­si­as Crew. O swell es­pe­ra­do se­ria uma pro­va pa­ra mui­tos pi­lo­tos, sur­fis­tas, ca­pi­tães de bar­cos, equi­pa­men­tos e, aci­ma de tu­do, uma sa­tis­fa­ção do de­se­jo de sur­far a In­do­né­sia no seu es­ta­do maior e mais po­de­ro­so de to­dos os tempos.

4H00 – 25 DE JULHO DE 2018

Na es­cu­ri­dão, não se es­cu­ta­va ne­nhum ruí­do além do mar, nor­mal­men­te tran­qui­lo co­mo uma pis­ci­na na fren­te do Puri Asu Re­sort, cho­can­do-se con­tra a cos­ta. As ár­vo­res ain­da es­ta­vam qui­e­tas, não ha­via na­da de ven­to, um si­nal mui­to bom e dos mais im­por­tan­tes: de que aque­le se­ria o dia. O ca­fé da ma­nhã foi em si­lên­cio. Os hós­pe­des do re­sort ain­da dor­mi­am e ig­no­ra­vam a mis­são já em an­da­men­to (os con­vi­da­dos ti­nham sur­fa­do so­zi­nhos uma di­rei­ta se­cre­ta, a uma ho­ra de dis­tân­cia do ho­tel, com tu­bos es­cul­tu­rais e cris­ta­li­nos de 6 pés). De­pois do ca­fé da ma­nhã, fo­ram fei­tos os úl­ti­mos pre­pa­ra­ti­vos pes­so­ais. E es­pe­ra­mos as pri­mei­ras lu­zes do dia.

5H30 – 25 DE JULHO DE 2018

En­trar no bar­co não foi na­da fá­cil com a in­ten­sa on­du­la­ção ao re­dor do píer, às ve­zes pas­san­do por ci­ma de­le. Não ha­via ma­ré al­ta nem bai­xa, ape­nas um só­li­do su­bir e des­cer. Uma lan­cha e dois jet-skis par­tem em uma for­ma­ção bas­tan­te con­ci­sa. As­sim que che­ga­mos à baía pro­te­gi­da e pas­sa­mos pe­la es­qui­na da di­mi­nu­ta ilha de Asu, pu­de­mos ver o swell em to­da a sua fú­ria. A ro­ta nor­mal – que vai di­re­ta­men­te até a ilha de Bawa – e uma pos­sí­vel con­fe­ri­da em ou­tros pi­cos es­ta­vam fo­ra de ques­tão. To­das as ilhas vi­zi­nhas ti­nham só­li­dos anéis bran­cos ao re­dor de­las, es­ten­den­do-se até bem lon­ge de seus cen­tros ver­des, che­gan­do mui­to mais lon­ge do que ja­mais vis­to nos úl­ti­mos 20 anos. Água bran­ca. Água azul. Mui­ta, mui­ta água. Levine e seu as­sis­ten­te lo­cal de­ci­di­ram que a úni­ca apro­xi­ma­ção se­gu­ra até Bawa era por mar aber­to, evi­tan­do to­dos os ca­nais nor­mais e pos­sí­veis on­das que­bran­do sobre re­ci­fes pouco pro­fun­dos, o que adi­ci­o­na­va 45 mi­nu­tos à vi­a­gem que, nor­mal­men­te, du­ra­va meia ho­ra, mas, co­mo se­gu­ran­ça vem em pri­mei­ro lu­gar, nes­se mo­men­to não ha­via ou­tra op­ção.

7H00 – 25 DE JULHO DE 2018

Nos­so bar­co Anak Lai­ra con­tor­nou a par­te de trás de Bawa, e re­al­men­te só se via três co­res. Azul, bran­co e ver­de nos to­pos dos co­quei­ros. Po­si­ci­o­na­mos o bar­co na par­te mais pro­fun­da do ca­nal, per­to da on­da, e, pa­ra nos­sa sur­pre­sa, o fim do ca­nal, on­de nor­mal­men­te an­co­rá­va­mos com se­gu­ran­ça e re­la­xá­va­mos, A UMA DIS­TÂN­CIA DE 3 KM EN­TRE BAWA E A PRÓ­XI­MA ILHA... ES­TA­VA FECHADO !!!! Não po­de­ría­mos an­co­rar ho­je, não po­de­ría­mos des­li­gar os mo­to­res. O bar­co fi­ca­ria pa­ra­do e se adap­ta­ria a qual­quer mu­dan­ça no swell ou nos ven­tos. Não nos ar­ris­ca­ría­mos.

8H00 – 25 DE JULHO DE 2018

De­pois de ob­ser­var du­ran­te uma ho­ra, os blas­ters fai­xa pre­ta Pacelli e Ambrósio se­ri­am os pri­mei­ros, en­quan­to Noto e Levine fi­ca­ri­am ob­ser­van­do. Ambrósio co­lo­cou Pacelli na pri­mei­ra on­da da ses­são. É claro que o gu­ru Pacelli fez aqui­lo pa­re­cer ba­ba, mas em sua ter­cei­ra on­da Bawa co­brou seu imposto pa­drão com a pri­mei­ra avalanche do dia. Com um co­le­te de nor­mal a fi­no, Pacelli vol­tou ao bar­co e nos dis­se: “Tal­vez se­ja boa ideia usar dois co­le­tes ou os mais gros­sos que vo­cês ti­ve­rem”.

AMBRóSIO CO­LO­COU PACELLI NA PRI­MEI­RA ON­DA DA SES­SãO. PACELLI FEZ AQUI­LO PA­RE­CER BA­BA, MAS EM SUA TER­CEI­RA ON­DA BAWA CO­BROU SEU IMPOSTO. COM UM CO­LE­TE DE NOR­MAL A FI­NO, PACELLI VOL­TOU AO BAR­CO E NOS DIS­SE: “TAL­VEZ SE­JA BOA IDEIA USAR DOIS CO­LE­TES OU OS MAIS GROS­SOS QUE VO­CêS TI­VE­REM”.

Pacelli deu a cor­da pa­ra Ambrósio e pas­sou a pi­lo­tar o jet-ski e des­can­sar.

Ambrósio, que ti­nha es­ta­do fo­ra d’água de­vi­do a uma ci­rur­gia nas cos­tas, sol­tou a cor­da pa­ra pe­gar sua pri­mei­ra on­da de ta­ma­nho con­si­de­rá­vel em três anos. Não era o ti­po de on­da que a mai­o­ria das pes­so­as es­co­lhe­ria co­mo aque­ci­men­to pa­ra uma ses­são, mas, co­mo ha­via di­to an­tes, no oce­a­no es­ses ca­ras são fai­xa pre­ta e va­le tu­do, é a úni­ca coi­sa que eles co­nhe­cem. De­pois de bor­de­ar a bei­ra­da da avalanche, pro­vo­can­do a cor­ti­na de mi­lhões de to­ne­la­das de fú­ria da cris­ta, Ambrósio che­gou a sal­vo no ca­nal e uma for­te emo­ção o in­va­diu. Com 100% de sua con­fi­an­ça de vol­ta, Ambrósio en­ca­rou Bawa de fren­te, mas, co­mo o oce­a­no sem­pre ven­ce, Ambrósio aca­bou in­va­di­do pe­la avalanche; Pacelli faz o resgate e, co­mo acon­te­ceu com seu pre­de­ces­sor, era ho­ra de Ambrósio ir ao bar­co pa­ra uma tro­ca de po­si­ções e um des­can­so.

Noto e Levine ti­nham as­sis­ti­do à ação e ao cres­cen­te swell e di­zi­am um ao ou­tro que fos­se o pri­mei­ro. “Vo­cê faz cem ve­zes mais tow-ins que eu, vo­cê vai pri­mei­ro!”, Levine dis­se a Noto.

“Vo­cê sur­fa aqui há mui­to mais tem­po que eu!”, Noto res­pon­deu a Levine. Es­ta­va claro que ne­nhum dos dois que­ria ser o pri­mei­ro e que ne­nhum de­les su­bes­ti­ma­va o ta­ma­nho e a força do pi­co on­de nor­mal­men­te sur­fa­vam. Aque­le NÃO era um dia nor­mal. No fim das con­tas, Noto e Levine, os pro­pri­e­tá­ri­os do re­sort, sa­bi­am que ti­nham que en­trar, que aque­le dia po­dia nun­ca se re­pe­tir. Cris­ta­li­no, enor­me, per­fei­to. Noto co­lo­cou um co­le­te, de­pois ou­tro por ci­ma, e dis­se: “Es­tou den­tro!”. Levine sor­riu.

Noto sol­tou a cor­da na sua pri­mei­ra on­da e en­trou di­re­to den­tro de­la sem ter a me­nor ideia do ta­ma­nho da pa­re­de que se ele­va­va atrás de­le... In­ten­sa­men­te fo­ca­do e sem vi­são pe­ri­fé­ri­ca, ele su­biu, dro­pou e che­gou a sal­vo no ca­nal. Al­gu­mas on­das de­pois, sem ter que pa­gar o “imposto avalanche” a Bawa, Noto vol­tou ao bar­co e dis­se: “Ago­ra vo­cê, Levine!”. Com Pacelli di­ri­gin­do, Levine su­pli­cou: “Não que­ro uma bom­ba, que­ro uma on­da boa e lim­pa, por fa­vor Pacelli, não me co­lo­que atrás do pi­co”. Quando ele sol­tou a cor­da, a água es­ta­va li­sa co­mo óleo, uma li­nha reta até a ba­se, um back­si­de su­a­ve, cur­va na ba­se, e a ve­lo­ci­da­de o le­vou até o ca­nal. Co­mo so­li­ci­ta­do, ti­nha si­do uma on­da su­a­ve e lim­pa e, de­pois de che­gar a sal­vo no ca­nal, seu sor­ri­so gigante po­dia ser vis­to des­de o bar­co. A on­da se­guin­te foi maior, a maior on­da que ele já ha­via sur­fa­do – e no­va­men­te ele che­ga em se­gu­ran­ça ao ca­nal. Mais uma e, pa­ra Levine, já era ho­ra de vol­tar ao bar­co. Três on­das e ne­nhum imposto avalanche era o su­fi­ci­en­te por en­quan­to.

O re­ve­za­men­to con­ti­nu­ou: Pacelli, Ambrósio, Noto, on­da após on­da. Cris­ta­li­nas, enor­mes, li­sas e ocas. Tu­bos do ta­ma­nho de ca­sas. Mas nin­guém es­ta­va em su­as pro­fun­de­zas. Ha­via al­go mag­né­ti­co na bo­ca da ca­ver­na, nas som­bras da cris­ta, nin­guém que­ria ver o que ti­nha lá no fun­do da ca­ver­na. Não va­lia a pe­na cor­rer o ris­co.

Não há hos­pi­tal. Não há guar­da-cos­tei­ra. Não há he­li­cóp­te­ro. O Puri Asu Re­sort pos­sui três bar­cos com rá­di­os e equi­pa­men­tos de pri­mei­ros so­cor­ros. No en­tan­to, com o ta­ma­nho da­que­le swell, com certeza o por­to de Ni­as es­ta­ria in­tran­si­tá­vel. Se­gu­ran­ça em pri­mei­ro lu­gar. Na­da de tu­bos ho­je.

Mas os li­mi­tes fo­ram tes­ta­dos mais e mais, e hou­ve al­guns res­ga­tes em águas bran­cas. Gol­pes fe­ro­zes e cal­dos. Du­as ve­zes, jet-ski, pi­lo­to e surfista qu­a­se fo­ram en­go­li­dos pe­la avalanche de Bawa. O tem­po voa e, an­tes de que nos dés­se­mos con­ta, o sol es­ta­va se pon­do.

Levine, que es­ta­va ca­pi­ta­ne­an­do o bar­co, per­gun­tou pa­ra seu as­sis­ten­te, um pes­ca­dor de Bawa, se era me­lhor eles se apres­sas­sem pa­ra par­tir. O pes­ca­dor, aos seus 32 anos, nun­ca ti­nha vis­to ou es­cu­ta­do fa­lar de ne­nhu­ma oca­sião em que o ca­nal en­tre Bawa e a pró­xi­ma ilha ha­via fechado. O fo­tó­gra­fo pro­fis­si­o­nal Chico Muniz já ti­nha cli­ca­do seis mil ima­gens ao lon­go das úl­ti­mas no­ve ho­ras, e a de­ci­são de par­tir es­ta­va to­ma­da. E es­tá­va­mos a sal­vo, to­dos tí­nha­mos sur­fa­do, cada um à sua maneira, on­das gi­gan­tes, on­das his­tó­ri­cas. Era ho­ra de pe­gar o bar­co e vol­tar ao Puri Asu Re­sort an­tes de anoi­te­cer. O GPS e o so­nar não mos­tram on­das que­bran­do no meio do oce­a­no. Na­ve­gar pe­la ro­ta que co­nhe­cía­mos de cor no es­cu­ro não era uma op­ção atra­en­te. Vol­ta­mos pa­ra ca­sa.

Quando os bar­cos já es­ta­vam an­co­ra­dos, os jet-skis, pre­sos, e a ga­le­ra co­me­çou a abrir cer­ve­jas Bin­tang ge­la­das, nós nos de­mos con­ta de que aque­la po­de­ria ter si­do a maior e me­lhor ses­são da­que­le swell.

De­pois do jan­tar, quando vi­mos as fo­tos de Chico Muniz, já éra­mos ca­pa­zes até mes­mo de apos­tar que aque­la ha­via si­do, sem dú­vi­da, a me­lhor ses­são.

Fo­to: BRIAN BLANK

CAPA: Vic­tor Ber­nar­do “Is­la de bú­fa­los”, In­do­né­sia

NA FO­TOO pa­tri­ar­ca do clã dos Pacelli, Jorge encara o pe­so de um dos mai­o­res swells já vis­tos na In­do­né­sia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.