Re­vis­ta Ho­téis re­a­li­zou com su­ces­so Fó­rum so­bre Aces­si­bi­li­da­de na Ho­te­la­ria

Even­to es­cla­re­ceu dú­vi­das a res­pei­to do no­vo De­cre­to-Lei nº 9.296/2018 so­bre a LBI (Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são) e de­ba­teu gar­ga­los ine­ren­tes ao te­ma

Hotéis - - Aconteceu -

Pa­ra es­cla­re­cer os va­ri­a­dos pon­tos que en­vol­vem aces­si­bi­li­da­de nos ho­téis, que vão des­de a le­gis­la­ção até a ade­qua­ção de pro­je­tos, a Re­vis­ta Ho­téis pro­mo­veu no úl­ti­mo dia 21 de agos­to, no ho­tel No­bi­le Pau­lis­ta Pri­me, em São Pau­lo, o Fó­rum Prá­ti­ca da Aces­si­bi­li­da­de na Ho­te­la­ria, com cin­co pa­les­tras es­pe­cí­fi­cas. Ca­da uma de­las foi ba­se­a­da no no­vo De­cre­to Fe­de­ral que re­gu­la­men­ta a ade­qua­ção de Aces­si­bi­li­da­de nas edi­fi­ca­ções vol­ta­das pa­ra ho­téis, pou­sa­das e de­mais es­ta­be­le­ci­men­tos de hos­pe­da­gem.

O ob­je­ti­vo do even­to foi pro­ver in­for­ma­ções so­bre a Aces­si­bi­li­da­de na Ho­te­la­ria, as­si­mi­lan­do ca­mi­nhos e pro­du­tos que o mer­ca­do ofe­re­ce pa­ra atin­gir pa­drões de aten­di­men­to aces­sí­vel e as­sim, aten­der a le­gis­la­ção vi­gen­te. O Fó­rum foi des­ti­na­do a pro­fis­si­o­nais ho­te­lei­ros ligados à área de en­ge­nha­ria, ar­qui­te­tu­ra, ma­nu­ten­ção, ges­to­res, im­plan­ta­do­res, com­pra­do­res, con­sul­to­res, en­tre ou­tros.

O even­to pro­mo­veu a apre­sen­ta­ção de pro­du­tos e ser­vi­ços pa­ra aten­der ao De­cre­to Fe­de­ral 9.296 san­ci­o­na­do pe­lo Pre­si­den­te Mi­chel Te-

mer no dia 1º de mar­ço des­te ano. No úl­ti­mo dia 11 de ju­nho, foi edi­ta­do o De­cre­to nº 9.405/2018 que re­gu­la­men­ta o Ar­ti­go 122 da Lei nº 13.146, de 2015, e tam­bém o Art. 5º do De­cre­to Fe­de­ral de nº 9.296/2018, tra­zen­do mais es­pe­ci­fi­ci­da­des pa­ra os ho­téis se ade­qua­rem.

Pa­ra o Di­re­tor edi­to­ri­al da Re­vis­ta Ho­téis, Ed­gar J. Oli­vei­ra, es­se Fó­rum trou­xe à to­na a ve­lha dis­cus­são so­bre a aces­si­bi­li­da­de que ago­ra tem am­pa­ro num De­cre­to Lei, e o ho­tel que não se en­qua­drar so­fre­rá pe­sa­das mul­tas e po­de­rá ser até mes­mo fe­cha­do. “Foi um dia bas­tan­te pro­vei­to­so com pa­les­tras de re­no­ma­dos pro­fis­si­o­nais que atu­am no seg­men­to. Ti­ve­mos quase 100 ins­cri­ções de pro­fis­si­o­nais de vá­ri­as par­tes do Bra­sil, ca­pa­ci­da­de má­xi­ma da sa­la, o que de­mons­tra o in­te­res­se nes­sa ques­tão. O su­ces­so des­se even­to, que te­ve o pa­drão de qua­li­da­de by Re­vis­ta Ho­téis, se de­ve aos nos­sos pa­tro­ci­na­do­res que con­fi­a­ram e acre­di­ta­ram. Em bre­ve te­re­mos ou­tros fó­runs pa­ra debater as­sun­tos de in­te­res­ses do se­tor”, adi­an­tou Oli­vei­ra.

Gra­de de pa­les­tras

Pa­ra ex­pli­car as mu­dan­ças e apre­sen­tar as apli­ca­ções da lei na prá­ti­ca, o ad­vo­ga­do e Pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to apli­ca­do à Ho­te­la­ria e ao Tu­ris­mo na OAB/SP, Mu­ril­lo Akio Ara­ka­ki fa­lou so­bre re­gras de aces­si­bi­li­da­de no se­tor, tra­ta­men­tos le­gais pa­ra mé­di­as e pe­que­nas em­pre­sas e sis­te­má­ti­cas pa­ra apli­ca­ção da le­gis­la­ção. Ele des­ta­cou a im­por­tân­cia do con­cei­to de de­se­nho uni­ver­sal pa­ra pro­du­tos, am­bi­en­tes e ser­vi­ços no que tan­ge a aces­si­bi­li­da­de. Na ho­te­la­ria, a LBI (Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são) re­gu­la­men­ta es­ta apli­ca­ção, e uma sé­rie de no­vas so­lu­ções com­põem o de­se­nho uni­ver­sal. “Ele é des­ti­na­do a pes­so­as com to­do ti­po de de­fi­ci­ên­cia, se­ja fí­si­ca, sen­so­ri­al, in­te­lec­tu­al ou men­tal. En­vol­ve áre­as co­muns ou pri­va­ti­vas (con­for­me ane­xos do De­cre­to nª 926/2018). É aí que nasce o im­bró­glio: co­mo vou adap­tar meu ho­tel pa­ra re­ce­ber es­sas pes­so­as?”, pon­tu­ou Ara­ka­ki.

O ad­vo­ga­do co­men­tou que as re­gu­la­men­ta­ções ain­da de­man­dam interpretação ju­rí­di­ca de­pen­den­do da lo­ca­li­da­de. “Os mu­ni­cí­pi­os se­guem a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral e Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são, mas só po­dem com­ple­men­tar as nor­mas fe­de­rais ou tra­tar so­bre in­te­res­se lo­cal. Por is­so, é pre­ci­so fi­car aten­to pa­ra que não ha­ja abuso da lei. As nor­mas da ABNT são im­por­tan­tes pa­ra o pro­ces­so de adap­ta­ção, mas não po­dem pre­ver um per­cen­tu­al di­fe­ren­te do que es­tá na lei”, aler­tou.

Ca­se de aces­si­bi­li­da­de

Apre­sen­tan­do um ca­se de ho­tel ur­ba­no aces­sí­vel, Jú­lio Cé­sar Mo­ras­si, Di­re­tor de en­ge­nha­ria da

In­ter­na­ti­o­nal – Re­nais­san­ce São Pau­lo Ho­tel trou­xe ao fó­rum o pro­ces­so de adap­ta­ção do em­pre­en­di­men­to pau­lis­ta­no, des­ta­can­do a im­por­tân­cia de re­a­li­zar as obras com a uni­da­de em operação sem in­co­mo­dar os hós­pe­des. Se­gun­do ele, pa­ra que is­so fos­se pos­sí­vel, to­dos os mem­bros da equi­pe do ho­tel pre­ci­sa­vam es­tar em si­ner­gia. Fo­ram in­ves­ti­dos R$ 2,25 mi­lhões pa­ra re­for­ma com­ple­ta do ho­tel, que ho­je pos­sui 22 apar­ta­men­tos adap­ta­dos”, dis­se Mo­ras­si.

No Re­nais­san­ce, pi­sos de ma­dei­ra fo­ram tro­ca­dos por pi­so frio; a por­ta te­ve sua aber­tu­ra in­ver­ti­da pa­ra fo­ra; fo­ram ins­ta­la­das por­tas de cor­rer; ban­ca­das de ma­dei­ra; bar­ras de aces­so; a ba­nhei­ra foi re­mo­vi­da e fo­ram in­se­ri­dos du­as du­chas pa­ra me­lhor apro­vei­ta­men­to do es­pa­ço e conforto de to­dos os hós­pe­des – de­fi­ci­en­tes ou não.

In­ter­net das Coi­sas

Na par­te da tar­de, o es­pe­ci­a­lis­ta em sis­te­mas de tec­no­lo­gia de da­dos e Só­cio-di­re­tor da Va­gon En­ge­nha­ria, Nil­ton Va­len­te, mi­nis­trou a pa­les­tra “In­ter­net das Coi­sas/ LoRa na Ho­te­la­ria”.

LoRa é a di­mi­nui­ção da pa­la­vra Long Ran­ge, que sig­ni­fi­ca lon­go al­can­ce em português. A In­ter­net das Coi­sas – IoT per­mi­te que se te­nham dis­po­si­ti­vos co­nec­ta­dos à nu­vem, ou se­ja, que pos­si­bi­li­tem a co­mu­ni­ca­ção sem in­ter­ven­ção hu­ma­na. Es­ta tec­no­lo­gia con­tri­bui pa­ra a Big Da­ta, de on­de se re­ti­ram in­for­ma­ções pa­ra to­ma­da de de­ci­sões, com da­dos tra­ta­dos di­re­ta­men­te na nu­vem.

Si­na­li­za­ção

A si­na­li­za­ção é im­pres­cin­dí­vel pa­ra a mo­bi­li­da­de hu­ma­na. No tu­ris­mo e na ho­te­la­ria, ela é ain­da mais im­por­tan­te, con­si­de­ran­do que to­do ti­po de pes­so­as pre­ci­sam de in­for­ma­ções de en­tra­da, saí­da, aju­da, ro­tas e ou­tras cen­te­nas de ne­ces­si­da­des. Pa­ra se apro­fun­dar nes­te te­ma, Fre­de­ri­co Vi­e­big, Di­re­tor Ge­ral da Ar­co Si­na­li­za­ção Am­bi­en­tal apre­senMar­ri­ott

tou no fó­rum os prin­ci­pais as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos à si­na­li­za­ção e no­vas so­lu­ções pa­ra o se­tor.

A Nor­ma de Si­na­li­za­ção bra­si­lei­ra vi­gen­te é com­pa­tí­vel com a ISO (Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal de Pa­dro­ni­za­ção), e tem classificações pa­ra ca­da ti­po, se­ja so­no­ra, vi­su­al ou tá­til. “Ho­je, a in­for­ma­ção po­de ser apre­sen­ta­da co­mo vi­su­al e au­di­ti­va, não pre­ci­sa mais ser vi­su­al e tá­til. Es­ca­das e de­graus tam­bém de­vem le­var si­na­li­za­ção; áre­as de res­ga­te e es­ta­ci­o­na­men­to de­vem ser bem si­na­li­za­das, as­sim co­mo os sa­ni­tá­ri­os”, des­ta­cou o es­pe­ci­a­lis­ta.

Ela­bo­ra­ção do pro­je­to ar­qui­tetô­ni­co aces­sí­vel

Pa­ra en­cer­rar a pro­gra­ma­ção do fó­rum, Ta­li­ta San­per, ar­qui­te­ta res­pon­sá­vel pe­lo es­cri­tó­rio TS Ar­qui­te­tu­ra, com dez anos de ex­pe­ri­ên­cia em pro-

je­tos e ge­ren­ci­a­men­to de obra, fa­lou so­bre o pro­je­to que o es­cri­tó­rio re­a­li­zou pa­ra uma das uni­da­des da re­de Blue Tree, no qual apli­cou va­ri­a­das al­ter­na­ti­vas de aces­si­bi­li­da­de.

Fo­ram fei­tas mo­di­fi­ca­ções nos pi­sos, pa­re­des e es­tru­tu­ra dos apar­ta­men­tos e o aces­so de por­ta com aber­tu­ra pa­ra fo­ra tam­bém foi uma ca­rac­te­rís­ti­ca re­a­li­za­da pa­ra aten­der a nor­ma dis­pos­ta na lei. Nos ba­nhei­ros, o es­cri­tó­rio im­plan­tou uma cu­ba di­fe­ren­ci­a­da com al­tu­ra pa­drão, tra­ba­lhan­do a ques­tão ar­qui­tetô­ni­ca e com design bo­ni­to no aca­ba­men­to. “Em quar­tos aces­sí­veis, é im­por­tan­te que as cor­ti­nas te­nham aber­tu­ra au­to­má­ti­ca, o que de­man­da a im­plan­ta­ção de ele­tri­ci­da­de nes­ta par­te. A ar­qui­te­tu­ra es­tá tra­ba­lhan­do for­te no re­tro­fit pa­ra adap­tar o ho­tel com bai­xo cus­to. Ade­quan­do o design, ti­ra­mos a apa­rên­cia de am­bi­en­te hos­pi­ta­lar”, co­men­tou San­per.

Re­sul­ta­dos po­si­ti­vos

O pro­fis­si­o­nal de aces­si­bi­li­da­de e in­clu­são no la­zer e tu­ris­mo, com es­pe­ci­a­li­da­de em pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, Ri­car­do Shi­mo­sa­kai é ca­dei­ran­te e es­te­ve pre­sen­te co­mo par­ti­ci­pan­te des­ta­can­do pon­tos com pro­pri­e­da­de du­ran­te as pa­les­tras. “Foi mui­to bom ver pes­so­as bus­can­do in­for­ma­ção so­bre o as­sun­to” des­ta­ca Ri­car­do. Ele acres­cen­ta que no ra­mo ho­te­lei­ro ain­da exis­te a ne­ces­si­da­de de en­con­trar pro­fis­si­o­nais que en­ten­dam e im­ple­men­tem equi­pa­men­tos, aten­di­men­to e sai­bam pro­je­tar a par­te ar­qui­tetô­ni­ca de for­ma cor­re­ta.

Fa­bi­a­na Zi­chia, Ad­mi­nis­tra­do­ra Mul­ti­mar­cas do Atlan­ti­ca Ho­tels, de São Pau­lo (SP), co­men­tou que “a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tros pro­fis­si­o­nais do mer­ca­do de ho­te­la­ria é sem­pre im­por­tan­te pa­ra am­pli­ar nos­sos ho­ri­zon­tes. Pa­ra mim, con­si­de­ran­do o pou­co tem­po, o con­teú­do do Fó­rum foi mui­to bem or­ga­ni­za­do e de­sen­vol­vi­do pe­los pro­fis­si­o­nais”. Já Mar­ce­lo Oli­vei­ra, Di­re­tor da con­sul­to­ria Ges­tur Ho­tel, de Be­lo Ho­ri­zon­te (MG) le­va­rá o co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do nas pa­les­tras pa­ra seus cli­en­tes, pri­o­ri­ta­ri­a­men­te ho­te­lei­ros in­de­pen­den­tes. “Por ser um as­sun­to no­vo, é fun­da­men­tal ter a re­a­li­za­ção des­ses fó­runs e dis­cus­sões pa­ra que pos­sa­mos ti­rar nos­sas dú­vi­das com pa­les­tran­tes e de­mais pes­so­as que es­ta­vam par­ti­ci­pan­do do even­to que con­se­gui­ram ex­pla­nar em re­la­ção a no­va lei. Foi uma opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer um pou­co mais so­bre o no­vo de­cre­to de aces­si­bi­li­da­de pa­ra re­pas­sar pa­ra os em­pre­en­di­men­tos. Po­de­re­mos mos­trar quais as me­lho­res ma­nei­ras de apli­car tu­do is­so e pa­ra aten­der es­te pú­bli­co. Nem to­dos os ho­te­lei­ros têm co­nhe­ci­men­to das leis, en­tão nos­so tra­ba­lho é trans­for­mar o ca­mi­nho de­les o en­ten­di­men­to de uma for­ma mais tran­qui­la do que, co­mo e qu­an­do fa­zer”.

Mais de 100 ge­ren­tes, di­re­to­res e con­sul­to­res par­ti­ci­pa­ram do even­to no No­bi­le Pau­lis­ta Pri­me

À es­quer­da, Ju­lio Cé­sar Mo­ras­si la­de­a­do por Mu­ril­lo Ara­ka­ki – os pri­mei­ros pa­les­tran­tes do Fó­rum

Fre­de­ri­co Vi­e­big, Di­re­tor ge­ral da Ar­co Si­na­li­za­ção Am­bi­en­tal

Ta­li­ta San­per, res­pon­sá­vel pe­lo es­cri­tó­rio TS Ar­qui­te­tu­ra

Ri­car­do Shi­mo­sa­kai: “Foi mui­to bom ver pes­so­as bus­can­do in­for­ma­ção so­bre o as­sun­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.