Ro­ber­to Rot­ter

Hotéis - - Contents -

O atu­al CEO da re­de Pla­za de Ho­téis e Re­sorts, Ro­ber­to Rot­ter, tem uma ba­ga­gem pro­fis­si­o­nal gran­de no seg­men­to ho­te­lei­ro. Ele acei­tou em 2015 o de­sa­fio de co­man­dar a re­de Pla­za de Ho­téis & Re­sorts e ini­ci­ou sua jor­na­da bus­can­do mai­or de­sem­pe­nho e re­sul­ta­dos po­si­ti­vos pa­ra a re­de que pos­suía uma ges­tão fa­mi­li­ar e aca­ba de com­ple­tar 60 anos de ati­vi­da­des. O pro­fis­si­o­nal, que já es­te­ve an­te­ri­or­men­te na re­de de ho­téis Vi­la Ri­ca e Pes­ta­na, pla­ne­jou des­de o prin­cí­pio me­lho­rar a ges­tão, ca­pa­ci­tan­do e ori­en­tan­do os co­la­bo­ra­do­res pa­ra ob­ter cres­ci­men­to.

Rot­ter des­ta­ca que o gru­po pos­suía qua­tro ho­téis pró­pri­os e um por ces­são de mar­ca, e que, atu­al­men­te, cres­ce­ram até 11 pro­pri­e­da­des e estão com se­te pró­pri­os, ad­mi­nis­tra­dos e ces­são de mar­ca. Além dis­so, fo­ram in­ves­ti­dos nos úl­ti­mos anos quase R$1.5 mi­lhão em tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção, per­mi­tin­do uma mai­or in­te­ra­ção com os cli­en­tes. Pa­ra o mo­men­to atu­al o CEO co­men­ta: “Meu olhar é de cau­te­la, não ve­jo gran­des mo­vi­men­tos. Es­ta­mos amar­gan­do que­da de ocu­pa­ção e diá­ria mé­dia nos úl­ti­mos anos”. Con­fi­ra nes­sa en­tre­vis­ta exclusiva.

Re­vis­ta Ho­téis - An­tes de che­gar à re­de Pla­za de Ho­téis & Re­sorts vo­cê tra­ba­lhou na re­de de ho­téis Vi­la Ri­ca e Pes­ta­na, sen­do uma re­de atu­an­te na­ci­o­nal e ou­tra in­ter­na­ci­o­nal, mas am­bas em co­mum são em­pre­sas fa­mi­li­a­res. O que trou­xe de le­ga­do des­sas re­des pa­ra uma re­de tam­bém fa­mi­li­ar que é a Pla­za? E co­mo foi a adap­ta­ção e im­plan­ta­ção na ges­tão pro­fis­si­o­nal de uma re­de fa­mi­li­ar?

Ro­ber­to Rot­ter - De fa­to, to­das as em­pre­sas ci­ta­das são de ori­gem fa­mi­li­ar, mas, ca­da uma de­las com ca­rac­te­rís­ti­cas dis­tin­tas. Em qual­quer em­pre­sa fa­mi­li­ar, de qual­quer ra­mo, que não es­te­ja pre­pa­ra­da pa­ra pro­ces­so de su­ces­são, é sem­pre mais di­fí­cil con­ven­cer aci­o­nis­tas, mem­bros da fa­mí­lia, muitas ve­zes não fa­mi­li­a­ri­za­dos com o ne­gó­cio, de­mons­trar as ne­ces­si­da­des, di­vi­dir o pro­fis­si­o­nal do pes­so­al. To­dos es­ses de­sa­fi­os que re­que­rem fo­co, ori­en­ta­ção e, so­bre­tu­do, tem­po.

O Pes­ta­na tem a sua ori­gem no pai do atu­al chair­man, po­rém, sou­be se pro­fis­si­o­na­li­zar des­de o iní­cio. Is­so foi e é im­por­tan­te pa­ra dar con­sis­tên­cia e ade­quar às em­pre­sas si­mi­la­res não fa­mi­li­a­res, jun­te-se a is­so, o Pes­ta­na é uma em­pre­sa in­ter­na­ci­o­na­li­za­da, com pre­sen­ça em vá­ri­os paí­ses.

No ca­so do Vi­la Ri­ca, foi uma pas­sa­gem mui­to rá­pi­da. O ob­je­ti­vo era bus­car pro­fis­si­o­na­li­za­ção e cres­ci­men­to atra­vés do mer­ca­do, en­tre­tan­to, não foi pos­sí­vel dar es­sa con­ti­nui­da­de.

Já na Re­de Pla­za de Ho­téis, meu iní­cio se deu co­mo con­sul­tor, con­vi­da­do pa­ra ava­li­ar e co­mo re­po­si­ci­o­nar a em­pre­sa, im­ple­men­tar RM e, pos­te­ri­or­men­te, con­vi­da­do a fa­zer par­te do seu cor­po di­re­ti­vo, com fo­co na di­ver­si­fi­ca­ção e pro­fis­si­o­na­li­za­ção, uti­li­zan­do o for­te no­me que a em­pre­sa de­tém no Sul do País.

R.H - Quais as me­tas que es­ta­be­le­ceu no co­man­do da re­de Pla­za, os ob­je­ti­vos já al­can­ça­dos e o que pre­ten­de ain­da con­se­guir?

R.R - No iní­cio, a me­ta era cri­ar cons­ci­ên­cia in­ter­na das mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as e co­lo­car a Re­de com os pro­ces­sos e fer­ra­men­tas mí­ni­mas pa­ra po­der cres­cer, me­lho­rar a ges­tão, ca­pa­ci­tar e ori­en­tar os co­la­bo­ra­do­res pa­ra bus­car

“Nes­te mo­men­to, es­ta­mos fi­na­li­zan­do um no­vo por­tal/si­te que aten­de­rá 100% dos dis­po­si­ti­vos mó­veis”

cres­ci­men­to na mo­da­li­da­de as­set light – com pou­co ca­pi­tal, fo­can­do on­de po­de­ría­mos ter mai­or re­tor­no, uti­li­zan­do a ex­per­ti­se, ter­cei­ri­zan­do alguns ser­vi­ços e bus­can­do me­lho­res par­cei­ros nas áre­as afins.

R.H - A re­de Pla­za com­ple­tou 60 anos de ati­vi­da­des no mer­ca­do no úl­ti­mo mês de agos­to. Co­mo es­tá po­si­ci­o­na­da ho­je no mer­ca­do e quais os pla­nos de cres­ci­men­to pa­ra os pró­xi­mos anos?

R.R - Nes­se pe­río­do, ex­pe­ri­men­ta­mos vá­ri­os mo­de­los que po­de­ri­am aju­dar no de­sen­vol­vi­men­to e cres­ci­men­to da em­pre­sa.

Tí­nha­mos qua­tro ho­téis pró­pri­os e um por ces­são de mar­ca, cres­ce­mos até 11 pro­pri­e­da­des, e ho­je es­ta­mos com se­te pró­pri­os, ad­mi­nis­tra­dos e ces­são de mar­ca. Já te­mos pro­je­tos fe­cha­dos pa­ra Ben­to Gonçalves, na Ser­ra gaú­cha, com 211 ap­tos e Cen­tro de Con­ven­ções pa­ra 1500pax, pro­je­tos em Ca­ne­la – RS, Rio de Ja­nei­ro e, em ex­pan­são, em Cu­ri­ti­ba, An­gra dos Reis e Bú­zi­os.

Com for­te ape­lo do Mer­co­sul jun­to à po­pu­la­ção do Sul, ten­do a mar­ca Pla­za pe­ne­tra­ção e cre­di­bi­li­da­de, es­ta­be­le­ce­mos uma par­ce­ria co­mer­ci­al com a Re­de de Ho­téis OWN da Argentina, com qua­tro pro­pri­e­da­des e uma em Mon­te­vi­deo. São Ho­téis Bou­ti­que, nos quais fa­ze­mos a dis­tri­bui­ção lo­cal e eles vi­ce-ver­sa.

R.H - O que di­fe­re a re­de Pla­za das de­mais exis­ten­tes no mer­ca­do? Pe­lo fa­to de ter 60 anos de ati­vi­da­des a sua atu­a­ção não po­de­ria ser mais abran­gen­te? Co­men­te!

R.R - Re­de emi­nen­te­men­te na­ci­o­nal, com raí­zes pro­fun­das, só­li­da ex­per­ti­se em hos­pi­ta­li­da­de com qua­li­da­de. A Re­de sim, po­de­ria ter si­do mais ou­sa­da, aproveitando o bo­om ho­te­lei­ro de alguns anos atrás e o mo­men­to pro­pí­cio pa­ra cres­cer, mas, por ques­tões in­ter­nas, man­te­ve-se sem no­vos in­ves­ti­men­tos.

R.H - O fa­to de a re­de Pla­za pos­suir re­cur­sos pró­pri­os in­ves­ti­dos em ho­téis fa­ci­li­ta cap­tar em­pre­en­di­men­to de in­ves­ti­do­res? Vo­cês pre­ten­dem tra­ba­lhar com fran­qui­as, ou mes­mo ou­tras mo­da­li­da­des de ges­tão de ter­cei­ros?

R.R - Exa­ta­men­te, o fa­to de a Re­de ter Ho­téis pró­pri­os (ati­vos) aju­da na bus­ca de par­cei­ros, po­rém não es­ta­mos sen­do in­ves­ti­do­res e sim, apor­tan­do ex­per­ti­se, know-how. Des­sa for­ma pre­ten­de­mos cres­cer.

R.H - Co­mo se en­con­tra os in­ves­ti­men­tos da re­de Pla­za em mo­der­ni­za­ção e ex­pan­são?

R.R - In­ves­ti­mos nos úl­ti­mos três anos quase R$ 1.5 mi­lhão em tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção, fer­ra­men­tas que per­mi­ti­ram me­lhor am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, ofe­re­cen­do ao mer­ca­do fa­ci­li­da­des e per­mi­tin­do uma mai­or in­te­ra­ção com nos­sos cli­en­tes. Bus­ca­mos, com is­to, re­du­ção de cus­tos e ga­nhos em pro­du­ti­vi­da­de. Nes­te mo­men­to, es­ta­mos fi­na­li­zan­do um no­vo por­tal/si­te que aten­de­rá 100% dos dis­po­si­ti­vos mó­veis, ade­ren­te aos avan­ços tec­no­ló­gi­cos e o con­cei­to de “mo­bi­le first”, agi­li­zan­do a bus­ca por ho­téis e pos­si­bi­li­tan­do o ca­das­tro de no­vas re­ser­vas de for­ma ain­da mais fá­cil e sim­ples.

Tam­bém es­ta­mos fi­na­li­zan­do uma re­for­ma ge­ral nos apar­ta­men­tos e tro­ca de ele­va­do­res do Pla­za Blu­me­nau Ho­tel, e, se­gui­mos em pro­ces­so de aná­li­se de re­cur­sos pa­ra mo­der­ni­za­ção das prin­ci­pais uni­da­des ope­ra­ci­o­nais, com vá­ri­os pro­je­tos e con­sul­tas em car­tei­ra.

R.H - Co­mo e qu­an­do surgiu a ideia de im­plan­tar o mo­de­lo de tem­po com­par­ti­lha­do na re­de Pla­za, as pre­o­cu­pa­ções que ti­ve­ram e o por que da es­co­lha da In­ter­val?

R.R - No iní­cio, ana­li­san­do o in­ven­tá­rio exis­ten­te (eram pró­xi­mo de 1000 quar­tos), a de­man­da exis­ten­te, seg­men­ta­ção, sa­zo­na­li­da­de, nos pa­re­ceu sen­sa­to e ló­gi­co bus­car al­ter­na­ti­vas que pu­des­sem pre­en­cher es­sa la­cu­na. A ideia do tem­po com­par­ti­lha­do, já di­fun­di­da nas prin­ci­pais re­des in­ter­na­ci­o­nais, pa­re­ceu ade­qua­da e, em agos­to de 2014, lan­ça­mos o Pla­za Va­ca­ti­on Club. Sen­do uma em­pre­sa so­li­di­fi­ca­da e com raí­zes pro­fun­das no Sul do Bra­sil, tí­nha­mos um de­sa­fio de fa­zer es­se pro­gra­ma so­mar, acres­cen­tan­do va­lor a mar­ca. Mes­mo sa­ben­do que o mer­ca­do po­de­ria ter al­gu­ma re­jei­ção, es­tá­va­mos con­ven­ci­dos de que com al­te­ra­ções e mu­dan­ças na for­ma da pros­pec­ção e da ven­da po­de­ría­mos ser vi­to­ri­o­sos.

“A mul­ti­pro­pri­e­da­de no meu en­ten­der é o tí­pi­co ti­me sha­re – uni­da­de com se­ma­na de uso pré­de­fi­ni­da”

A In­ter­val, foi-nos ofe­re­ci­da pe­la con­sul­to­ria que nos au­xi­lia e con­fes­so, que não os co­nhe­cia, mes­mo es­tan­do há 11 anos tra­ba­lhan­do no seg­men­to. Op­ta­mos, por ela ser mais pro­a­ti­va, pre­sen­ça in­ter­na­ci­o­nal de ní­vel su­pe­ri­or. A ba­se lo­cal era pe­que­na e com cer­te­za, se­ría­mos o mai­or cli­en­te, úni­co clu­be de férias a se afi­li­ar a eles. A es­co­lha foi acer­ta­da, te­mos uma pa­re­ce­ria pró­xi­ma, ho­nes­ta e com ob­je­ti­vos co­muns.

R.H - Co­mo es­tá es­tru­tu­ra­do o Va­ca­ti­on da re­de Pla­za, o que re­pre­sen­ta es­se ne­gó­cio e on­de pre­ten­dem che­gar?

R.R - Ho­je es­ta­mos com três sa­las em ati­vi­da­des – Rio, Por­to Ale­gre e Bra­sí­lia - a sa­la de Flo­ri­a­nó­po­lis es­tá com operação sus­pen­sa até no­vem­bro, as­sim co­mo a da Bahia. Te­mos mais de 100 co­la­bo­ra­do­res di­re­tos e in­di­re­tos ex­clu­si­va­men­te pa­ra es­sa ati­vi­da­de. O PVC (Pla­za Va­ca­ti­on Club) já re­pre­sen­ta pró­xi­mo de 20% da ocu­pa­ção dos Ho­téis, e ge­ra um adi­ci­o­nal de ou­tras re­cei­tas nos ho­téis, equi­va­len­te a mes­ma re­cei­ta de uti­li­za­ção, ou se­ja, re­cei­ta no­va que não tí­nha­mos.

R.H - A mul­ti­pro­pri­e­da­de tem ala­van­ca­do mui­tos re­cur­sos pa­ra de­sen­vol­ver no­vos ho­téis no Bra­sil. Co­mo vo­cê ana­li­sa es­se seg­men­to, que se­gun­do alguns es­pe­ci­a­lis­tas, já apre­sen­ta su­pe­ro­fer­ta em al­gu­mas pra­ças. A re­de Pla­za pre­ten­de atu­ar em mul­ti­pro­pri­e­da­de?

R.R - A mul­ti­pro­pri­e­da­de, no meu en­ten­der, é o tí­pi­co ti­mesha­re – uni­da­de com se­ma­na de uso pré-de­fi­ni­da. Es­se mo­de­lo tem cres­ci­do no Bra­sil, uma pe­la via do gos­to do bra­si­lei­ro ter ex­pe­ri­men­ta­do vi­a­jar nas su­as férias, ou­tra por po­der ofe­re­cer uma se­gun­da re­si­dên­cia a pre­ços que ca­bem no bol­so do con­su­mi­dor e acre­di­to tam­bém, após a di­mi­nui­ção dos in­ves­ti­men­tos em con­do-ho­téis, mo­ti­va­dos pe­la en­tra­da da CVM - Co­mis­são de va­lo­res mo­bi­liá­ri­os na re­gu­la­ção. Por sua vez, o ces­si­o­ná­rio de um em­pre­en­di­men­to mul­ti­pro­pri­e­da­de tem a van­ta­gem de não se fixar na uni­da­de da qual ele es­tá afi­li­a­do, abrin­do um le­que de op­ções de vi­a­gens, com as mes­mas ca­rac­te­rís­ti­cas de ou­tro em­pre­en­di­men­to si­mi­lar ao que ele pos­sui.

Quan­to a su­pe­ro­fer­ta, con­cor­do, há pra­ças que já estão sa­tu­ra­das com os equi­pa­men­tos exis­ten­tes e ain­da com ou­tros por vir, mes­mo fenô­me­no que se pas­sou com a ho­te­la­ria re­cen­te­men­te, por con­ta da Co­pa e Olim­pía­da. Me pre­o­cu­pa a quan­ti­da­de de pro­je­tos com fo­co ex­clu­si­vo no VGV, sem as ca­rac­te­rís­ti­cas ade­qua­das pa­ra hos­pe­dar fa­mí­li­as. No dia a dia da operação, no meio am­bi­en­te lo­cal (sa­tu­ra­do, vi­as de aces­so sem con­di­ções de re­ce­ber au­men­to de flu­xo, in­fra­es­tru­rua pre­cá­ria) is­so po­de­rá des­gas­tar e des­va­lo­ri­zar o pró­prio ne­gó­cio. O ide­al é olhar­mos pa­ra fren­te, e pen­sar­mos de quem se­rão es­ses no­vos cli­en­tes, o que bus­cam, o que querem, qual a for­ma de vi­a­jar?

Es­sas têm si­do as nos­sas pre­o­cu­pa­ções no de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­je­tos na li­nha da mul­ti, o que te­mos vá­ri­os pró­pri­os e com ter­cei­ros. Va­mos ini­ci­ar a co­mer­ci­a­li­za­ção de uma pro­pri­e­da­de em Pu­er­to Ma­de­ro, na Argentina, que já es­tá em operação e pron­ta pa­ra uso. Es­se be­ne­fí­cio é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te, dando ga­ran­ti­as aos com­pra­do­res do re­al po­der de uso. Es­ta­mos com pro­je­tos tan­to com ces­são de di­rei­to de uso, co­mo di­rei­to re­al.

R.H - Co­mo vo­cê es­tá ana­li­san­do o atu­al mo­men­to que pas­sa o seg­men­to ho­te­lei­ro no Bra­sil? E que prog­nós­ti­co faz pa­ra os pró­xi­mos anos?

R.R - Meu olhar é de cau­te­la. Não ve­jo gran­des mo­vi­men­tos. Es­ta­mos amar­gan­do que­da de ocu­pa­ção e diá­ria mé­dia nos úl­ti­mos anos. Sen­ti­mos uma re­cu­pe­ra­ção da ocu­pa­ção mas na­da da diá­ria mé­dia se mo­ver da mes­ma for­ma, pre­o­cu­pan­te com os cus­tos que estão na con­tra­mão. Po­rém, sem­pre há opor­tu­ni­da­des, há seg­men­tos de pro­du­tos que ain­da não fo­ram exau­ri­dos e têm po­ten­ci­al de cres­ci­men­to. No up­per ups­ca­le es­ta­mos ven­do, no Rio de Ja­nei­ro e São Pau­lo, no­vos em­pre­en­di­men­tos, in­clu­si­ve de mar­cas que nun­ca es­ti­ve­ram pre­sen­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.