Con­tri­bui­ções pa­tro­nais são fa­cul­ta­ti­vas às em­pre­sas não as­so­ci­a­das

Hotéis - - Opinião -

Ar­ti­go de Mar­ce­lo Fonseca Bo­a­ven­tu­ra* A obri­ga­to­ri­e­da­de das con­tri­bui­ções pa­tro­nais des­ti­na­das aos sin­di­ca­tos era um te­ma

re­cor­ren­te em nos­sos tri­bu­nais. Con­tu­do, com o ad­ven­to da re­for­ma tra­ba­lhis­ta e com as de­ci­sões re­cen­tes do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, es­se con­fli­to foi so­lu­ci­o­na­do. Ho­je é tran­qui­lo o en­ten­di­men­to que as con­tri­bui­ções pa­tro­nais são fa­cul­ta­ti­vas às em­pre­sas não as­so­ci­a­das. Os sin­di­ca­tos pos­su­em co­mo fon­te de re­cei­ta três ti­pos prin­ci­pais de con­tri­bui­ções pa­ra o cus­teio de su­as ati­vi­da­des. Tra­ta-se da con­tri­bui­ção sin­di­cal, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo im­pos­to sin­di­cal, da con­tri­bui­ção con­fe­de­ra­ti­va e da cha­ma­da con­tri­bui­ção as­sis­ten­ci­al.

A con­tri­bui­ção sin­di­cal é a mais co­nhe­ci­da. Surgiu na dé­ca­da de 1940 com a im­plan­ta­ção do tra­di­ci­o­nal sis­te­ma sin­di­cal. Ini­ci­al­men­te sob a de­no­mi­na­ção de im­pos­to sin­di­cal, foi re­ba­ti­za­da com de­no­mi­na­ção mais eu­fe­mís­ti­ca, que per­du­ra até ho­je. O va­lor co­bra­do va­ria de acor­do com o ca­pi­tal so­ci­al da em­pre­sa. Pa­ra al­gu­mas em­pre­sas es­sa co­bran­ça po­de su­pe­rar os R$ 100 mil. O re­co­lhi­men­to anu­al do im­pos­to sin­di­cal era obri­ga­tó­rio pa­ra to­das as em­pre­sas até 2017. Com o ad­ven­to da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, em vi­gor des­de no­vem­bro de 2017, a re­fe­ri­da con­tri­bui­ção pas­sou a ser fa­cul­ta­ti­va e con­di­ci­o­na­da à au­to­ri­za­ção ex­pres­sa pa­ra sua co­bran­ça.

A cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de des­sa al­te­ra­ção foi le­va­da ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, que ao ana­li­sar o te­ma de­cla­rou cons­ti­tu­ci­o­nal o pon­to da re­for­ma tra­ba­lhis­ta que ex­tin­guiu a obri­ga­to­ri­e­da­de da con­tri­bui­ção sin­di­cal. As­sim, após mais de se­ten­ta anos de obri­ga­to­ri­e­da­de, o im­pos­to sin­di­cal tor­nou-se fa­cul­ta­ti­vo.

A con­tri­bui­ção as­sis­ten­ci­al é es­ta­be­le­ci­da por meio de acor­do ou con­ven­ção co­le­ti­va e des­ti­na-se a cus­te­ar as ati­vi­da­des as­sis­ten­ci­ais do sin­di­ca­to, prin­ci­pal­men­te no cur­so de ne­go­ci­a­ções co­le­ti­vas. Re­ce­be tam­bém ou­tras de­no­mi­na­ções, co­mo ta­xa as­sis­ten­ci­al, ta­xa de reforço sin­di­cal, con­tri­bui­ção de fortalecimento sin­di­cal, etc.

A con­tri­bui­ção con­fe­de­ra­ti­va surgiu por pre­vi­são no pró­prio tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Tem co­mo fi­na­li­da­de cus­te­ar o sis­te­ma con­fe­de­ra­ti­vo de re­pre­sen­ta­ção sin­di­cal e in­de­pen­de das con­tri­bui­ções ins­ti­tuí­das em lei ou em con­ven­ção co­le­ti­va. A dis­cus­são ju­di­ci­al so­bre a obri­ga­to­ri­e­da­de do pa­ga­men­to das con­tri­bui­ções as­sis­ten­ci­ais e con­fe­de­ra­ti­vas aos não as­so­ci­a­dos dos sin­di­ca­tos re­mon­ta a dé­ca­das pas­sa­das.

No iní­cio des­se ano, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral - STF foi ins­ta­do a se ma­ni­fes­tar so­bre a obri­ga­to­ri­e­da­de do pa­ga­men­to des­sas con­tri­bui­ções. O STF en­ten­deu que re­fe­ri­da im­po­si­ção aos não sin­di­ca­li­za­dos fe­re o prin­cí­pio da li­ber­da­de de as­so­ci­a­ção. En­fa­ti­zou que a cláu­su­la cons­tan­te de acor­do, con­ven­ção co­le­ti­va ou sen­ten­ça nor­ma­ti­va – que es­ta­be­le­ce con­tri­bui­ção con­fe­de­ra­ti­va, as­sis­ten­ci­al ou ou­tra de qual­quer na­tu­re­za, em fa­vor de en­ti­da­de sin­di­cal –, qu­an­do obri­ga não sin­di­ca­li­za­dos ao seu pa­ga­men­to, ofen­de li­ber­da­de de as­so­ci­a­ção cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te pro­te­gi­da.

A re­for­ma tra­ba­lhis­ta e as re­cen­tes de­ci­sões do STF tri­lha­ram um no­vo ca­mi­nho ao tra­di­ci­o­nal sis­te­ma sin­di­cal bra­si­lei­ro. Ao de­fi­ni­rem que to­das as con­tri­bui­ções sin­di­cais são fa­cul­ta­ti­vas, di­re­ci­o­na­ram o fo­co pa­ra a li­ber­da­de de as­so­ci­a­ção. To­dos são con­vi­da­dos a con­tri­buir, de for­ma li­vre, pa­ra o fortalecimento dos sin­di­ca­tos. Com as­so­ci­a­dos cons­ci­en­tes, os sin­di­ca­tos se­rão mui­to mais re­pre­sen­ta­ti­vos e po­de­rão aju­dar a cons­truir um Bra­sil me­lhor.

*Mar­ce­lo Fonseca Bo­a­ven­tu­ra, Ad­vo­ga­do, Só­cio do Es­cri­tó­rio Fonseca Bo­a­ven­tu­ra Ad­vo­ga­dos, Mes­tre em Di­rei­to Pe­la PUC/SP, Pro­fes­sor Uni­ver­si­tá­rio, Juiz Con­se­lhei­ro do Conselho Mu­ni­ci­pal de Tri­bu­tos do Mu­ni­cí­pio de São Pau­lo 2010/2014, pos­sui Tra­ba­lhos Pu­bli­ca­dos pe­la Edi­to­ra Re­vis­ta dos Tri­bu­nais e di­ver­sas ma­té­ri­as pu­bli­ca­das em re­vis­tas es­pe­ci­a­li­za­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.