Des­ta­ques e es­pe­ci­ais

A ta­xa de ocu­pa­ção es­tá cres­cen­do, as­sim co­mo a diá­ria mé­dia em vá­ri­as re­giões do Bra­sil, e 2019 pro­me­te ser um bom ano pa­ra o se­tor

Hotéis - - Sumario Page -

Seg­men­to ho­te­lei­ro apre­sen­ta for­tes si­nais de re­cu­pe­ra­ção

A ho­te­la­ria foi um dos seg­men­tos mais pre­ju­di­ca­dos com a si­tu­a­ção da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e econô­mi­ca vi­vi­da nes­se ano no Bra­sil. Mas já há da­dos que de­mons­tram que o se­tor es­tá se re­cu­pe­ran­do e 2019 de­ve­rá ser um gran­de ano. Um le­van­ta­men­to re­a­li­za­do re­cen­te­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo com 719 em­pre­en­di­men­tos de hos­pe­da­gem ve­ri­fi­cou que o oti­mis­mo es­tá em al­ta en­tre em­pre­sá­ri­os do se­tor de aco­mo­da­ções de to­do o Bra­sil. A pes­qui­sa foi re­a­li­za­da com apoio das se­cre­ta­ri­as e ór­gãos es­ta­du­ais de Tu­ris­mo e en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas do se­tor de hos­pe­da­gem no País.

No ter­cei­ro tri­mes­tre, 44,8% pro­je­ta­ram cres­ci­men­to do fa­tu­ra­men­to da pró­pria em­pre­sa num ho­ri­zon­te de seis me­ses sub­se­quen­tes à pes­qui­sa, qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais aci­ma da ex­pec­ta­ti­va do tri­mes­tre an­te­ri­or. A pers­pec­ti­va é positiva tam­bém quan­do o as­sun­to é in­ves­ti­men­to: 46,8% in­di­ca­ram que pro­va­vel­men­te re­a­li­za­rão in­ves­ti­men­tos, en­quan­to ou­tros 13% in­for­ma­ram que de­fi­ni­ti­va­men­te in­ves­ti­rão nos ne­gó­ci­os até mar­ço de 2019.

A per­cep­ção so­bre o au­men­to ou ma­nu­ten­ção do nú­me­ro de em­pre­ga­dos é ou­tra va­riá­vel que cres­ceu: pas­sou de 17,7% pa­ra 22,1%. Já o oti­mis­mo em tor­no dos ser­vi­ços ofer­ta­dos sal­tou pa­ra 43,1% de ju­lho a se­tem­bro, em com­pa­ra­ção com os 37,6% apu­ra­dos na pes­qui­sa re­a­li­za­da en­tre abril e ju­nho.

Além dis­so, os em­pre­sá­ri­os con­sul­ta­dos ava­li­a­ram o des­ti­no tu­rís­ti­co on­de a pró­pria em­pre­sa es­tá lo­ca­li­za­da. A ini­ci­a­ti­va pri­va­da es­tá mais con­fi­an­te no au­men­to da ren­ta­bi­li­da­de do se­tor tu­rís­ti­co (33,5% con­tra 28% no 2º tri­mes­tre), na al­ta da de­man­da pe­lo des­ti­no (40,2%, an­te os 35% an­te­ri­o­res) e na per­cep­ção do tu­ris­ta no des­ti­no (35,3%, à fren­te dos 28,5% ve­ri­fi­ca­dos de abril a ju­nho).

Pa­ra o Mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Vi­ni­cius Lum­mertz,

“os da­dos são uma res­pos­ta cla­ra da ini­ci­a­ti­va pri­va­da ao mo­vi­men­to de re­to­ma­da da eco­no­mia bra­si­lei­ra: o bom de­sem­pe­nho do des­ti­no e da em­pre­sa an­dam jun­tos. Pa­ra se ter uma ideia, os ho­téis com­pram mais de 6 mi­lhões de rou­pas de ca­ma e ba­nho, 120 mil te­le­vi­sões e 140 mil te­le­fo­nes por ano das in­dús­tri­as têx­til e de ele­trô­ni­cos no Bra­sil. Por­tan­to, a ge­ra­ção de em­pre­gos es­tá no DNA da ho­te­la­ria, mo­vi­men­tan­do se­to­res di­ver­sos da in­dús­tria, ser­vi­ços, co­mér­cio e re­ve­lan­do a trans­ver­sa­li­da­de econô­mi­ca do mer­ca­do de vi­a­gens”, ana­li­sa.

Es­ta é a ter­cei­ra eta­pa da Son­da­gem Em­pre­sa­ri­al do Se­tor Ho­te­lei­ro no Bra­sil, re­a­li­za­da pe­la Di­re­to­ria de Es­tu­dos Econô­mi­cos e Pes­qui­sas do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo. São con­sul­ta­dos em­pre­en­di­men­tos de hos­pe­da­gem de to­dos os por­tes, en­tre os qu­ais ho­téis, pou­sa­das, re­sorts e acam­pa­men­tos tu­rís­ti­cos. O ob­je­ti­vo é apu­rar as pers­pec­ti­vas dos em­pre­sá­ri­os qu­an­to ao de­sem­pe­nho de seus es­ta­be­le­ci­men­tos e dos des­ti­nos on­de es­tão in­se­ri­dos.

Ho­te­la­ria bai­a­na em ple­na re­cu­pe­ra­ção

A ho­te­la­ria da ca­pi­tal bai­a­na, uma das mais pre­ju­di­ca­das no Bra­sil nes­se ano com o fe­cha­men­to de al­guns ho­téis e que­da na ta­xa de ocu­pa­ção, já apre­sen­ta si­nais cla­ros da re­cu­pe­ra­ção. Em Sal­va­dor, a re­de ho­te­lei­ra apre­sen­tou de ja­nei­ro a ou­tu­bro ta­xa de ocu­pa­ção mé­dia de 61,32%, re­sul­ta­do su­pe­ri­or ao observado no mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or (55,20%), ou se­ja, cres­ci­men­to de 11,08%. O va­lor mé­dio da diá­ria nes­se pe­río­do per­ma­ne­ceu pra­ti­ca­men­te es­tá­vel (R$ 227,14 em 2018 e R$ 227,68 em 2017), en­quan­to o Rev­par, o in­di­ca­dor pon­de­ra­do de ta­xa de ocu­pa­ção e diá­ria mé­dia, cres­ceu 10,81%, pas­san­do de R$ 139,28 em 2018 con­tra R$ 125,69 em 2017. Em re­la­ção à ou­tu­bro, a ta­xa de ocu­pa­ção foi de 61,56% e diá­ria mé­dia de R$ 212,99, re­sul­tan­do em um Rev­par de R$ 131,12. Com­pa­ran­do-se com os re­sul­ta­dos do mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or, ve­ri­fi­ca-se uma pe­que­na re­du­ção de 0,84% na ta­xa de ocu­pa­ção, na­da re­pre­sen­ta­ti­vo.

Os nú­me­ros são fru­to da Pes­qui­sa Con­jun­tu­ral

de de­sem­pe­nho - Ta­xin­fo -, re­a­li­za­da em par­ce­ria en­tre a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis – se­ções Bahia e Bra­sil. Os da­dos são for­ne­ci­dos di­a­ri­a­men­te pe­los pró­pri­os ho­téis ao Por­tal Ces­ta Com­pe­ti­ti­va e a mé­dia re­sul­tan­te cons­ti­tui in­di­ca­dor pa­ra ava­li­ar a evo­lu­ção da ati­vi­da­de de hos­pe­da­gem em nos­sa ca­pi­tal. O Pre­si­den­te da ABIH-BA – As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis – Bahia -, Gli­cé­rio Le­mos, afir­ma: “O mês de ou­tu­bro foi atí­pi­co por cau­sa das eleições pre­si­den­ci­ais em dois tur­nos, que di­mi­nuiu as vi­a­gens de la­zer, por is­so não ti­ve­mos gran­de evo­lu­ção. Po­rém, o im­por­tan­te é que, no acu­mu­la­do dos 10 pri­mei­ros me­ses de 2018, apre­sen­ta­mos um cres­ci­men­to de 11,08% na ta­xa de ocu­pa­ção em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Va­le ci­tar que a Diá­ria Mé­dia no acu­mu­la­do per­ma­ne­ceu es­tá­vel, o que ain­da não é um re­sul­ta­do fa­vo­rá­vel pa­ra o se­tor, que se en­con­tra so­bre­car­re­ga­do e a re­cei­ta não es­tá acom­pa­nhan­do. Mas es­ta­mos tra­ba­lhan­do pa­ra que es­tes da­dos me­lho­rem”.

Le­mos ain­da acres­cen­ta que a ten­dên­cia é de que a ta­xa de ocu­pa­ção e que o flu­xo de tu­ris­tas au­men­te na ca­pi­tal bai­a­na com a apro­xi­ma­ção do Ré­veil­lon e do ve­rão. “Pa­ra a vi­ra­da do ano, a nos­sa ex­pec­ta­ti­va é de 100% na ta­xa de ocu­pa­ção e, no mês de ja­nei­ro de 2019, a pers­pec­ti­va é uma mé­dia de 92 a 96% na ocu­pa­ção”, de­cla­ra.

Re­sul­ta­dos es­ta­tís­ti­cos do FOHB

Ou­tro da­do pu­bli­ca­do re­cen­te­men­te, de­mons­tran­do que o se­tor ho­te­lei­ro es­tá em ple­na re­cu­pe­ra­ção, foi a 134ª Edi­ção do InFOHB – in­for­ma­ti­vo de­sen­vol­vi­do men­sal­men­te pe­lo FOHB – Fó­rum de Ope­ra­do­res Ho­te­lei­ros do Bra­sil, que exi­be e ana­li­sa os re­sul­ta­dos es­ta­tís­ti­cos da ho­te­la­ria no País. A edi­ção de se­tem­bro con­ta com amos­tra de 467 ho­téis de re­des as­so­ci­a­das, res­pon­sá­veis pe­la ofer­ta de 71.780 UHs – Uni­da­des Ha­bi­ta­ci­o­nais. No mês de se­tem­bro, os re­sul­ta­dos con­so­li­da­dos re­gis­tra­ram acrés­ci­mos nos três in­di­ca­do­res, sen­do: 9% na ta­xa de ocu­pa­ção; 1,3% na diá­ria mé­dia; e 10,4% no Rev­PAR. Na per­for­man­ce por re­gião, a ta­xa de ocu­pa­ção re­ve­lou in­cre­men­tos em to­das elas: 5% no Nor­des­te; 6,3% no Sul; 7,1% no Cen­tro-Oes­te; 10,2% no Su­des­te; e 22,4% no Nor­te.

Na diá­ria mé­dia, hou­ve que­da ape­nas no Su­des­te (-0,3%), mas au­men­tos em to­das as ou­tras: 0,4% no Sul; 6% no Nor­des­te; 7% no Nor­te; e 7,9% no Cen­tro-Oes­te. Por fim, o Rev­PAR tam­bém re­gis­trou re­sul­ta­dos po­si­ti­vos em to­das as re­giões: 6,7% no Sul; 9,8% no Su­des­te; 11,3% no Nor­des­te; 15,5% no Cen­tro-Oes­te; e 31% no Nor­te. Na aná­li­se de de­sem­pe­nho por ca­te­go­ria ho­te­lei­ra, a ta­xa de ocu­pa­ção re­gis­trou au­men­tos de 8,4% no Econô­mi­co, 10,2% no Mids­ca­le e 7,7% no Ups­ca­le. Na diá­ria mé­dia, acrés­ci­mos de 1,7% no Econô­mi­co e

2,2% no Mids­ca­le, po­rém que­da de -0,7% no Ups­ca­le. No Rev­PAR, in­cre­men­tos de 10,2% no Econô­mi­co, 12,5% no Mids­ca­le e 7% no Ups­ca­le.

Nes­te in­di­ca­dor, so­men­te Rio de Ja­nei­ro e Cu­ri­ti­ba apre­sen­ta­ram que­das, -3,1% e -4%, res­pec­ti­va­men­te. Den­tre os mu­ní­ci­pi­os que re­gis­tra­ram in­cre­men­tos, Cam­pi­nas (14,7%), Flo­ri­a­nó­po­lis (16,5%) e Ma­naus (31,2%) ti­ve­ram os re­sul­ta­dos mais ex­pres­si­vos. Na diá­ria mé­dia, Cam­pi­nas (-0,6%), Flo­ri­a­nó­po­lis (-0,7%) e Rio de Ja­nei­ro (-14,9%) re­ve­la­ram de­crés­ci­mos. Já em re­la­ção às va­ri­a­ções po­si­ti­vas, as mais sig­ni­fi­ca­ti­vas fo­ram em Bra­sí­lia (9,7%), São Pau­lo (9,7%) e Ma­naus (10,2%).

Im­pac­to no tu­ris­mo

Ca­ro­li­na Sass de Ha­ro, Só­cia-Di­re­to­ra da Ma­pie e Ana­lis­ta de Mer­ca­do La­ti­no-Ame­ri­ca­no pa­ra a Pho­cus­wright, des­ta­ca que o se­tor de tu­ris­mo na Amé­ri­ca La­ti­na so­freu um im­pac­to nos úl­ti­mos anos, mas es­tá oti­mis­ta na re­cu­pe­ra­ção. “Ape­sar da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e econô­mi­ca em mui­tos paí­ses da re­gião, o tu­ris­mo to­tal de­ve­rá cres­cer em mé­dia 6% nos pró­xi­mos anos, con­si­de­ran­do as mo­e­das lo­cais. O tu­ris­mo on­li­ne con­ti­nu­a­rá em sua tra­je­tó­ria de for­te cres­ci­men­to, com mé­dia pre­vis­ta de 11% até 2022”, diz Ca­ro­li­na.

O Mé­xi­co é o prin­ci­pal mer­ca­do re­gi­o­nal, se­gui­do do Bra­sil, que re­pre­sen­ta 34% do to­tal, mas a pe­ne­tra­ção on­li­ne é de 35% e o Bra­sil ocu­pa o pri­mei­ro lu­gar, com 39% das ven­das sen­do fei­tas de for­ma di­gi­tal. Nas re­ser­vas on­li­ne, as OTAs são mais for­tes que as re­ser­vas di­re­tas, es­pe­ci­al­men­te por con­ta da ofer­ta ho­te­lei­ra ca­pi­la­ri­za­da. Ana­li­san­do ape­nas o Bra­sil, o vo­lu­me to­tal de ven­das al­can­çou 19 bi­lhões de dó­la­res em 2017. Pa­ra 2018, a pro­je­ção é de um cres­ci­men­to de 7% quan­do o nú­me­ro é ana­li­sa­do em re­ais. A pe­ne­tra­ção on­li­ne se­gue cres­cen­do vi­go­ro­sa­men­te al­can­çan­do 42%, sen­do que ape­nas 16% des­ses são de re­ser­vas di­re­tas.

Se­gun­do Ca­ro­li­na, a ex­pec­ta­ti­va é que o cres­ci­men­to mé­dio pa­ra os pró­xi­mos anos se­rá por vol­ta de 6% no vo­lu­me to­tal e 10% no on­li­ne. Em 2022, uma a ca­da du­as re­ser­vas de­ve­rá ser fei­ta por ca­nais di­gi­tais. “As com­pa­nhi­as aé­re­as bra­si­lei­ras são res­pon­sá­veis pe­los prin­ci­pais nú­me­ros do tu­ris­mo on­li­ne e das re­ser­vas di­re­tas. Já os ho­téis, ob­ser­vam um for­te cres­ci­men­to da pe­ne­tra­ção di­gi­tal, que acon­te­ce prin­ci­pal­men­te via OTAs e me­ta­bus­ca­do­res”, co­men­ta Ca­ro­li­na.

Quan­do se tra­tam das três ten­dên­ci­as prin­ci­pais pa­ra o se­tor em 2019, Ca­ro­li­na des­ta­ca que ire­mos ob­ser­var uma ges­tão mais aten­ta e de­di­ca à

jor­na­da di­gi­tal do cli­en­te, cri­an­do opor­tu­ni­da­des de con­ver­são mes­mo an­tes de uma bus­ca di­re­ta por um for­ne­ce­dor ou des­ti­no. Além dis­so, pa­ra cli­en­tes das no­vas ge­ra­ções, pro­gra­mas de fi­de­li­da­de não são fer­ra­men­tas de le­al­da­de a uma mar­ca e sim aces­so a ta­ri­fas es­pe­ci­ais e, prin­ci­pal­men­te, aces­so ex­clu­si­vo a ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas. E, fi­nal­men­te, hos­pe­da­gens al­ter­na­ti­vas fa­rão ca­da vez mais par­te da ces­ta com­pe­ti­ti­va tra­di­ci­o­nal e o cli­en­te uti­li­za­rá dis­tin­tos mei­os de hos­pe­da­gem de acor­do com o per­fil e ne­ces­si­da­de de ca­da vi­a­gem es­pe­cí­fi­ca.

Co­mo São Pau­lo é con­si­de­ra­da “a lo­co­mo­ti­va da eco­no­mia bra­si­lei­ra”, o que acon­te­ce na ci­da­de ou es­ta­do, re­fle­te no Bra­sil. E na ho­te­la­ria não po­de­ria ser di­fe­ren­te, pois os ín­di­ces do de­sem­pe­nho da ho­te­la­ria pau­lis­ta­na são bem ani­ma­do­res. É o que apon­ta o Ob­ser­va­tó­rio do Tu­ris­mo de São Pau­lo, nú­cleo de pes­qui­sas da SPTu­ris - São Pau­lo Tu­ris­mo, atra­vés do re­la­tó­rio De­sem­pe­nho da ho­te­la­ria pau­lis­ta­na. Es­se es­tu­do lan­ça­do re­cen­te­men­te apon­ta os nú­me­ros do seg­men­to no mês de ou­tu­bro. Hou­ve um pe­que­no re­cuo em re­la­ção à aná­li­se do mês de se­tem­bro, mas são ani­ma­do­res, pois apon­tam uma ocu­pa­ção mé­dia em 70,5%, uma diá­ria mé­dia che­gan­do a R$ 316,78 e Rev­Par na fai­xa dos R$ 223,00. Es­se é o ter­cei­ro me­lhor re­sul­ta­do do ano, fi­can­do atrás de agos­to e mar­ço, que ti­ve­ram mé­dia de R$ 244,00 e R$ 233,00 res­pec­ti­va­men­te.

Re­gu­la­men­ta­ção da Mul­ti­pro­pri­e­da­de

Ou­tra boa no­tí­cia pa­ra o seg­men­to ho­te­lei­ro no Bra­sil é a re­gu­la­men­ta­ção do mo­de­lo de ne­gó­ci­os da mul­ti­pro­pri­e­da­de. Es­sa é a prin­ci­pal ala­van­ca no de­sen­vol­vi­men­to de no­vos ho­téis no Bra­sil, com pre­vi­são de in­ves­ti­men­tos de R$ 16 bi­lhões ape­nas nes­se ano. Foi apro­va­do no dia 31 de ou­tu­bro na CCJ - Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos - em ca­rá­ter ter­mi­na­ti­vo, o Pro­je­to de Lei 10.287/2018, que dis­põe so­bre o re­gi­me ju­rí­di­co da Mul­ti­pro­pri­e­da­de no Bra­sil. No dia 21 de mar­ço já ha­via si­do apro­va­do o tex­to, de au­to­ria do se­na­dor Wil­der Mo­rais (DEMGO), no Se­na­do Fe­de­ral e, em 21 de ju­nho, foi de­ba­ti­do em au­di­ên­cia pú­bli­ca na Co­mis­são de Tu­ris­mo da Câ­ma­ra.

Es­sa é uma con­quis­ta do gru­po de tra­ba­lho li­de­ra­do pe­lo Se­co­vi-SP, que atu­ou du­ran­te dois anos no de­sen­vol­vi­men­to de so­lu­ções, que cul­mi­na­ram na ela­bo­ra­ção des­se an­te­pro­je­to en­ca­mi­nha­do ao Se­na­dor Wil­der Mo­rais. “Es­se gru­po he­te­ro­gê­neo, for­ma­do na se­de da en­ti­da­de pa­ra for­ma­li­zar o tex­to do an­te­pro­je­to de Lei, en­vol­veu in­cor­po­ra­do­res, ope­ra­do­res ho­te­lei­ros, co­mer­ci­a­li­za­do­res, con­sul­to­res imo­bi­liá­ri­os, in­ter­cam­bi­a­do­ras de fé­ri­as e en­ti­da­des do se­tor tu­rís­ti­co e imo­bi­liá­rio bra­si­lei­ro, abran­gen­do em­pre­en­de­do­res e em­pre­en­di­men­tos por to­do o País e ob­ten­do, com is­so, um pa­no­ra­ma com­ple­to dos pro­ble­mas da área”, co­men­ta Caio Cal­fat, Vi­ce­Pre­si­den­te de As­sun­tos Tu­rís­ti­cos e Imo­bi­liá­ri­os do Se­co­vi-SP.

Du­ran­te a tra­mi­ta­ção, o pro­je­to con­tou com im­por­tan­te con­tri­bui­ção do re­la­tor, De­pu­ta­do Her­cu­la­no Pas­sos (MDB-SP), e tam­bém te­ve re­le­van­te apoio do De­pu­ta­do Da­ni­el Vi­le­la (MDB-GO), Pre­si­den­te da CCJ da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. A pro­pos­ta al­te­ra o Có­di­go Ci­vil (Lei 10.406/02). E o no­vo re­gi­me pre­vê que um mes­mo imó­vel pos­sa ser uti­li­za­do por vá­ri­os pro­pri­e­tá­ri­os, que vão com­par­ti­lhar os cus­tos de aqui­si­ção e de ma­nu­ten­ção. A ca­da co­pro­pri­e­tá­rio se­rá con­ce­di­do um tem­po de uso, que não po­de­rá ser in­fe­ri­or a se­te di­as se­gui­dos ou in­ter­ca­la­dos. Com o tér­mi­no do pe­río­do, ele te­rá que de­so­cu­par o imó­vel, sob pe­na de ter de pa­gar mul­ta diá­ria, a ser fi­xa­da pe­los condô­mi­nos.

Vi­ni­cius Lum­mertz: “Os ho­téis com­pram mais de 6 mi­lhões de rou­pas de ca­ma e ba­nho, 120 mil te­le­vi­sões e 140 mil te­le­fo­nes por ano das in­dús­tri­as têx­til e de ele­trô­ni­cos no Bra­sil”

A ho­te­la­ria de Sal­va­dor vi­ve um bom mo­men­to de re­cu­pe­ra­ção da ta­xa de ocu­pa­ção e da diá­ria mé­dia

Da­dos do FOHB apon­tam que o seg­men­to ho­te­lei­ro es­tá em ple­na re­cu­pe­ra­ção no Bra­sil

As com­pa­nhi­as aé­re­as bra­si­lei­ras são res­pon­sá­veis pe­los prin­ci­pais nú­me­ros do tu­ris­mo on­li­ne e das re­ser­vas di­re­tas.

O Con­sul­tor Caio Cal­fat Vi­ce-Pre­si­den­te de As­sun­tos Tu­rís­ti­cos e Imo­bi­liá­ri­os do Se­co­vi-SP foi um dos que se em­pe­nhou pa­ra es­sa apro­va­ção da mul­ti­pro­pri­e­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.