En­tre­vis­ta

Hotéis - - Sumario Page -

Hé­ber Garrido

O Gru­po Rio Quen­te ino­vou re­cen­te­men­te no mer­ca­do ao in­te­grar su­as mar­cas Rio Quen­te Re­sort, Cos­ta do Sauí­pe, Hot Park e o Va­ca­ti­on Club na Avi­va. Com is­so, hou­ve um re­po­si­ci­o­na­men­to de mer­ca­do com o fo­co no en­tre­te­ni­men­to to­tal e o pro­pó­si­to de fa­zer fa­mí­li­as fe­li­zes. Es­sas mu­dan­ças já co­me­çam a ser per­ce­bi­das nes­sa tem­po­ra­da de ve­rão, on­de vá­ri­as no­vi­da­des se­rão aber­tas pro­por­ci­o­nan­do pa­ra o pú­bli­co uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­ci­a­da e di­ver­ti­da.

As mai­o­res me­lho­ri­as se­rão em Cos­ta do Sauí­pe, que te­rá uma Or­la da Cos­ta to­tal­men­te re­vi­ta­li­za­da e a Qu­er­mes­se da Vi­la, re­me­ten­do aos his­tó­ri­cos par­ques iti­ne­ran­tes do País. No­vas atra­ções es­tão sen­do im­plan­ta­das, co­mo a Vi­la As­som­bra­da e três no­vos res­tau­ran­tes, o La Vil­la, com gas­tro­no­mia con­tem­po­râ­nea, Res­tau­ran­te Baêa, fo­ca­do em gas­tro­no­mia tra­di­ci­o­nal bai­a­na e o Res­tau­ran­te Ben­di­tos Fru­tos, que tra­rá as de­lí­ci­as dos fru­tos do mar. Já no Rio Quen­te Re­sorts, o des­ta­que é o Hot Park e a Hot City, que pro­me­te re­vo­lu­ci­o­nar o des­ti­no.

E por trás des­sas ino­va­ções es­tá um in­ves­ti­men­to de R$ 1 bi­lhão até 2025. Con­fi­ra nes­sa en­tre­vis­ta ex­clu­si­va com He­ber Garrido, Di­re­tor de Ex­pe­ri­ên­cia, Mar­ke­ting e Ven­das da Avi­va.

Re­vis­ta Ho­téis - Re­cen­te­men­te vo­cês in­te­gra­ram as mar­cas Rio Quen­te, Cos­ta do Sauí­pe, Hot Park e o Va­ca­ti­on Club na Avi­va. Por que a es­co­lha des­se no­me, co­mo sur­giu e o que bus­ca re­pre­sen­tar?

Hé­ber Garrido - É mui­to mais do que só a in­te­gra­ção de mar­cas, es­ta­mos ino­van­do no nos­so mer­ca­do e, pa­ra is­so, bus­ca­mos um sím­bo­lo do con­cei­to do no­vo jei­to de ser, en­tre­te­ni­men­to to­tal. Qu­e­re­mos al­go ori­gi­nal e úni­co, co­mo nos­sos des­ti­nos, e que tam­bém trans­mi­ta o jei­to do bra­si­lei­ro de vi­ver a vi­da e cur­tir as fé­ri­as. As­sim nas­ceu a Avi­va, uma ce­le­bra­ção das coi­sas bo­as e com o pro­pó­si­to de fa­zer fa­mí­li­as fe­li­zes.

R.H - Co­mo es­tão as mu­dan­ças des­sa no­va iden­ti­da­de vi­su­al e o que es­pe­ram al­can­çar com a Avi­va?

H.G - Co­mo em to­da mu­dan­ça es­se pro­ces­so re­quer tem­po, prin­ci­pal­men­te pa­ra as pes­so­as di­re­ta­men­te im­pac­ta­das. Es­pe­ra­mos le­var pa­ra o pú­bli­co a di­ver­são, o mo­vi­men­to e a ale­gria nas su­as for­mas e co­res. Tu­do is­so já co­me­ça a ser per­ce­bi­do nes­sa tem­po­ra­da de ve­rão nas qu­ais vá­ri­as no­vi­da­des se­rão aber­tas pro­por­ci­o­nan­do pa­ra o nos­so pú­bli­co uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­ci­a­da e di­ver­ti­da.

R.H - Es­sa mu­dan­ça tam­bém im­pac­ta no po­si­ci­o­na­men­to de vo­cês que pas­sa­ram a ser uma in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to. Por que es­se no­vo po­si­ci­o­na­men­to e qu­ais os ob­je­ti­vos a se­rem al­can­ça­dos?

H.G - A Avi­va foi pen­sa­da pa­ra ser sím­bo­lo da mai­or pla­ta­for­ma de tu­ris­mo, la­zer e en­tre­te­ni­men­to do Bra­sil e traz em seu DNA o en­tre­te­ni­men­to em to­das su­as ver­ten­tes. Quem se hos­pe­da em um de nos­sos dois des­ti­nos tem à dis­po­si­ção os lo­cais per­fei­tos pa­ra mo­men­tos de ale­gria e tran­qui­li­da­de com to­da a fa­mí­lia. Qu­e­re­mos ser dis­rup­ti­vos no mer­ca­do e cri­ar um no­vo mo­de­lo de ne­gó­ci­os com fo­co no en­tre­te­ni­men­to e com is­so ser os des­ti­nos mais re­le­van­tes nas re­giões on­de atu­a­mos

R.H - O que os cli­en­tes po­dem es­pe­rar a par­tir de ago­ra com es­sas mu­dan­ças?

H.G - Mais do que uma no­va mar­ca, nas­ce um no­vo jei­to de ser e de se re­la­ci­o­nar com cli­en­tes e par­cei­ros. Nos­so DNA é fa­zer to­dos os ti­pos de fa­mí­li­as fe­li­zes e ofe­re­cer mais do que hos­pe­da­gem. So­mos o no­vo com fo­co no en­tre­te­ni­men­to e mais do que is­so, uma em­pre­sa do bem.

R.H - Vo­cês es­tão fa­zen­do um gran­de apor­te de re­cur­sos em Cos­ta de Saui­pe. Qu­ais as mu­dan­ças que es­tão acon­te­cen­do e qual o im­pac­to que te­rá pa­ra o hós­pe­de?

H.G - Cos­ta do Sauí­pe re­ce­beu uma sé­rie de me­lho­ri­as que pro­me­te fa­zer a ale­gria das fa­mí­li­as vi­si­tan­tes. As me­lho­ri­as vão des­de as es­tru­tu­rais, co­mo a Or­la da Cos­ta, que se­rá to­tal­men­te re­vi­ta­li­za­da e a Qu­er­mes­se da Vi­la, que re­me­te aos his­tó­ri­cos par­ques iti­ne­ran­tes do País. A Vi­la As­som­bra­da pro­me­te, li­te­ral­men­te, ar­re­pi­ar os ca­be­los dos vi­si­tan­tes. Além dis­so, o des­ti­no ga­nhou três no­vos res­tau­ran­tes, o La Vil­la com gas­tro­no­mia con­tem­po­râ­nea, Res­tau­ran­te Baêa fo­ca­do em gas­tro­no­mia tra­di­ci­o­nal bai­a­na e o Res­tau­ran­te Ben­di­tos Fru­tos, que tra­rá as de­lí­ci­as dos fru­tos do mar e me­lho­ri­as na in­fra­es­tru­tu­ra dos es­pa­ços pa­ra even­tos pa­ra o seg­men­to MICE.

R.H - E qu­ais são as mu­dan­ças que es­tão em cur­so no Rio Quen­te Re­sorts?

H.G - Rio Quen­te te­rá uma sé­rie de no­vas atra­ções, com des­ta­que pa­ra a no­va atra­ção do Hot Park, e a Hot City che­ga pa­ra re­vo­lu­ci­o­nar e ser a ci­da­de das ci­da­des, com di­ver­sos ti­pos de atra­ções des­de gas­tro­no­mia, en­tre­te­ni­men­to e mú­si­ca.

R.H - O pro­ces­so de uni­fi­ca­ção do Rio Quen­te Re­sort com o com­ple­xo Cos­ta do Sauí­pe já es­tá to­tal­men­te pron­to? Co­mo es­tão tra­ba­lhan­do a si­ner­gia des­sas mar­cas que são bem dis­tin­tas pa­ra ala­van­car as ven­das?

H.G - A in­te­gra­ção es­tá mui­to avan­ça­da, con­se­gui­mos in­te­grar ba­si­ca­men­te to­dos os pro­ces­sos, sis­te­mas e, prin­ci­pal­men­te, o mo­de­lo de ges­tão. Is­so já es­tá tra­zen­do mui­tos re­tor­nos po­si­ti­vos em to­das as áre­as do ne­gó­cio, prin­ci­pal­men­te na me­lho­ria dos ín­di­ces de satisfação dos cli­en­tes, que ain­da es­tá em fa­se de tran­si­ção, mas com en­tre­gas dos pro­je­tos de me­lho­ri­as pre­vis­tos pa­ra os pró­xi­mos me­ses.

R.H - O tu­ris­ta es­tran­gei­ro já foi mui­to for­te em Cos­ta de Saui­pe, mas pe­que­no no Rio Quen­te. Co­mo vão tra­ba­lhar es­ses pro­du­tos no sen­ti­do de atrair os tu­ris­tas es­tran­gei­ros?

H.G - Es­ta­mos re­to­man­do os es­for­ços na Amé­ri­ca do Sul pa­ra tra­zer de vol­ta os es­tran­gei­ros pa­ra Cos­ta do Sauí­pe. Já pa­ra Rio Quen­te, te­mos o de­sa­fio da ma­lha aé­rea que é li­mi­ta­da a dois di­as de ope­ra­ção (quin­ta e do­min­go). Ou­tra op­ção é a che­ga­da via Goi­â­nia com um trans­fer ter­res­tre com du­as ho­ras de du­ra­ção, mas já es­ta­mos apro­vei­tan­do a si­ner­gia com Saui­pe pa­ra le­var os dois des­ti­nos pa­ra o mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

R.H - Qual sua vi­são do tu­ris­mo no Bra­sil nos pró­xi­mos anos e o im­pac­to que te­rá no seg­men­to ho­te­lei­ro?

H.G - A tec­no­lo­gia já é fa­tor pri­mor­di­al atu­al­men­te, mas te­rá im­por­tân­cia ain­da mai­or pa­ra os pró­xi­mos anos no tu­ris­mo bra­si­lei­ro. O de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co aju­da a me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­ci­as dos tu­ris­tas e pro­por­ci­o­na me­lho­res ex­pe­ri­ên­ci­as. Tra­ba­lha­mos pa­ra me­lho­rar is­so des­de o mo­men­to da pes­qui­sa pa­ra um de nos­sos des­ti­nos até a che­ga­da das pes­so­as nos nos­sos com­ple­xos. A ini­ci­a­ti­va pri­va­da é a mai­or res­pon­sá­vel pe­la ge­ra­ção de em­pre­gos e in­ves­ti­men­to do se­tor e te­mos que ser pro­ta­go­nis­tas na cons­tru­ção do fu­tu­ro do nos­so se­tor. A Avi­va é um exem­plo des­sa ati­tu­de, va­mos in­ves­tir R$ 1 bi­lhão até 2025 e com cer­te­za is­so aju­da­rá o se­tor a se tor­nar mais for­te e prin­ci­pal­men­te a se trans­for­mar e ser ca­da vez mais re­le­van­te co­mo in­dús­tria no Bra­sil.

A Avi­va foi pen­sa­da pa­ra ser sím­bo­lo da mai­or pla­ta­for­ma de tu­ris­mo, la­zer e en­tre­te­ni­men­to do Bra­sil e traz em seu DNA o en­tre­te­ni­men­to em to­das su­as ver­ten­tes.

Es­ta­mos re­to­man­do os es­for­ços na Amé­ri­ca do Sul pa­ra tra­zer de vol­ta os es­tran­gei­ros pa­ra Cos­ta do Sauí­pe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.