Mer­ca­do

Hotéis - - Sumario Page -

O Pull­man São Pau­lo Vi­la Olím­pia re­for­ça ain­da mais sua con­di­ção de ho­tel van­guar­dis­ta ao ado­tar um robô pa­ra ta­re­fas de con­ci­er­ge. Quem vi­si­tar ou se hos­pe­dar no em­pre­en­di­men­to a par­tir de ago­ra, en­con­tra­rá o robô Phil Wel­co­me cir­cu­lan­do pe­la re­cep­ção. O no­me é um tro­ca­di­lho com o slo­gan da Ac­corHo­tels, “Fe­el Wel­co­me” (sin­ta-se bem-vin­do). O robô já se en­con­tra num es­tá­gio bem avan­ça­do com mui­tas in­for­ma­ções e con­se­gue in­te­ra­gir com os hós­pe­des in­for­man­do, por exem­plo, ho­rá­rio de check-in, check-out, pre­ço do es­ta­ci­o­na­men­to, in­for­ma­ções de ci­ne­mas pró­xi­mos, far­má­ci­as, shop­pings cen­ters, par­ques e até mes­mo de co­mo es­tá o trân­si­to ou o cli­ma.

O robô é pro­du­zi­do pe­la chi­ne­sa Ub­te­ch, uti­li­za tec­no­lo­gi­as de In­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al da IBM, co­mo o Wat­son, e uma pla­ta­for­ma mul­ti­ca­nal de ba­se de da­dos da Plu­gin­bot que tam­bém faz a tra­du­ção da fa­la do robô pa­ra o idi­o­ma por­tu­guês. A equi­pe de T.I da Ac­corHo­tels tam­bém tem uma par­ti­ci­pa­ção im­por­tan­te no de­sen­vol­vi­men­to des­se robô. Ele não res­pon­de ape­nas a perguntas pré-pro­gra­ma­das co­mo tam­bém é ca­paz de apren­der com as no­vas ques­tões e de­sen­vol­ver res­pos­tas a elas sem a in­te­ra­ção hu­ma­na. O ob­je­ti­vo des­sa no­va tec­no­lo­gia, é pro­por­ci­o­nar aos hós­pe­des uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­ci­a­da e liberar os co­la­bo­ra­do­res do ho­tel pa­ra ou­tras ro­ti­nas de en­can­ta­men­to do hós­pe­de. Num se­gun­do mo­men­to, o robô Phill de­ve­rá exe­cu­tar fun­ções um pou­co mais com­ple­xas, com o re­co­nhe­ci­men­to de voz e is­so in­clui: apoio a equi­pe de gar­çons pa­ra pe­gar pe­di­dos nos res­tau­ran­tes ou fa­zer check-in e check-outs. “O Phil é um dos nos­sos vá­ri­os pro­je­tos em au­to­ma­ção e, mais do que

is­so, em in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. Quan­do fa­la­mos em tec­no­lo­gia, não nos pre­o­cu­pa­mos ape­nas com a in­fra­es­tru­tu­ra de ca­bos, si­nais, re­des e softwa­res. Na Ac­corHo­tels, tec­no­lo­gia é ca­da vez mais um pro­du­to fi­nal com fo­co es­pe­cí­fi­co na ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te”, ex­pli­ca o Vi­ce­Pre­si­den­te de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção da Ac­corHo­tels Amé­ri­ca do Sul, Erwan Le Goff.

Se­gun­do ele, o Phil é o re­sul­ta­do de di­ver­sos pro­je­tos, al­guns ain­da em tes­tes e ou­tros já em uso na Ac­corHo­tels. “Ele reú­ne, por exem­plo, a mes­ma in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al dis­po­ní­vel no chat­bot, o soft­ware que “con­ver­sa” com os cli­en­tes nas re­des so­ci­ais dos ho­téis. Ele tam­bém con­tém par­te da tec­no­lo­gia em im­plan­ta­ção em um quar­to IoT (in­ter­net das coi­sas), que se­rá com­ple­ta­men­te co­man­da­do por voz. Phil in­te­gra, ain­da, os va­lo­res e con­cei­tos da Ac­corHo­tels ao ter co­mo me­ta ofe­re­cer a me­lhor hos­pi­ta­li­da­de aos cli­en­tes”, des­ta­ca Le Goff.

Al­va­ro Man­zi­o­ne, da em­pre­sa Plu­gin­bot des­ta­ca que um dos gran­des de­sa­fi­os foi ajus­tar as in­te­ra­ções pa­ra o idi­o­ma por­tu­guês. “Cri­a­mos tam­bém uma pla­ta­for­ma mul­ti­ca­nal pa­ra in­te­ra­gir com ou­tras tec­no­lo­gi­as e ge­rar de for­ma si­mul­tâ­nea de­ze­nas de robôs vir­tu­ais (chat­bots) e robôs fí­si­cos co­mo o Phill” ex­pli­ca Man­zi­o­ne. “Im­ple­men­ta­mos di­fe­ren­tes tec­no­lo­gi­as nes­se robô, co­mo o Wat­son, pa­ra cri­ar no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as aos hós­pe­des. Com is­so, o Phill dá in­for­ma­ções mais as­ser­ti­vas e in­te­li­gen­tes”, con­cluiu Frank Mil­ler Ko­ja, Vi­ce­Pre­si­den­te de Ser­vi­ços e Tec­no­lo­gia da IBM Bra­sil.

O robô Phil ao la­do do Vi­ce-Pre­si­den­te de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção da Ac­corHo­tels Amé­ri­ca do Sul, Erwan Le Goff

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.