Mo­bi­liá­rio de al­to pa­drão co­mo di­fe­ren­ci­al com­pe­ti­ti­vo em ho­téis

Pe­ças ex­clu­si­vas pas­sa­ram a se tor­nar um dos atra­ti­vos dos em­pre­en­di­men­tos, que apos­tam ca­da vez mais em con­cei­tos ar­tís­ti­cos pa­ra seu layout de in­te­ri­o­res

Hotéis - - News -

O pa­drão de de­co­ra­ção na ho­te­la­ria es­tá mu­dan­do e a di­ver­si­fi­ca­ção em co­res, tex­tu­ras e ma­te­ri­ais es­tá ca­da vez mais pre­sen­te. Mui­to além de man­ter um layout agra­dá­vel, so­fis­ti­ca­do e con­di­zen­te com a mar­ca do ho­tel, um mo­bi­liá­rio de al­to pa­drão traz mai­or vi­da útil e eco­no­mia ao do­no do ne­gó­cio, já que se tra­ta de ma­te­ri­ais de qua­li­da­de que equi­pam e ao mes­mo tem­po de­co­ram o em­pre­en­di­men­to. Com mó­veis ex­clu­si­vos e as­si­na­dos por re­no­ma­dos ar­tis­tas, o ho­tel tam­bém

pode cri­ar sua iden­ti­da­de e se di­fe­ren­ci­ar dos de­mais, con­tan­do com pro­je­tos cus­to­mi­za­dos fei­tos es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra seu pú­bli­co e a de­man­da de ca­da es­pa­ço.

Ter um mó­vel ex­clu­si­vo é mais um atra­ti­vo pa­ra o ho­tel, por is­so, se tra­ta de um in­ves­ti­men­to. Uma ca­dei­ra ou me­sa fa­bri­ca­da nos anos 1950 com mar­cas do tem­po tem mui­to mais im­pac­to que um item pro­du­zi­do em gran­de es­ca­la, pe­la his­tó­ria que car­re­ga con­si­go. Mas não es­tá ape­nas na sua es­té­ti­ca a pre­o­cu­pa­ção de um de­sig­ner de mó­veis. Ele tam­bém pre­ci­sa ser fun­ci­o­nal e com­pa­tí­vel com o usuá­rio. Ele pre­ci­sa pre­ver quem vai usu­fruir de­le pa­ra que ca­da de­ta­lhe se­ja pen­sa­do de for­ma co­le­ti­va com a ma­té­ria pri­ma a ser usa­da, o am­bi­en­te que se­rá in­se­ri­do e se se­gui­rá tendências ou mo­dis­mos.

A his­tó­ria dos mó­veis no Bra­sil abran­ge a ca­mi­nha­da de ar­te­sãos e ar­tis­tas plás­ti­cos que pas­sa­ram a de­se­nhar os uti­li­tá­ri­os em um ce­ná­rio sem mui­tas opor­tu­ni­da­des no País pa­ra ou­tros seg­men­tos. En­quan­to ain­da des­co­nhe­ci­do, o de­sign de mó­veis ini­ci­ou com pe­ças de mar­ce­na­ri­as fa­mi­li­a­res, já que a ma­dei­ra era a prin­ci­pal ma­té­ria-pri­ma. Nes­se tem­po, me­sas, ca­dei­ras e so­fás pas­sa­vam pe­la im­pro­vi­sa­ção e tes­tes. Ao lon­go do tem­po, com a mo­der­ni­za­ção e de­sen­vol­vi­men­to des­te ra­mo, no­mes co­mo Ser­gio Ro­dri­gues e Li­na Bo Bar­di cri­a­ram pe­ças atem­po­rais que até ho­je são mo­de­lo e exem­plo pa­ra uma no­va ge­ra­ção de ar­qui­te­tos e de­sig­ners, que ca­da vez mais se es­pe­ci­a­li­zam na pro­du­ção de mo­bi­liá­rio pa­ra os mais di­fe­ren­tes es­pa­ços – os ho­téis co­mo um de seus pre­fe­ri­dos.

Es­té­ti­ca dis­rup­ti­va

A di­fe­ren­ci­a­ção e ex­clu­si­vi­da­de são as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas de um mó­vel de al­to pa­drão. Ca­da mó­vel de lu­xo tem su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des e aten­de a al­guns re­qui­si­tos. Pa­ra Ana Vi­dal, ar­qui­te­ta só­cia do es­cri­tó­rio Vi­dal & Sant’an­na Ar­qui­te­tu­ra — res­pon-

sá­vel por vá­ri­os pro­je­tos de in­te­ri­o­res pa­ra ho­te­la­ria — ter ma­te­ri­ais de qua­li­da­de é fun­da­men­tal pa­ra es­te ti­po de mó­vel. “A qua­li­da­de dos mó­veis de lu­xo é su­pe­ri­or em re­la­ção aos de­mais. As ma­dei­ras em­pre­ga­das na fa­bri­ca­ção des­sas pe­ças são “es­pe­ci­ais”, além de ter a do­cu­men­ta­ção de ori­gem flo­res­tal e to­do o seu ma­ne­jo sus­ten­tá­vel. Além dis­so, as pe­ças de lu­xo cos­tu­mam ser fei­tas com téc­ni­cas tra­di­ci­o­nais de mar­ce­na­ria, co­mo por exem­plo, a mar­che­ta­ria. A mai­o­ria dos mo­veis de lu­xo são con­ce­bi­dos por de­sig­ners de re­no­me, o que tor­na o mo­bi­liá­rio mais ex­clu­si­vo”, ex­pli­ca a ar­qui­te­ta.

O aca­ba­men­to des­tes uti­li­tá­ri­os tam­bém é di­fe­ren­ci­a­do. Ge­ral­men­te as pe­ças têm o seu aca­ba­men­to fei­to a par­tir de téc­ni­cas ar­te­sa­nais, o que faz com que es­sas pe­ças se­jam itens úni­cos. Por fim, eles tam­bém têm pro­du­ção em es­ca­la re­du­zi­da: co­mo são pe­ças mais cui­da­das que a mai­o­ria, não são pro­du­zi­das em gran­de es­ca­la e às ve­zes são ide­a­li­za­das sob en­co­men­da pa­ra aten­di­men­to de um de­ter­mi­na­do pro­je­to ou cli­en­te. “Aten­der, agra­dar e fi­de­li­zar um pú­bli­co que vem se tor­nan­do gra­da­ti­va­men­te mais exi­gen­te, tem si­do o gran­de de­sa­fio da ho­te­la­ria. Co­mo pa­ra tan­tos ou­tros se­to­res, tam­bém pa­ra a ho­te­la­ria, a inovação é atu­al­men­te o prin­ci­pal fa­tor de com­pe­ti­ti­vi­da­de di­an­te da con­cor­rên­cia. Sem inovação é im­pos­sí­vel man­ter-se vi­vo”, co­men­ta Vi­dal.

Acom­pa­nhan­do es­sa ne­ces­si­da­de, as ino­va­ções es­té­ti­cas ga­nham for­ça no mer­ca­do ho­te­lei­ro por con­so­li­da­rem a ima­gem das mar­cas e es­ta­be­le­ce­rem uma re­la­ção sen­si­ti­va e de iden­ti­da­de com os di­ver­sos ti­pos de hós­pe­des. “A bus­ca por uma abor­da­gem es­té­ti­ca ino­va­do­ra e dis­rup­ti­va vem sen­do o ob­je­ti­vo prin­ci­pal dos nos­sos pro­je­tos. Os am­bi­en­tes pas­sam a ser es­pa­ços pro­vo­ca­ti­vos e têm co­mo me­ta cau­sar sen­sa­ções nos usuá­ri­os e mar­car a sua ex­pe­ri­ên­cia no ho­tel, de for­ma po­si­ti­va pa­ra sem­pre na sua me­mó­ria. A de­co­ra­ção e o mo­bi­liá­rio uti­li­za­do nes­ses es­pa­ços tor­nam-se ele­men­tos fun­da­men­tais pa­ra es­sa pro­pos­ta, afir­mou Ana Vi­dal.

Ela ex­pli­ca, ain­da, que a de­fi­ni­ção da li­nha es­té­ti­ca que se­rá de­sen­vol­vi­da pa­ra ca­da pro­je­to es­tá

sem­pre atre­la­da ao con­cei­to es­té­ti­co pro­pos­to pe­lo pro­fis­si­o­nal. As sen­sa­ções e ex­pe­ri­ên­ci­as que se pre­ten­dem pro­vo­car no usuá­rio são o ob­je­ti­vo prin­ci­pal no de­sen­vol­vi­men­to do pro­je­to. Des­de o de­se­nho de or­ga­ni­za­ção do es­pa­ço e ati­vi­da­des que abri­ga­rá até a es­co­lha das co­res, aca­ba­men­tos e mo­bi­liá­rio, o con­cei­to ser­vi­rá co­mo ori­en­ta­dor pa­ra as di­ver­sas es­co­lhas que o pro­fis­si­o­nal de­ve­rá fa­zer. A de­fi­ni­ção do con­cei­to es­tá sem­pre fun­da­men­ta­da no ob­je­ti­vo do cli­en­te, no pú­bli­co al­vo e na ver­ba dis­po­ní­vel pa­ra vi­a­bi­li­zar a sua exe­cu­ção final. “O pro­je­to de De­sign de In­te­ri­o­res, em con­jun­to com a Ar­qui­te­tu­ra, têm um pa­pel fun­da­men­tal co­mo agen­tes po­si­ti­vos na ex­pe­ri­ên­cia dos hós­pe­des. As sen­sa­ções de bem es­tar e ex­pe­ri­ên­ci­as po­si­ti­vas vi­ven­ci­a­das em de­ter­mi­na­dos am­bi­en­tes têm co­mo ob­je­ti­vo im­pres­si­o­nar, ca­ti­var e fi­de­li­zar um de­ter­mi­na­do gru­po de pes­so­as em um de­ter­mi­na­do ho­tel”.

Nes­te ti­po de mo­bi­liá­rio, são usa­das na mai­o­ria das ve­zes ma­dei­ras no­bres, mas de ma­ne­jo e pro­ve­ni­ên­cia cer­ti­fi­ca­das. Além de ma­dei­ras no­bres, co­mo pau-fer­ro, pau-san­to e car­va­lho tam­bém te­ci­dos co­mo li­nhos, lãs, cou­ros e se­das. A ar­qui­te­ta aler­ta que o mo­bi­liá­rio sem­pre de­ve­rá ser es­co­lhi­do por um pro­fis­si­o­nal de ar­qui­te­tu­ra ou de­sign de in­te­ri­o­res, que fa­rá a es­co­lha de acor­do com o pro­pó­si­to do pro­je­to. “O com­pra­dor de­ve­rá to­mar o cui­da­do de con­fir­mar se a pe­ça que es­tá sen­do or­ça­da ou com­pra­da aten­de a es­pe­ci­fi­ca­ção do pro­fis­si­o­nal res­pon­sá­vel pe­lo pro­je­to”, acon­se­lha.

Im­plan­ta­do na Praia de Bo­ta­fo­go, no Rio de Ja­nei­ro, o pro­je­to fei­to pe­lo es­cri­tó­rio Vi­dal & Sant’An­na da uni­da­de No­vo­tel te­ve co­mo prin­ci­pal de­sa­fio es­ta­be­le­cer uma no­va lin­gua­gem pa­ra a mar­ca; rom­per com a es­té­ti­ca tra­di­ci­o­nal e pro­por­ci­o­nar ao hós­pe­de uma ex­pe­ri­ên­cia ines­que­cí­vel de am­bi­en­ta­ção. “Em to­dos os pro­je­tos que de­sen­vol­ve­mos, pro­cu­ra­mos cri­ar um con­cei­to bem de­fi­ni­do que ori­en­te to­das as es­co­lhas dos itens de pro­je­to, bem co­mo pas­sar uma men­sa­gem pa­ra o pú­bli­co al­vo, no ca­so, o hós­pe­de. A bus­ca por uma abor­da­gem es­té­ti­ca ino­va­do­ra di­re­ci­o­nou o pro­je­to por um ca­mi­nho de pro­vo­ca­ções; ser um ho­tel de ca­rá­ter ur­ba­no vol­ta­do pa­ra o hós­pe­de de ne­gó­ci­os, mas que de­ve­ria es­ti­mu­lar o con­ví­vio, a cu­ri­o­si­da­de e a sur­pre­sa”, con­ta ela.

Lo­ca­li­za­do em um imó­vel pro­fun­do, ge­mi­na­do em am­bos os la­dos, com ra­ra ilu­mi­na­ção na­tu­ral nos am­bi­en­tes cen­trais, op­tou-se por uma ilu­mi­na­ção mais in­ti­mis­ta e ce­no­grá­fi­ca, acen­tu­a­do os sen­ti­dos mais lú­di­cos. O uso de pai­néis com ima­gens te­má­ti­cas tam­bém cri­ou pers­pec­ti­vas ilu­só­ri­as, que dis­far­ça­ram o for­ma­to es­trei­to e com­pri­do da edi­fi­ca­ção. No pa­vi­men­to tér­reo, o lobby bar é o co­ra­ção do pro­je­to. A par­tir de­le, uma úni­ca li­nha si­nu­o­sa es­ta­be­le­ce um de­se­nho har­mo­ni­o­so or­ga­ni­zan­do to­das as ati­vi­da­des so­ci­ais e pro­mo­ven­do a in­te­gra­ção en­tre os usuá­ri­os. Es­se de­se­nho tem co­mo ins­pi­ra­ção a si­nu­o­si­da­de do re­le­vo e a to­po­gra­fia da ci­da­de. “Ca­da pe­ça de mo­bi­liá­rio, ima­gem, efei­to de ilu­mi­na­ção, ta­pe­tes, co­res e re­ves­ti­men­tos, fo­ram pen­sa­dos num con­cei­to es­té­ti­co úni­co: ob­ter um con­jun­to di­fe­ren­ci­a­do, pro­vo­ca­ti­vo e re­ple­to de ex­pe­ri­ên­ci­as”, com­ple­tou a ar­qui­te­ta.

Re­no­me e de­sign

An­tes mes­mo de se per­gun­tar: “Eu pre­ci­so ter um mó­vel de al­to pa­drão?”, é pre­ci­so sa­ber qual se­rá seu pú­bli­co. Quem va­lo­ri­za es­te ti­po de mo­bi­liá­rio es­tá acos­tu­ma­do a apre­ci­ar obras de ar­te, é co­nhe­ce­dor de pe­ças em di­ver­sos lu­ga­res do país e do mundo e sa­be­rá di­fe­ren­ci­ar a pe­ça e re­co­nhe­cê-la pe­la sua ex­clu­si­vi­da­de. O de­sign do mó­vel de al­to pa­drão é im­pres­cin­dí­vel, mas de­ve es­tar acom­pa­nha­do de fun­ci­o­na­li­da­de e mui­to con­for­to.

Es­te é o pen­sa­men­to da de­sig­ner Me­li­na Ro­ma­no, es­pe­ci­a­li­za­da em mo­bi­liá­rio pe­la Ac­ca­de­mia Ita­li­a­na. Com dez anos de carreira, den­tre ou­tros pro­je­tos ela tem no cur­rí­cu­lo a tro­pi­ca­li­za­ção do Ho­tel Yoo2 Rio de Ja­nei­ro – o pri­mei­ro em­pre­en­di­men­to da ban­dei­ra no Bra­sil. Em par­ce­ria com o es­cri­tó­rio lon­dri­no que le­va o mes­mo no­me da mar­ca dos par­cei­ros Phi­lip­pe Starck e John Hit­ch­cox, o pro­je­to do ho­tel te­ve co­mo ob­je­ti­vo tra­zer a al­ma ca­ri­o­ca pa­ra to­dos os am­bi­en­tes, fos­se atra­vés de pa­le­tas de co­res e tex­tu­ras, co­mo atra­vés de vis­tas pa­ra um dos des­ti­nos mais fa­mo­sos do mundo. Fa­zem par­te da de­co­ra­ção o ban­co chu­va do de­sig­ner Leo Ro­ma­no, me­sa de cen­tro de Mar­cus Fer­rei­ra e pol­tro­na pai­nho de Mar­ce­lo Ro­sen­baum. Sob o con­cei­to de cus­to­mi­za­ção, os quar­tos apre­sen­tam mo­bi­liá­rio de­se­nha­do ex­clu­si­va­men­te pa­ra o ho­tel. No res­tau­ran­te, um pen­den­te Sput­nik da de­sig­ner bra­si­lei­ra Ana Neu­te é um dos des­ta­ques da de­co­ra­ção.

Se­gun­do Me­li­na, o Yoo2 é um ca­se no qual o mo­bi­liá­rio de de­sign é cha­ve pa­ra o pro­je­to. “Ele fa­la so­bre bra­si­li­da­de aci­ma de tu­do, en­tão 100% do mo­bi­liá­rio é na­ci­o­nal e di­fe­ren­ci­a­do. Bus­ca­mos de­sig­ners em as­cen­são co­mo Mar­ce­lo Ro­sen­baum, Ana Neu­te, e atu­ais, pa­ra in­se­rir nes­se ho­tel li­festy­le, e ca­da item é per­ce­bi­do pelas pes­so­as. En­tão, o fe­ed­back é de que os cli­en­tes que­rem sa­ber a ori­gem do mó­vel. No Yoo2, as re­cep­ci­o­nis­tas co­nhe­cem o pro­je­to, por­que mui­tas ve­zes elas são in­da­ga­das pa­ra sa­ber qual é aque­la pol­tro­na, qual é aque­le lus­tre, por­que elas es­tão ad­mi­ra­das por aqui­lo. En­tão, eu acho que is­so é um im­pac­to ba­ca­na, as pes­so­as fi­cam in­te­res­sa­das no de­sign do pro­je­to. O ho­tel tem pol­tro­nas na re­cep­ção, por exem­plo, que as pes­so­as sen­tam e ti­ram fo­to, por­que aqui­lo é uma obra de ar­te mes­mo. É al­go ou­sa­do, que não se tem em ca­sa, pon­tua Me­li­na.

A de­sig­ner de­fen­de, ain­da, que no ca­so dos ho­téis de lu­xo, que exi­gem es­te al­to pa­drão de qua­li­da­de e de­ta­lha­men­to, o pro­je­to de­ve con­tar com uma re­cep­ção e um lobby ca­lo­ro­sos — o que não sig­ni­fi­ca que pre­ci­sa de uma re­cep­ção gran­de e es­pa­ço­sa — mas va­lo­ri­zar a so­fis­ti­ca­ção. “O que te­mos fei­to mui­to pa­ra lob­bi­es so­fis­ti­ca­dos é que a re­cep­ção não é mais uma re­cep­ção. Ela é um bar e a pes­soa é re­ce­bi­da com um drin­que, sen­ta nu­ma sa­la de es­tar. Não é mais uma re­cep­ção fria com um bal­cão na fren­te; ten­ta­mos não co­lo­car mais is­so co­mo fa­tor prin­ci­pal da re­cep­ção, e sim, qua­se co­ad­ju­van­te na en­tra­da”, diz.

Me­li­na con­ta tam­bém que nor­mal­men­te, quan­do um pro­fis­si­o­nal de de­sign e ar­qui­te­tu­ra é con­tra­ta­do por um ho­tel de al­to pa­drão, ele tam­bém quer ou­vir de­le a ex­pe­ri­ên­cia que pro­põe pa­ra o es­pa­ço. “Mui­tas ve­zes, te­mos a li­ber­da­de de su­ge­rir al­gu­mas coi­sas - uma re­cep­ção con­for­tá­vel, va­mos fa­zer do bar a re­cep­ção – e ele gos­ta de es­cu­tar. De­pois, é um tra­ba­lho a qua­tro mãos, com ele tam­bém adi­ci­o­nan­do ex­pe­ri­ên­cia e di­zen­do o que ele pre­ten­de que o hós­pe­de pas­se. En­tão, acho que é mui­to bem vin­da nos­sa ou­sa­dia e con­cei­to nes­se pri­mei­ro mo­men­to de layout”, afir­ma Ro­ma­no. Pa­ra ela, sem­pre exis­te uma for­ma do de­sign es­tar pre­sen­te, mes­mo que o or­ça­men­to se­ja li­mi­ta­do. “De re­pen­te, vo­cê pode pri­vi­le­gi­ar al­gum es­pa­ço ou al­gu­mas pe­ças pa­ra que elas apa­re­çam mais que as ou­tras. Um ar­qui­te­to in­te­li­gen­te sa­be va­lo­ri­zar as pe­ças que re­al­men­te de­vem apa­re­cer. Não é só o bud­get que in­flu­en­cia. Quem é a es­tre­la do pro­je­to? Is­so pode ser es­co­lhi­do em ho­téis com o bud­get me­nor”.

Pa­ra ela, o de­sign es­tá re­la­ci­o­na­do à ex­pe­ri­ên­cia que o ho­tel quer pas­sar. Mas is­so pode não ser tra­du­zi­do em mai­or ren­ta­bi­li­da­de. “Is­so faz par­te de um dos pi­la­res da ex­pe­ri­ên­cia que o ho­tel te propôs. Se foi pro­pos­to um ho­tel Li­festy­le, vo­cê pre­ci­sa ofe­re­cer um de­sign de in­te­ri­o­res li­festy­le, ou se­ja, ou­sa­do, co­lo­ri­do. Se vo­cê se propôs a ser um ho­tel de al­to pa­drão, o de­sign de in­te­ri­o­res tam­bém pe­de mo­bi­liá­rio de al­to pa­drão, ma­te­ri­ais, mar­cas etc. Ele é um dos pi­la­res des­sa ex­pe­ri­ên­cia”.

Tec­no­lo­gia x Téc­ni­cas ar­te­sa­nais

A Mó­veis De­luc­ci atua no mer­ca­do de mo­bi­liá­rio cor­po­ra­ti­vo aten­den­do a inú­me­ras so­lu­ções pa­ra ca­da am­bi­en­te. A em­pre­sa bus­ca ofe­re­cer aten­di­men­to com­ple­to no uni­ver­so gas­tronô­mi­co em me­sas, ca­dei­ras, ban­que­tas, pol­tro­nas e pe­ças com­ple­men­ta­res, equi­li­bran­do a al­ta tec­no­lo­gia a téc­ni­cas ar­te­sa­nais e ao cui­da­do ri­go­ro­so na es­co­lha das ma­té­ri­as-pri­mas.

To­dos os anos, a em­pre­sa, com se­de em Bento Gon­çal­ves (RS), tem a pre­o­cu­pa­ção de lan­çar sua no­va co­le­ção de acor­do com as úl­ti­mas tendências do mer­ca­do, além dos pro­du­tos pa­dro­ni­za­dos ofe­re­ci­dos atra­vés do ca­tá­lo­go. A com­pa­nhia aten­de tam­bém a pro­je­tos es­pe­cí­fi­cos de acor­do com a so­li­ci­ta­ção dos cli­en­tes. Seus pro­du­tos têm co­mo ba­se ma­dei­ra ma­ci­ça de Je­qui­ti­bá cer­ti­fi­ca­da, aca­ba­men­to com tin­gi­do­res e ver­ni­zes de al­ta du­ra­bi­li­da­de, nos re­ves­ti­men­tos es­pu­mas de

al­ta re­si­li­ên­cia e te­ci­dos se­le­ci­o­na­dos, ga­ran­tin­do o pa­drão da mar­ca.

A em­pre­sa é for­ne­ce­do­ra pa­ra vá­ri­os ho­téis bra­si­lei­ros, co­mo: Ho­tel Ibe­ros­tar na Bahia, Gol­den Tu­lip Inn, Bi­a­zi Pla­za Ho­tel, Bras Pa­la­ce Ho­tel, Re­sort Cam­pes­tre, Club Med La­ke Pa­ra­di­se, en­tre ou­tros em São Pau­lo e a re­de Vi­ve­ro­ne no Rio Gran­de do Sul. De acor­do com a em­pre­sa, a iden­ti­fi­ca­ção dos mó­veis foi fei­ta em con­jun­to com o cli­en­te – no ca­so o ar­qui­te­to(a) - e acon­te­ceu de di­fe­ren­te ma­nei­ras. Al­guns fo­ram pro­je­tos/pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos que fo­ram de­sen­vol­vi­dos pa­ra o cli­en­te con­for­me so­li­ci­ta­ção pré­via e ou­tros nos quais fo­ram for­ne­ci­dos pro­du­tos da li­nha pa­drão.

Com o de­sign sus­ten­tá­vel subs­ti­tuin­do ma­té­ri­as-pri­mas, ma­te­ri­ais, tec­no­lo­gi­as e pro­ces­sos por ou­tros me­nos no­ci­vos ao meio am­bi­en­te, os am­bi­en­tes são, ca­da vez mais, ins­pi­ra­dos na na­tu­re­za que os ro­deia. O uso res­pon­sá­vel da ma­dei­ra é um dos pon­tos for­tes da ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa, a par­tir da con­cep­ção dos pro­du­tos, tu­do é pen­sa­do vi­san­do o mí­ni­mo de agres­são ao meio am­bi­en­te, des­de a com­pra de ma­te­ri­ais certificados até o des­car­te ade­qua­do dos re­sí­du­os pro­ve­ni­en­tes da pro­du­ção. A Mó­veis De­luc­ci tra­ba­lha ain­da com vá­ri­os pro­du­tos as­si­na­dos por de­sig­ners con­cei­tu­a­dos, va­lo­ri­zan­do os pro­fis­si­o­nais na­ci­o­nais, tais co­mo: Le­an­dro Ga­va e Mu­ri­e­le Vi­vi­an, da Ye De­sign.

De­sign e Con­for­to

A L’oeil atua no mer­ca­do de de­co­ra­ção com tendências em mó­veis, va­sos e ob­je­tos pa­ra in­te­ri­o­res e ex­te­ri­o­res des­de 1994. O ca­tá­lo­go da lo­ja traz pro­du­tos na­ci­o­nais as­si­na­dos por de­sig­ners e pe­ças dos mais di­ver­sos lu­ga­res do pla­ne­ta, co­mo Mar­ro­cos, Vi­et­nã, Ín­dia, Tur­quia, Chi­na e In­do­né­sia. Em mó­veis e ob­je­tos pa­ra in­te­ri­o­res, a em­pre­sa possui li­nha di­ver­si­fi­ca­da de so­fás, pol­tro­nas, me­sas, ca­dei­ras, apa­ra­do­res e ta­pe­tes, além de lus­tres, aba­ju­res, ob­je­tos e aces­só­ri­os pa­ra com­por a de­co-

ra­ção. Além dis­so, tem gran­de va­ri­e­da­de de co­res e mo­de­los de va­sos pa­ra jar­dins im­por­ta­dos e na­ci­o­nais, em ce­râ­mi­ca vi­tri­fi­ca­da, ter­ra­co­ta, ci­men­to, fi­bra e are­ni­to. Su­as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas in­clu­em de­sign, qua­li­da­de, du­ra­bi­li­da­de e con­for­to.

De du­as a três ve­zes ao ano, a L’oeil lan­ça uma li­nha no­va de ho­te­la­ria, além de ela­bo­rar mó­veis com a ne­ces­si­da­de de ca­da cli­en­te, pos­si­bi­li­tan­do es­co­lha es­pe­ci­fi­ca pa­ra ca­da um, com a cri­a­ção de pro­tó­ti­pos pa­ra apro­va­ção. São cer­ca de 30 mil cli­en­tes ca­das­tra­dos em to­do o país e as en­tre­gas são fei­tas pa­ra to­do o Bra­sil.

Os mó­veis de al­to pa­drão pro­por­ci­o­nam sen­sa­ção de con­for­to, tran­qui­li­da­de e bem-es­tar, por is­so, é pre­ci­so que o mo­bi­liá­rio se­ja da me­lhor qua­li­da­de e apre­sen­te du­ra­bi­li­da­de.

Qua­li­da­de e er­go­no­mia

A Pa­tio Bra­sil atua des­de 1999 na pro­du­ção de mó­veis de al­to pa­drão pa­ra a am­bi­en­ta­ção de es­pa­ços no­bres. A em­pre­sa ofe­re­ce uma ga­ma de op­ções, tan­to pa­ra a área in­ter­na quan­to pa­ra a área ex­ter­na, com ban­cos, ba­ses e me­sas de jan­tar, pol­tro­nas, so­fás, me­sas de cen­tro e la­te­rais, ca­dei­ras, en­tre ou­tras pe­ças. Os pro­du­tos são pro­du­zi­dos com re­quin­te, char­me e acon­che­go, atu­an­do com iden­ti­da­de pró­pria e pri­o­ri­zan­do a qua­li­da­de e ex­clu­si­vi­da­de.

A no­va mar­ca Pá­tio Ali­ve, com pre­vi­são de lan­ça­men­to pa­ra ja­nei­ro de 2019, te­rá li­nhas com um vi­su­al ca­su­al, jo­vem e des­po­ja­do, além de se­rem fa­bri­ca­dos de for­ma oti­mi­za­da, com me­lhor apro­vei­ta­men­to dos ma­te­ri­ais. Os itens se­rão fei­tos com pro­du­tos mais com­pac­tos e com mai­or ga­ma de co­res. A em­pre­sa se­le­ci­o­na ma­té­ri­as pri­mas e in­su­mos apro­pri­a­dos pa­ra re­sis­tên­cia às con­di­ções cli­má­ti­cas, ga­ran­tia da qua­li­da­de, re­du­ção da ne­ces­si­da­de de ma­nu­ten­ção e tam­bém pa­ra evi­tar ris­cos aci­den­tais le­ves ou gra­ves aos vi­si­tan­tes do ho­tel.

Com res­pei­to ao meio am­bi­en­te, o pro­ces­so

de pro­du­ção va­lo­ri­za as­pec­tos sus­ten­tá­veis e ins­ti­ga a cons­ci­en­ti­za­ção. To­tal­men­te ar­te­sa­nal, 100% ma­nu­fa­tu­ra­da, o de­sen­vol­vi­men­to dos mó­veis con­fe­re às pe­ças as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas pre­za­das pe­la Pa­tio Bra­sil: qua­li­da­de, tan­to na ma­té­ria pri­ma e quan­to na mão de obra, de­sign e er­go­no­mia, pro­por­ci­o­nan­do tam­bém o con­for­to.

O mó­vel de de­sign acres­cen­ta so­fis­ti­ca­ção e fun­ci­o­na­li­da­de à de­co­ra­ção

No pro­je­to do es­cri­tó­rio de Ana Vi­dal pa­ra o Foyer de Even­tos do No­vo­tel Rio de Ja­nei­ro Bo­ta­fo­go, o mo­bi­liá­rio con­tras­ta com o pi­so

Me­li­na Ro­ma­no, de­sig­ner bra­si­lei­ra res­pon­sá­vel pe­la tro­pi­ca­li­za­ção do Yoo2 Rio de Ja­nei­ro

A Mó­veis De­luc­ci con­ta com li­nhas pró­pri­as e tam­bém pro­duz itens cus­to­mi­za­dos

A L’oeil per­mi­te que o cli­en­te ela­bo­re mó­veis de acor­do com a sua ne­ces­si­da­de

Mo­bi­liá­rio ex­ter­no equi­pa ter­ra­ço de um dos quar­tos do Pa­lá­cio Tan­ga­rá

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.