Re­gu­la­men­ta­da a im­plan­ta­ção da aces­si­bi­li­da­de nos mei­os de hos­pe­da­gem no Bra­sil

O De­cre­to nº 9.296, que en­trou em vi­gor em mar­ço de 2018, di­vi­de em três fa­ses co­mo de­ve­rá ser a im­plan­ta­ção dos mei­os de hos­pe­da­gem

Hotéis - - News -

A LBI - Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia - que pre­vê aces­si­bi­li­da­de em ho­téis e pou­sa­das foi re­gu­la­men­ta­da atra­vés do de­cre­to 9.296 em mar­ço do ano pas­sa­do. Com is­so, pas­sou a re­ger o ar­ti­go 45 da Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são (Lei nº 13.146/2015), tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Es­ta­tu­to da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia. O De­cre­to tra­ta de prin­cí­pi­os que de­ve­rão ser se­gui­dos na cons­tru­ção des­ses lo­cais, atu­a­li­zan­do a le­gis­la­ção que era pra­ti­ca­da des­de 2004. Den­tre as de­mais nor­mas, no tex­to exis­te a men­ção que os dor­mi­tó­ri­os aces­sí­veis “não po­de­rão es­tar iso­la­dos dos de­mais e de­ve­rão es­tar dis­tri­buí­dos por to­dos os ní­veis de ser­vi­ços e lo­ca­li­za­dos em ro­ta aces­sí­vel”.

A aces­si­bi­li­da­de tam­bém se apli­ca às áre­as de la­zer, sa­las de ginástica, sa­las de con­ven­ções, spas, pis­ci­nas, sau­nas, sa­lões de ca­be­lei­rei­ro, lo­jas e a qual­quer es­pa­ço des­ti­na­do à lo­ca­ção do com­ple­xo ho­te­lei­ro. A me­di­da vi­sa ga­ran­tir que os em­pre­en­di­men­tos es­te­jam ap­tos a hos­pe­dar o mai­or nú­me­ro de pes­so­as pos­sí­vel, as­se­gu­ran­do que to­dos os cli­en­tes pos­sam des­fru­tar das co­mo­di­da­des e ser­vi­ços ofe­re­ci­dos, in­de­pen­den­te­men­te de su­as con­di­ções fí­si­ca, sen­so­ri­al, in­te­lec­tu­al ou men­tal. Em to­dos os ca­sos, o hós­pe­de que ne­ces­si­tar de aju­da ou re­cur­so ex­tra, de­ve­rá so­li­ci­tá-lo no mo­men­to da re­ser­va.

Os mei­os de hos­pe­da­gem te­rão até mar­ço de 2020 pa­ra aten­der ao pe­di­do. Ca­so a so­li­ci­ta­ção não se­ja fei­ta du­ran­te a re­ser­va, o pra­zo pa­ra o aten­di­men­to co­me­ça­rá a va­ler a par­tir do mo­men­to da for­ma­li­za­ção do pe­di­do no lo­cal. Es-

tão in­clu­sos nos re­cur­sos de aces­si­bi­li­da­de itens co­mo ca­dei­ra de ro­das; ca­dei­ras adap­ta­das pa­ra o ba­nho; ma­te­ri­ais de hi­gi­e­ne iden­ti­fi­ca­dos em brai­le, e com em­ba­la­gens em for­ma­tos di­fe­ren­tes; car­dá­pi­os em brai­le; re­ló­gi­os des­per­ta­do­res com alar­me vi­bra­tó­rio, en­tre ou­tros itens.

Fa­ses da im­plan­ta­ção

O tex­to di­vi­de os es­ta­be­le­ci­men­tos em três pro­pos­tas: No gru­po 1, os já exis­ten­tes, cons­truí­dos até 29 de ju­nho de 2004, an­tes da pu­bli­ca­ção das nor­mas da ABNT — As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Nor­mas Téc­ni­cas. No gru­po 2, os já exis­ten­tes, cons­truí­dos en­tre 30 de ju­nho de 2004 e 2 de ja­nei­ro de 2018. No gru­po 3 os no­vos es­ta­be­le­ci­men­tos, cons­truí­dos a par­tir de 2018.

Pa­ra o pri­mei­ro gru­po, o de­cre­to pre­vê que os es­ta­be­le­ci­men­tos de­vem aten­der, em no má­xi­mo qua­tro anos, o percentual mí­ni­mo de 10% de dor­mi­tó­ri­os aces­sí­veis, sen­do 5% com as ca­rac­te­rís­ti­cas cons­tru­ti­vas, com obras es­tru­tu­ran­tes pa­ra aten­der as nor­mas téc­ni­cas de aces­si­bi­li­da­de da ABNT. Os ou­tros 5% com aju­das téc­ni­cas e os re­cur­sos de aces­si­bi­li­da­de, co­mo a ins­ta­la­ção de bar­ras de apoio no box do chu­vei­ro e cam­pai­nhas so­no­ras e ajus­te da al­tu­ra da du­cha do chu­vei­ro. Pa­ra o se­gun­do gru­po, a regra es­ta­be­le­ci­da é a mes­ma.

De acor­do com o tex­to, os no­vos em­pre­en­di­men­tos, cons­truí­dos ou com pro­je­tos pro­to­co­la­dos a par­tir de 3 de ja­nei­ro de 2018, de­ve­rão dis­por de 5% dos dor­mi­tó­ri­os cons­truí­dos se­guin­do to­das as re­gras da ABNT e os de­mais 95% de­vem dis­por de re­cur­sos de aces­si­bi­li­da­de. “A aces­si­bi­li­da­de tem si­do uma pre­o­cu­pa­ção cons­tan­te do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo. A re­gu­la­men­ta­ção da Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são é um avan­ço pa­ra o País. Com o no­vo tex­to, con­quis­ta­mos a ga­ran­tia de que as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia po­de­rão ter uma ex­pe­ri­ên­cia to­tal­men­te po­si­ti­va em su­as vi­a­gens pe­lo Bra­sil. O tu­ris­mo de­ve ser aces­sí­vel, in­clu­si­vo e pa­ra to­dos”, afir­mou o en­tão Mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Marx Bel­trão.

Já o Se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal dos Di­rei­tos da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia, Mar­co Pel­le­gri­ni, des­ta­cou que a exi­gên­cia do hós­pe­de so­li­ci­tar a aju­da ou re­cur­sos es­pe­ci­ais com an­te­ce­dên­cia per­mi­ti­rá que os ho­téis de uma de­ter­mi­na­da re­gião pos­sam com­par­ti­lhar dos re­cur­sos. “Não ne­ces­sa­ri­a­men­te o es­ta­be­le­ci­men­to tem que ter to­dos es­tes equi­pa­men­tos exi­gi­dos, mas es­ta­mos es­tu­dan­do for­mas de ga­ran­tir a divulgação dos di­rei­tos dos hós­pe­des”, dis­se Pel­le­gri­ni.

Se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca ao se­tor

Pa­ra Jai­ro Kle­pacz, re­pre­sen­tan­te da ABRAINC — As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das In­cor­po­ra­do­ras Imo­bi­liá­ri­as —, re­pre­sen­tan­te do se­tor nos de­ba­tes a res­pei­to do te­ma jun­to ao Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo e a Ca­sa Ci­vil, a re­gu­la­men­ta­ção é um avan­ço pa­ra o tu­ris­mo, uma vez que dá se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca ao se­tor. “O se­tor pri­va­do as­su­me ago­ra de for­ma de­fi­ni­ti­va as re­gras e con­cei­tos da LBI, atrain­do uma par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va da po­pu­la­ção pa­ra o mer­ca­do de tu­ris­mo. Além dis­so, o re­gu­la­men­to des­tra­va uma sé­rie de in­ves­ti­men­tos pre­vis­tos pe­la re­de ho­te­lei­ra, que aguar­da­va ape­nas a de­fi­ni­ção das no­vas re­gras pa­ra ini­ci­ar cons­tru­ções”, afir­mou Kle­pacz.

O de­cre­to nº 9.296 de­ta­lha os re­cur­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra os es­ta­be­le­ci­men­tos su­pri­rem to­tal­men­te as ne­ces­si­da­des das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia. De acor­do com o tex­to, “o aten­di­men­to aos prin­cí­pi­os do de­se­nho uni­ver­sal nos pro­je­tos ar­qui­tetô­ni­cos de ho­téis, pou­sa­das e es­tru­tu­ras si­mi­la­res pres­su­põe que o es­ta­be­le­ci­men­to, co­mo um to­do, pos­sa re­ce­ber, na mai­or me­di­da pos­sí­vel, o mai­or nú­me­ro de hós­pe­des, in­de­pen­den­te­men­te de sua con­di­ção fí­si­ca, sen­so­ri­al, in­te­lec­tu­al ou men­tal, e ga­ran­tir que es­sas pes­so­as pos­sam des­fru­tar de to­das as co­mo­di­da­des ofe­re­ci­das”.

Po­si­ção das en­ti­da­des do se­tor

Ale­xan­dre Sam­paio, Pre­si­den­te da FBHA — Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Hos­pe­da­gem e Ali­men­ta­ção - re­ve­la que o tex­to pu­bli­ca­do aten­deu o que foi re­que­ri­do pe­lo se­tor e sus­ten­ta­do pe­la en­ti­da­de na au­di­ên­cia pú­bli­ca so­bre o te­ma, re­a­li­za­da pe­la Ca­sa Ci­vil da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca em fe­ve­rei­ro de 2018. Con­tu­do, Sam­paio ain­da tem dú­vi­das quan­to à efi­cá­cia do de­cre­to pa­ra evi­tar au­tu­a­ções por par­te do mi­nis­té­rio Pú­bli­co, PROCONs Es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais e ou­tros ór­gãos de de­fe­sa do con­su­mi­dor. “A ale­ga­ção se­ria que um de­cre­to re­gu­la­men­ta­dor não po­de­ria al­te­rar o tex­to da lei, e sim pa­ra­me­tri­zá-lo. Ca­be­ria a go­ver­nos es­ta­du­ais e prin­ci­pal­men­te mu­ni­ci­pais fa­ze­rem a ade­qua­ção”, aler­tou Sam­paio.

O Pre­si­den­te da FBHA afir­ma ain­da que o se­tor la­men­ta por não ter atu­a­do de ma­nei­ra

mais in­ci­si­va du­ran­te o pro­ces­so par­la­men­tar do pro­je­to de lei. “O cli­ma pa­ra mi­ti­gar aque­la ini­ci­a­ti­va era mui­to ruim, sen­do ma­té­ria sen­sí­vel à opi­nião pú­bli­ca. Tan­to os de­pu­ta­dos quan­to os se­na­do­res ti­nham mui­to re­ceio de abor­dar o te­ma. Cou­be a al­guns po­lí­ti­cos, in­clu­si­ve ca­dei­ran­tes, da opo­si­ção e da ba­se (das ges­tões Lu­la e Dil­ma), to­mar a fren­te des­te e da­que­le as­sun­to e pro­mo­ver um tex­to de ma­nei­ra re­la­ti­va­men­te rá­pi­da”, ex­pli­cou.

A en­ti­da­de acre­di­ta que, pa­ra em­pre­en­di­men­tos no­vos, nos gran­des cen­tros ur­ba­nos, o de­cre­to po­de­rá ser im­ple­men­ta­do, mas pre­vê que ações ju­di­ci­ais prin­ci­pal­men­te de en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas de clas­se po­de­rão ser ajui­za­das, ex­plo­ran­do as bre­chas ju­rí­di­cas da ma­té­ria. “O im­pac­to es­pe­ra­do é um cus­to adi­ci­o­nal nos no­vos mei­os de hos­pe­da­gem que se­rão cons­truí­dos, além das di­fi­cul­da­des de pré­di­os an­ti­gos se adap­ta­rem e in­ves­ti­men­tos que não te­rão uti­li­da­de, pois es­te pú­bli­co al­vo não é tão gran­de as­sim. Há, ain­da, as res­tri­ções cul­tu­rais das pes­so­as sem de­fi­ci­ên­ci­as de uti­li­za­rem es­tes apo­sen­tos”, opi­nou Ale­xan­dre Sam­paio.

Bar­rei­ras exis­ten­tes

O no­vo de­cre­to pre­si­den­ci­al é uma atu­a­li­za­ção do re­gu­la­men­to exis­ten­te des­de 2004, mas que a mai­o­ria dos mei­os de hos­pe­da­gens não cum­pria. Po­rém, ain­da que fos­se ado­ta­do por ab­so­lu­ta­men­te to­dos eles, o seg­men­to ho­te­lei­ro ain­da en­xer­ga em­pe­ci­lhos de gran­de es­ca­la que de­vem afas­tar, ao in­vés de in­cluir, as pes­so­as com di­fi­cul­da­des de mo­bi­li­da­de – se­jam elas ca­dei­ran­tes, ido­sos, ges­tan­tes e ou­tros.

De acor­do com o Ge­ren­te Ju­rí­di­co da FBHA, Ri­car­do Ri­e­lo, a Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são am­plia a le­gis­la­ção an­te­ri­or, im­pon­do no­vos de­ve­res e obri­ga­ções à ini­ci­a­ti­va pri­va­da, re­gu­lan­do mi­nú­ci­as, cu­jo tra­ta­men­to pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal não foi au­to­ri­za­do pe­la Lei mai­or em vi­gor no Bra­sil — a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de 1988. Ri­e­lo lem­bra que a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral ape­nas pre­viu a adap­ta­ção de lo­gra­dou­ros pú­bli­cos, trans­por­te pú­bli­co e edi­fi­ca­ções de uso pú­bli­co, na­da men­ci­o­nan­do a res­pei­to de edi­fi­ca­ções de uso co­le­ti­vo e pri­va­do.

Ele ex­pli­ca que o ob­je­ti­vo do le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te foi ga­ran­tir um nú­cleo mí­ni­mo de in­ser­ção so­ci­al do de­fi­ci­en­te. “Com o pa­no­ra­ma atu­al de leis am­pli­a­ti­vas dos pa­râ­me­tros fi­xa­dos em se­de cons­ti­tu­ci­o­nal, vi­ve­mos um pa­ra­do­xo: de um la­do, as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia po­de­rão se hos­pe­dar em Uni­da­des Ha­bi­ta­ci­o­nais adap­ta­das em ho­téis, mas, de ou­tro, não te­rão co­mo se lo­co­mo­ver até es­ses mei­os de hos­pe­da­gem, pois os lo­gra­dou­ros e o trans­por­te pú­bli­co ain­da re­pre­sen­ta­rão bar­rei­ras in­su­pe­rá­veis”, apon­tou Ri­e­lo.

O ad­vo­ga­do men­ci­o­na, ain­da, que as du­as leis fe­de­rais pro­du­zi­das pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal - de 2004 e de 2015 - não tra­zem em seu bo­jo se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca que en­se­jas­se a sua exe­cu­ção e, por con­sequên­cia, o seu cum­pri­men­to; uma vez que, no Sis­te­ma Fe­de­ra­ti­vo pre­vis­to cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te, com­pe­te aos mais de 5.300 mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros dis­po­rem so­bre o uso do so­lo, bem co­mo edi­tar re­gras de cons­tru­ção das edi­fi­ca­ções e de adap­ta­ção da­que­las já cons­truí­das, mes­mo após a edi­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 9.296 de 1º de mar­ço de 2018. As­sim, tu­do de­pen­de­rá de co­mo os mu­ni­cí­pi­os pro­du­zi­rão su­as leis es­pe­cí­fi­cas, adap­ta­das à sua re­a­li­da­de lo­cal e es­pa­ci­al.

Pa­ra Ri­e­lo, to­da lei e nor­ma de­vem ser pau­ta­das pe­la ra­zo­a­bi­li­da­de. “Não há mo­de­lo no mundo que im­po­nha a adap­ta­ção de 10% das Uni­da­des Ha­bi­ta­ci­o­nais. Is­so re­fo­ge ao ra­zoá­vel;

ao pro­por­ci­o­nal. Ao ce­der pa­ra 5% das UHs dos mei­os de hos­pe­da­gem e mi­ti­gar os ou­tros 5% sob for­ma de ou­tras adap­ta­ções, que tam­bém im­por­tem na in­ser­ção so­ci­al das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, o de­cre­to re­gu­la­men­ta­dor da Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são tor­nou-a mais con­sen­tâ­neo com a re­a­li­da­de, tor­nan­do pos­sí­vel que se co­gi­te o seu cum­pri­men­to”, es­cla­re­ceu o Ge­ren­te Ju­rí­di­co.

O te­ma é con­si­de­ra­do de­li­ca­do, pois, ao mes­mo tem­po em que exis­te a ne­ces­si­da­de de aten­der a es­te ni­cho de mer­ca­do, as leis que re­gu­la­men­tam o as­sun­to aca­bam tra­zen­do mais di­fi­cul­da­des em se in­ves­tir no tu­ris­mo. “Sem dú­vi­da, o le­gis­la­dor or­di­ná­rio (não cons­ti­tuin­te) exa­ge­rou na do­se e impôs de­ve­res aos mei­os de hos­pe­da­gem bra­si­lei­ros que ul­tra­pas­sam qual­quer pa­râ­me­tro fi­xa­do in­ter­na­ci­o­nal­men­te. Ao fa­zer is­so, cri­ou uma as­si­me­tria re­gu­la­tó­ria, di­fi­cul­tan­do, ain­da mais, a con­cor­rên­cia en­tre os mei­os de hos­pe­da­gem na­ci­o­nais e os ho­téis in­ter­na­ci­o­nais. De fa­to, en­ca­re­ceu o des­ti­no na­ci­o­nal, fren­te aos des­ti­nos no ex­te­ri­or. As­sim, não se vis­lum­bra avan­ço nos ne­gó­ci­os de hos­pe­da­gem, mas sim um re­tro­ces­so, di­mi­nuin­do a com­pe­ti­ti­vi­da­de do par­que ho­te­lei­ro ins­ta­la­do em so­lo bra­si­lei­ro”, acre­di­ta Ri­e­lo.

Ele rei­te­ra a opi­nião do Pre­si­den­te da FBHA, Ale­xan­dre Sam­paio, e tam­bém crê que a ocu­pa­ção das UHs adap­ta­das se­rá pró­xi­ma de ze­ro. Se­gun­do o ad­vo­ga­do, is­so po­de­ria ocor­rer se a von­ta­de do le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te fos­se res­pei­ta­da, ga­ran­tin­do-se uma in­te­gra­ção bá­si­ca da pes­soa com de­fi­ci­ên­cia à so­ci­e­da­de, atra­vés de um trans­por­te pú­bli­co aces­sí­vel; lo­gra­dou­ros e edi­fi­ca­ções de uso pú­bli­co igual­men­te aces­sí­veis, pa­ra de­pois se pen­sar em de­ba­ter a ne­ces­si­da­de de adap­ta­ção em ho­téis, hos­pi­tais, co­mér­cio em ge­ral, ci­ne­mas, te­a­tros, bo­a­tes, ca­sas de show etc., di­an­te de uma pre­mis­sa cons­ti­tu­ci­o­nal em vi­gor des­de 1988. “O re­sul­ta­do na­tu­ral se­rá um au­men­to no cus­to do ser­vi­ço ho­te­lei­ro; di­mi­nui­ção na atra­ção de no­vos in­ves­ti­men­tos; uma com­pe­ti­ti­vi­da­de me­nor e uma re­tra­ção dos pos­tos de tra­ba­lho”, ad­mi­te Ri­car­do Ri­e­lo.

En­quan­to re­pre­sen­tan­tes de 68 sin­di­ca­tos de ho­téis es­pa­lha­dos pe­lo país, a FBHA se dispôs a le­van­tar um am­plo de­ba­te acer­ca do te­ma, ten­do co­mo prin­cí­pio ba­si­lar a von­ta­de do le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te de 1988. A en­ti­da­de in­sis­te que a dis­cus­são de­ve ser tra­va­da em âm­bi­to lo­cal, pois acre­di­ta que não se pode pre­ten­der pa­dro­ni­zar a adap­ta­ção de mei­os de hos­pe­da­gem lo­ca­li­za­dos em mu­ni­cí­pi­os dís­pa­res, de to­das as re­giões bra­si­lei­ras. “A ob­vi­e­da­de da im­pos­si­bi­li­da­de dis­so pas­sa a se tra­du­zir em me­di­da ab­so­lu­ta­men­te des­pro­por­ci­o­nal e que, por si, não in­clui­rá a pes­soa com de­fi­ci­ên­cia no seio so­ci­al. Na prá­ti­ca, as obri­ga­ções im­pos­tas pelas le­gis­la­ções pro­du­zi­das pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal se afi­gu­ram mui­to mais “pa­ra

in­glês ver”, do que pa­ra ga­ran­tir uma so­ci­e­da­de mais jus­ta e in­clu­si­va”, fi­na­li­zou o Ge­ren­te Ju­rí­di­co da FBHA.

Po­der re­gu­la­tó­rio

Pa­ra o Pre­si­den­te da ABIH Na­ci­o­nal — As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis —, Ma­no­el Car­do­so Li­nha­res, o De­cre­to re­gu­la­men­ta o Es­ta­tu­to da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia já pres­cre­ve, mas ele não pres­cin­de dos po­de­res re­gu­la­tó­ri­os dos es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. “Na prá­ti­ca, são eles que têm o po­der re­gu­la­tó­rio e mui­tos têm re­gras es­pe­cí­fi­cas de aces­si­bi­li­da­de. Par­tin­do daí, te­mos con­di­ções de aper­fei­ço­ar a ques­tão da adap­ta­bi­li­da­de, já que a mé­dia mun­di­al é de 2% de quar­tos adap­ta­dos to­tal­men­te”, dis­se Li­nha­res.

O FOHB — Fó­rum de Ope­ra­do­res Ho­te­lei­ros do Bra­sil se po­si­ci­o­na a fa­vor des­se De­cre­to que, se­gun­do Or­lan­do de Souza, Di­re­tor Executivo da en­ti­da­de, veio es­cla­re­cer a apli­ca­ção de vá­ri­os pon­tos em que a lei era pou­co pre­ci­sa e em al­guns ca­sos dú­bia. Mes­mo sen­do fa­vo­rá­vel a es­sa re­gu­la­men­ta­ção, ele faz al­gu­mas res­sal­vas: “Com o de­cre­to de re­gu­la­men­ta­ção, te­mos ago­ra mai­or cla­re­za quan­to a sua apli­ca­ção, mas acre­di­ta­mos que não ha­ve­rá de­man­da pa­ra ocu­pa­ção de 10% dos apar­ta­men­tos aces­sí­veis. Ho­je a ocu­pa­ção não atin­ge 1% da dis­po­ni­bi­li­da­de dos quar­tos aces­sí­veis e es­se ín­di­ce de 10% não é um ín­di­ce mun­di­al, pois es­tá bem aci­ma de paí­ses com a ho­te­la­ria mais ama­du­re­ci­da. Ca­da país tem uma le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca, com cri­té­ri­os di­fe­ren­tes. Paí­ses co­mo EUA, Fran­ça e Es­pa­nha, por exem­plo, pos­su­em ta­be­la pro­gres­si­va de acor­do com nú­me­ro de apar­ta­men­tos. Cer­ta­men­te ha­ve­rá im­pac­tos im­por­tan­tes nas fi­nan­ças dos ho­téis. Tra­ta-se de in­ves­ti­men­to que te­rá que ser fei­to pa­ra a adap­ta­ção pro­pos­ta. Es­se ônus se­rá tan­to pa­ra a ho­te­la­ria ins­ta­la­da quan­to pa­ra os no­vos em­pre­en­di­men­tos a se­rem cons­truí­dos. Os apar­ta­men­tos de­ve­rão aten­der as ne­ces­si­da­des de vá­ri­os ti­pos de­fi­ci­ên­cia e com me­nor im­pac­to ne­ga­ti­vo pos­sí­vel aos não de­fi­ci­en­tes. O his­tó­ri­co mos­tra que as pes­so­as que não têm de­fi­ci­ên­cia não gos­tam e não que­rem se hos­pe­dar nes­ses apar­ta­men­tos”, as­se­gu­rou Souza.

Con­tra­di­ções na lei

Quan­do um no­vo de­cre­to so­bre um as­sun­to já pau­ta­do pelas au­to­ri­da­des le­gis­la­ti­vas é san­ci­o­na­do, es­pe­ra-se que se tra­te de uma me­di­da que evo­lua e acres­cen­te a pau­ta. Pa­ra Edi­son Pas­sa­fa­ro, Consultor de Mo­bi­li­da­de Ur­ba­na, Pro­fes­sor e Au­di­tor das nor­mas de aces­si­bi­li­da­de da ABNT e Co­or­de­na­dor de Aces­si­bi­li­da­de da ABIH SP - As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis de São Pau­lo -, es­ta lei não traz ne­nhum avan­ço pa­ra o seg­men­to. “O de­cre­to é con­tra­di­tó­rio em vá­ri­os sen­ti­dos, prin­ci­pal­men­te quan­to às de­fi­ni­ções e obri­ga­ções es­ta­be­le­ci­das na pró­pria LBI. Sem con­tar­mos que exis­te le­gis­la­ção an­te­ri­or em vi­gên­cia que foi to­tal­men­te des­con­si­de­ra­da”, dis­pa­rou.

Ele ex­pli­ca que a LBI de­fi­ne de­se­nho uni­ver­sal, no in­ci­so II do ar­ti­go 3º, co­mo sen­do “con­cep­ção de pro­du­tos, am­bi­en­tes, pro­gra­mas e ser­vi­ços a se­rem usa­dos por to­das as pes­so­as, sem ne­ces­si­da­de de adap­ta­ção ou de pro­je­to es­pe­cí­fi­co, in­cluin­do os re­cur­sos de tec­no­lo­gia as­sis­ti­va”. Lo­go, usuá­ri­os de ca­dei­ra de ro­das, en­tre ou­tros, es­tão

in­cluí­dos nes­ta lis­ta. Já o de­cre­to, no pa­rá­gra­fo 1º do ar­ti­go 1º de­fi­ne: “O aten­di­men­to aos prin­cí­pi­os do de­se­nho uni­ver­sal nos pro­je­tos ar­qui­tetô­ni­cos de ho­téis, pou­sa­das e es­tru­tu­ras si­mi­la­res pres­su­põe que o es­ta­be­le­ci­men­to, co­mo um to­do, pos­sa re­ce­ber, na mai­or me­di­da pos­sí­vel, o mai­or nú­me­ro de hós­pe­des, in­de­pen­den­te­men­te de sua con­di­ção fí­si­ca, sen­so­ri­al, in­te­lec­tu­al ou men­tal, além de ga­ran­tir que es­sas pes­so­as pos­sam des­fru­tar de to­das as co­mo­di­da­des ofe­re­ci­das”.

Ou­tro pon­to de con­tra­di­ção no de­cre­to apon­ta­do por Pas­sa­fa­ro são os itens de­fi­ni­dos no Ane­xo II, re­fe­ri­do no in­ci­so II do ar­ti­go 2º do de­cre­to, que não dei­xam cla­ro que os 95% dos dor­mi­tó­ri­os ga­ran­tam de fa­to a uti­li­za­ção, com se­gu­ran­ça e au­to­no­mia por to­das as pes­so­as, in­cluin­do usuá­ri­os de ca­dei­ra de ro­das, con­for­me de­fi­ni­do na LBI e no ar­ti­go 1º do pró­prio de­cre­to.

O es­pe­ci­a­lis­ta tam­bém não acre­di­ta que a no­va le­gis­la­ção se­rá cum­pri­da, bem co­mo a re­gu­la­men­ta­ção an­te­ri­or. Se­gun­do Edi­son, os mei­os de hos­pe­da­gem não cum­pri­ram o es­ta­be­le­ci­do no de­cre­to fe­de­ral 5.296 de 2004 e, sal­vo ex­ce­ções, a mai­o­ria tam­bém não cum­pri­rá es­ta ou qual­quer ou­tra de­man­da le­gal sem a fis­ca­li­za­ção efe­ti­va dos po­de­res pú­bli­cos mu­ni­ci­pais. “Além dis­so, te­mos que con­ti­nu­ar a nos de­pa­rar com as cos­tu­mei­ras aber­ra­ções ar­qui­tetô­ni­cas ofe­re­ci­das co­mo so­lu­ções de aces­si­bi­li­da­de por pro­fis­si­o­nais con­tra­ta­dos pe­los em­pre­sá­ri­os, em to­tal de­sa­cor­do com as nor­mas téc­ni­cas de aces­si­bi­li­da­de re­fe­ren­da­das pe­la le­gis­la­ção”, com­ple­tou.

Po­ten­ci­al do mer­ca­do

Ain­da exis­tem mui­tos em­pre­sá­ri­os que con­tes­tam o li­mi­te de re­ser­va de 10% de UH´s as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, di­zen­do ser um nú­me­ro al­to, que não ha­ve­rá ocu­pa­ção e que es­sas UH’s não te­rão co­mo se­rem re­ser­va­das pa­ra quem não se­ja de­fi­ci­en­te. Es­sa pos­tu­ra, de acor­do com Edi­son Pas­sa­fa­ro, re­tra­ta uma ig­no­rân­cia so­bre o po­ten­ci­al mer­ca­do­ló­gi­co ofe­re­ci­do pe­lo seg­men­to das pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ou mo­bi­li­da­de re­du­zi­da no Bra­sil e no mundo.

Se­gun­do da­dos do IBGE, cer­ca de 23% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra tem al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia. O seg­men­to da ter­cei­ra ida­de cres­ce to­dos os anos de­vi­do ao au­men­to da ex­pec­ta­ti­va de vi­da, que tam­bém se be­ne­fi­cia com as so­lu­ções de aces­si­bi­li­da­de na ho­te­la­ria e no tu­ris­mo. São pes­so­as que re­pre­sen­tam um sig­ni­fi­ca­ti­vo ni­cho de mer­ca­do e ten­dem a apre­sen­tar mo­bi­li­da­de re­du­zi­da com a ida­de avan­ça­da. “Além dis­so, exis­tem pes­so­as obe­sas, ges­tan­tes e ou­tras com ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas e sen­so­ri­ais que de­man­dam es­pa­ços e pro­du­tos aces­sí­veis. Na prá­ti­ca, o em­pre­sá­rio que en­ten­de a pro­mo­ção de aces­si­bi­li­da­de co­mo cus­to, e não co­mo in­ves­ti­men­to, mos­tra pou­ca vi­são em­pre­en­de­do­ra e dei­xa de ga­nhar di­nhei­ro”, rei­te­ra o consultor.

En­quan­to vá­ri­os mei­os de hos­pe­da­gem fe­cham as por­tas, prin­ci­pal­men­te em tem­pos de cri­se, os em­pre­sá­ri­os do se­tor que in­ves­ti­ram em aces­si­bi­li­da­de se tor­na­ram ver­da­dei­ros ca­sos de su­ces­so, com ta­xas mé­di­as de ocu­pa­ção anu­al su­pe­ri­o­res a 90%.

Pas­sa­fa­ro acre­di­ta que gran­de par­te do des­co­nhe­ci­men­to so­bre a ques­tão da aces­si­bi­li­da­de vem dos pró­pri­os pro­fis­si­o­nais da ar­qui­te­tu­ra e en­ge­nha­ria, pois fo­ram mal for­ma­dos so­bre o te­ma no se­tor aca­dê­mi­co e, por sua vez, não pro­cu­ram se atu­a­li­zar em re­la­ção a no­vas de­man­das le­gais, téc­ni­cas e mer­ca­do­ló­gi­cas. “In­fe­liz­men­te, aces­si­bi­li­da­de ain­da é vis­ta pe­la so­ci­e­da­de co­mo uma ne­ces­si­da­de de “que­bra ga­lho”, pa­ra aten­der pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia que pre­ci­sam de cui­da­dos mé­di­cos e só fre­quen­tam cen­tros de saúde. É por is­so que os dor­mi­tó­ri­os di­tos “adap­ta­dos” nos mei­os de

hos­pe­da­gem, na mai­o­ria das ve­zes, pa­re­cem mais co­mo UTIs de hos­pi­tais, o que os tor­nam nem um pou­co atra­en­tes pa­ra as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ou com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da e, mui­to me­nos, pa­ra os hós­pe­des con­ven­ci­o­nais. Por con­sequên­cia, es­ses es­pa­ços se tor­nam su­bu­ti­li­za­dos e os em­pre­sá­ri­os fi­cam com a sen­sa­ção de que jo­ga­ram di­nhei­ro fora. O con­cei­to de De­se­nho Uni­ver­sal veio pa­ra ten­tar so­lu­ci­o­nar es­se pro­ble­ma, mas pe­lo jei­to es­tá di­fí­cil das pes­so­as en­ten­de­rem is­so”, la­men­ta Edi­son.

Em 2015, Pas­sa­fa­ro de­sen­vol­veu jun­ta­men­te com a ar­qui­te­ta Sil­va­na Cam­bi­aghi o “Es­pa­ço de aces­si­bi­li­da­de da Equi­po­tel”, em uma área de cer­ca de 250 me­tros, on­de fo­ram apre­sen­ta­das du­as UHs de 20 m² ca­da, aces­sí­veis e com­pa­tí­veis com o de­sign de qual­quer ho­tel con­cei­to. A pró­pria aber­tu­ra da fei­ra acon­te­ceu nes­te es­pa­ço com a pre­sen­ça de di­ver­sas au­to­ri­da­des e re­fe­rên­ci­as do se­tor. À épo­ca, vá­ri­os re­pre­sen­tan­tes de re­des ho­te­lei­ras aplau­di­ram as so­lu­ções e fi­ca­ram sur­pre­sos com a com­pa­ti­bi­li­da­de de be­le­za com aces­si­bi­li­da­de.

Con­tu­do, na prá­ti­ca, ne­nhum dos pro­je­tos foi exe­cu­ta­do pa­ra o cli­en­te final. No ano se­guin­te, o gru­po pro­mo­veu o pro­je­to “Mo­tel Aces­sí­vel”, tam­bém na Equi­po­tel. “Fi­ca cla­ro que a mai­o­ria dos em­pre­sá­ri­os e dos pro­fis­si­o­nais da cons­tru­ção so­men­te cum­pri­rá su­as obri­ga­ções le­gais nes­se sen­ti­do se fo­rem pres­si­o­na­dos. Di­go is­so com a ex­pe­ri­ên­cia de quem usa ca­dei­ra de ro­das há qua­se 38 anos, co­nhe­ce mais de 50 paí­ses e to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, foi um dos fun­da­do­res e ges­tor da Co­mis­são Per­ma­nen­te de Aces­si­bi­li­da­de do mu­ni­cí­pio de São Pau­lo, é co­or­de­na­dor de aces­si­bi­li­da­de da ABIH do Es­ta­do de São Pau­lo e de­di­ca mais de doze anos de par­te da vi­da pro­fis­si­o­nal co­mo ins­tru­tor e au­di­tor das nor­mas téc­ni­cas de aces­si­bi­li­da­de da ABNT”, pon­tu­ou Pas­sa­fa­ro.

Ca­se ho­te­lei­ro

E an­tes mes­mo de es­sa no­va le­gis­la­ção en­trar em vi­gor, al­guns ho­téis já apre­sen­ta­vam ver­da­dei­ros ca­ses no seg­men­to, co­mo o She­ra­ton São Pau­lo World Tra­de Cen­ter, si­tu­a­do na ca­pi­tal pau­lis­ta. O em­pre­en­di­men­to con­ta com 298 apar­ta­men­tos e ade­quou 15 de­les pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ou mo­bi­li­da­de re­du­zi­da. Os apar­ta­men­tos fo­ram adap­ta­dos de ma­nei­ra que pos­sam ser uti­li­za­dos tan­to por hós­pe­des com de­fi­ci­ên­cia quan­to sem. “To­dos os an­da­res pos­su­em pi­so tá­til nas saí­das dos ele­va­do­res, as­sim co­mo na fren­te do ho­tel. Há ele­va­dor de aces­si­bi­li­da­de no lobby, as­sim co­mo ele­va­dor pa­ra aces­si­bi­li­da­de à piscina. Ade­qua­mos os apa­ra­do­res dos nos­sos loun­ges e as me­sas de tra­ba­lho. Além dis­to, con­ta­mos com ca­dei­ras de ro­das pa­ra em­prés­ti­mo, ca­dei­ras de ba­nho e adap­ta­dor pa­ra va­so sa­ni­tá­rio. Os hós­pe­des, de um mo­do ge­ral, fi­cam mui­to sa­tis­fei­tos em sa­ber que nos pre­o­cu­pa­mos em aten­der às ne­ces­si­da­des de to­dos os pú­bli­cos e, in­clu­si­ve, nos pre­o­cu­pa­mos tam­bém em su­pe­rar su­as ex­pec­ta­ti­vas. Mui­tos aca­bam nos dan­do fe­ed­back

so­bre a fun­ci­o­na­li­da­de das ins­ta­la­ções e apre­ci­am a de­co­ra­ção dos apar­ta­men­tos, es­pe­ci­al­men­te re­no­va­dos pa­ra eles”, re­ve­la Mar­ce­lo No­guei­ra, Co­or­de­na­dor de Mar­ke­ting do ho­tel. Se­gun­do ele, a ta­xa de ocu­pa­ção dos apar­ta­men­tos pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia ain­da é re­la­ti­va­men­te bai­xa. “No en­tan­to, com fa­ci­li­da­de alo­ca­mos hós­pe­des que não pos­su­em de­fi­ci­ên­cia nes­tes apar­ta­men­tos e não te­mos re­la­tos de re­jei­ção”, con­cluiu.

So­lu­ções com­ple­tas

E quem re­a­li­zou as obras com o ho­tel em ple­na ope­ra­ção e com cer­ca de 85% de ta­xa de ocu­pa­ção foi a Pa­drão Ar­gil. Is­to de­mons­tra a ca­pa­ci­da­de da em­pre­sa em cri­ar so­lu­ções pa­ra ho­téis com al­ta ocu­pa­ção. Nos quar­tos adap­ta­dos, que con­tam com 43 m², um hós­pe­de ca­dei­ran­te, por exem­plo, con­se­gue ter to­das as fun­ci­o­na­li­da­des de um quar­to de ho­tel co­mum, on­de é pos­sí­vel que ele to­me um ba­nho nas ca­dei­ras de ba­nho do ho­tel ou sim­ples­men­te con­si­ga al­can­çar o ca­bi­de do ar­má­rio pa­ra aco­mo­dar su­as rou­pas. “Em ape­nas dois di­as nos­sa equi­pe que­brou to­dos os 15 apar­ta­men­tos e, em 60 di­as, as no­vas suí­tes fo­ram en­tre­gues. Is­so exi­giu um gran­de pla­ne­ja­men­to, in­cluin­do a lo­gís­ti­ca pa­ra des­car­ga do ma­te­ri­al a ser uti­li­za­do, as­sim co­mo da re­ti­ra­da dos en­tu­lhos com o ho­tel em ple­na ocu­pa­ção, de mo­do que o con­for­to dos hós­pe­des não fos­se afe­ta­do. Nos­so pro­je­to de in­te­ri­o­res é mo­der­no, pos­si­bi­li­tan­do que os apar­ta­men­tos se­jam ocu­pa­dos por qual­quer ti­po de hós­pe­de sem aque­la re­jei­ção tí­pi­ca, que acon­te­ce em ou­tros em­pre­en­di­men­tos”, ga­ran­tiu o Só­cio-Di­re­tor da Pa­drão Ar­gil, Fran­cis­co San­tos.

Se­gun­do ele a em­pre­sa tem de­sen­vol­vi­do pro­je­tos in­te­ri­o­res de for­ma que os apar­ta­men­tos fi­quem não so­men­te den­tro das nor­mas im­pos­tas pe­la le­gis­la­ção, co­mo tam­bém com um de­sign cu­jo hós­pe­de com de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca ou ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais sin­ta-se num ver­da­dei­ro ho­tel e não den­tro de um quar­to de hos­pi­tal. Além de de­sen­vol­ver pro­je­tos que aten­dam às ne­ces­si­da­des do pú­bli­co ca­dei­ran­te, a em­pre­sa tam­bém con­ta com so­lu­ções pa­ra quem tem de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va ou vi­su­al, as­sim co­mo pa­ra in­di­ví­du­os com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da.

Den­tre al­gu­mas das so­lu­ções im­plan­ta­das pe­la em­pre­sa es­tão alar­mes de incêndio lu­mi­no­sos e vi­bra­tó­ri­os, apa­re­lho de te­le­fo­ne es­pe­ci­al, no qual um de­fi­ci­en­te au­di­ti­vo pode aten­der uma cha­ma­da atra­vés de um si­nal lu­mi­no­so e vi­bra­tó­rio, as­sim co­mo a con­ver­são de tex­to em áu­dio, pa­ra que pos­sa ocor­rer a in­te­ra­ção en­tre o hós­pe­de com de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va e o ho­tel. Ca­so o hós­pe­de te­nha de­fi­ci­ên­cia vi­su­al, o em­pre­en­di­men­to pode im­plan­tar a co­mu­ni­ca­ção em Brai­le, nas quais to­das as pla­cas do ho­tel pos­su­am sua nu­me­ra­ção em al­to re­le­vo. So­lu­ções co­mo o car­dá­pio do res­tau­ran­te em Brai­le, trei­na­men­to bá­si­co aos fun­ci­o­ná­ri­os pa­ra sa­be­rem co­mo acom­pa­nhar uma pes­soa com de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca são tam­bém es­sen­ci­ais em um ho­tel. Ele­va­do­res com pai­nel de lei­tu­ra em Brai­le e que anun­cie em áu­dio o an­dar em que o usuá­rio se en­con­tra; ram­pas; bar­ras e tor­nei­ras es­pe­ci­ais tam­bém não de­vem ser es­que­ci­das. “Pa­ra de­sen­vol­ver nos­sos pro­je­tos uti­li­za­mos a se­guin­te fór­mu­la: aces­si­bi­li­da­de + de­sign = su­ces­so. Os ho­téis de­vem ser pen­sa­dos e pro­je­ta­dos pa­ra re­ce­ber o mai­or nú­me­ro de hós­pe­des, in­de­pen­den­tes de sua con­di­ção fí­si­ca, sen­so­ri­al, in­te­lec­tu­al e men­tal, e to­dos de­ve­rão ter aces­so às áre­as co­muns do ho­tel bem co­mo ter a sua dis­po­si­ção os ap­tos que te­nham a me­lhor vis­ta e as me­lho­res lo­ca­li­za­ções den­tro do em­pre­en­di­men­to, e não fi­ca­rem com os am­bi­en­tes mais iso­la­dos ou me­nos pri­vi­le­gi­a­dos das atra­ti­vi­da­des do lo­cal”, con­cluiu San­tos.

Ou­tro ca­se de su­ces­so ho­te­lei­ro no Bra­sil é o ho­tel Ca`d`Oro, na ca­pi­tal pau­lis­ta, rei­nau­gu­ra­do em se­tem­bro de 2016, que já nas­ceu in­tei­ra­men­te adap­ta­do pa­ra re­ce­ber Por­ta­do­res de Ne­ces­si­da­des Es­pe­ci­ais, in­clu­si­ve em 100% de su­as áre­as de la­zer e

bal­cão da re­cep­ção. “A pro­cu­ra por apar­ta­men­tos adap­ta­dos não é gran­de, in­fe­ri­or a 1% de nos­sas re­ser­vas so­li­ci­ta­das. A mai­o­ria dos hós­pe­des que so­li­ci­ta es­se ti­po de re­ser­va não são por­ta­do­res de ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, mas sim re­cém-ope­ra­dos que es­co­lhem fi­car aqui pe­la nos­sa pro­xi­mi­da­de do hos­pi­tal. É mui­to im­por­tan­te es­tar­mos pron­tos pa­ra re­ce­ber hós­pe­des com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, não só em re­la­ção à in­fra­es­tru­tu­ra mas tam­bém no tra­ta­men­to e aten­di­men­to. “Exis­te a re­jei­ção de al­guns cli­en­tes sem ne­ces­si­da­des quan­do hos­pe­da­dos nos apar­ta­men­tos adap­ta­dos. Em­bo­ra es­tes apar­ta­men­tos se­jam idên­ti­cos aos de­mais em re­la­ção à de­co­ra­ção e as ame­ni­da­des, são mui­tas ve­zes mais am­plos. As úni­cas di­fe­ren­ças vi­sí­veis es­tão pre­sen­tes no ba­nhei­ro (bar­ras de apoio, cor­ti­na de ba­nho, as­sen­to adap­ta­do etc) e na al­tu­ra da ca­ma (mais bai­xa do que as de­mais). “Mes­mo as­sim, al­guns hós­pe­des pe­dem pa­ra não fi­car ne­les”, afir­ma Fa­bri­zio Guz­zo­ni, Ge­ren­te Ge­ral do ho­tel Ca`d`Oro.

Port­fó­lio va­ri­a­do

A As­tra, fun­da­da em 1957 na ci­da­de de Jun­di­aí (SP), é uma em­pre­sa mul­ti­es­pe­ci­a­li­za­da, que cria e co­mer­ci­a­li­za pro­du­tos e so­lu­ções pa­ra o dia a dia, ofe­re­cen­do am­plo port­fó­lio de itens vol­ta­dos ao se­tor ho­te­lei­ro, co­mo ob­je­tos pa­ra ma­nu­ten­ção e re­pa­ros (li­nha de hi­dráu­li­ca); pro­du­tos pa­ra aca­ba­men­tos (as­sen­tos sa­ni­tá­ri­os e aces­só­ri­os pa­ra ba­nhei­ro); de con­for­to (ba­nhei­ras); além de itens de se­gu­ran­ça, co­mo a li­nha de aces­si­bi­li­da­de. Com­pon­do o se­tor, a As­tra ofe­re­ce ao mer­ca­do mais de 80 itens que tra­zem au­to­no­mia, se­gu­ran­ça e bem-es­tar pa­ra pes­so­as com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da (per­ma­nen­te ou tem­po­rá­ria), em pós-ope­ra­tó­rio, com na­nis­mo, cri­an­ças, ido­sos, ges­tan­tes e obe­sos. “Pa­ra o mer­ca­do de aces­si­bi­li­da­de ho­te­lei­ra, tra­ba­lha­mos com bar­ras de apoio, as­sen­tos re­trá­teis, bo­tões ele­va­dos pa­ra aci­o­na­men­to de des­car­ga de cai­xa aco­pla­da e ou­tros aces­só­ri­os co­mo es­pe­lhos e li­xei­ras”, co­men­ta Jo­a­quim Co­e­lho, Di­re­tor Co­mer­ci­al da As­tra.

A li­nha de aces­si­bi­li­da­de da em­pre­sa com­bi­na com a de­co­ra­ção dos mais di­ver­sos am­bi­en­tes, pois é de­sen­vol­vi­da com pro­du­tos di­fe­ren­ci­a­dos per­mi­tin­do a com­po­si­ção de es­pa­ços que dei­xem de la­do a apa­rên­cia hos­pi­ta­lar. O gran­de des­ta­que da li­nha são as bar­ras de apoio em PVC, com op­ções de co­res, ta­ma­nhos e mo­de­los, além de ser um item com re­sis­tên­cia e sen­sa­ção térmica con­for­tá­vel. To­dos os ma­te­ri­ais ne­ces­sá­ri­os pa­ra a

de am­bi­en­te da As­tra es­tão den­tro das exi­gên­ci­as es­ta­be­le­ci­das. No ca­so das bar­ras de apoio, tan­to os mo­de­los de PVC quan­to os de Aço Inox fo­ram en­sai­a­dos por um la­bo­ra­tó­rio cre­den­ci­a­do pe­lo In­me­tro, con­fir­man­do a ade­qua­ção do pro­du­to na nor­ma.

Se­gu­ran­ça e con­for­to

A DNI, pre­sen­te no mer­ca­do de pro­du­tos ele­trô­ni­cos au­to­mo­ti­vos e con­du­to­res elé­tri­cos des­de 1990, é uma con­so­li­da­da in­dús­tria bra­si­lei­ra cer­ti­fi­ca­da em qua­li­da­de ISO 9001:08. Em 2006, in­cor­po­rou a mar­ca Key West em seu port­fó­lio, pas­san­do a atu­ar tam­bém no seg­men­to de elé­tri­ca, ilu­mi­na­ção re­si­den­ci­al e se­gu­ran­ça pa­tri­mo­ni­al.

Pa­ra o mer­ca­do de ho­te­la­ria, ofe­re­ce pro­du­tos que tra­zem con­for­to e se­gu­ran­ça aos hós­pe­des com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, ido­sos, pes­so­as com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da, de­fi­ci­en­tes vi­su­ais e au­di­ti­vos.

Um dos exem­plos é o Alar­me Au­di­o­vi­su­al DNI 4240 PNE/PCD, um alar­me sem fio, com dis­pa­ros so­no­ro e vi­su­al si­mul­tâ­ne­os. Bi­volt, ele pode ser ins­ta­la­do em sa­ni­tá­ri­os aces­sí­veis e ou­tros am­bi­en­tes fre­quen­ta­dos por pes­so­as com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais, com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da e ido­sos. Quan­do aci­o­na­do, emi­te on­das de ra­di­o­frequên­cia e luz de LED em al­to bri­lho na cor azul (efei­to es­tro­bos­có­pi­co), com al­can­ce má­xi­mo en­tre alar­me e aci­o­na­dor de até 30m em áre­as li­vres.

Já pa­ra aten­der aos de­fi­ci­en­tes au­di­ti­vos e vi­su­ais, a DNI - Key West ofe­re­ce o DNI 6385 - Cam­pai­nha Ele­trô­ni­ca de To­ma­da com LEDS sem Fio. Bi­volt e com tec­no­lo­gia Wi­re­less Di­gi­tal, o pro­du­to é de fá­cil ins­ta­la­ção (bas­ta plu­gar na to­ma­da), acen­de luzes de LED quan­do aci­o­na­do (au­xi­li­an­do de­fi­ci­en­tes au­di­ti­vos) e con­ta com di­ver­sos sons pro­gra­má­veis (pa­ra de­fi­ci­en­tes vi­su­ais).

Ou­tra tec­no­lo­gia da em­pre­sa é o Blo­co Autô­no­mo de Ilu­mi­na­ção de Emer­gên­cia DNI 6927, que ga­ran­te a se­gu­ran­ça de ho­téis, pou­sa­das, es­co­las, cen­tros de even­tos, hos­pi­tais, shop­pings cen­ters, are­nas, res­tau­ran­tes, den­tre ou­tros, quan­do hou­ver in­ter­rup­ção de luz ou iní­cio de incêndio, emi­tin­do lu­mi­no­si­da­de que abran­ge es­pa­ços de até 200 m². De acor­do com Kelly Sal­fa­tis, in­te­gran­te do Con­se­lho da DNI - Key West, co­mo o Bra­sil é um dos paí­ses com o mai­or ín­di­ce de rai­os do mundo, es­sa pre­ven­ção é ex­tre­ma­men­te ne­ces­sá­ria. “A po­ten­te ilu­mi­na­ção do DNI 6927 Blo­co de Ilu­mi­na­ção Autô­no­mo fa­ci­li­ta a eva­cu­a­ção ga­ran­tin­do a se­gu­ran­ça de pes­so­as pre­sen­tes em gran­des áre­as em ca­sos de emer­gên­cia”, re­la­tou.

De­sa­fio glo­bal

Pre­o­cu­pa­da com o con­for­to e a co­mo­di­da­de os hós­pe­des com ou sem mo­bi­li­da­de re­du­zi­da, a Ac­corHo­tels de­sen­vol­veu o con­cei­to Smart Ro­om. Ele foi de­se­nha­do pe­lo De­par­ta­men­to de So­lu­ções de De­sign da Ac­corHo­tels em Pa­ris e pro­je­ta­do pe­lo de­sig­ner Di­di­er Ver­sa­vel. “O quar­to vi­sa aten­der as ne­ces­si­da­des de to­dos: hós­pe­des com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da, pes­so­as co­muns, fa­mí­li­as e vi­a­jan­tes a tra­ba­lho ou la­zer. Colaboradores com de­fi­ci­ên­cia fo­ram con­sul­ta­dos na bus­ca de so­lu­ções inteligentes. As ino­va­ções do quar­to in­clu­em: por­ta com as­sis­tên­cia de aber­tu­ra/fe­cha­men­to; des­per­ta­dor ol­fa­ti­vo; ilu­mi­na­ção au­to­má­ti­ca da luz no­tur­na sob a ca­ma pa­ra en­con­trar o ca­mi­nho; ta­blet pa­ra con­tro­lar to­das as fun­ções da sa­la (cor­ti­nas, luzes, te­le­vi­são, som, ca­ma) com uma có­pia de se­gu­ran­ça me­câ­ni­ca pa­ra de­fi­ci­en­tes vi­su­ais”, co­men­ta Pau­lo Man­cio, VP de Im­plan­ta­ção da Ac­corHo­tels Amé­ri­ca do Sul.

Se­gun­do ele, a Ac­corHo­tels se pre­o­cu­pa em me­lho­rar con­ti­nu­a­men­te a aces­si­bi­li­da­de em su­as uni­da­des e lan­ça até mes­mo de­sa­fi­os glo­bais pa­ra ou­vir a opi­nião dos hós­pe­des. “Lan­ça­mos, em no­vem­bro de 2017, o mai­or de­sa­fio glo­bal com o in­tui­to de au­to­a­va­li­ar nos­sos ho­téis e ou­tros es­pa­ços pú­bli­cos. Ti­ve­mos mais de 500 par­ti­ci­pan­tes e 50 mil con­tri­bui­ções, que já es­tão me­lho­ran­do a aces­si­bi­com­po­si­ção

li­da­de glo­bal de nos­sas uni­da­des. Tu­do is­so com a con­tri­bui­ção ino­va­do­ra dos apli­ca­ti­vos J’ac­ce­de e J’ac­ce­de Chal­len­ge”, con­clui Man­cio.

Mer­ca­do po­ten­ci­al

Co­mo cer­ca de 23% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra possui al­gum ti­po de de­fi­ci­ên­cia, se­gun­do da­dos do IBGE, is­so sem con­tar o au­men­to da ex­pec­ta­ti­va de vi­da da ter­cei­ra ida­de, a Lei Bra­si­lei­ra de In­clu­são da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia abre um im­por­tan­te ni­cho de mer­ca­do. “Es­se De­cre­to é mais um pas­so ru­mo à in­clu­são, uma vez que, des­sa for­ma, os ho­téis e pou­sa­das re­ce­be­rão de for­ma dig­na to­das as pes­so­as, in­de­pen­den­te de sua con­di­ção fí­si­ca, men­tal e sen­so­ri­al, que ain­da po­de­rão usu­fruir tu­do que os ho­téis ofer­tam. Com es­sa apro­va­ção, as pos­si­bi­li­da­des nas re­for­mas e mo­der­ni­za­ções se­rão ca­da vez mais cres­cen­tes, o mer­ca­do ho­te­lei­ro te­rá que se adap­tar em um cur­to es­pa­ço de tem­po. Com cer­te­za a de­man­da au­men­ta­rá e es­ta­mos pre­pa­ra­dos pa­ra aten­der com uma equi­pe bem trei­na­da. Nos­sos pro­ces­sos es­tão mui­to bem de­fi­ni­dos e te­mos uma ges­tão pró­xi­ma e con­ta­to cons­tan­te com o cli­en­te. As­sim, ga­ran­ti­mos que não ape­nas po­de­mos aten­der es­sas no­vas exi­gên­ci­as co­mo tam­bém ser­mos gran­des ali­a­dos nas so­lu­ções jun­to aos cli­en­tes”, as­se­gu­ra o En­ge­nhei­ro Ro­dri­go Pi­que, Só­cio-Di­re­tor da RAP En­ge­nha­ria, que já atua no mer­ca­do há mui­tos anos, com obras de re­tro­fit em vá­ri­os ho­téis no Bra­sil. Ro­dri­go co­men­ta al­guns dos tra­ba­lhos que sua em­pre­sa já exe­cu­tou. “Po­de­ría­mos ci­tar vá­ri­os, mas va­mos fo­car ape­nas em dois: re­a­li­za­mos re­tro­fit no No­vo­tel em São José dos Cam­pos (SP), com o ob­je­ti­vo de cri­ar um de­sign mais con­tem­po­râ­neo e mais adap­tá­vel às ne­ces­si­da­des do hós­pe­de (ho­ra a tra­ba­lho e ho­ra a la­zer). Além dis­so, adap­ta­mos al­guns apar­ta­men­tos pa­ra o ti­po “pcd” com in­tui­to de aten­der aos hós­pe­des com ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais. Po­de­mos con­si­de­rar que foi uma im­plan­ta­ção de­sa­fi­a­do­ra em fun­ção do vo­lu­me da obra (de­mo­li­ção com­ple­ta dos quar­tos) e tam­bém pe­lo ho­tel es­tar em ope­ra­ção. Ou­tro exem­plo re­fe­re-se à B&B, re­de ho­te­lei­ra fran­ce­sa que che­gou há pou­co tem­po no Bra­sil, no qual par­ti­ci­pa­mos do pro­je­to com a de­mo­li­ção to­tal do cen­tro de con­ven­ções, que deu lu­gar a 12 no­vos apar­ta­men­tos, e tam­bém os “pcd”. Re­a­li­za­mos, ain­da, to­do re­tro­fit das áre­as so­ci­ais, res­tau­ran­te e co­zi­nha, além das áre­as de back of­fi­ce. No ba­nhei­ro do lobby fi­ze­mos as al­te­ra­ções pa­ra aten­di­men­to das nor­mas de aces­si­bi­li­da­de. Nes­se pro­je­to o cli­en­te exi­giu as obras/im­plan­ta­ção com in­tui­to de aten­der su­as ne­ces­si­da­des de ope­ra­ção e tam­bém apli­car sua iden­ti­da­de”, re­ve­la Pi­que.

E fa­zer uma obra num ho­tel em ple­na ope­ra­ção é um de­sa­fio pa­ra não atra­pa­lhar a co­mo­di­da­de dos hós­pe­des. E Pi­que res­sal­ta as pre­o­cu­pa­ções que de­vem ser le­va­das em con­si­de­ra­ção nes­se sen­ti­do. “An­tes de ini­ci­ar a obra é ne­ces­sá­rio to­mar­mos uma sé­rie de me­di­das, co­mo a es­co­lha ade­qua­da do can­tei­ro de obras, de­pó­si­tos em lo­cal apro­pri­a­do, iso­la­men­to das áre­as de tra­ba­lho, si­na­li­za­ção das áre­as, en­tre ou­tros. Du­ran­te os tra­ba­lhos é ne­ces­sá­rio ter apoio de uma equi­pe de­di­ca­da à lim­pe­za per­ma­nen­te, em ho­rá­ri­os ex­clu­si­vos pa­ra trans­por­te ver­ti­cal e ho­ri­zon­tal de ma­te­ri­ais e equi­pa­men­tos, além de ho­rá­ri­os pré-es­ta­be­le­ci­dos de tra­ba­lho”, con­clui Ro­dri­go.

A no­va le­gis­la­ção re­gu­la­men­tou a aces­si­bi­li­da­de na ho­te­la­ria, mas o ho­tel Ca`d`Oro já en­trou em ope­ra­ção em 2016 aten­den­do as nor­mas

Ale­xan­dre Sam­paio: “O im­pac­to es­pe­ra­do é um cus­to adi­ci­o­nal nos no­vos mei­os de hos­pe­da­gem que se­rão cons­truí­dos, além das di­fi­cul­da­des de pré­di­os an­ti­gos se adap­ta­rem”

Or­lan­do de Souza: “Es­se de­cre­to tra­rá im­pac­tos im­por­tan­tes nas fi­nan­ças dos ho­téis”

Edi­son Pas­sa­fa­ro: “Quem con­tes­ta es­sa no­va le­gis­la­ção não co­nhe­ce o po­ten­ci­al do se­tor no Bra­sil”

Os apar­ta­men­tos do In­ter­city Pá­tio em Pin­da­mo­nhan­ga­ba (SP) con­quis­ta­ram o Se­lo de Aces­si­bi­li­da­de

Fran­cis­co San­tos: “Pa­ra de­sen­vol­ver nos­sos pro­je­tos uti­li­za­mos a se­guin­te fór­mu­la: aces­si­bi­li­da­de + de­sign = su­ces­so”

Com­pon­do a li­nha de aces­si­bi­li­da­de, a As­tra ofe­re­ce ao mer­ca­do mais de 80 itens que tra­zem au­to­no­mia, se­gu­ran­ça e bem-es­tar pa­ra pes­so­as com mo­bi­li­da­de re­du­zi­da

Blo­co de Ilu­mi­na­ção Autô­no­mo de Emer­gên­cia DNI 6927, que emi­te lu­mi­no­si­da­de abran­gen­do es­pa­ços de até 200 m²

Pau­lo Man­cio: “A Ac­corHo­tels se pre­o­cu­pa em me­lho­rar con­ti­nu­a­men­te a aces­si­bi­li­da­de em su­as uni­da­des”

Ba­nhei­ro de um apar­ta­men­to pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia que a RAP En­ge­nha­ria fez no No­vo­tel São José dos Cam­pos (SP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.