PA­LÁ­CIO PAULISTANO

Hotelnews Magazine - - ENTREVISTA -

Com ex­ten­so cur­rí­cu­lo na ho­te­la­ria, em es­pe­ci­al no se­tor de lu­xo, Cel­so do Val­le é o di­re­tor do Pa­lá­cio Tan­ga­rá, primeiro em­pre­en­di­men­to da Oet­ker Col­lec­ti­on no Bra­sil. An­tes de as­su­mir es­sa em­prei­ta­da, o ho­te­lei­ro es­te­ve à fren­te de ho­téis co­mo Emi­li­a­no e L’Ho­tel Por­to Bay, am­bos na ca­pi­tal pau­lis­ta; e Bel­mond Ho­tel das Ca­ta­ra­tas, em F‘z d‘ Igua­çu (PR), ‘nde –”aba­lh‘u ’‘” ‘i–‘ an‘s.

HO­TEL­NEWS: Vo­cê tem um lon­go cur­rí­cu­lo na ho­te­la­ria, prin­ci­pal­men­te em em­pre­en­di­men­tos de lu­xo. Co­mo ava­lia o se­tor no Bra­sil? CEL­SO DO VAL­LE: No iní­cio da ho­te­la­ria no Bra­sil, na dé­ca­da de 1960 e 1970, o tí­pi­co ho­tel de lu­xo bra­si­lei­ro ain­da era familiar. De­pois, quan­do vi­e­ram as gran­des mar­cas, co­mo In­ter­con­ti­nen­tal e Hil­ton, se as­so­ci­a­va lu­xo com em­pre­en­di­men­tos de gran­de por­te e de mar­cas in­ter­na­ci­o­nais. N‘ fi­nal da dé­ca­da de 1990 e c‘meç‘ dos anos 2000, os ho­téis pe­que­nos ga­nha­ram es­pa­ço: os bou­ti­que, co­mo é o ca­so do L’Ho­tel, primeiro do ti­po no país; o Fa­sa­no; e os de­sign, com a aber­tu­ra do Uni­que. Ago­ra, há uma ’”‘’‘s–a di­fe”en­ci­a­da: s‘fis–ica­çã‘, de­ta­lhes, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te em em­pre­en­di­men­tos de pe­que­no por­te. Es­se é o ca­so do Pa­lá­cio Tan­ga­rá, do Four Se­a­sons; e do Ro­sewo­od (es­ses úl–im‘s ain­da se”ã‘ inau­gu”ad‘ s na ca’i–al ’au­lis–a), “ue –²m ’”‘je­tos bem mar­can­tes.

HN: Co­mo vo­cê vê os tra­ba­lhos da Em­bra­tur e do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo?

CV: Acre­di­to que en­quan­to o go­ver­no bra­si­lei­ro não en­xer­gar o tu­ris­mo co­mo uma pri­o­ri­da­de, nós va­mos pas­sar o res­to da vi­da co­me­mo­ran­do seis mi­lhões de tu­ris­tas es­tran­gei­ros – le­van­do em consideração que nem to­dos vêm a lazer e boa par­te é pro­ve­ni­en­te de lo­ca­li­da­des vi­zi­nhas. Um país des­sa di­men­são, com cli­ma ame­no, sem fenô­me­nos na­tu­rais, co­mo ter­re­mo­tos e tsu­na­mis, uma po­pu­la­ção ex­tre­ma­men­te re­cep­ti­va e ca­lo­ro­sa, quase se­te mil quilô­me­tros de cos­ta, achar que es­sa “uan–ida­de é su­fi­ci­en–e, é ’en­sa” mui–‘ ’e“uen‘. O g‘ve”n‘ pre­ci­sa apoi­ar o tu­ris­mo, pois ele é uma fon­te de di­vi­sas e de em­pre­gos ex­cep­ci­o­nal. É ne­ces­sá­rio ter pro­je­tos de cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos pa­ra que o Bra­sil pas­se a ser con­si­de­ra­do um des­ti­no do mes­mo pa­ta­mar dos gran­des do mun­do. A Em­bra­tur e o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo de­ve­ri­am olhar o se­tor de for­ma mais prá­ti­ca e as­ser­ti­va, e fa­zer do Bra­sil um des­ti­no de ex­ce­lên­cia em to­dos os as­pec­tos. Pa­ra is­so, é pre­ci­so pen­sar em tu­do, na ma­lha aé­rea, nos ae­ro­por­tos, em se­gu­ran­ça, até no sis­te­ma de trans­por­te ter­res­tre den­tro do país, que ain­da é mui­to ca­ren­te. Não po­de­mos ter a ta­xa ae­ro­por­tuá­ria mais ca­ra do mun­do, prin­ci­pal­men­te por­que nos­sos ae­ro­por­tos es­tão lon­ge de se­rem os me­lho­res. É pre­ci­so que ha­ja com­pro­mis­so com o País e não com par­ti­dos po­lí­ti­cos. Os pro­je­tos de­vem du­rar dez, 15, 20 anos.

HN: Vo­cê acre­di­ta que os gran­des even­tos fo­ram po­si­ti­vos ou ne­ga­ti­vos pa­ra o tu­ris­mo bra­si­lei­ro?

CV: Não con­se­gui­mos se­quer apro­vei­tar um fa­to úni­co: se­di­ar a Co­pa do Mun­do e as Olim­pía­das no es­pa­ço de dois anos. Não ti­ve­mos ne­nhum le­ga­do des­sa fá­bu­la de bi­lhões de re­ais gas­tos em tão pou­co tem­po, so­men­te obras su­per­fa­tu­ra­das e po­lí­ti­cos pre­sos, es­se f‘i ‘ le­gad‘ “ue –ivem‘s. O “ue e”a Ba”cel‘na (ci­da­de es’anh‘la “ue se­di‘u ‘s J‘g‘s Olím’ic‘s em 1992) an–es das Olim­pía­das? E o Rio de Ja­nei­ro? Quan­do vai mal, o Bra­sil –am­bém vai, afi­nal ele é a ’”in­ci’al ’‘”–a de en–”ada de tu­ris­tas no País. E se a ci­da­de so­fre por ques­tões de se­gu-

ran­ça, os vi­a­jan­tes de­ci­dem ir pa­ra ou­tro lu­gar. A se­gu­ran­ça, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, é um fa­tor fun­da­men­tal. Se vo­cê pen­sar em ame­ri­ca­nos, eu­ro­peus, asiá­ti­cos, por que eles vão cor­rer um ris­co? Nin­guém dei­xa de vi­a­jar pa­ra um lu­gar por­que hou­ve im­pe­a­ch­ment do pre­si­den­te ou não. Mas a au­sên­cia de go­ver­no, se­ja Municipal, Es­ta­du­al ou Fe­de­ral, traz con­sequên­ci­as pa­ra as ci­da­des, em es­pe­ci­al na se­gu­ran­ça. As pes­so­as co­me­çam a re­pen­sar, nin­guém quer cor­rer ris­co se es­tá vi­a­jan­do a lazer, ape­nas se ti­ver que ir a tra­ba­lho. HN: Co­mo vo­cê ava­lia o po­ten­ci­al e a di­vul­ga­ção de São Paulo co­mo um des­ti­no de lazer? CV: Em de­zem­bro do ano pas­sa­do eu es–ava v‘and‘ de Lisb‘a (P‘”–ugal) ’a”a Ni­ce (F”an­ça), e a ’ess‘a sen–ada ao meu la­do lia a edi­ção lon­dri­na da re­vis­ta Ti­me Out, que di­vul­ga­va o ran­king dos dez me­lho­res des­ti­nos pa­ra se di­ver­tir no mun­do. São Paulo es­ta­va em sé­ti­mo lu­gar. Qu­an­tos lu­ga­res no mun­do ofe­re­cem a di­ver­si­da­de de lazer que a ca­pi­tal pau­lis­ta tem em ter­mos de gas­tro­no­mia, mú­si­ca, gran­des shows, cul­tu­ra, tu­ris­mo de c‘m’”as? A ci­da­de ’‘ssui uma in­fi­ni­da­de de op­ções gas­tronô­mi­cas, que poucos lu­ga­res no mun­do têm. En­tre­tan­to, quem a tra­ba­lha co­mo des­ti­no de lazer? Nós, os ho­te­lei­ros. A ci­da­de não faz na­da pa­ra tra­zer os es­tran­gei­ros pa­ra cá du­ran­te o Car­na­val. Não apro­vei­ta­mos nem mes­mo o mo­men–‘ di­fí­cil d‘ Ri‘ de Ja­nei”‘ ’a”a di­ze”: ve­nham pa­ra São Paulo.

HN: O Pa­lá­cio Tan­ga­rá per­cor­reu um lon­go ca­mi­nho des­de seu anún­cio até ser inau­gu­ra­do. Quais fo­ram os mai­o­res de­sa­fi­os en­fren­ta­dos pa­ra a aber­tu­ra do primeiro ho­tel da Oet­ker Col­lec­ti­on no Bra­sil? CV: F‘”am ‘s de­sa­fi‘s na–u”ais de uma aber­tu­ra. A cons­tru­ção te­ve iní­cio em 1998 e foi paralisada em 2001. As ‘b”as fi­ca”am ’a”adas ’‘” 12 an‘s a–é o em­pre­en­di­men­to ser ven­di­do e de­pois fo­ram re­to­ma­das em 2013. Em 10 de maio de 2017, o Pa­lá­cio Tan­ga­rá foi fi­nal­men–e inau­gu”ad‘. P‘”–an–‘, en­tre o iní­cio da obra e a inau­gu­ra­ção se pas­sa­ram 19 anos, um pe­río­do mui­to l‘ng‘. F‘”am vá”i‘s de­sa­fi‘s, des­de a pró­pria con­clu­são da obra, mon­ta­gem, pre­pa­ra­ção do ho­tel, con­tra­ta­ção de mão de obra, di­vul­ga­ção. Re­ce­be­mos se­te mil cur­rí­cu­los, de mui­ta gen­te “ua­li­fi­ca­da, ’a”a 300 va­gas. Ti­vem‘s a felicidade, tam­bém, de tra­zer­mos de vol­ta pa­ra o País bra­si­lei­ros que ha­vi­am saí­do há mui­tos anos em bus­ca de um de­senv‘lvi­men–‘ ’”‘fis­si‘nal, e que con­si­de­ra­ram que, vol­tar pa­ra o Bra­sil pa­ra ocu­par uma po­si­ção no Pa­lá­cio Tan­ga­rá, se­ria a con­ti­nui­da­de da evo­lu­ção de su­as car­rei­ras.

HN: Além da Oet­ker Col­lec­ti­on, ou­tras re­des de lu­xo es­tre­a­rão em São Paulo, co­mo é o ca­so da Ro­sewo­od e do Four Se­a­sons. A ci­da­de tem de­man­da su­fi­ci­en­te pa­ra to­dos es­ses em­pre­en­di­men­tos? Ain­da há es­pa­ço pa­ra a ho­te­la­ria de lu­xo cres­cer na ca­pi­tal pau­lis­ta?

CV: A aber­tu­ra des­ses em­pre­en­di­men­tos vai ge­rar mais em­pre­gos e ele­var o pa­drão da ho­te­la­ria na ci­da­de, ti­ran­do to­dos de sua zo­na de con­for­to. Qual foi o último ho­tel aber­to na ci­da­de an­tes do Pa­lá­cio Tan­ga­rá? O Grand Hyatt há 15 anos? Is­so dei­xa os em­pre­sá­ri­os aco­mo­da­dos. Ro­sewo­od e Four Se­a­sons são mar­cas for­tes, com di­vul­ga­ção mui­to con­sis­ten­te no mun­do, o que ele­va o ní­vel de exi­gên­cia e de pa­drão mé­di­os dos ho­téis. Além dis­so, irá “ua­li­fi­ca” a mã‘ de ‘b”a. Há me”cad‘ pa­ra to­dos.

HN: Re­cen­te­men­te foi anun­ci­a­da a es­treia de mais du­as re­des in­ter­na­ci­o­nais de lu­xo no Bra­sil: Six Sen­ses, no Rio Gran­de do Nor­te; e Anan­ta­ra, que irá ad­mi­nis­trar o Ki­a­roa, na Bahia. Vo­cê acre­di­ta que a che­ga­da de mar­cas de al­to pa­drão irá co­lo­car o Bra­sil na ro­ta do tu­ris­mo de lu­xo mun­di­al? CV: Acho is­so incrível. Não sei se irão co­lo­car o Bra­sil na ro­ta do tu­ris­mo de lu­xo, mas os em­pre­en­di­men­tos da­rão uma vi­si­bi­li­da­de mui­to mai­or do que te­mos ho­je. O Ki­a­roa tem uma di­vul­ga­ção mui­to tí­mi­da, mas é um lo­cal in­te­res­san­te; vo­cê che­ga de ‘avião­zi­nho’. E pa­ra pa­gá-lo é ne­ces­sá­rio vir pa­ra São Paulo, que tem um em­pre­en­di­men­to d‘ mesm‘ g”u’‘ (Tiv‘li M‘fa””ej Sã‘ Paul‘), ‘ “ue i”á ge”a” uma si­ne”gia. Quan­to mais mar­cas de lu­xo ti­ver­mos no Bra­sil, me­lhor. É im­por­tan­te di­vul­gar o país to­do, o Rio Gran­de do Nor­te, do Sul, a Bahia, São Paulo, não so­men­te o Rio de Ja­nei­ro, Car­na­val, Ré­veil­lon na praia, e o Pan­ta­nal.

HN: Quais são os mai­o­res di­fe­ren­ci­ais do Pa­lá­cio Tan­ga­rá em re­la­ção aos ho­téis de lu­xo já exis­ten­tes em São Paulo e os que ain­da se­rão inau­gu­ra­dos? CV: O Pa­lá­cio Tan­ga­rá tem co­mo pro­pos­ta ofe­re­cer pa­ra o mer­ca­do uma ho­te­la­ria ri­ca em de­ta­lhes, fo­ca­da em

“En­quan­to o go­ver­no bra­si­lei­ro não en­xer­gar o tu­ris­mo co­mo uma pri­o­ri­da­de, nós va­mos pas­sar o res­to da vi­da co­me­mo­ran­do seis mi­lhões de tu­ris­tas es­tran­gei­ros”

sur­pre­en­der o cli­en­te em tu­do que o ho­tel ofe­re­ce, se­ja em es­pa­ços, ser­viç‘ s, gas–”‘n‘mia, um ’e”fil “ue nã‘ es­ta­va dis­po­ní­vel na ci­da­de. A ideia é “ue n‘ss‘ hós’ede fi“ue n‘ Pa­lá

cio Tan­ga­rá e não pre­ci­se sair da­qui pa­ra na­da. Vo­cê vai en­con­trar seus ami­gos? Tra­ga-os pa­ra cá. Vai ter um jan­tar de ne­gó­ci­os? Fa­ça-o aqui. Que­re­mos ser um oá­sis den­tro da ca­pi­tal pau­lis­ta, po­der “sair de São Paulo” sem pre­ci­sar vi­a­jar. Não exis­te, ho­je, ne­nhu­ma ou­tra pro­pos­ta ho­te­lei­ra co­mo a nos­sa, pe­la pró­pria ca­rac­te­rís­ti­ca do projeto, pe­lo es­pa­ço do ter­re­no, pe­lo con­cei­to. O hós­pe­de cru­za a por­ta da re­cep­ção e con­ti­nua na pro­pri­e­da­de, não sai di­re­to na rua, o que ofe­re­ce uma con­di­ção de se­gu­ran­ça e iso­la­men­to. Es­tar den­tro do Par­que Bu”le Ma”x é um be­ne­fí­ci‘. Em “ual­quer par­te do ho­tel, se­ja no lobby, no res­tau­ran­te, nos quar­tos, vo­cê tem o ver­de em primeiro pla­no. Nos­so me­nor quar­to tem 47m², uma qua­li­da­de úni­ca na ho­te­la­ria, em es­pe­ci­al se ’en­sa” n‘ ’e”fil de c‘ns–”uçã‘ mais re­cen­te, on­de os es­pa­ços so­ci­ais são pri­vi­le­gi­a­dos em de­tri­men­to do in­di­vi­du­al. Além dis­so, o pé di­re­to ele­va­do e mui­ta luz na­tu­ral dão uma per­cep­ção de re­si­dên­cia, pa­ra as pes­so­as se sen­ti­rem em ca­sa.

HN: Uma das con­tro­vér­si­as em re­la­ção ao Pa­lá­cio Tan­ga­rá é sua lo­ca­li­za­ção. Há quem di­ga que é lon­ge e fo­ra de mão. Co­mo vo­cês es­tão tra­ba­lhan­do es­sa ques­tão? CV: Se vo­cê pen­sar no hós­pe­de es- tran­gei­ro que che­ga pe­lo ae­ro­por­to in­ter­na­ci­o­nal, a dis­tân­cia de Gu­a­ru­lhos pa­ra cá ou pa­ra os Jar­dins é a mes­ma. A ponte inau­gu­ra­da nas pro­xi­mi­da­des no ano pas­sa­do foi um ga­nho ex­pres­si­vo e, ao cru­zá-la, vo­cê es­ta­rá na Mar­gi­nal Pi­nhei­ros. Da­qui pa­ra o ae­ro­por­to de Con­go­nhas são 20 mi­nu­tos. Se sua pri­o­ri­da­de na ci­da­de é uma agen­da de reu­niões na ave­ni­da Pau­lis­ta às 8h30 da ma­nhã, aqui não é sua me­lhor op­ção de hos­pe­da­gem. Por ou­tro la­do, exis­te um des­lo­ca­men­to cor­po­ra­ti­vo da Pau­lis­ta pa­ra es­sa re­gião mais pró­xi­ma do Pa­lá­cio Tan­ga­rá, co­mo a ave­ni­da Ber­ri­ni. Não ve­mos nos­sa lo­ca­li­za­ção co­mo uma des­van­ta­gem; pe­lo con­trá­rio. Es­ta­mos mui­to pró­xi­mos do mi­o­lo, do cen­tro fi­nan­cei”‘, d‘ c‘””ed‘” da m‘da, da Os­car Frei­re e re­don­de­zas, mas aqui vo­cê con­se­gue se sen­tir iso­la­do des­se gran­de ‘bur­bu­ri­nho’. O hós­pe­de po­de con­si­de­rar que es­tá den­tro da ca­pi­tal, e aces­sí­vel em cur­tís­si­mo tem­po pa­ra qual­quer área da ci­da­de, mas con­se­gue, ao mes­mo tem­po, se iso­lar, quan­do quer, no Pa­lá­cio Tan­ga­rá. HN: Qual o ba­lan­ço das ope­ra­ções do Pa­lá­cio Tan­ga­rá até o mo­men­to? CV: Fe­cha­mos o mês de no­vem­bro com 63% de ocu­pa­ção, o que foi mui–‘ g”a–ifi­can–e. Ag‘”a –em‘s ‘ ’e”í‘d‘ até o Car­na­val pe­la fren­te, que ti­pi­ca­men­te são os pi­o­res me­ses da ci­da­de pa­ra a ho­te­la­ria. Ti­ve­mos uma re­cep­ti­vi­da­de gran­de do pú­bli­co: em ge­ral re­gis­tra­mos 80% de ocu­pa­ção aos fi­nais de se­ma­na e b‘a ’a”–e des­se pú­bli­co é com­pos­ta por pau­lis­tas e pau­lis­ta­nos. Acre­di­ta­mos que nos­sa c‘nc‘””²ncia ge‘g”áfi­ca n‘ seg­men­to de lu­xo tem uma queda gran­de na ‘cu’açã‘ n‘s fi­nais de se­ma­na. Nos con­so­li­da­mos mês a mês, o que nos dei­xa ex­tre­ma­men­te oti­mis­tas e con­vic­tos. O Pa­lá­cio Tan­ga­rá tra­ba­lha mui­to bem nos seg­men­tos de lazer e cor­po­ra­ti­vo, que po­dem pa­re­cer in­com­pa­tí­veis den­tro de uma mes­ma pro­pri­e­da­de. Não so­mos um re­sort, mas te­mos tu­do o que eles têm: du­as pis­ci­nas se­mi­o­lím­pi­cas, academia high-te­ch, a gas­tro­no­mia vem sen­do um su­ces­so des­de a aber­tu­ra – o res­tau­ran­te Tan­ga­rá Je­an-Ge­or­ges, as­si­na­do pe­lo chef Je­an-Ge­or­ges Von­ge­ri­ch­ten, é um su­ces­so. Is­so sem men­ci­o­nar os even­tos. Já con­ta­mos com 29 ca­sa­men­tos agen­da­dos pa­ra 2018. Te­mos uma ca­rac­te­rís­ti­ca mui­to úni­ca, de ser­mos cer­ca­dos por um –e””aç‘ e uma fl‘”es–a –”‘’ical, ‘ sa­lã‘ prin­ci­pal tem pé di­rei­to al­to e mui­ta luz na­tu­ral. O sa­lão já es­tá pron­to; não pre­ci­sa ser ves­ti­do pa­ra uma fes­ta, os noi­vos pre­ci­sam ape­nas dar o seu to­que pes­so­al. HN: Quais são as ex­pec­ta­ti­vas do ho­tel pa­ra 2018? CV: Uma de nos­sas pri­o­ri­da­des é ga­nhar ain­da mais vi­si­bi­li­da­de e nos con­so­li­dar­mos co­mo uma al­ter­na­ti­va em São Paulo, no sen­ti­do de que a ex­pe­ri­ên­cia que vo­cê vi­ve aqui não é en­con­tra­da em ou­tro em­pre­en­di­men­to da ci­da­de. Nos­so gran­de de­sa­fi‘ é es–a”m‘s, ain­da, em um an‘ de in­ce”–ezas ’‘lí–icas e fi­nan­cei”as, mas elas apre­sen­tam uma for­ma de so­bre­vi­ver e che­gar ao ou­tro la­do com mais mus­cu­la­tu­ra. Re­cen­te­men­te pro­mo­ve­mos uma noi­te de Blu­es e Jazz às quin­tas-fei­ras e deu mui­to cer­to, e elas vol­ta­rão em fe­ve­rei­ro. Apre­sen­ta­re­mos no­vi­da­des em nos­sos car­dá­pi­os, pois te­mos cli­en­tes que já vi­e­ram 25 ve­zes em seis me­ses e meio, en­tão, eles es­pe­ram coi­sas no­vas. O brun­ch é um pro­du­to re­cen­te e que es­tá in­do mui­to bem.

“Que­re­mos ser um oá­sis den­tro da ca­pi­tal pau­lis­ta, po­der ‘sair de São Paulo’ sem pre­ci­sar vi­a­jar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.