HOTELARIA NORDESTINA

Hotelnews Magazine - - ENTREVISTA -

Ma­no­el Li­nha­res aca­ba de as­su­mir a presidência da Associação Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis (ABIH Na­ci­o­nal). Pro­pri­e­tá­rio do For­ta­le­za Mar Ho­tel, lo­ca­li­za­do na ca­pi­tal ce­a­ren­se, o ho­te­lei­ro é en­ga­ja­do no se­tor e atua em ou­tras en­ti­da­des, co­mo a Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Hos­pe­da­gem e Alimentação (FBHA). Até o fi­nal do ano pas­sa­do, foi vi­ce-pre­si­den­te da ABIH Na­ci­o­nal, quan­do era pre­si­di­da por Dil­son Fonseca. Uma de su­as pri­o­ri­da­des é apro­xi­mar as ABIHs es­ta­du­ais com a na­ci­o­nal.

HOTELNEWS: Vo­cê aca­ba de as­su­mir a presidência da ABIH Na­ci­o­nal. Quais são as pri­o­ri­da­des de seu man­da­to?

MA­NO­EL LI­NHA­RES: Que­ro apro­xi­mar as ABIHs es­ta­du­ais da na­ci­o­nal. Pa­ra is­so, vi­si­ta­rei to­das as 27 re­gi­o­nais. Vou apro­vei­tar a oca­sião pa­ra es­trei­tar o re­la­ci­o­na­men­to com ou­tras en­ti­da­des, co­mo a Associação Bra­si­lei­ra de Ba­res e Res­tau­ran­tes (Abra­sel), sin­di­ca­tos, con­se­lhos es­ta­du­ais, e tam­bém di­vul­gar o Co­no­tel, que ocor­re em maio, em For­ta­le­za (CE), em pa­ra­le­lo à fei­ra Equi­po­tel.

HN: Quais são os prin­ci­pais de­sa­fi­os da en­ti­da­de atu­al­men­te?

ML: O mai­or de­sa­fio são as pla­ta­for­mas de hos­pe­da­gem compartilhada. Mui­tos ho­téis es­tão fe­chan­do atu­al­men­te por cau­sa de­las. Queremos po­der igua­li­tá­rio.

HN: Co­mo a associação po­de ajudar a hotelaria bra­si­lei­ra?

ML: Por meio de par­ce­ri­as. Queremos en­ten­der o que ca­da ho­te­lei­ro es­tá pre­ci­san­do, su­as ne­ces­si­da­des e dificuldades no âm­bi­to mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al e fe­de­ral, e tra­zer as de­man­das pa­ra a ABIH Na­ci­o­nal. Um dos mai­o­res gar­ga­los nas ABIHs es­ta­du­ais se cha­ma qualificação. Mas is­so po­de ser cor­ri­gi­do em união com o Se­brae, eles es­tão de bra­ços aber­tos pa­ra re­ce­bê-los.

HN: Quais são os be­ne­fí­ci­os de se as­so­ci­ar à ABIH?

ML: Os ho­te­lei­ros não se as­so­ci­am à ABIH Na­ci­o­nal, mas sim à re­gi­o­nal de seu estado. Vou dar o exem­plo de Per­nam­bu­co. Lá, quem é as­so­ci­a­do da ABIH se be­ne­fi­cia com compras co­le­ti­vas. Os ho­te­lei­ros se reú­nem e com­pram em ata­ca­do. Se­guin­do es­sa li­nha, uma das me­tas da ABIH Na­ci­o­nal é cri­ar uma cen­tral de compras, se con­cen­tran­do, ini­ci­al­men­te, em cinco itens e de­pois ex­pan­dir.

HN: Qual o in­tui­to da par­ce­ria com ho­téis de Portugal?

ML: Troca de ex­pe­ri­ên­ci­as, de qualificação de mão de obra. Em Portugal, ho­je, es­tá fal­tan­do mão de obra. Di­fe­ren­te do que acontece no Bra­sil, on­de es­tá so­bran­do. Eles vi­rão par­ti­ci­par do Co­no­tel ago­ra em maio, e, em no­vem­bro, ire­mos pa­ra Portugal par­ti­ci­par de um con­gres­so, pa­ra falar so­bre a nos­sa hotelaria. En­quan­to is­so, ire­mos tro­car ex­pe­ri­ên­ci­as e ino­va­ções. Tam­bém pen­sa­mos em re­a­li­zar in­ter­câm­bio de mão de obra pa­ra qualificação, en­vi­ar bra­si­lei­ros pa­ra trei­na­rem no país eu­ro­peu. Além de Portugal, pre­ten­do re­a­li­zar ini­ci­a­ti­vas se­me­lhan­tes na Fran­ça e em Ams­ter­dã, nos Paí­ses Bai­xos.

HN: O Co­no­tel foi re­a­li­za­do nos úl­ti­mos anos em São Pau­lo (SP) e ago­ra se­rá iti­ne­ran­te. Por que es­ta mu­dan­ça?

ML: O ob­je­ti­vo é apro­xi­mar as ABIHs es­ta­du­ais com a na­ci­o­nal, dan­do opor­tu­ni­da­de pa­ra o pe­que­no ho­te­lei­ro par­ti­ci­par, as­sis­tir as pa­les­tras, e tam­bém re­a­li­zar su­as compras, já que te­re­mos uma par­ce­ria com a Equi­po­tel, que te­rá uma ver­são iti­ne­ran­te pa­ra acom­pa­nhar o con­gres­so. Ain­da não fe­cha­mos a programação de­fi­ni­ti­va de con­teú­dos, mas es­ta­mos ou­vin­do as ABIHs re­gi­o­nais e tam­bém ne­go­ci­an­do com no­mes in­ter­na­ci­o­nais pa­ra se apre­sen­ta­rem no even­to. Mas o ca­len­dá­rio so­ci­al já es­tá mon­ta­do. De­pois das pa­les­tras do pri­mei­ro dia, te­re­mos um jan­tar/co­que­tel pa­ra 1.500 pes­so­as. No se­gun­do dia pe­la ma­nhã, os acom­pa­nhan­tes dos ho­te­lei­ros irão co­nhe­cer pon­tos tu­rís­ti­cos de For­ta­le­za. A noi­te ser­vi­re­mos um jan­tar sen­ta­do pa­ra mil pes­so­as. No ter­cei­ro dia, ter­mi­na­re­mos com um jan­tar pa­tro­ci­na­do pe­lo pró­xi­mo des­ti­no do con­gres­so, Goi­â­nia (GO). O quar­to dia se­rá no Be­a­ch Park.

HN: Vo­cês têm pla­nos de in­ves­tir mais em pes­qui­sas es­ta­tís­ti­cas pa­ra en­ten­der melhor o mer­ca­do ho­te­lei­ro?

ML: Com cer­te­za, pes­qui­sa é tu­do. Se vo­cê não sa­be quem vo­cê é, não sa­be­rá on­de quer che­gar. Em nos­so pla­ne­ja­men­to es­tá pre­vis­ta uma equi­pe pa­ra fa­zer um le­van­ta­men­to pa­ra sa­ber quan­tos ho­téis somos, quan­tos em­pre­gos ge­ra­mos, quan­to pa­ga­mos de im­pos­tos. De­pois, vamos tra­ba­lhar em ci­ma dis­so. Pla­ne­ja­mos, por exem­plo, con­sul­tar as ABIHs re­gi­o­nais to­da se­ma­na pa­ra sa­ber co­mo es­tá a ocu­pa­ção. No Ce­a­rá, se­ma­nal­men­te os ho­téis li­gam pa­ra a ABIH es­ta­du­al pa­ra di­zer co­mo es­tá a ocu­pa­ção. Ou­tra me­ta é tra­ba­lhar em con­jun­to com ou­tras en­ti­da­des. Eu já per­ten­ço ao con­se­lho da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo (CNC) e ago­ra fa­rei par­te do con­se­lho do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo. Is­so, cer­ta­men­te, fa­ci­li­ta­rá pa­ra ou­vir o que diz o se­tor.

HN: Co­mo vo­cê ava­lia o tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo e da Em­bra­tur?

ML: No Pe­ru o or­ça­men­to do tu­ris­mo é de 100 mi­lhões de dó­la­res, na Ar­gen­ti­na, de 80 mi­lhões, e o nos­so, de 20 mi­lhões. O que fa­re­mos com es­sa ver­ba em um país tão gran­de

quan­to o Bra­sil? Quan­do a Em­bra­tur pas­sar a ser agên­cia, es­se re­cur­so au­men­ta­rá e po­de­rá ser re­a­lo­ca­do de for­ma melhor. As en­ti­da­des, in­clu­si­ve a ABIH, se­rão con­sul­ta­das nes­se pro­ces­so. Es­tá fal­tan­do dar mais va­lor a es­sa in­dús­tria. Can­cun re­ce­be 22 mi­lhões de tu­ris­tas por ano. Nós, com Amazô­nia, Nor­des­te, Su­des­te e Sul, ca­da um com su­as be­le­zas, re­ce­be­mos me­nos. Al­go es­tá er­ra­do, não es­ta­mos sa­ben­do tra­ba­lhar. Pre­ci­sa­mos abrir o ca­pi­tal pa­ra as em­pre­sas aé­re­as estrangeiras e mu­dar a lei que as re­ge. Os bilhetes aé­re­os es­tão cus­tan­do uma for­tu­na. Há dois anos eu fui a Ma­ceió (AL) par­ti­ci­par de um even­to pa­ra de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo re­gi­o­nal. Saí de For­ta­le­za de ma­nhã, meu voo veio pa­ra São Pau­lo e che­guei em Ma­ceió no fi­nal da tar­de. Aí per­gun­tei no even­to. “Co­mo vo­cês que­rem falar so­bre tu­ris­mo re­gi­o­nal se não te­mos nem ma­lha aé­rea?”. O Bra­sil es­tá to­do er­ra­do. En­quan­to paí­ses de pri­mei­ro mun­do tra­ba­lham as fer­ro­vi­as, on­de os tu­ris­tas po­dem se lo­co­mo­ver apre­ci­an­do as be­le­zas na­tu­rais, no Bra­sil eles ar­ran­ca­ram os tri­lhos pa­ra pri­o­ri­zar as ro­do­vi­as. O vis­to ele­trô­ni­co foi uma me­di­da mui­to im­por­tan­te. An­tes, os tu­ris­tas nor­te-ame­ri­ca­nos ti­nham que se des­lo­car ao con­su­la­do bra­si­lei­ro, pa­gar uma taxa de 160 dó­la­res - ago­ra são 40 dó­la­res e fi­ca pron­to em 72 ho­ras. Is­so fa­ci­li­ta mui­to. Te­mos que abrir pa­ra a Chi­na o vis­to ele­trô­ni­co. Es­tá fal­tan­do des­bu­ro­cra­ti­zar. Atu­al­men­te, o Bra­sil tem

15 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos. Nos­sos go­ver­nan­tes pre­ci­sam olhar pa­ra a in­dús­tria do tu­ris­mo, pois ela ge­ra uma renda que fi­ca con­cen­tra­da na mão de meia dú­zia de em­pre­sá­ri­os. O ta­xis­ta, o ar­te­são, os res­tau­ran­tes, to­dos ga­nham com es­sa in­dús­tria.

HN: De que for­ma a nova ges­tão da en­ti­da­de pre­ten­de ca­ti­var a aten­ção da Em­bra­tur e do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo pa­ra a hotelaria bra­si­lei­ra?

ML: Es­tan­do sem­pre pre­sen­te, acom­pa­nhan­do os Pro­je­tos de Lei, in­clu­si­ve em con­jun­to com ou­tras en­ti­da­des. Eu que­ro tra­ba­lhar jun­to com a CNC, com a Associação Bra­si­lei­ra de Re­sorts (ABR), com a Fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Alimentação e Hos­pe­da­gem (FBHA), com o Fó­rum dos Ope­ra­do­res Ho­te­lei­ros do Bra­sil (FOHB), com os par­ques te­má­ti­cos. Na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos exis­te ho­je mais de 450

“O nos­so mai­or só­cio é o go­ver­no. Ima­gi­na pa­gar qua­se 40% de im­pos­tos? Te­mos que pa­rar de falar so­men­te de Airbnb”

pro­je­tos re­la­ci­o­na­dos com o tu­ris­mo. E, mui­tas ve­zes, há de­pu­ta­dos que não sa­bem nem o que es­tão vo­tan­do. Eu acre­di­to que, an­tes de ha­ver uma vo­ta­ção, eles de­ve­ri­am ou­vir as en­ti­da­des in­te­res­sa­das, fa­zer uma au­di­ên­cia aberta. Um exem­plo é a lei de aces­si­bi­li­da­de. Que­ri­am pas­sar pa­ra 10% o nú­me­ro de quar­tos adap­ta­dos. Ima­gi­na pe­gar um ho­tel an­ti­go, de 50 anos. É pre­ci­so mu­dar to­da a es­tru­tu­ra, as tu­bu­la­ções, pa­ra adap­tar o quar­to. Ago­ra es­tá sen­do tra­ba­lha­do pa­ra dei­xar nos 5% e dentro des­se nú­me­ro tra­ba­lhar­mos as adap­ta­ções pa­ra de­fi­ci­en­tes fí­si­cos, vi­su­ais - que nes­se ca­so pou­ca coi­sa mu­da - , pa­ra obe­sos, com ca­mas mai­o­res. Jo­gar pa­ra 10% se­ria in­viá­vel, é que­brar a hotelaria. Além de ser pre­si­den­te da ABIH sou vi­ce-pre­si­den­te da FBHA, e a fe­de­ra­ção tem um tra­ba­lho mui­to gran­de dentro do Se­na­do e da Câ­ma­ra, acom­pa­nhan­do as vo­ta­ções e mos­tran­do pa­ra os de­pu­ta­dos os im­pac­tos das leis na hotelaria, nos par­ques te­má­ti­cos.

HN: Co­mo vo­cê ava­lia a atu­al situação da hotelaria no Bra­sil e co­mo a com­pa­ra com ou­tros paí­ses da Amé­ri­ca do Sul e mun­di­al?

ML: Nós não dei­xa­mos na­da a de­se­jar à hotelaria in­ter­na­ci­o­nal. O se­tor no Bra­sil é mo­der­no, e ca­paz de hos­pe­dar qual­quer um. Re­ce­be­mos os dois mai­o­res even­tos mundiais, a Co­pa do Mun­do e as Olim­pía­das. Além dis­so, ho­je o Bra­sil es­tá olhan­do mais pa­ra o tu­ris­mo de lu­xo, nos­sos es­ta­dos têm ho­téis pa­ra es­se pú­bli­co. A diária em uma pou­sa­da em Je­ri­co­a­co­a­ra na al­ta tem­po­ra­da po­de che­gar a R$3 mil, por exem­plo.

HN: O que a ABIH tem fei­to pa­ra mi­ni­mi­zar o pro­ble­ma do tu­ris­mo sexual?

ML: A ABIH nun­ca acei­tou o tu­ris­mo sexual. Quan­do um hós­pe­de chega a um ho­tel acom­pa­nha­do de uma cri­an­ça, ele pre­ci­sa mos­trar os do­cu­men­tos de­la. Is­so é im­pres­cin­dí­vel. O ho­te­lei­ro tem cons­ci­ên­cia de que se ele não se­guir es­sas leis ele po­de ser pro­ces­sa­do, pre­so. Nós não acei­ta­mos ho­téis que fa­zem a in­ter­me­di­a­ção pa­ra a con­tra­ta­ção de acom­pa­nhan­tes. Ten­ta­mos sem­pre cons­ci­en­ti­zar os em­pre­sá­ri­os quan­to a is­so. Eu tra­ba­lho com o Sin­di­ca­to de Ho­téis de For­ta­le­za e lá faço mui­tas par­ce­ri­as com o Mi­nis­té­rio pa­ra a defesa das cri­an­ças con­tra pros­ti­tui­ção in­fan­til.

HN: O Airbnb anun­ci­ou re­cen­te­men­te a aber­tu­ra de sua pla­ta­for­ma pa­ra a in­ser­ção de ho­téis, com a co­bran­ça de ta­xas de co­mis­são em tor­no de 5%. Qual é a sua opi­nião so­bre es­se te­ma?

ML: Eu acho que o ho­te­lei­ro que en­trar em uma pla­ta­for­ma des­sas es­tá con­tra a hotelaria. O em­pre­sá­rio do se­tor sé­rio não vai acei­tar is­so. Afi­nal, a ABIH Na­ci­o­nal es­tá tra­ba­lhan­do pa­ra re­gu­la­men­tar o Airbnb e es­sas pla­ta­for­mas, pa­ra pa­ga­rem im­pos­tos, e quem en­trar es­ta­rá con­tra o nos­so tra­ba­lho. Ao re­gu­la­men­tá-las se­rá o pri­mei­ro pas­so pa­ra me­lho­rar a situação da hotelaria bra­si­lei­ra, que, além de tu­do, so­fre com a cri­se. Quan­do o país en­tra em cri­se, o tu­ris­ta sente ime­di­a­ta­men­te. O de la­zer deixa de vi­a­jar. As em­pre­sas não mandam mais os exe­cu­ti­vos, re­sol­vem tu­do via con­fe­rên­ci­as. Quan­do o país sai da cri­se, eles são os pri­mei­ros a vol­tar.

HN: O que os ho­te­lei­ros es­tão fa­zen­do de con­cre­to pa­ra não per­der es­pa­ço pa­ra o Airbnb?

ML: O ho­te­lei­ro que qui­ser con­ti­nu­ar no mer­ca­do pre­ci­sa es­tar sem­pre cri­an­do. Es­ta­mos mo­der­ni­zan­do nos­sos ho­téis, dan­do se- gu­ran­ça ao tu­ris­ta. Quan­do ele chega a um ho­tel é obri­ga­do a fa­zer o check-in e di­zer de on­de veio, pa­ra on­de vai. No ca­so do Airbnb, po­dem se hos­pe­dar pes­so­as com in­ten­ções ruins, co­mo pros­ti­tui­ção in­fan­til. O ho­te­lei­ro é obri­ga­do a ti­rar to­das as li­cen­ças. O Airbnb não tem is­so. Queremos ju­ros me­no­res pa­ra fi­nan­ci­a­men­tos em ho­téis, in­cen­ti­vos. Pre­ten­do tra­ba­lhar pa­ra bai­xar a nos­sa car­ga tri­bu­tá­ria. Eu de­fen­do o im­pos­to úni­co, co­mo ocor­re em ou­tros paí­ses. O nos­so mai­or só­cio é o go­ver­no. Ima­gi­na pa­gar qua­se 40% de im­pos­tos?

HN: Qual a prá­ti­ca vo­cê tem em seu ho­tel e que, se pu­des­se, im­plan­ta­ria em to­dos os em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros do Bra­sil?

ML: Ho­je, o ho­te­lei­ro, co­mo qual­quer em­pre­sá­rio, pre­ci­sa ser amigo de seus fun­ci­o­ná­ri­os, ser pró­xi­mo de­les, pres­ti­gi­an­do-os. Eu faço is­so com meus co­la­bo­ra­do­res.

“O mai­or de­sa­fio são as pla­ta­for­mas de hos­pe­da­gem com­par­ti­lha­das. Mui­tos ho­téis es­tão fe­chan­do atu­al­men­te por cau­sa de­las”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.