SÃO PAU­LO A CA­PI­TAL DO EN­TRE­TE­NI­MEN­TO

CI­DA­DE VAI MUI­TO ALÉM DOS NE­GÓ­CI­OS E SE FORTALECE CO­MO DES­TI­NO DE LA­ZER

Hotelnews Magazine - - ECONOMIA E NEGÓCIOS - POR NATHALIA ABREU

A“terra da ga­roa” é uma das ci­da­des mais im­por­tan­tes do Bra­sil, prin­ci­pal­men­te no as­pec­to econô­mi­co. Es­ta cer­te­za se re­a­fir­ma há dé­ca­das, na me­di­da em que a me­tró­po­le mais po­pu­lo­sa do País tem se con­so­li­da­do, gra­da­ti­va­men­te, co­mo o prin­ci­pal cen­tro fi­nan­cei­ro e cor­po­ra­ti­vo da Amé­ri­ca do Sul. Nos úl­ti­mos anos, en­tre­tan­to, há uma re­a­li­da­de que acres­cen­ta, aos pou­cos, as­pec­tos in­te­res­san­tes ao for­ta­le­ci­men­to do des­ti­no: o seg­men­to de la­zer.

A gas­tro­no­mia, o en­tre­te­ni­men­to, a cultura, a noi­te pau­lis­ta­na e as inú­me­ras op­ções de compras au­men­tam mais, a ca­da dia, o in­te­res­se do tu­ris­ta em São Pau­lo (SP) e que, aci­ma de tu­do, po­dem ga­ran­tir um acrés­ci­mo de di­as na es­ta­dia do vi­a­jan­te de ne­gó­ci­os, que aproveita pa­ra co­nhe­cer melhor o des­ti­no. Além dos pró­pri­os bra­si­lei­ros, há tam­bém es­tran­gei­ros in­te­res­sa­dos em in­cluir a ci­da­de em seu ro­tei­ro de tu­ris­mo pe­lo País.

Da­dos do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo (MTur) apon­tam que a ca­pi­tal é a “rainha” das viagens a ne­gó­ci­os, even­tos e con­ven­ções, cap­tan­do 41,2% dos tu­ris­tas es­tran­gei­ros que vi­e­ram ao Bra­sil por es­se motivo em 2016. No la­zer, aparece em 4º lu­gar, com 9,1% dos vi­si­tan­tes que es­ti­ve­ram no país com es­te in­cen­ti­vo. En­tre 2015 e 2016, en­tre­tan­to, hou­ve um cres­ci­men­to de 3,4 pon­tos per­cen­tu­ais no ín­di­ce de tu­ris­mo de la­zer.

Do to­tal de vi­si­tan­tes in­ter­na­ci­o­nais que es­ti­ve­ram na ci­da­de, 16,3% vi­e­ram com es­se ob­je­ti­vo, o se­gun­do melhor re­sul­ta­do, nes­se que­si­to, nos úl­ti­mos cinco anos. O nú­me­ro só foi me­nor que o ín­di­ce re­gis­tra­do (pa­ra o mes­mo seg­men­to) em 2014 (ano da Co­pa do Mun­do), quan­do 23,6% dos tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais afir­ma­ram ter vi­si­ta­do São Pau­lo pa­ra se di­ver­ti­rem.

La­zer em al­ta

Se­gun­do Edu­ar­do Col­tu­ra­to, di­re­tor de tu­ris­mo da SP­Tu­ris, São Pau­lo vem al­can­çan­do um in­cre­men­to já há al­guns anos, e es­te é um acon­te­ci­men­to que vem sen­do ob­ser­va­do prin­ci­pal­men­te por três ra­zões prin­ci­pais: a lon­ga per­ma­nên­cia dos vi­a­jan­tes de ne­gó­ci­os, a cri­se econô­mi­ca e a re­a­li­za­ção de gran­des even­tos.

“São Pau­lo tem um po­ten­ci­al pa­ra o tu­ris­mo, mas es­tá lon­ge de sua capacidade to­tal” - To­ni San­do

O pri­mei­ro fa­tor es­tá re­la­ci­o­na­do aos vi­si­tan­tes cor­po­ra­ti­vos, que pro­lon­gam sua per­ma­nên­cia. O se­gun­do é a pró­pria cri­se econô­mi­ca, que du­rou até 2015, e aca­bou aju­dan­do a ci­da­de, pois o vi­a­jan­te, prin­ci­pal­men­te do in­te­ri­or do estado, que é ho­je o prin­ci­pal pú­bli­co, ia pa­ra o Nor­des­te e pa­ra o ex­te­ri­or, mas pas­sou a con­si­de­rar a ca­pi­tal co­mo um des­ti­no. O ter­cei­ro pon­to es­tá as­so­ci­a­do aos gran­des even­tos.

“Tem fi­ca­do bas­tan­te cla­ro e es­tá se re­pe­tin­do o fenô­me­no do Car­na­val, tan­to de rua quan­to no Sam­bó­dro­mo, que cres­ce ano a ano. Te­mos ob­ser­va­do, in­clu­si­ve, um au­men­to no nú­me­ro de tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais. A re­per­cus­são ge­ra mí­dia es­pon­tâ­nea; is­so faz com que, quem não co­nhe­ce ain­da, quei­ra co­nhe­cer. Há tam­bém os even­tos co­mo a Pa­ra­da LGBT e o Ré­veil­lon na ave­ni­da Pau­lis­ta, que fun­ci­o­nam co­mo um atra­ti­vo turístico mais es­pe­cí­fi­co”, es­cla­re­ce. Ele ex­pli­ca, ain­da, que o tu­ris­mo cul­tu­ral é mui­to abran­gen­te, e en­glo­ba shows, pe­ças te­a­trais, a arte e a pró­pria gas­tro­no­mia.

To­ni San­do, pre­si­den­te exe­cu­ti­vo do Vi­si­te São Pau­lo e pre­si­den­te da União Na­ci­o­nal dos Con­ven­ti­on Bu­re­aus e En­ti­da­des de Des­ti­nos (Une­des­ti­nos) con­ta que, em 2017, foi re­gis­tra­do um au­men­to de 5% na ar­re­ca­da­ção do ISS (Im­pos­to so­bre Ser­vi­ços) do tu­ris­mo.

“Ho­je, ain­da, me­ta­de de to­dos os vi­si­tan­tes que vêm pa­ra o mu­ni­cí­pio é mo­ti­va­da por even­tos e ne­gó­ci­os. Um tra­ba­lho con­tí­nuo é re­a­li­za­do pa­ra in­cen­ti­vá-los a ex­plo­ra­rem a ci­da­de nos de­mais ho­rá­rio (fi­nais de se­ma­na e noi­te). A ideia do “fi­que mais um dia” é mui­to for­te e cheia de opor­tu­ni­da- des. Ain­da as­sim, com uma mai­or pro­mo­ção dos atrativos e ações in­te­gra­das de hos­pi­ta­li­da­de, é pos­sí­vel evo­luir nes­te seg­men­to“, sa­li­en­ta San­do.

So­bre a pre­sen­ça dos vi­si­tan­tes es­tran­gei­ros, o pre­si­den­te da Vi­si­te São Pau­lo destaca al­guns nú­me­ros: hou­ve um au­men­to tan­to em vi­si­tan­tes do­més­ti­cos (12,69 mi­lhões), quan­to em tu­ris­tas in­ter­na­ci­o­nais (2,75 mi­lhões), sen­do, no to­tal, 3,76% a mais que em 2016.

“Um mo­vi­men­to que se per­ce­be é a in­clu­são da ca­pi­tal pau­lis­ta em roteiros que passam por ou­tros des­ti­nos es­ta­be­le­ci­dos no tu­ris­mo de la­zer no pú­bli­co es­tran­gei­ro. Ho­je ain­da é ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te mo­ti­va­do por ne­gó­ci­os, mas co­mo São Pau­lo pos­sui gran­des even­tos cul­tu­rais e é ro­ta obri­ga­tó- ria pa­ra shows e fes­ti­vais in­ter­na­ci­o­nais, es­se ce­ná­rio vem se mo­di­fi­can­do”, rei­te­ra.

A per­so­nal gui­de Fla­via Liz Di Pa­o­lo, es­pe­ci­a­li­za­da em tours de lu­xo na ca­pi­tal pau­lis­ta, afir­ma que re­ce­be mui­tos des­tes exe­cu­ti­vos es­tran­gei­ros que no tem­po livre apro­vei­tam pa­ra re­a­li­zar al­gum pas­seio. “Mui­tas ve­zes, o exe­cu­ti­vo (a) vem com a fa­mí­lia.”. Os côn­ju­ges não po­dem e não que­rem acom­pa­nhá-los em to­das as reu­niões, en­tão fi­cam livres pa­ra os tours. Fo­ra o bu­si­ness, o que cres­ce ca­da vez mais é a par­te cul­tu­ral. Há tu­ris­tas que vi­a­jam atrás dos res­tau­ran­tes es­tre­la­dos, e São Pau­lo es­tá nes­te cir­cui­to. A gas­tro­no­mia vem numa cres­cen­te, o que tam­bém ajuda o tu­ris­mo”, afir­ma.

É pre­ci­so me­lho­rar?

Pa­ra o di­re­tor de Tu­ris­mo da SP­Tu­ris, é es­sen­ci­al que a po­pu­la­ção de for­ma geral es­te­ja pre­pa­ra­da pa­ra receber bem es­te tu­ris­ta. “Is­so não é so­men­te so­bre o ci­da­dão co­mum, mas tam­bém so­bre to­dos os pres­ta­do­res de ser­vi­ço des­te se­tor. O vi­si­tan­te es­pe­ra aco­lhi­men­to”, afir­ma.

En­tre ou­tros pon­tos im­por­tan­tes, ele de­fen­de que há de­ta­lhes que pre­ci­sam me­lho­rar. “As­pec­tos co­mo se­gu­ran­ça e uma ci­da­de lim­pa são de ex­tre­ma importância. As ques­tões da ze­la­do­ria ur­ba­na e da se­gu­ran­ça so­mam-se ao bem receber, fa­zen­do com que o vi­a­jan­te vol­te e mul­ti­pli­que es­sa ex­pe­ri­ên­cia po­si­ti­va”, diz.

Além dis­to, o po­ten­ci­al atu­al­men­te ain­da é mai­or do que a de­man­da. “São Pau­lo tem um po­ten­ci­al pa­ra o tu­ris­mo, mas es­tá lon­ge de sua capacidade to­tal. É cla­ro que há me­lho­ri­as que sur­gem de­vi­do a es­se in­cre­men­to, co­mo em mo­bi­li­da­de e em co­mu­ni­ca­ção visual que, pas­so a pas­so, vão se de­sen­vol­ven­do”, re­for­ça To­ni San­do.

Ca­te­dral Me­tro­po­li­ta­na de São Pau­lo, na Pra­ça da Sé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.