Wi-fi grá­tis de qua­li­da­de já é item es­sen­ci­al

OFE­RE­CER BOA CO­NE­XÃO DE IN­TER­NET É TÃO IM­POR­TAN­TE QUAN­TO ÁGUA QUEN­TE NO CHUVEIRO

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR NATHALIA MO­LI­NA

Ca­fé da ma­nhã na diá­ria é al­go que se es­pe­ra no Bra­sil. Po­rém, ter um bom wi-fi grá­tis é tão im­por­tan­te quan­to, as­se­gu­ram es­pe­ci­a­lis­tas no as­sun­to. “Ofe­re­cer in­ter­net para o hós­pe­de dei­xou de ser uma des­pe­sa. É co­mo água quen­te no ba­nhei­ro”, afir­ma Jorge Del­la Via, ge­ren­te de Tecnologia a Cli­en­tes e Ino­va­ção da Ac­corHo­tels na Amé­ri­ca do Sul. “Ela só per­de para a ca­ma. O hós­pe­de che­ga à re­cep­ção e já per­gun­ta a se­nha da o wi-fi. Não quer nem sa­ber on­de fi­ca o quar­to”, con­ta Del­la Via.

A com­pa­ra­ção da in­ter­net de qua­li­da­de com um bom ba­nho tam­bém é usa­da por Ju­lio Diz, di­re­tor da WebS­pot. “Há uma ex­pec­ta­ti­va do hós­pe­de de que vai ter wi-fi grá­tis. Vi­rou um item bá­si­co”, afir­ma o di­re­tor da em­pre­sa, que ge­ren­cia re­de de in­ter­net tan­to em pe­que­nos ho­téis quan­to em uni­da­des da Bour­bon Ho­téis & Resorts e da Brazil Hos­pi­ta­lity Group (BHG).

“Com cer­te­za é um di­fe­ren­ci­al, visto que aca­ba sen­do fa­tor de­ci­si­vo em mui­tas es­co­lhas por ho­téis ou resorts”, diz Ma­ri­a­na Mel­lo, ge­ren­te ge­ral de Ven­das e Mar­ke­ting do Gru­po Pra­tagy, com re­sort e pou­sa­da em Ma­ceió (AL) vol­ta­dos para o pú­bli­co de la­zer. E faz uma res­sal­va: “O wi-fi de­ve fun­ci­o­nar e não ape­nas ser um ar­gu­men­to de ven­da”.

Para Rafael de Al­bu­quer­que, CEO da Zo­ox - que pres­ta ser­vi­ços de in­ter­net para re­des co­mo Atlan­ti­ca, Ac­cor e Blue Tree -, o item não es­tá re­la­ci­o­na­do ao per­fil do pú­bli­co. “Ca­da vez mais o hós­pe­de não de­se­ja pa­gar pe­la in­ter­net e exi­ge qua­li­da­de, es­pe­ci­al­men­te com a che­ga­da dos Mil­len­ni­als. É uma ge­ra­ção que quer

a in­ter­net vo­an­do, para jo­gar, as­sis­tir à Net­flix”, afir­ma Al­bu­quer­que, que re­co­men­da um mí­ni­mo de 50 Me­ga de in­ter­net em um em­pre­en­di­men­to de 100 apar­ta­men­tos. Atu­al­men­te, é co­mum tam­bém a pes­soa ter mais de um dis­po­si­ti­vo para co­nec­tar à re­de do hotel.

De olho nas re­cla­ma­ções

Co­mo é um as­pec­to fun­da­men­tal para o cli­en­te, o wi-fi gra­tui­to po­de ge­rar re­cla­ma­ções. “Só a Zo­ox aten­de a 3.200 li­ga­ções men­sais de hós­pe­des”, con­ta Al­bu­quer­que, men­ci­o­nan­do pro­ble­mas que vão da que­da de link até o no­me do hós­pe­de di­gi­ta­do com er­ro pe­la re­cep­ção.

De acor­do com os es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos, as re­cla­ma­ções se de­vem, prin­ci­pal­men­te, a al­guns fa­to­res: o bra­si­lei­ro es­tá cons­tan­te­men­te co­nec­ta­do; nem sem­pre o hotel in­ves­te em equi­pa­men­tos e sis­te­ma para ofe­re­cer uma boa co­ne­xão gra­tui­ta; e a tecnologia mu­da o tem­po in­tei­ro, exi­gin­do acom­pa­nha­men­to e atu­a­li­za­ção con­tí­nu­os.

“A ex­pec­ta­ti­va do hós­pe­de é en­con­trar no hotel o mes­mo que tem em ca­sa”, afir­ma Jorge Del­la Via. “Mas a me­lho­ria da in­ter­net é cons­tan­te e não vai pa­rar. A exi­gên­cia do cli­en­te vai sem­pre au­men­tar”, acre­di­ta o exe­cu­ti­vo, com ba­se na rá­pi­da evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca, que re­sul­ta em apa­re­lhos ca­da vez mais po­ten­tes.

A fun­da­do­ra e pre­si­den­te da re­de Blue Tree, Chi­e­ko Ao­ki, con­cor­da: “Co­mo em qual­quer ou­tro seg­men­to, a me­lho­ria de um de­ter­mi­na­do ser­vi­ço ele­va seu pa­ta­mar de tal mo­do, que o ‘im­pen­sá­vel’ aca­ba apa­re­cen­do, exi­gin­do cons­tan­te acom­pa­nha­men­to e no­vos ajus­tes, sem con­tar os re­fle­xos da evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca sem pre­ce­den­tes que es­ta­mos vi­ven­ci­an­do. O que aten­dia bem até on­tem, ho­je já po­de não ser ver­da­de”.

In­ter­net pa­ga à par­te

O mo­ni­to­ra­men­to aju­da o ho­te­lei­ro a de­ci­dir quan­do é ne­ces­sá­ria uma atu­a­li­za­ção e tam­bém se va­le ofe­re­cer in­ter­net pa­ga à par­te. A Blue Tree, por exem­plo, tem co­ne­xão grá­tis em to­das as uni­da­des, mas o hós­pe­de po­de pa­gar para ter uma op­ção mais po­ten­te. Na Ac­cor, a co­ne­xão é gra­tui­ta em to­das as ban­dei­ras. Nos ho­téis So­fi­tel, além dis­so, exis­te a chan­ce de con­tra­tar um wi-fi me­lhor.

O di­re­tor da WebS­pot acre­di­ta que ofe­re­cer a in­ter­net pa­ga à par­te po­de ser uma al­ter­na­ti­va, se o hotel não tem con­di­ção de con­tra­tar uma co­ne­xão mui­to po­ten­te e se o hós­pe­de tem uma ne­ces­si­da­de es­pe­cí­fi­ca, co­mo en­vi­ar um ar­qui­vo pe­sa­do. “Nós ten­ta­mos in­cen­ti­var mui­to is­so. É uma so­lu­ção boa na mé­dia”, con­ta. Mas, se­gun­do ele, o ho­te­lei­ro ge­ral­men­te re­sis­te, ale­gan­do que os con­cor­ren­tes não têm a prá­ti­ca de co­brar.

Es­tu­do de ca­so

Para sa­ber co­mo es­tá a co­ne­xão de in­ter­net e quais se­ri­am as me­lho­ri­as pos­sí­veis, o pri­mei­ro pas­so para o ho­te­lei­ro é con­tra­tar uma em­pre­sa para fa­zer um es­tu­do de ca­so, le­van­do em con­ta a in­fra­es­tru­tu­ra exis­ten­te e a ne­ces­si­da­de do em­pre­en­di­men­to.

O Pes­ta­na, cu­ja diá­ria in­clui wi-fi grá­tis, fez es­sa aná­li­se para seus ho­téis no Bra­sil. Brand ma­na­ger do gru­po, Pe­dro Bo­te­lho ex­pli­ca o que um hotel de­ve con­si­de­rar na ho­ra de pro­je­tar a re­de: “Tem a ver, so­bre­tu­do, com os lu­ga­res on­de ire­mos ins­ta­lar os pon­tos de in­ter­net para que to­dos os apar­ta­men­tos te­nham aces­so, sem len­ti­dão”.

Para ca­da hotel, a Ac­cor cria um pla­no de ação, se­gun­do Del­la Via. “Pelo nú­me­ro de quar­tos, con­se­gui­mos sa­ber qual é quan­ti­da­de de an­te­nas”, diz. Tam­bém é con­si­de­ra­do o as­pec­to fí­si­co - pa­re­des mais an­ti­gas são mais gros­sas para o si­nal atra­ves­sar, por exem­plo. “Te­mos al­guns em­pre­en­di­men­tos com 15, 20 anos. Vo­cê tem que pen­sar nu­ma con­fi­gu­ra­ção di­fe­ren­te.” Em no­vos ho­téis da Ac­cor, a es­tru­tu­ra para in­ter­net faz par­te do pro­je­to ini­ci­al.

Fa­zer um es­tu­do tam­bém é a di­ca da Blue Tree. Em 2014, a re­de de­sen­vol­veu e im­plan­tou o seu, con­si­de­ran­do in­fra­es­tru­tu­ra (com no­vos ca­be­a­men­tos e an­te­nas), sis­te­ma (com au­ten­ti­ca­ção em uma pla­ta­for­ma de con­tro­le) e link (com ao me­nos um de­di­ca­do por em­pre­en­di­men­to e tam­bém links con­tin­gen­ci­a­do­res para o ca­so de in­ci­den­tes).

Se­gun­do Rodrigo Mi­luz­zi, ge­ren­te ge­ral do Qu­a­lity Re­sort & Con­ven­ti­on Cen­ter Itu­pe­va, a pre­cau­ção para o ca­so de ins­ta­bi­li­da­des de­ve ser pri­o­ri­da­de. “É pre­ci­so ava­li­ar a qua­li­da­de e a es­ta­bi­li­da­de do link, mas, sem dú­vi­da, o que mais im­por­ta é se o for­ne­ce­dor ofe­re­ce link de con­tin­gên­cia, pois o si­nal po­de so­frer va­ri­a­ção e até ter que­da”, afir­ma. “Ou­tro pon­to prin­ci­pal é o ti­po e a quan­ti­da­de de an­te­nas. No Qu­a­lity Re­sort Itu­pe­va há mais de 50, em di­fe­ren­tes áre­as, co­mo sa­las de con­ven­ções, apar­ta­men­tos, área de la­zer, res­tau­ran­te e lobby”.

Ti­po de link e ban­da

Uma im­por­tan­te ques­tão a ser con­si­de­ra­da é a ne­ces­si­da­de de ter um link de­di­ca­do, com mais qua­li­da­de na co­ne­xão. “É um dos nos­sos pi­la­res. To­dos os ho­téis da Ac­cor têm link de­di­ca­do”, afir­ma Del­la Via. Se­gun­do ele, nos úl­ti­mos anos, o es­for­ço da em­pre­sa foi para cons­ci­en­ti­zar o in­ves­ti­dor so­bre a im­por­tân­cia de au­men­tar a ca­pa­ci­da­de da in­ter­net.

A di­fe­ren­ça de pre­ço en­tre o link de­di­ca­do e o com­par­ti­lha­do po­de ser gran­de. “É, no mí­ni­mo, dez ve­zes mais ca­ro”, afir­ma Ju­lio Diz. Ele ci­ta, em mé­dia, R$ 5.000 para 100 Me­ga com link de­di­ca­do, con­tra cer­ca de R$ 400 para 280 Me­ga em com­par­ti­lha­do. “Eu pre­fi­ro link de­di­ca­do. Tra­ba­lhan­do re­mo­ta­men­te ele é ne­ces­sá­rio. Tem 90% de es­ta­bi­li­da­de, não vai cair nem fi­car of­fli­ne”, com­ple­ta o exe­cu­ti­vo.

Mas, con­si­de­ran­do a cri­se econô­mi­ca no Bra­sil, uma al­ter­na­ti­va po­de ser um link com­par­ti­lha­do com uma lar­gu­ra de ban­da mai­or, su­ge­re Ju­lio Diz. “Para uma op­ção mais econô­mi­ca, quan­do o aces­so é la­zer, o link com­par­ti­lha­do su­pre a ne­ces­si­da­de, de­pen­den­do da lar­gu­ra de ban­da e da es­ta­bi­li­da­de”, ex­pli­ca. “Nos­sa so­lu­ção é para ten­tar iden­ti­fi­car to­dos es­ses pon­tos so­bre a co­ne­xão para eco­no­mi­zar man­ten­do a qua­li­da­de”.

Para ga­ran­tir que o hotel não fi­que sem in­ter­net em ca­so de que­da de link com­par­ti­lha­do, o exe­cu­ti­vo ex­pli­ca que é pos­sí­vel di­vi­dir a lar­gu­ra to­tal de ban­da em links de di­ver­sas ope­ra­do­ras. “Quan­do o link de um pro­ve­dor cair, os ou­tros po­dem suprir a de­man­da”, afir­ma. “Nós en­tra­mos em con­ta­to com o pro­ve­dor para re­sol­ver o problema, mas man­te­mos a in­ter­net fun­ci­o­nan­do com ou­tros links”.

Para even­tos e ne­gó­ci­os

Com ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas, as áre­as de even­tos e de ne­gó­ci­os ge­ral­men­te exi­gem uma in­ter­net me­lhor. A op­ção, nes­se ca­so, é ofe­re­cer a co­ne­xão pa­ga. “Se o hós­pe­de de­se­jar ter um ser­vi­ço mais rá­pi­do ou se irá fa­zer mui­tos down­lo­ads, de­ve­rá ser co­bra­do um adi­ci­o­nal”, ex­pli­ca Bo­te­lho, do Pes­ta­na, gru­po em que o pú­bli­co cor­po­ra­ti­vo re­pre­sen­ta em tor­no de 60% dos hós­pe­des.

Tam­bém há es­sa co­bran­ça ex­tra no Qu­a­lity Re­sort & Con­ven­ti­on Cen­ter Itu­pe­va em ca­so de even­tos, que res­pon­dem por 70% do pú­bli­co. “É co­mum o or­ga­ni­za­dor so­li­ci­tar um link de­di­ca­do. Al­gu­mas ati­vi­da­des exi­gem mais ve­lo­ci­da­de ou mes­mo re­de ex­clu­si­va”, diz Mi­luz­zi, ge­ren­te ge­ral do hotel.

É co­mum os hós­pe­des te­rem mais de um dis­po­sit­vo

Ho­téis po­dem co­brar por in­ter­net mais po­ten­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.