Ma­ri­a­na Al­dri­gui

Fecomercio SP

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE -

Ma­ri­a­na Al­dri­gui, pro­fis­si­o­nal que aca­ba de as­su­mir o Con­se­lho de Tu­ris­mo da Fe­co­mer­ci­oSP, é pro­fes­so­ra e pesquisadora, e in­te­gra o cor­po do­cen­te da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) des­de 2006. Acu­mu­la 25 anos de ex­pe­ri­ên­cia em di­fe­ren­tes em­pre­sas do tu­ris­mo bra­si­lei­ro, e par­ti­ci­pa ati­va­men­te de gru­pos in­ter­na­ci­o­nais que se de­di­cam ao de­ba­te so­bre o se­tor e seus pa­péis econô­mi­co e so­ci­al. De­sen­vol­ve aná­li­ses so­bre São Pau­lo e Bra­sil, com des­ta­ca­do in­te­res­se nas áre­as de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, edu­ca­ção e de­sen­vol­vi­men­to do tu­ris­mo.

HO­TEL­NEWS: Con­te um pou­co so­bre sua car­rei­ra e co­mo de­ci­diu es­tu­dar o se­tor de Tu­ris­mo.

MA­RI­A­NA AL­DRI­GUI: Eu mo­ra­va em Li­mei­ra (SP), on­de nas­ci. Sou de uma fa­mí­lia mui­to rí­gi­da. Ti­ve uma ado­les­cên­cia mui­to con­fli­tu­o­sa, e que­ria sair de ca­sa. Pres­tei to­dos os ves­ti­bu­la­res que eu po­dia e pas­sei em to­dos. En­tre eles es­ta­va o cur­so de Tu­ris­mo, na Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP). Du­ran­te e após a fa­cul­da­de, tra­ba­lhei em agên­ci­as, no Ca­e­sar Park (SP) e na re­de Blue Tree. De­pois de al­gum tem­po, de­ci­di fa­zer mes­tra­do e um ori­en­ta­dor en­fa­ti­zou que eu ver­ba­li­zo bem es­sa di­co­to­mia en­tre mer­ca­do e aca­de­mia, en­tão fui por es­sa ver­ten­te. As­sim, fiz um dos tra­ba­lhos mais bo­ni­tos da mi­nha vi­da, so­bre a ques­tão de as es­co­las en­si­na­rem uma coi­sa que o mer­ca­do não com­pre­en­de, e por­que is­so não se ajus­ta. Tra­ba­lhei, de­pois, em al­gu­mas uni­ver­si­da­des e, em 2005, pres­tei um con­cur­so para dar au­la na USP, o que mu­dou com­ple­ta­men­te mi­nha atu­a­ção: pas­sei a ser pesquisadora da área de po­lí­ti­ca. Na Fe­co­mer­ci­oSP eu fui con­vi­da­da a pre­si­dir o con­se­lho de tu­ris­mo. A Fe­de­ra­ção en­ten­deu que era im­por­tan­te con­tar com al­guém de ba­ga­gem aca­dê­mi­ca, que pu­des­se pro­du­zir os re­la­tó­ri­os ne­ces­sá­ri­os.

HN: Atu­al­men­te, o tu­ris­mo bra­si­lei­ro pas­sa por uma cri­se. Co­mo vo­cê vê o tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo (MTur) e do Instituto Bra­si­lei­ro de Tu­ris­mo (Em­bra­tur), bem co­mo de seus lí­de­res?

MA: Quan­do mui­ta gen­te fa­la a mes­ma coi­sa, aqui­lo fi­ca mais ver­da­dei­ro do que a pró­pria ver­da­de. É sem­pre es­sa fa­la es­tra­nha que to­do mundo re­pe­te: “O Bra­sil tem tan­to po­ten­ci­al”; des­de 1930 fa­lam is­so. Se a gen­te fi­car só fa­lan­do nis­so, vai dar al­gum re­sul­ta­do? A di­nâ­mi­ca po­lí­ti­ca é de quem re­al­men­te cir­cu­la na­que­les cor­re­do­res. O tu­ris­mo nun­ca foi uma po­lí­ti­ca de Es­ta­do no Bra­sil. Ter mi­nis­tro de tu­ris­mo se­ria bom se, ini­ci­al­men­te, a pró­pria Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca sou­bes­se por que há es­te pos­to. Des­de que o Bra­sil foi se­de da Co­pa do Mundo, em 2014, o MTur nun­ca foi cha­ma­do para ne­nhu­ma de­ci­são (in­fra­es­tru­tu­ra, en­tre ou­tros); en­trou na con­ver­sa ape­nas quan­do já es­ta­va tu­do de­fi­ni­do. A Em­bra­tur, por sua vez,

“Exis­te a ideia de que o tu­ris­mo é um gran­de uni­cór­nio colorido, que vo­cê só cha­ma quan­do vai fa­zer fes­ta”

há três me­ses das Olim­pía­das, dis­se que o Rio de Ja­nei­ro (RJ) de­ve­ria se pro­mo­ver. Há sem­pre es­sa lei­tu­ra de que o seg­men­to en­tra ale­a­to­ri­a­men­te. Exis­te a ideia de que o tu­ris­mo é um gran­de uni­cór­nio colorido, que vo­cê só cha­ma quan­do vai fa­zer fes­ta. Fal­ta uma pre­sen­ça po­lí­ti­ca que fa­ça es­sa ali­an­ça e con­ver­se jun­to ao po­der le­gis­la­ti­vo e aos ou­tros se­to­res do exe­cu­ti­vo; po­rém, an­tes dis­so, pre­ci­sa ter al­guém mais aci­ma que com­pre­en­da o pa­pel des­sa ati­vi­da­de.

HN: Co­mo vo­cê vê a en­tra­da de Vi­ní­cius Lum­mertz no MTur?

MA: O no­vo mi­nis­tro vai ten­tar se uti­li­zar des­te mo­men­to do Mi­nis­té­rio para fa­zer as ar­ti­cu­la­ções ne­ces­sá­ri­as e va­li­dar a Em­bra­tur co­mo agên­cia. Da for­ma co­mo es­tão as coi­sas, acre­di­to que es­te vai ser só mais um equí­vo­co. Des­mon­ta uma es­tru­tu­ra que, do pon­to de vis­ta de ge­ra­ção de da­dos e anuá­ri­os era mui­to bom, e não há na­da con­sis­ten­te para re­a­li­zar es­ta mu­dan­ça.

HN: Ao mes­mo tem­po em que o se­tor per­ce­beu a de­fi­ci­ên­cia de divulgação do Bra­sil no ex­te­ri­or, por exem­plo, al­gu­mas au­to­ri­da­des afir­mam “ue não há ver­ba para apli­car na pro­mo­ção tu­rís­ti­ca. Qual a sua opi­nião a res­pei­to? A ver­ba des­ti­na­da para a Em­bra­tur é mal gas­ta?

MA: Há pro­je­tos que são apro­va­dos e a ver­ba é alo­ca­da de uma for­ma que fi­ca im­pos­sí­vel de com­pre­en­der. Por exem­plo: dez ou 12 ve­zes mais dinheiro ofi­ci­al foi gas­to para cons­truir por­tais de en­tra­da em ci­da­des - o clás­si­co “Se­ja bem-vin­do” - do que para qua­li­fi­car por­to e ae­ro­por­to. Para al­guém, em al­gu­ma ar­gu­men­ta­ção, is­so traz be­ne­fí­ci­os. Mas eu ain­da não con­se­gui en­ten­der a re­le­vân­cia. Eu di­ria que há um gas­to mal di­re­ci­o­na­do. Às ve­zes vo­cê, em não pon­de­ran­do as op­ções, gas­ta mais em um co­que­tel que fi­de­li­za cin­co agen­tes, do que em uma cam­pa­nha no You­tu­be, por exem­plo, para formar a opi­nião de quem tem en­tre 15 e 18 anos, que me­lho­ra, não ago­ra, mas fu­tu­ra­men­te a ima­gem do País. A cam­pa­nha “Aqui se ha­bla por­tu­nhol” foi de ex­tre­mo mau gos­to, po­de ge­rar sen- ti­do dú­bio. Es­que­ce­ram-se de se co­lo­car no lu­gar de quem es­tá ven­do. Foi, ba­si­ca­men­te, des­me­re­cer uma qua­li­da­de de tu­ris­tas que nun­ca co­lo­cou o idi­o­ma co­mo bar­rei­ra. A par­tir daí, vo­cê apon­ta que tem um problema de lín­gua. Os ar­gen­ti­nos vi­nham fe­li­zes. Mas es­te ti­po de si­tu­a­ção po­de me­xer com va­lo­res in­ter­nos e a pes­soa nem sa­be por que não gos­tou.

HN: Vo­cê acre­di­ta que hou­ve re­al­men­te um pla­ne­ja­men­to das ações re­a­li­za­das pe­la Em­bra­tur e pelo MTur, ou elas fo­ram acon­te­cen­do ao aca­so?

MA: A sen­sa­ção que eu te­nho é que os de­sa­fi­os são com­par­ti­men­ta­dos e di­vi­di­dos en­tre pes­so­as que nun­ca mais con­ver­sam en­tre si. As ações, às ve­zes, são fun­da­men­ta­das nu­ma estratégia po­lí­ti­ca, e tal­vez te­nham ou­tros in­te­res­ses, mas não há uma ex­pli­ca­ção ra­zoá­vel nem para im­pren­sa, e nem para pes­qui­sa­do­res. Acre­di­to que há ape­nas uma meta prin­ci­pal de ge­rar no­tí­cia e ane­xar bons fei­tos ou bo­as men­sa­gens à sua ima­gem pes­so­al en­quan­to mi­nis­tro, ou pre­si­den­te da Em­bra­tur, ou de­pu­ta­do, por­que is­so se trans­for­ma em pla­ta­for­ma elei­to­ral, em vez de pre­o­cu­pa­ções cla­ras so­bre a pro­mo­ção tu­rís­ti­ca. Por exem­plo: cer­ca de 30 mil rus­sos vi­e­ram para o Bra­sil em 2014, na Co­pa do Mundo. Na oca­sião, a se­le­ção de fu­te­bol rus­sa jo­ga­va. Com es­ta in­for­ma­ção, o mi­nis­tro do Tu­ris­mo foi para a Rús­sia em mis­são, para abrir um es­cri­tó­rio de pro­mo­ção em Mos­cou, sim­ples­men­te “por­que os rus­sos vi­e­ram para o Bra­sil”. No ano se­guin­te, o nú­me­ro caiu, ob­vi­a­men­te, para se­te mil. En­quan­to is­so, o Chile, que man­da de 300 a 350 mil tu­ris­tas anu­al­men­te não tem um es­cri­tó­rio de pro­mo­ção bra­si­lei­ra, nú­me­ro que re­pre­sen­ta qua­se “40 Rús­si­as” em vo­lu­me. Não faz sen­ti­do, em res­tri­ção or­ça­men­tá­ria, uma pro­mo­ção num país que, para o Bra­sil, não tem o mes­mo sig­ni­fi­ca­do que lo­ca­li­da­des co­mo Chile, Equa­dor, Colôm­bia e Uru­guai. Não há cla­re­za de ob­je­ti­vos. Ou­tro exem­plo é o lan­ça­men­to da Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Qua­li­fi­ca­ção do Tu­ris­mo. O do­cu­men­to afir­ma que a ação irá ge­rar R$ 5 bi­lhões na eco­no­mia e dois mi­lhões de em­pre­gos. Pri­mei­ro: qual é o fun­da­men­to para afir­mar is­to? O que é es­te mon­tan­te para a eco­no­mia? De que ta­ma­nho é a sig­ni­fi­cân­cia de­le? Os nú­me­ros vão sen­do jo­ga­dos. Para a Fe­co­mér­cio, in­clu­si­ve, uma das me­tas é re­or­ga­ni­zar e tra­du­zir es­ses nú­me­ros para que, en­fim, fa­çam sen­ti­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.