Rio de Ja­nei­ro em cri­se

A SI­TU­A­çÃO PO­DE SER RE­VER­TI­DA?

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR NATHALIA ABREU

Não

é no­vi­da­de para nin­guém que a Ci­da­de Ma­ra­vi­lho­sa, por­ta de en­tra­da para tu­ris­tas es­tran­gei­ros no País, es­tá em uma cri­se di­fí­cil de su­pe­rar. O Rio de Ja­nei­ro (RJ) so­fre com pro­ble­mas tan­to na es­tru­tu­ra econô­mi­ca, quan­to na po­lí­ti­ca, ver­da­de que afe­ta con­si­de­ra­vel­men­te e, sem dú­vi­da al­gu­ma, o se­tor tu­rís­ti­co.

Nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção es­tran­gei­ros, os ho­lo­fo­tes no Bra­sil es­tão vol­ta­dos para du­as ques­tões prin­ci­pais: a vi­o­lên­cia e os con­fron­tos po­lí­ti­cos que as­so­lam, so­bre­tu­do, o Rio. Des­de 2017, a per­gun­ta que per­meia a ca­be­ça dos bra­si­lei­ros é se as au­to­ri­da­des re­al­men­te en­xer­gam o qua­dro atu­al do ca­os exis­ten­te na ca­pi­tal flu­mi­nen­se. Co­mo se­ria pos­sí­vel, en­tão, re­ver­tê-lo?

De acor­do com o no­vo mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Vi­ni­cius Lum­mertz, as mai­o­res eco­no­mi­as do mundo já pas­sa­ram por cri­ses econô­mi­cas e po­lí­ti­cas. “Os paí­ses nor­mal­men­te en­ten­dem que es­se é um pro­ces­so na­tu­ral na de­mo­cra­cia. No Bra­sil, as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas vêm mos­tran­do que são só­li­das e, por is­so, o con­tex­to ten­de a não afe­tar o tu­ris­mo. O se­tor, in­clu­si­ve, vem con­quis­tan­do ca­da vez mais es­pa­ço na eco­no­mia. Is­so por­que, em mo­men­tos de cri­se, o tu­ris­mo é o que res­pon­de mais rá­pi­do na ge­ra­ção de em­pre­gos e ren­da para a po­pu­la­ção. São se­te mi­lhões de pes­so­as tra­ba­lhan­do di­re­ta e in­di­re­ta­men­te em mais de 50 ati­vi­da­des re­la­ci­o­na­das ao se­tor”, de­fen­de. A ques­tão da vi­o­lên­cia

Ape­sar do oti­mis­mo do no­vo mi­nis­tro, que as­su­miu o car­go em abril des­te ano, to­das as ques­tões que as­som­bram a ca­pi­tal flu­mi­nen­se há anos vol­ta­ram à to­na em 2018, prin­ci­pal­men­te após o de­cre­to da in­ter­ven­ção fe­de­ral no Es­ta­do pelo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, que acon­te­ce­rá até o dia 31 de de­zem­bro des­te ano. Des­de 1988 até ago­ra, uma me­di­da co­mo es­ta nun­ca ha­via si­do apli­ca­da no País e a jus­ti­fi­ca­ti­va do man­da­tá­rio é con­ter o com­pro­me­ti­men­to da or­dem pública.

Se­gun­do Mar­ce­lo Al­ves, pre­si­den­te da Em­pre­sa de Tu­ris­mo do Mu­ni­cí­pio do Rio de Ja­nei­ro (Ri­o­tur), a vi­o­lên­cia é uma ques­tão de se­gu­ran­ça que pre­ci­sa ser tra­ta­da pe­la po­lí­cia, em âm­bi­to es­ta­tal. “Ape­sar das no­tí­ci­as ne­ga­ti­vas, o Rio con­ti­nua a re­ce­ber tu­ris­tas que se in­te­res­sam pe­las be­le­zas e gran­des even­tos da nos­sa ci­da­de. Para se ter uma ideia, no Car­na­val de 2018 re­ce­be­mos cer­ca de 1,5 mi­lhão de vi­si­tan­tes na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais que vi­e­ram cur­tir a fo­lia em so­lo ca­ri­o­ca, nos blo­cos e tam­bém no Sam­bó­dro­mo”, afir­ma.

De acor­do com uma pes­qui­sa en­co­men­da­da pelo Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo no fi­nal de 2017, tu­ris­tas na­ci­o­nais em vi­si­ta ao Rio, quan­do ques­ti­o­na­dos es­pe­ci­fi­ca­men­te so­bre des­van­ta­gens de vi­si­tar a ci­da­de, não per­ce­bem a ques­tão da vi­o­lên­cia. “Ape­nas 18,4% dos en­tre­vis­ta­dos ci­ta­ram a vi­o­lên­cia co­mo o prin­ci­pal mo­ti­vo. A mai­o­ria (85,1%) dis­se que nun­ca

foi ví­ti­ma de qual­quer ato de vi­o­lên­cia na ci­da­de e nem pre­sen­ci­ou a ocor­rên­cia de al­gum cri­me (76,8%)”, de­fen­de Lum­mertz.

É pos­sí­vel re­sol­ver o problema?

O mi­nis­tro in­da­ga que a ci­da­de atra­ves­sa, sim, uma fa­se di­fí­cil. Po­rém, acre­di­ta que há ci­ên­cia da im­por­tân­cia na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal da lo­ca­li­da­de, não só em sua pro­je­ção na área do tu­ris­mo, mas tam­bém em ou­tras tan­tas que mo­vem a eco­no­mia lo­cal.

“Pelo Go­ver­no Fe­de­ral es­ta­mos atu­an­do em du­as fren­tes: no com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do - em uma de­ci­são co­ra­jo­sa e acer­ta­da com a in­ter­ven­ção fe­de­ral na se­gu­ran­ça -; e na am­pli­a­ção da pro­mo­ção e re­a­li­za­ção de even­tos atra­vés do ca­len­dá­rio ‘Rio de Ja­nei­ro a Ja­nei­ro’”, diz Lum­mertz.

Es­te pro­gra­ma, co­mo ex­pli­ca o mi­nis­tro, foi cri­a­do para ser um ali­a­do na re­du­ção da sa­zo­na­li­da­de, de­sa­fio per­ma­nen­te para qual­quer des­ti­no tu­rís­ti­co com­pe­ti­ti­vo. “O tu­ris­mo de even­tos é ca­paz de im­pul­si­o­nar o se­tor de viagens co­mo ati­vi­da­de econô­mi­ca sus­ten­tá­vel e con­tri­buir para ala­van­car e/ou con­so­li­dar des­ti­nos es­pa­lha­dos por to­do o Bra­sil, por is­so po­de e de­ve ser usa­do co­mo for­te fa­tor de in­cre­men­to do flu­xo de tu­ris­tas e in­du­tor na ge­ra­ção de em­pre­gos e ren­da”, en­fa­ti­za.

Na pri­mei­ra eta­pa do pro­gra­ma fo­ram apoi­a­dos mais de 100 even­tos, com apor­te ini­ci­al de R$ 150 mi­lhões. “Es­tu­dos da Fun­da­ção Ge­tu­lio Vargas apon­tam que es­te ca­len­dá­rio tem po­ten­ci­al para ge­rar mais de R$ 6 bi­lhões para a eco­no­mia da ci­da­de”, diz Lum­mertz.

Para a Ri­o­tur, as prin­ci­pais apos­tas para a re­cu­pe­ra­ção do se­tor são tam­bém o de­sen­vol­vi­men­to do ca­len­dá­rio de even­tos, além da pro­mo­ção do des­ti­no tu­rís­ti­co no ex­te­ri­or e o tra­ba­lho in­te­gra­do com to­dos os ní­veis de go­ver­no.

“Não po­de­mos res­pon­der pelos de­mais ór­gãos, mas, jun­to à pre­fei­tu­ra do Rio, es­ta­mos in­ves­tin­do em ma­te­ri­ais de fo­lhe­te­ria para pros­pec­tar a ci­da­de em fei­ras na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, além do de­sen­vol­vi­men­to de uma no­va cam­pa­nha de mar­ke­ting para pro­mo­ção tu­rís­ti­ca do des­ti­no, vol­ta­da para os mer­ca­dos da Eu­ro­pa e dos Es­ta­dos Uni­dos. Além dis­so, em 2017 fo­ram re­a­li­za­das ações pon­tu­ais de pro­mo­ção tu­rís­ti­ca, in­cluin­do ro­adshows em ci­da­des bra­si­lei­ras e no ex­te­ri­or, a pre­sen­ça na cam­pa­nha pelo visto ele­trô­ni­co com o apoio da Em­bra­tur, par­ce­ri­as com a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis e Rio Con­ven­ti­on & Vi­si­tors Bu­re­au em fei­ras, além da mo­der­ni­za­ção dos pos­tos de aten­di­men­to tu­rís­ti­co”, ex­pli­ca o pre­si­den­te da Ri­o­tur.

Quan­to à vi­si­ta dos pró­pri­os bra­si­lei­ros, o MTur afir­ma que re­a­li­zou uma pes­qui­sa que mos­tra o tra­ba­lho do Rio de Ja­nei­ro para con­so­li­dar seus pon­tos for­tes no mer­ca­do in­ter­no. “Uma pro­va dis­so foi o Car­na­val ca­ri­o­ca, que em 2018 ar­re­ca­dou, se­gun­do a Ri­o­tur, cer­ca de R$ 3,5 bi­lhões, R$ 500 mi­lhões a mais que em 2017. Além dis­so, o nú­me­ro de fo­liões tam­bém re­gis­trou au­men­to: fo­ram apro­xi­ma­da­men­te 6 mi­lhões, sen­do 1,5 mi­lhão de tu­ris­tas (400 mil a mais que no ano pas­sa­do)”, diz.

Por ou­tro la­do, Ma­ri­a­na Al­dri­gui, pro­fis­si­o­nal que pre­si­de o Con­se­lho de Tu­ris­mo da Fe­co­mer­ci­oSP, pro­fes­so­ra, pesquisadora, e in­te­gran­te do cor­po do­cen­te da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), acre­di­ta que a in­ter­ven­ção vai man­char ain­da mais a ima­gem da ci­da­de.

“Nós não po­de­mos sim­ples­men­te pas­sar ‘um pa­no’ e di­zer para o tu­ris­ta: ‘Po­de vir, por­que os tan­ques de gu­er­ra es­tão na rua’. A gen­te é tão vi­o­len­to quan­to a gu­er­ra na Sí­ria, por exem­plo. Tu­do is­so vai pe­gan­do es­pa­ço na mí­dia gra­tui­ta­men­te. Não tem ver­ba ofi­ci­al que lim­pe is­so. Não é fol­der colorido bri­lhan­te, nem par­ti­ci­par de fei­ras em Ber­lim (Ale­ma­nha) ou em Lon­dres (In­gla­ter­ra) que irá re­sol­ver a si­tu­a­ção. Nes­se mo­men­to, o in­ves­ti­men­to cor­re­to é o mer­ca­do in­ter­no. São as 100 ou 150 mi­lhões de pes­so­as que, mes­mo com pou­co dinheiro, vi­a­ja­ri­am pelo Bra­sil. Abrir mer­ca­do em um mo­men­to de tan­ta ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca é im­pos­sí­vel”, ar­gu­men­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Pa­no­ra­ma do seg­men­to ho­te­lei­ro

To­do es­te pa­no­ra­ma re­sul­tou, prin­ci­pal­men­te, em bai­xa ocu­pa­ção ho­te­lei­ra, ao con­trá­rio do que se es­pe­ra­va . Um le­van­ta­men­to da ABIH Rio de Ja­nei­ro mos­tra que a ocu­pa­ção dos ho­téis na ci­da­de caiu, en­tre ja­nei­ro e ju­nho de 2017, de 60,67% para 51,33%.

Em re­la­tó­rio do Fó­rum de Ope­ra­do­res Ho­te­lei­ros do Bra­sil (FOHB), a ci­da­de li­de­ra­va, no ano pas­sa­do, as que­das tan­to em ocu­pa­ção quan­to em diá­ria mé­dia e em RevPar. Se­gun­do a ABIH-RJ, a re­gião da Bar­ra da Ti­ju­ca acu­mu­lou cer­ca de 11 mil no­vos quar­tos de ho­téis em 2016. Po­rém, o que aconteceu com es­te mon­tan­te?

Após os gran­des even­tos, a ofer­ta ho­te­lei­ra tri­pli­cou. “Era ób­vio que pas­sa­do o pe­río­do iria de­man­dar um bom tem­po para que o se­tor con­se­guis­se se re­cu­pe­rar. Gran­de par­te des­sa ofer­ta foi para a Bar­ra da Ti­ju­ca. Pe­la dis­tân­cia des­ta re­gião e di­fi­cul­da­de de lo­co­mo­ção, es­te é o pi­or ce­ná­rio atu­al do Rio em ter­mos de ocu­pa­ção. É di­fe­ren­te de Le­blon, Co­pa­ca­ba­na e Cen­tro. As pes­so­as a la­zer não que­rem fi­car na Bar­ra. As ocu­pa­ções pre­ci­sam ser ana­li­sa­das de ma­nei­ras se­pa­ra­das”, ex­pli­ca Or­lan­do de Souza, pre­si­den­te do FOHB.

Co­mo re­cu­pe­ra­ção do ce­ná­rio, ele ana­li­sa que a cons­tru­ção de no­vos cen­tros de ex­po­si­ções e con­ven­ções, além da cap­ta­ção de even­tos, po­de­ri­am ser so­lu­ções. “Fal­ta es­se in­ves­ti­men­to em even­tos. São Pau­lo (SP) fez es­sa li­ção de ca­sa lá atrás. 70% das fei­ras no Bra­sil acon­te­cem na ca­pi­tal pau­lis­ta. A saí­da para a Bar­ra se­ria al­go pa­re­ci­do com is­to, se não por par­te da ini­ci­a­ti­va pública do se­tor”, ana­li­sa.

“Não ti­ve­mos cam­pa­nhas ou pro­mo­ções in­ter­na­ci­o­nais. Po­rém, a ofer­ta de quar­tos au­men­tou de 29 mil para 50 mil a par­tir das Olim­pía­das. Lo­go após os even­tos, os ca­sos de ho­téis fe­cha­dos ou com ocu­pa­ção com me­nos de 10% tor­na­ram-se ro­ti­na. Os in­ves­ti­do­res co­bra­ram re­sul­ta­dos, e as ca­dei­as mui­tas ve­zes não con­se­gui­ri­am ge­rar ra­pi­da­men­te. Nin­guém é má­gi­co; vem a lon­go e mé­dio pra­zos”, diz Al­fre­do Lo­pes, pre­si­den­te da ABIH-RJ. “Não adi­an­ta vo­cê ter um hotel ma­ra­vi­lho­so se a ci­da­de es­ti­ver su­ja e sua mo­bi­li­da­de não fun­ci­o­nar. O em­pre­en­di­men­to de­pen­de da in­fra­es­tru­tu­ra ur­ba­na”.

Ho­téis

O icô­ni­co Hotel Na­ci­o­nal, de­cla­ra­do co­mo Pa­trimô­nio His­tó­ri­co pelo IRPH (Instituto do Pa­trimô­nio da Hu­ma­ni­da­de no Rio), pas­sou a ser ad­mi­nis­tra­do pe­la Me­liá Ho­tels In­ter­na­ti­o­nal em de­zem­bro de 2016 de­pois de fi­car fe­cha­do por mais de 20 anos. Po­rém, a re­de dei­xou a ad­mi­nis­tra­ção do em­pre­en­di­men­to, que até en­tão se cha­ma­va ‘Gran Me­liá Rio de Ja­nei­ro’, em 31 de mar­ço des­te ano.

Em no­ta en­vi­a­da pe­la as­ses­so­ria de im­pren­sa, a Me­liá afir­ma que sua saí­da se de­ve ao tér­mi­no do con­tra­to com a em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria do hotel. “Não há dú­vi­da que de­vi­do às ca­rac­te­rís­ti­cas do mer­ca­do do Rio de Ja­nei­ro, mui­to vol­ta­do ao seg­men­to tu­rís­ti­co, mas tam­bém sen­do um im­por­tan­te des­ti­no de con­gres­sos e even­tos, o fa­to de o hotel não po­der con­tar com seu im­por­tan­te cen­tro de con­ven­ções e even­tos re­pre­sen­ta uma gran­de li­mi­ta­ção na ge­ra­ção de ne­gó­ci­os. Foi um ano e qua­tro me­ses de ope­ra­ção, com um iní­cio di­fí­cil lo­go após as Olim­pía­das, po­rém, já com uma si­na­li­za­ção de re­cu­pe­ra­ção nos úl­ti­mos me­ses”, dis­se a re­de.

“As ques­tões de se­gu­ran­ça no Rio de Ja­nei­ro e a re­per­cus­são in­ter­na­ci­o­nal so­bre is­so são, ine­ga­vel­men­te, um fa­tor im­por­tan­te que ini­be a de­man­da ho­te­lei­ra e afe­tou o mer­ca-

do em de­ter­mi­na­do mo­men­to, mas não te­mos dú­vi­da que as qua­li­da­des des­se des­ti­no cer­ta­men­te su­pe­ra­rão es­ta si­tu­a­ção fu­tu­ra­men­te”, com­ple­men­ta o co­mu­ni­ca­do.

Edu­ar­do Borghet­ti, di­re­tor exe­cu­ti­vo da HN Em­pre­en­di­men­tos e Par­ti­ci­pa­ções Lt­da, em­pre­sa in­ves­ti­do­ra do hotel, afir­ma que a vi­o­lên­cia sem­pre foi um problema, e dis­tri­buí­da por to­da a ci­da­de. “Co­mo a co­mu­ni­da­de da Ro­ci­nha é ho­je o co­ra­ção do Rio de Ja­nei­ro, o problema co­me­ça a ser mais di­vul­ga­do. Quan­do es­tou­rou o con­fron­to na Ro­ci­nha, era o fi­nal de se­ma­na do Rock n’ Rio (2017). Mes­mo com es­se acon­te­ci­men­to, não ti­ve­mos can­ce­la­men­tos e ne­nhum problema. Não hou­ve im­pac­to na ocu­pa­ção do hotel”, diz. Se­gun­do ele, es­sa pro­xi­mi­da­de nun­ca atra­pa­lhou na per­cep­ção por par­te dos tu­ris­tas es­tran­gei­ros.

“Por mais que o hotel se­ja no­vo, apro­vei­ta­re­mos es­te pe­río­do que es­ta­rá fe­cha­do para re­no­vá-lo. Es­ta­mos em fa­se de se­le­ção de ban­dei­ra e o ne­gó­cio irá con­ti­nu­ar. Há se­te mar­cas in­te­res­sa­das”, adi­an­ta o in­ves­ti­dor.

Para o Grand Hyatt RJ, a cri­se agra­va­da pelos pro­ble­mas no se­tor de óleo e gás, afe­tou prin­ci­pal­men­te a de­man­da cor­po­ra­ti­va, que es­tá em fa­se de re­cu­pe­ra­ção. “Por ou­tro la­do, per­ce­be­mos que o mer­ca­do de la­zer es­tá ca­da vez mais for­te. Ho­je, a mai­or par­te dos nos­sos hós­pe­des é for­ma­da pelo pú­bli­co lo­cal, que de­se­ja fu­gir da sua ro­ti­na e vi­ver uma ex­pe­ri­ên­cia di­fe­ren­te em um hotel com es­tru­tu­ra de re­sort ur­ba­no”, ex­pli­ca o ge­ren­te ge­ral Ch­ris­tophe Lor­vo.

“En­ca­ra­mos o mo­men­to co­mo uma opor­tu­ni­da­de para atrair no­vos pú­bli­cos e de­sen­vol­ver no­vos pro­du­tos. To­dos os me­ses ofe­re­ce­mos even­tos pró­pri­os para atrair o vi­si­tan­te lo­cal e cri­a­mos pa­co­tes di­fe­ren­ci­a­dos de hos­pe­da­gem. Além dis­so, es­ta­mos sem­pre aten­tos às no­vas de­man­das para ofe­re­cer no­vos ser­vi­ços. Um exem­plo foi o Qui­os­que, lo­ja de con­ve­ni­ên­cia do hotel inau­gu­ra­da há pou­cos me­ses, que fun­ci­o­na 24 ho­ras”, com­ple­men­ta o ge­ren­te.

For­te na praia de Co­pa­ca­ba­na

Pe­dra da Gá­vea

Al­fre­do Lo­pes

Vi­ni­cius Lum­mertz

Mar­ce­lo Al­ves

Or­lan­do Souza

O icô­ni­co Hotel Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.