Saudável des­de o pra­to

OFERECER ALIMENTOS ORG NICOS, NATURAIS E COM POUCAS CALORIAS JÁ É UMA RE­A­LI­DA­DE

Hotelnews Magazine - - ÍNDICE - POR LORENA AMAZONAS

Alimentação saudável não é mais fres­cu­ra. Se­ja pa­ra ema­gre­cer ou me­lho­rar seus há­bi­tos ali­men­ta­res, a ver­da­de é que os bra­si­lei­ros es­tão ca­da vez mais aten­tos ao as­sun­to. Bas­ta no­tar a quan­ti­da­de de res­tau­ran­tes que já abrem com es­te con­cei­to ou de­ci­dem in­cluir itens no car­dá­pio pa­ra aten­der es­se pú­bli­co.

De acor­do com a pes­qui­sa “A Me­sa dos bra­si­leir‘ s – –ransf‘rma­ções, c‘nfir­ma­ções e c‘n–ra­di­ções” ’ubli­ca­da nes–e an‘ ’ela Fe­de­ra­çã‘ das In­dús­tri­as do Es­ta­do de São Pau­lo (FIESP), oi­to em ca­da dez bra­si­lei­ros se es­for­çam pa­ra ter uma ali­men–açã‘ saudável. Além diss‘, 71% afir­mam op­tar por pro­du­tos mais sau­dá­veis mes­mo que te­nham que pa­gar mais por eles.

A –end²ncia –am­bém é c‘nfir­ma­da ’ela Eu

ro­mo­ni­tor In­ter­na­ti­o­nal, es­pe­ci­a­li­za­da em pes­qui­sa de mer­ca­do. Se­gun­do re­la­tó­rio pu­bli­ca­do em 2017, mes­mo du­ran­te a cri­se o se­tor de saú­de e bem-es­tar bra­si­lei­ro mo­vi­men­tou R$93,6 bi­lhões em 2016, sen­do 67% des­se va­lor pro­ve­ni­en­te da alimentação saudável - e es­se nú­me­ro de­ve cres­cer.

Se­gun­do a nu­tri­ci­o­nis­ta Pau­la Her­tel, do con­sul­tó­rio Fer­nan­da Sche­er - Nu­tri­ção Fun­ci­o­nal, es­sa mu­dan­ça de há­bi­tos se dá, prin­ci­pal­men­te, por dois mo­ti­vos: pre­ven­ção de do­en­ças e de­se­jo por um cor­po bo­ni­to. Mas, e quan­do es­se pú­bli­co de­ci­de vi­a­jar? Pa­ra a ’r‘fis­si‘nal, h‘–éis “ue “uei­ram aten­der es­ses cli­en­tes po­dem apos­tar em al­gu­mas so­lu­ções. “É pos­sí­vel oferecer op­ções mais naturais, mas sem dei­xar de la­do o sa­bor e uma boa apre­sen­ta­ção. Re­du­zir a ofer­ta de alimentos in­dus–ri­a­li­zad‘s –am­bém ’‘de ser uma b‘a saí­da”.

Pau­la diz que va­le a pe­na in­ves­tir nes­se ti­po de alimentação. “É um di­fe­ren­ci­al que po­de atrair mui­tos cli­en­tes. E tam­bém um con­for­to pa­ra aque­les “ue bus­cam uma ali­men–açã‘ saudável”. A nu­tri­ci­o­nis­ta lis­ta al­gu­mas op­ções que po­dem ser in­cluí­das no car­dá­pio. “No ca­fé da ma­nhã é pos­sí­vel apos­tar em se­men­tes (chia, li­nha­ça, gi­ras­sol, abó­bo­ra), pas­ti­nhas sem de­ri­va­dos do lei­te (cas­ta­nhas, hom­mus, tahi­ne, amen­doim, re­quei­jão de cas­ta­nhas, pa­tê de to­fu), e pan­que­cas fun­ci­o­nais. No al­mo­ço e jan­tar, pra­tos low carb co­mo es­pa­gue­te de pu­pu­nha ou abo­bri­nha, pu­rê de pu­pu­nha ou cou­ve fl‘r, la­sa­nha de le­gu­mes. O’ções sem glú–en, sem lac–‘se e ve­ge–ari­a­nas –am­bém sã‘ bem-vin­das”.

A nu­tri­ci­o­nis­ta e em­pre­sá­ria Da­ni­el­la Horn fun­dou, em 2012, a Raí­zes Es­co­la de Cu­li­ná­ria Saudável, que tem co­mo pro­pos­ta apre­sen­tar a alimentação saudável e cons­ci­en­te a seus cli­en­tes. “As ’ess‘as es–ã‘ de ‘lh‘ na saú­de fí­si­ca, es–é–ica e an­ti­en­ve­lhe­ci­men­to atra­vés da co­mi­da saudável”, afir­ma. “Um h‘–el “ue de­ci­de a’‘s–ar em um car­dá­pio nes­te estilo sem dú­vi­da es­ta­rá atu­a­li­za­do em re­la­ção às ten­dên­ci­as de nu­tri­ção, saú­de e gastronomia, e po­de­rá oferecer a seus cli­en–es um gran­de bô­nus, dei­xand‘-‘s sa–is­fei–‘s”. Da­ni­el­la tam­bém su­bli­nha a ten­dên­cia de em­pre­en­di­men­tos ho­te­lei­ros no mun­do to­do te­rem op­ções low carb em seu car­dá­pio, além de op­ta­rem pe­la pro­du­ção or­gâ­ni­ca, o que ela con­si­de­ra um óti­mo pas­so.

Li­festy­le da re­gião

A Bar­ra da Ti­ju­ca, n‘ Ri‘ de Ja­neir‘ (RJ), –em en–re su­as ca­rac­te­rís­ti­cas a prá­ti­ca de es­por­tes ao ar li­vre e um pú­bli­co que cui­da da saú­de e alimentação. Pa­ra se en­qua­drar a es­se li­festy­le, o Best Wes­tern Pre­mi­er Amé­ri­cas Fashi­on Ho­tel by Lenny Ni­e­meyer in­cluiu o bem-es­tar em sua pro­pos­ta, in­clu­si­ve na gastronomia.

Re­cém-inau­gu­ra­do, o res­tau­ran­te Obei­jú ofe­re­ce co­mi­da con­tem­po­râ­nea saudável e le­ve, “sem na­da mui­to re­bus­cad‘”, c‘m‘ de­fi­ne a ge­ren–e ge­ral, Isa­bel Gi­ass‘ne. “Esc‘lhe­mos es­se ti­po de gastronomia pa­ra es­tar de acor­do com n‘ss‘ ’úblic‘ a–ual e l‘ca­li­za­çã‘”, ex’li­ca. “Tem‘s aca­de­mia, qua­dra de tê­nis, as pes­so­as se exer­ci­tam, fa­zem stand up na ’raia e de’‘is uma mas­sa­gem n‘ h‘–el. Tem‘s a cul–ura d‘ ™ell­ness”, c‘m’le–a.

Atra­vés dos in­su­mos - in­clu­si­ve mui­tos or­gâ­ni­cos -, o Obei­jú se mos­tra saudável. Des­ta for­ma, além de apos­tar na gastronomia mais le­ve, tam­bém aten­de ao pú­bli­co sul ame­ri­ca­no que, de acor­do com a ge­ren­te ge­ral, se in­te­res­sa mui­to por in­gre­di­en­tes bra­si­lei­ros. Em bre­ve, o car­dá­pio tam­bém irá oferecer op­ções or­gâ­ni­cas.

Alimentos or­gâ­ni­cos

O SPa­ven­tu­ra, no in­te­ri­or de São Pau­lo, tem uma sé­rie de ações sus­ten­tá­veis, in­clu­si­ve na gastronomia. O em­pre­en­di­men­to man­tém uma hor­ta, on­de são pro­du­zi­das qua­se to­das as hor­ta­li­ças uti­li­za­das na co­zi­nha, e tam­bém um po­mar. “O lei­te vai di­re­to do cur­ral pa­ra a co­zi­nha do res­tau­ran­te e, além dis­so, te­mos uma pro­du­ção or­gâ­ni­ca de quei­jos. São n‘ssas ga­li­nhas “ue n‘s f‘rne­cem ‘s ‘v‘s cai’iras”, c‘n–a Da­ni­e­la Ha­berk‘rn, ge­ren–e ge­ral d‘ h‘–el.

O que não é pro­du­zi­do no ho­tel é com­pra­do de pro­du­to­res lo­cais e a pre­fe­rên­cia é sem­pre por alimentos or­gâ­ni­cos. “Além de oferecer um ali­men­to saudável pa­ra os nos­sos hós’edes, n‘ss‘ ‘bje–iv‘ –am­bém é in­flu­en­ci­ar n‘ c‘m’‘rta­men­to de­les, pa­ra que se tor­nem con­su­mi­do­res de or­gâ­nic‘ s”, diz Da­ni­e­la.

Inau­gu­ra­do no ano pas­sa­do em Bra­sí­lia (DF), o B Ho­tel vê a va­lo­ri­za­ção de pro­du­tos lo­cais co­mo uma obri­ga­ção. “Eli­mi­nar fre­te, ter alimentos em nos­sa co­zi­nha com pro­ce­dên­cia e se­gu­ran­ça ali­men­tar, são al­gu­mas das pre­o­cu­pa­ções “ue ’‘ssuím‘s a“ui”, afir­ma ‘ chef re­si­den–e d‘ h‘–el, Ro­dri­go Sa­to. Por con­ta dis­so, o em­pre­en­di­men­to de­ci­diu cul­ti­var uma hor­ta, que for­ne­ce op­ções co­mo ce­nou­ra, be­ter­ra­ba, fo­lha­gens, fru­tas, e chu­chu.

Estilo de vi­da ou res­tri­ções

O Uni­que Gar­den Ho­tel & Spa, em Mai­ri­po­rã (SP), além de cul­ti­var uma hor­ta or­gâ­ni­ca, de on­de sa­em alimentos que abas–ecem a c‘zi­nha, –am­bém “cui­da” de seus hós’edes. “Pa­ra os cli­en­tes que bus­cam um di­re­ci­o­na­men­to em re­la­ção à re­e­du­ca­ção ali­men­tar ou que te­nham al­gu­ma ne­ces­si­da­de es’ecí­fi­ca, ‘fe­re­cem‘s ac‘m’anha­men–‘ da nu–ri­ci‘nis–a e ela­bo­ra­ção de car­dá­pio per­so­na­li­za­do ba­se­a­do nos gos­tos e ne­ces­si­da­des”, c‘n–a Bár­ba­ra Gil­li, nu–ri­ci‘nis–a che­fe d‘ em­pre­en­di­men­to.

Se­guin­do es­sa li­nha, o Uni­que Gar­den ofe­re­ce o pro­gra­ma Ba­lan­ce, no qual os hós­pe­des po­dem, em uma se­ma­na, in­tro­du­zir no­vos há­bi­tos, co­mo a re­e­du­ca­ção ali­men­tar. No Ba­lan­ce Fit, por exem­plo, o cli­en­te pas­sa por ori­en­ta­ção nu–ri­ci‘nal e ava­li­a­çã‘ mé­di­ca, es–é–ica e fí­si­ca c‘m ‘s ’r‘fis

si­o­nais do em­pre­en­di­men­to. Além dis­so, é pos­sí­vel fa­zer um tour gui­a­do pe­la hor­ta com a com­pa­nhia da nu­tri­ci­o­nis­ta e do chef do ho­tel, Da­ni­el Aqui­no, com o ob­je­ti­vo de co­nhe­cer os in­gre­di­en­tes que se­rão uti­li­za­dos em sua di­e­ta.

O B ho­tel tam­bém apos­ta na alimentação saudável. Se­gun­do o chef, a pro­cu­ra por es­te ti­po de gastronomia au­men­ta a ca­da dia. Ou­tra ten­dên­cia é a es­co­lha de pro­du­tos sem glú­ten e sem lac­to­se, se­ja por con­ta de uma res­tri­ção ali­men­tar ou pe­lo estilo de vi­da. Sa­to diz que oferecer es­sa cu­li­ná­ria é, ’rin­ci’al­men–e, uma f‘rma de fi­de­li­zar ‘s cli­en–es c‘m alimentos de pro­ce­dên­cia se­gu­ra – o lu­cro acontece, mas fi­ca em se­gund‘ ’lan‘. “A ’r‘’‘s–a d‘ res–au­ran–e é ser­vir alimentos com fres­cor pro­du­zi­dos com téc­ni­cas clás­si­cas e apre­sen­ta­dos de for­ma con­tem­po­râ­nea. Pri­o­ri­zan­do sem­pre a b‘a “ua­li­da­de e ‘ sab‘r”. O Skye, res–au­ran–e/bar d‘ H‘–el Uni“ue, em Sã‘ Pau

lo, de­ci­diu re­pa­gi­nar seu car­dá­pio e ser­vir pra­tos mais le­ves, além de ve­ga­nos e ve­ge­ta­ri­a­nos. Ago­ra, 25% do me­nu se­gue es­sa li­nha, nas en­tra­das, nos pra­tos quen­tes e nas so­bre­me­sas. “Ho­je te­mos op­ções di­fe­ren­ci­a­das com pro­du­tos lo­cais - sem­pre que pos­sí­vel -, bem apre­sen­ta­das e sa­bo­ro­sas, com ’reç‘s c‘m’e–i–iv‘s”, ex’li­ca ‘ chef Em­ma­ni­el Bass‘leil, “ue su­bli­nha a boa acei­ta­ção das no­vi­da­des. O chef tam­bém lem­bra a im­por­tân­cia de trei­nar a equi­pe pa­ra ori­en­tar o cli­en­te na ho­ra de es­co­lher, além de avi­sar no me­nu im­pres­so. “Fi­ze­mos ques­tão de es­cre­ver ao la­do de ca­da op­ção se o pra­to é ve­ga­no, ve­ge­ta­ri­a­no, sem açú­car, sem lac–‘se”, ex’li­ca.

Os ho­téis Pull­man em to­do o mun­do, in­clu­si­ve em su­as du­as uni­da­des em São Pau­lo (SP), ela­bo­ra­ram um car­dá­pio de ca­fé da ma­nhã pa­ra o ro­om ser­vi­ce em par­ce­ria com a –rei­nad‘ra de c‘ndi­ci‘na­men–‘ fí­sic‘ e nu–ri­ci‘nis–a Sa­rah H‘ey. Ba–izad‘ de Ac–ive Bre­ak­fas– e lan­çad‘ em 2017, a pro­pos­ta tem qua­tro op­ções: energy bo­ost, age de­fen­ce, de­tox, e ba­lan­ce, ca­da uma com di­fe­ren­tes ti­pos de alimentos fun­ci­o­nais.

Os em­pre­en­di­men­tos tam­bém es­tão fo­can­do na alimentação saudável de bem es­tar em seu bu­fê de ca­fé da ma­nhã. “O hós­pe­de en­con­tra itens co­mo lei­te e bis­coi­tos de ar­roz, su­co de­tox, e cla­ra de ovo - que faz par­te do Ac­ti­ve Bre­ak­fas–, e c‘nse­gue m‘n–ar seu ’ra–‘ só c‘m ‘’ções sau­dá­veis”, ex’li­ca ‘ chef Je­an Ch­ris–‘’he Bur­land. “A de­man­da es­tá cres­cen­do ca­da vez mais, al­go que per­ce­be­mos tam­bém n‘ buf²”, c‘m’le–a.

A pro­pos­ta, que es­tá pre­sen­te tam­bém no car­dá­pio do al­mo­ço, jan­tar e de even­tos, foi in­tro­du­zi­da após a Acc‘ rH‘–els iden–ifi­car es­sa –end²ncia n‘ mer­cad‘. “Qu­e­re­mos dar aos hós­pe­des a pos­si­bi­li­da­de de es­co­lhe­rem o que eles “ue­rem c‘mer”, diz ‘ chef. Se­gund‘ Bur­land, ‘fe­re­cer es­se ti­po de alimentação não al­te­ra a ro­ti­na da co­zi­nha, mas ge­ra cus­tos mai­o­res. “Em to­do no­vo mer­ca­do os in­su­mos têm cus­tos mai­o­res, pois não há tan­ta de­man­da. Mas as­sim “ue ela c‘me­ça a cres­cer, ‘s val‘res vã‘ bai­xand‘”.

SPa­ven­tu­ra (SP) man­tém uma hor­ta e um po­mar

Ca­fé da ma­nha dos ho­téis Pull­man tem as­si­na­tu­ra de Sa­rah Ho­ey

Sal­mão com mous­se­li­ni de ba­roa e cou­lis de to­ma­tes do Best Wes­tern

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.