UM BAN­CO À ES­PE­RA DO SI­NAL VER­DE

Ins­ti­tui­ção di­gi­tal C6 reú­ne a ex­pe­ri­ên­cia de ex-ban­quei­ros do BTG Pac­tu­al com tec­no­lo­gia de pon­ta pa­ra con­quis­tar es­pa­ço no mer­ca­do

ISTO É Dinheiro - - FINANÇAS - Pris­cil­la AR­ROYO

Ele­men­to de nº 14 na ta­be­la pe­rió­di­ca, o car­bo­no tem o nú­me­ro atô­mi­co seis, in­di­ca­do que ca­da um de seus áto­mos pos­sui seis elé­trons e seis pró­tons. O car­bo­no é o ele­men­to mais ver­sá­til da na­tu­re­za. Po­de as­su­mir a for­ma de car­vão, de gra­fi­te, for­mar cé­lu­las do cor­po hu­ma­no e, sub­me­ti­do às do­ses cor­re­tas de tem­pe­ra­tu­ra e pres­são, tor­nar-se um di­a­man­te. Pe­la ver­sa­ti­li­da­de, o seu sím­bo­lo foi es­co­lhi­do pa­ra ba­ti­zar o mais no­vo ban­co di­gi­tal do Bra­sil – C6. O pro­je­to é en­ca­be­ça­do por Mar­ce­lo Ka­lim, que era o se­gun­do exe­cu­ti­vo do BTG Pac­tu­al, abai­xo so­men­te de An­dré Es­te­ves, em con-

jun­to com dois ex-co­le­gas do ban­co: Car­los Fon­se­ca, que foi di­re­tor da área de pri­va­te equity e Le­an­dro Tor­res, an­ti­go che­fe da cor­re­to­ra.

O em­pre­en­di­men­to nas­ceu ofi­ci­al­men­te em mar­ço des­te ano com in­ves­ti­men­to ini­ci­al de R$ 250 mi­lhões, e ain­da de­pen­de da au­to­ri­za­ção do Ban­co Cen­tral pa­ra co­me­çar a ope­rar, o que de­ve acon­te­cer nos pró­xi­mos me­ses. En­quan­to aguar­da o aval da au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria, Ka­lim se de­di­ca a re­cru­tar ta­len­tos pa­ra li­de­rar se­to­res es­tra­té­gi­cos do ne­gó­cio. Um exem­plo é o di­re­tor de se­gu­ran­ça da in­for­ma­ção, Nel­son No­va­es Ne­to, egres­so do Itaú. Já o di­re­tor de ino­va­ção, Gus­ta­vo Tor­res, veio do Ban­co Ori­gi­nal. Pa­ra atrair os pro­fis­si­o­nais, Ka­lim ofe­re­ce par­ti­ci­pa­ção no ne­gó­cio. O mo­de­lo é bem co­nhe­ci­do do exe­cu­ti­vo. Foi ado­ta­do no ban­co em que tra­ba­lha­va ao la­do de Es­te­ves, do qual pas­sou a ser um dos do­nos em 1998, quan­do am­bos es­ta­vam no Pac­tu­al. Ho­je o C6 tem 20 só­ci­os e 240 fun­ci­o­ná­ri­os. “Os ati­vos mais va­li­o­sos do C6 so­bem e des­cem do ele­va­dor to­dos os di­as”, diz An­to­nio Her­mann, ex-pre­si­den­te do BMG.

Os fun­ci­o­ná­ri­os já ocu­pam qua­tro dos oi­to an­da­res da se­de da ins­ti­tui­ção, que fi­ca no bair­ro dos Jar­dins, em São Pau­lo. No tér­reo, foi aco­mo­da­da uma in­cu­ba­do­ra de star­tups que re­ce­be­rá no­vas em­pre­sas to­dos os se­mes­tres. As­sim, os exe­cu­ti­vos se man­te­rão sem­pre pró­xi­mos aos po­ten­ci­ais avan­ços a se­rem im­ple­men­ta­dos na ope­ra­ção. “Po­de­mos es­pe­rar pro­du­tos de in­ves­ti­men­to com­pe­ti­ti­vos que não vão cus­tar mui­to ca­ro”, diz Ge­or­ge Sa­les, pro­fes­sor de fi­nan­ças do IB­MEC.

Pa­ra en­ten­der o per­fil dos fu­tu­ros usuá­ri­os e se co­mu­ni­car da ma­nei­ra mais as­ser­ti­va, o ban­co de Ka­lim apos­ta em uma aná­li­se mi­nu­ci­o­sa das in­for­ma­ções. Es­sa se­rá a mis­são de Mi­chel Pe­rei­ra, que dei­xou o Go­o­gle pa­ra li­de­rar o de­par­ta­men­to de da­dos. Além dos ta­len­tos bra­si­lei­ros, o ti­me re­ce­be­rá re­for­ço de pes­qui­sa­do­res for­ma­dos nas uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas. Pa­ra is­so, o ban­co te­rá um es­cri­tó­rio em No­va York, on­de se­rão de­sen­vol­vi­das so­lu­ções de de­tec­ção de frau­des e ge­ren­ci­a­men­to de ris­co de cré­di­to, en­tre ou­tras fren­tes. Os só­ci­os de­vem apor­tar mais R$ 250 mi­lhões com fo­co na área de tec­no­lo­gia.

A so­ci­e­da­de po­de ter si­do es­tru­tu­ra­da se­guin­do o mo­de­lo con­sa­gra­do do BTG Pac­tu­al. Po­rém, qu­em co­nhe­ce o ne­gó­cio ava­lia que a es­tra­té­gia não se­rá in­co­mo­dar ape­nas os ban­cões. O C6 tam­bém de­ve­rá ten­tar fis- gar cli­en­tes que já ade­ri­ram a con­cor­ren­tes com pe­ga­da di­gi­tal, co­mo Ne­on e Nu­bank, ao ofe­re­cer ser­vi­ços fi­nan­cei­ros tra­di­ci­o­nais pa­ra pes­so­as fí­si­cas e em­pre­sas sem bu­ro­cra­cia, por meio de uma in­ter­fa­ce sim­ples. Na área cor­po­ra­ti­va, o fo­co de atu­a­ção se­rá na pres­ta­ção de ser­vi­ços pa­ra em­pre­sas com fa­tu­ra­men­to anu­al a par­tir de R$ 100 mi­lhões. “Exis­te uma ca­rên­cia de pro­du­tos mais so­fis­ti­ca­dos pa­ra es­se seg­men­to, co­mo os ser­vi­ços re­la­ci­o­na­dos à área de câm­bio”, diz Her­mann.

Pa­ra au­men­tar o es­co­po de atu­a­ção, o ban­co com­prou na se­ma­na pas­sa­da, por meio da C6 Par­ti­ci­pa­ções So­ci­e­tá­ri­as, a NTK, em­pre­sa pro­ve­do­ra de tec­no­lo­gia pa­ra pa­ga­men­tos, que pas­sa­rá a se cha­mar PayGo. “Com es­sa aqui­si­ção, o C6 po­de­rá ofe­re­cer pa­ga­men­tos por ce­lu­lar, que de­vem con­cor­rer com os car­tões de plás­ti­co no mé­dio pra­zo”, diz Sér­gio Ta­va­res, Di­re­tor da STa­va­res Con­sul­to­ria Fi­nan­cei­ra.

Os de­sa­fi­os são gran­des. Os ban­cos di­gi­tais já se fir­ma­ram no mer­ca­do, mas a mai­or par­te dos cli­en­tes ain­da per­ma­ne­ce fi­el aos gi­gan­tes do va­re­jo. Es­pe­ci­a­lis­tas ava­li­am que, pa­ra con­quis­tar os cor­ren­tis­tas tra­di­ci­o­nais, es­pe­ci­al­men­te pes­so­as fí­si­cas, a ins­ti­tui­ção de­ve­rá ter de en­si­ná-los a usar to­das as fer­ra­men­tas à dis­po­si­ção. Pro­cu­ra­do, o C6 não con­ce­deu en­tre­vis­ta.

MER­CE­LO KA­LIM: em bus­ca dos me­lho­res ta­len­tos do mer­ca­do pa­ra dar vi­da ao seu no­vo pro­je­to

TRA­DI­çãO: fun­ci­o­ná­ri­os tra­baham na se­de do BTG Pac­tu­al, em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.