“O prin­ci­pal fa­tor que ini­be a de­ci­são das em­pre­sas é o cli­ma po­lí­ti­co ...

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Por Car­los Edu­ar­do VALIM

Na tar­de da quar­ta-fei­ra 24, ao fim des­ta en­tre­vis­ta pa­ra a DI­NHEI­RO, Luiz Fer­nan­do Fur­lan, pre­si­den­te do Con­se­lho do Gru­po de Lí­de­res Em­pre­sa­ri­ais (Li­de), re­ce­beu a vi­si­ta do no­vo côn­sul-ge­ral ame­ri­ca­no em São Pau­lo, Adam Shub. Fur­lan pas­sou a ser o in­ter­lo­cu­tor do gru­po em­pre­sa­ri­al há pou­co mais de dois anos, quan­do João Do­ria tro­cou a vi­da em­pre­sa­ri­al pe­la po­lí­ti­ca. Ser pro­ta­go­nis­ta nas re­la­ções com re­pre­sen­tan­tes de ou­tros paí­ses não é no­vi­da­de na tra­je­tó­ria de Fur­lan. Ex-CEO da Sa­dia,

em­pre­sa fun­da­da por seu avô, e atu­al con­se­lhei­ro da BRF – com­pa­nhia de for­te atu­a­ção in­ter­na­ci­o­nal –, o em­pre­sá­rio foi mi­nis­tro do De­sen­vol­vi­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or do go­ver­no Lu­la, en­tre 2003 e 2007, quan­do pri­o­ri­zou uma agen­da de co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal e de in­cen­ti­vo à ex­por­ta­ção. A pas­ta que ele ocu­pou, no en­tan­to, de­ve dei­xar de exis­tir de for­ma in­de­pen­den­te no no­vo go­ver­no, com a pro­mes­sa de ser in­te­gra­da ao mi­nis­té­rio da Fa­zen­da por Jair Bol­so­na­ro (PSL), can­di­da­to que li­de­ra a cor­ri­da à Pre­si­dên­cia. “Co­mo a in­dús­tria ain­da é um po­lo ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te na ge­ra­ção de em­pre­gos e na área de ino­va­ção no Bra­sil, me­re­ce­ria man­ter um des­ta­que",

diz ele, que co­man­da­rá uma co­mi­ti­va de em­pre­sá­ri­os e exe­cu­ti­vos bra­si­lei­ros pa­ra a ci­da­de pe­ru­a­na de Cus­co, a par­tir do dia 1º. “An­ti­ga­men­te, o que mais pre­o­cu­pa­va os em­pre­sá­ri­os eram as ques­tões tri­bu­tá­ri­as. De um bom tem­po pa­ra cá, o prin­ci­pal fa­tor que ini­be as de­ci­sões das em­pre­sas é o cli­ma po­lí­ti­co”, afir­ma. LUIZ FER­NAN­DO FUR­LAN – O País tem uma es­ta­bi­li­da­de econô­mi­ca que tem mui­to a ver com o ta­ma­nho das re­ser­vas que fo­ram acu­mu­la­das por meio de uma sé­rie de sal­dos po­si­ti­vos da ba­lan­ça co­mer­ci­al. Quan­do o Bra­sil che­gou a ter US$ 100 bi­lhões de sal­do de ba­lan­ça co­mer­ci­al, o Hen­ri­que Mei­rel­les, que era o pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral na épo­ca, achou que es­ta­va de bom ta­ma­nho. Ago­ra, quan­do ele foi can­di­da­to à Pre­si­dên­cia, US$ 380 bi­lhões já não eram su­fi­ci­en­tes. A ver­da­de é que, sem com­pa­rar com a si­tu­a­ção de ou­tros paí­ses, o Bra­sil po­de­ria com­prar à vis­ta to­da a sua dí­vi­da ex­ter­na pú­bli­ca e pri­va­da com as re­ser­vas. Com is­so, há uma cer­ta es­ta­bi­li­da­de com as va­ri­a­ções sa­zo­nais da ta­xa de câm­bio. Te­mos, ho­je, uma ta­xa de câm­bio se­me­lhan­te à de 2002. En­tão, pas­sa­ram-se 16 anos e nós es­ta­mos com a mes­ma ta­xa de câm­bio de R$ 3,70 pa­ra o dó­lar, mes­mo com to­das as al­tas e bai­xas ao lon­go do ca­mi­nho.

DI­NHEI­RO – Es­sas re­ser­vas de­mons­tram que a es­ta­bi­li­da­de do País na foi afe­ta­da, mes­mo com to­dos os acon­te­ci­men­tos des­ses 16 anos?

FUR­LAN – É uma es­pé­cie de se­gu­ro que o País tem. Mui­tas ve­zes, a gen­te es­que­ce da­qui­lo que já su­pe­ra­mos. A Ar­gen­ti­na pe­diu, ago­ra, um em­prés­ti­mo de US$ 50 bi­lhões pa­ra o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI). O en­tão pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so pe­diu tam­bém US$ 50 bi­lhões ao FMI, mas em 1999. Ho­je, nós so­mos cre­do­res no FMI.

DI­NHEI­RO – Pas­sa­das as elei­ções, o cli­ma en­tre os em­pre­sá­ri­os de­ve me­lho­rar?

FUR­LAN – Creio que sim. A úl­ti­ma pes­qui­sa do Li­de mos­tra que, an­ti­ga­men­te, o que mais pre­o­cu­pa­va os em­pre­sá­ri­os eram as ques­tões tri­bu­tá­ri­as. Elas sem­pre apa­re­ci­am em pri­mei­ro lu­gar. Ago­ra, de um bom tem­po pa­ra cá, o prin­ci­pal fa­tor que ini­be as de­ci­sões das em­pre­sas é o cli­ma po­lí­ti­co. Mas is­so es­tá de­sa- nu­vi­an­do e as com­pa­nhi­as vão re­to­mar os pla­nos de in­ves­ti­men­to. Is­so vem em uma boa ho­ra, no pe­río­do em que elas es­tão fa­zen­do o or­ça­men­to pa­ra o ano que vem. En­tão, se ima­gi­nar que, na pró­xi­ma se­ma­na, o ho­ri­zon­te es­ta­rá de­fi­ni­do, va­mos ver qual se­rá a re­a­ção. Os mer­ca­dos fi­nan­cei­ros já pre­ci­fi­ca­ram o re­sul­ta­do da elei­ção. O dó­lar se aco­mo­dou nu­ma boa. Ti­nha gen­te que di­zia que o dó­lar che­ga­ria a R$ 5. Eu fa­lei, há um mês, no ex­te­ri­or: “De jei­to ne­nhum. O dó­lar vai se aco­mo­dar. Vai vol­tar ao que era 90 di­as atrás”. A ques­tão da bol­sa de va­lo­res é pa­re­ci­da. Ela es­tá em pou­co mais de 80 mil pon­tos e po­de ir ra­pi­da­men­te a 86 mil. Mui­ta gen­te diz que es­tá en­tran­do mui­to di­nhei­ro de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro nas úl­ti­mas se­ma­nas.

DI­NHEI­RO – A vi­são ex­ter­na so­bre o Bra­sil é mui­to di­fe­ren­te da que ob­ser­va­mos da­qui?

FUR­LAN – O es­tran­gei­ro vê o Bra­sil sem a pai­xão do no­ti­ciá­rio diá­rio. Ele olha pri­mei­ro pa­ra o gran­de mer­ca­do que nós te­mos. De­pois, pa­ra a ca­pa­ci­da­de que cons­truí­mos de pro­ces­sar ma­té­ri­as-pri­mas, e mes­mo pa­ra os cen­tros tec­no­ló­gi­cos que te­mos aqui. Mui­tas ve­zes es­sa en­xur­ra­da de no­tí­ci­as ruins obs­cu­re­ce o que exis­te de bom. En­tão, acre­di­to que o mer­ca­do vai se aco­mo­dar. Vai ter mui­ta in­fluên­cia, tam­bém, a for­ma­ção da equi­pe do no­vo go­ver­no, por­que di­ri­gir uma gran­de or­ga­ni­za­ção, ou um país, não é co­mo um jo­go de tê­nis, em que vo­cê en­tra na qua­dra e re­sol­ve. É um jo­go de equi­pe. Di­zem por aí que até vai ser anun­ci­a­do mui­ta coi­sa da com­po­si­ção econô­mi­ca de ba­te-pron­to, dois di­as de­pois da elei­ção.

DI­NHEI­RO – Co­mo o sr. ava­lia a pro­pos­ta do can­di­da­to Bol­so­na­ro de ex­tin­guir o Mi­nis­té­rio do De­sen­vol­vi­men­to?

FUR­LAN – O mi­nis­té­rio tem du­as in­ter­fa­ces com­ple­xas. A pri­mei­ra de­las, que é no mer­ca­do in­ter­no, cha­ma-se Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da. A ou­tra é na área ex­ter­na, o Ita­ma­raty. Ca­da um tem a sua agen­da e, de uma cer­ta for­ma, dis­pu­ta es­pa­ço com de­sen­vol­vi­men­to, in­dús­tria e co­mér­cio. Em al­guns paí­ses, es­sa fi­gu­ra do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia (que com­bi­na as atri­bui­ções do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da e as do de De­sen­vol­vi­men­to) exis­te. Na Ar­gen­ti­na, por exem­plo, o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia su­bor­di­na agri­cul­tu­ra, in­dús­tria, co­mér­cio e al­gu­mas ou­tras coi­sas. Mas ca­da país tem a sua pe­cu­li­a­ri­da­de. Co­mo a in­dús­tria ain­da é um po­lo ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te na ge­ra­ção de em­pre­gos e na área de ino­va­ção no Bra­sil, me­re­ce­ria man­ter um des­ta­que.

DI­NHEI­RO – E qu­an­to à in­te­gra­ção do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te ao da Agri­cul­tu­ra?

FUR­LAN – O co­mi­tê de ges­tão do Li­de, reu­ni­do aqui na sex­ta-fei­ra 19, ma­ni­fes­tou-se con­trá­rio à união de agri­cul­tu­ra e meio am­bi­en­te. Até por­que as ques­tões de meio am­bi­en­te vão mui­to além da agri­cul­tu­ra. Por exem­plo, as emis­sões de efei­to es­tu­fa, mi­ne­ra­ção e pe­tró­leo não têm na­da a ver com is­so. E co­mo fi­cam as ques­tões am­bi­en­tais re­la­ti­vas às ci­da­des, às zo­nas ur­ba­nas? O que tem a ver com agri­cul­tu­ra? Ho­je, o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal re­fle­te bar­rei­ras re­la­ti­vas a ques­tões am­bi­en­tais. En­tão, há mui­ta cor­re­la­ção tam­bém com o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal. O fa­to de o Bra­sil ter as­si­na­do o Acor­do de Pa­ris foi mui­to bem vis­to in­ter­na­ci­o­nal­men­te. E, di­fe­ren­te­men­te de ou­tros gran­des paí­ses, a prin­ci­pal fon­te de po­lui­ção do Bra­sil são as quei­ma­das. Na Chi­na, nos Es­ta­dos Uni­dos e em ou­tros paí­ses, o pro­ble­ma é li­dar com o car­vão, com o pe­tró­leo. O nos­so ca­so é o mais fá­cil de re­sol­ver. Ado­tar um pro­gra­ma de re­du­ção de quei­ma­das é mui­to mais fá­cil do que mu­dar a ma­triz ener­gé­ti­ca chi­ne­sa e ame­ri­ca­na. É só ter me­to­do­lo­gia pa­ra en­si­nar agri­cul­to­res que quei­mam pa­ra ma­tar pra­gas que is­so cau­sa da­nos pa­ra a ter­ra, por­que des­trói os nu­tri­en­tes do so­lo. Por tu­do is­so, os as­sun­tos am­bi­en­tais me­re­cem ter uma equi­pe es­pe­cí­fi­ca. Não é um ônus. É um fa­tor com­pe­ti­ti­vo po­si­ti­vo, que nós po­de­mos ser me­lho­res que os ou­tros.

DI­NHEI­RO – A re­gu­la­ção bra­si­lei­ra de meio am­bi­en­te é bas­tan­te exi­gen­te. Is­so po­de ser um

“Co­mo a in­dús­tria é ge­ra­do­ra de em­pre­gos e de ino­va­ção me­re­ce­ria man­ter um des­ta­que”

di­fe­ren­ci­al com­pe­ti­ti­vo, so­bre­tu­do pa­ra os con­su­mi­do­res mais pre­o­cu­pa­dos com es­sas ques­tões, ca­so de paí­ses da Eu­ro­pa?

FUR­LAN – Ela é bem avan­ça­da. Nós ten­de­mos a en­fa­ti­zar a par­te ne­ga­ti­va: a bu­ro­cra­cia e de­ter­mi­na­das tra­vas que às ve­zes acon­te­cem e atra­pa­lham as obras pú­bli­cas. Mas a ver­da­de é que, no sé­cu­lo 21, is­so pas­sa a ser uma van­ta­gem com­pe­ti­ti­va. Por­que mais e mais os con­su­mi­do­res te­rão exi­gên­cia nes­sa área.

DI­NHEI­RO – Quais são as ou­tras de­man­das que os em­pre­sá­ri­os po­dem le­var ao no­vo go­ver­no?

FUR­LAN – O co­mi­tê de ges­tão do Li­de es­co­lheu três te­mas pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra con­tri­buir com o no­vo go­ver­no. Pra­ti­ca­men­te hou­ve um em­pa­te tri­plo en­tre eles: tec­no­lo­gia, re­for­ma tri­bu­tá­ria e edu­ca­ção. Es­ses são os te­mas que nós acha­mos que de­ve­ri­am ser pri­o­ri­tá­ri­os no Bra­sil. Va­mos nos reu­nir no co­mi­tê que foi cri­a­do pa­ra jun­tar as opi­niões de to­dos e as pro­pos­tas nes­se sen­ti­do. Prin­ci­pal­men­te coi­sas que pos­sam fluir nos pri­mei­ros tem­pos do no­vo go­ver­no. Uma de­las tem a ver com re­du­ção da bu­ro­cra­cia. Que tem re­la­ção tam­bém com re­for­ma tri­bu­tá­ria e com ino­va­ção. São coi­sas que se en­tre­la­çam. Ou­tros te­mas vão de­mo­rar mais. De­pen­dem de mu­dan­ças no Con­gres­so. Por exem­plo, na área de ino­va­ção, mui­tos pes­qui­sa­do­res re­cla­mam que pre­ci­sam de um de­ter­mi­na­do nú­me­ro de re­a­gen­tes im­por­ta­dos e de­pois de­mo­ra 60 di­as pa­ra li­be­rar na al­fân­de­ga, e ain­da pa­ga im­pos­to. Às ve­zes, o pro­du­to se de­te­ri­o­ra du­ran­te es­se pe­río­do. Há en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos pa­ra qua­se tu­do. Tem mui­ta bu­ro­cra­cia no Bra­sil. Nós pre­ten­de­mos ofe­re­cer al­gu­mas su­ges­tões. Já ou­vi­mos di­ver­sas ten­dên­ci­as de re­for­ma tri­bu­tá­ria. Já re­ce­be­mos o de­pu­ta­do fe­de­ral Luiz Car­los Hauly, que é o re­la­tor da re­for­ma tri­bu­tá­ria na Câ­ma­ra, e o Ber­nard Appy, o res­pon­sá­vel pe­la re­for­ma tri­bu­tá­ria na épo­ca do An­to­nio Pa­loc­ci co­mo mi­nis­tro da Fa­zen­da.

DI­NHEI­RO – Sur­pre­en­de o sr. a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não ter fi­ca­do en­tre as pri­o­ri­da­des dos em­pre­sá­ri­os?

FUR­LAN – O pes­so­al aqui é prá­ti­co. É uma ques­tão com­pli­ca­da. A Pre­vi­dên­cia tra­ba­lha no Bra­sil com uma pro­por­ção de mais ou me­nos 80 a 20, em que 80% das pes­so­as re­ce­bem 20% do di­nhei­ro e 20% das pes­so­as re­ce­bem 80% do di­nhei­ro. En­tão, on­de tem que me­xer é no 80% do di­nhei­ro que é fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, e de ou­tras que con­se­guem pri­vi­lé­gi­os, co­mo os mi­li­ta­res. O go­ver­na­dor de São Pau­lo diz que, pa­ra ca­da Co­ro­nel na ati­va, ele tem 40 apo­sen­ta­dos.

DI­NHEI­RO – O en­con­tro in­ter­na­ci­o­nal do Li­de se­rá no Pe­ru. É um país que avan­çou mui­to mais que o Bra­sil em acor­dos co­mer­ci­ais, não?

FUR­LAN – Mui­to mais. Qual­quer país avan­çou mais que o Bra­sil. Nós te­mos só três acor­dos. Sa­be com qu­em? Is­ra­el, Egi­to e Pa­les­ti­na. Pa­ra a Pa­les­ti­na não sei o que se ven­de. Al­guns can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia di­zi­am que iri­am fo­men­tar acor­dos bi­la­te­rais. O Pe­ru en­trou nes­sa ali­an­ça do Pa­cí­fi­co e eles for­ma­ram um blo­co com a Colôm­bia. Fo­ram mui­to mais di­nâ­mi­cos do que nós em acor­dos bi­la­te­rais.

DI­NHEI­RO – O Bra­sil não pre­pa­rou ne­nhum acor­do com es­se blo­co, por meio do Mer­co­sul?

FUR­LAN – No Mer­co­sul, pa­re­ce que só tem na fi­la a en­tra­da da Bo­lí­via, que é um país de pro­du­tos bá­si­cos. Os pro­du­tos de pes­ca e fru­tos do mar do Pe­ru são mui­to avan­ça­dos. Eles têm tra­di­ção nes­ses pro­du­tos. Exis­te tam­bém a par­te de te­ci­dos mui­to fi­nos de al­pa­cas. Se vo­cê vai com­prar um ar­ti­go de al­pa­ca é qua­se tão ca­ro qu­an­to cash­me­re.

DI­NHEI­RO – Quais se­to­res são mais in­te­res­san­tes pa­ra bus­car co­mér­cio com o Pe­ru?

FUR­LAN – Há mui­tas em­pre­sas bra­si­lei­ras que se es­pe­ci­a­li­za­ram em con­ces­sões e na área de in­ves­ti­men­tos de in­fra­es­tru­tu­ra, o que o Pe­ru pre­ci­sa. A es­tra­da que li­ga aos dois prin­ci­pais por­tos pe­ru­a­nos, co­mo o de Cal­lao, foi cons­truí­da com fi­nan­ci­a­men­to do BN­DES. Acho que a agri­cul­tu­ra bra­si­lei­ra tam­bém fez gran­des pro­gres­sos. O co­mér­cio bi­la­te­ral ain­da é bas­tan­te mó­di­co, prin­ci­pal­men­te de­vi­do à di­fi­cul­da­de lo­gís­ti­ca. Até 2016, a ba­lan­ça era fa­vo­rá­vel ao Pe­ru, e re­cen­te­men­te vi­rou um su­pe­rá­vit a nos­so fa­vor. Ou se­ja, não é uma re­la­ção de­se­qui­li­bra­da.

DI­NHEI­RO – O BN­DES po­de ser es­tra­té­gi­co pa­ra o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal do Bra­sil?

FUR­LAN – O pro­gra­ma de fi­nan­ci­a­men­to no ex­te­ri­or tem es­se viés de ser es­tra­té­gi­co pa­ra o País. Ao mes­mo tem­po, vo­cê fi­nan­cia a ex­por­ta­ção de pro­du­tos bra­si­lei­ros que vão no pa­co­te. Al­guns ca­sos são cri­ti­ca­dos por­que não res­pei­ta­ram es­se in­te­res­se es­tra­té­gi­co. Além dis­so, o fi­nan­ci­a­men­to tem de ser pa­go. Não é uma do­a­ção. No fim das con­tas, tem de exis­tir vi­a­bi­li­da­de econô­mi­ca.

DI­NHEI­RO – Mas qual é o sen­ti­do es­tra­té­gi­co des­ses in­ves­ti­men­tos?

FUR­LAN – Um bom exem­plo é o da Tur­quia, on­de as em­pre­sas de in­fra­es­tru­tu­ra têm uma ati­vi­da­de ho­je mui­to mai­or no ex­te­ri­or do que no pró­prio país. Lá no les­te eu­ro­peu, as em­pre­sas se ex­pan­di­ram se es­pe­ci­a­li­zan­do em in­fra­es­tru­tu­ra. O Bra­sil te­ve uma épo­ca que atu­ou mui­to na Áfri­ca e tam­bém no Ori­en­te Mé­dio. No fu­tu­ro, ve­jo que nós va­mos ter uma ati­vi­da­de in­ter­na­ci­o­nal neu­tra em ter­mos de ten­dên­cia po­lí­ti­ca. Ne­gó­cio é ne­gó­cio. Não adi­an­ta ser de di­rei­ta ou de es­quer­da, ver­de, ama­re­lo ou ver­me­lho. É bu­si­ness. É co­mo se na Rua 25 de Mar­ço (tra­di­ci­o­nal rua de co­mér­ci­os em São Pau­lo) o ven­de­dor te per­gun­tar pa­ra que ti­me vo­cê tor­ce, pa­ra sa­ber se vai te ven­der um pro­du­to ou não. Não que­ro sa­ber, nem de re­li­gião nem de na­da, na ho­ra de fa­zer ne­gó­ci­os. O Bra­sil de­ve­ria ser prag­má­ti­co em su­as re­la­ções co­mer­ci­ais. De­fen­do o prag­ma­tis­mo.

“A es­tra­da que li­ga aos prin­ci­pais por­tos pe­ru­a­nos foi cons­truí­da com fi­nan­ci­a­men­to do BN­DES”

Mar­cos Jor­ge de Li­ma po­de ser o úl­ti­mo mi­nis­tro do De­sen­vol­vi­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or

Por­to de Cal­lao, pró­xi­mo da ca­pi­tal do Pe­ru, Li­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.