IN­COR­PO­RA­DO­RA:

en­ten­da a des­cons­tru­ção da Ga­fi­sa...

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Mo­a­cir DRSKA

Aos 66 anos, Mu Hak You acu­mu­la um his­tó­ri­co de po­lê­mi­cas co­mo in­ves­ti­dor ati­vis­ta no mer­ca­do bra­si­lei­ro de ca­pi­tais. Des­de 1998, quan­do fun­dou a ges­to­ra de in­ves­ti­men­tos GWI, não fo­ram pou­cos os ca­sos em que o sul-co­re­a­no con­so­li­dou po­si­ções aci­o­ná­ri­as re­le­van­tes em com­pa­nhi­as do País e pro­ta­go­ni­zou con­tro­ver­sas dis­pu­tas so­ci­e­tá­ri­as. Nes­sa tra­je­tó­ria de 20 anos, um dos em­ba­tes mais in­cen­diá­ri­os en­vol­veu a Sa­rai­va, em 2016. Na épo­ca, com 38,6% das ações da li­vra­ria, ele li­de­rou uma cru­za­da pa­ra ten­tar des­ti­tuir a fa­mí­lia Sa­rai­va do co­man­do do ne­gó­cio e che­gou a ser acu­sa­do de in­va­dir a se­de da ope­ra­ção em um fe­ri­a­do de Cor­pus Ch­ris­ti a pro­cu­ra de do­cu­men­tos con­fi­den­ci­ais. A lis­ta de opo­nen­tes e de de­sa­fe­tos in­clui ain­da exe­cu­ti­vos e aci­o­nis­tas de em­pre­sas co­mo a Lo­jas Ame­ri­ca­nas e a cor­re­to­ra So­co­pa. E ga­nhou no­vos in­te­gran­tes re­cen­te­men­te, quan­do a Ga­fi­sa se tor­nou o seu mais no­vo al­vo. Em um con­tra­pon­to a to­das as ou­tras his­tó­ri­as que co­le­ci­o­nou du­ran­te es­se per­cur­so, Mu Hak as­su­miu, na prá­ti­ca, o con­tro­le da in­cor­po­ra­do­ra há um mês, com 37% das ações nas mãos da GWI. E nes­se cur­to pe­río­do, ele já im­ple­men­tou uma sé­rie de me­di­das que es­tá aba­lan­do a es­tru­tu­ra da in­cor­po­ra­do­ra e im­plo­din­do o mo­de­lo de ges­tão an­te­ri­or.

A es­ca­la­da te­ve iní­cio em ou­tu­bro de 2017, quan­do Mu Hak co­me­çou a com­prar ações or­di­ná­ri­as da com­pa­nhia. Es­sa par­ti­ci­pa­ção foi sen­do am­pli­a­da, pou­co a pou­co, nos me­ses se­guin­tes, até que ele as­se­gu­ras­se dois as­sen­tos no Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção. A sua as­cen­são foi con­so­li­da­da em 25 de se­tem­bro, quan­do em uma as­sem­bleia ex­tra­or­di­ná­ria con­vo­ca­da a pe­di­do da GWI, o sul-co­re- ano con­se­guiu des­ti­tuir o Con­se­lho elei­to três me­ses an­tes, as­su­miu a pre­si­dên­cia do co­le­gi­a­do e es­ta­be­le­ceu uma no­va com­po­si­ção, na qual cin­co dos se­te mem­bros eram seus in­di­ca­dos. En­tre eles, seu fi­lho, Thi­a­go You. No ca­mi­nho pa­ra al­can­çar es­sa po­si­ção, Mu Hak en­fren­tou a re­sis­tên­cia da di­re­to­ria e dos de­mais con­se­lhei­ros, que che­ga­ram a con­tra­tar as­ses­so­res fi­nan­cei­ros na ten­ta­ti­va de bus­car po­ten­ci­ais fun­dos e in­ves­ti­do­res pa­ra evi­tar que ele as­su­mis­se as ré­de­as da ope­ra­ção, da­do o seu his­tó­ri­co de con­fu­sões. “A Ga­fi­sa che­gou a ter mui­tos in­te­res­sa­dos, mas não hou­ve tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra con­cre­ti­zar qual­quer acor­do”, diz uma fon­te

pró­xi­ma a es­sas ne­go­ci­a­ções, que apon­ta uma di­fe­ren­ça no ca­so da in­cor­po­ra­do­ra em re­la­ção a ou­tras dis­pu­tas no per­cur­so do do­no da GWI. “Com um ca­pi­tal mui­to pul­ve­ri­za­do e sem al­ter­na­ti­vas na man­ga, a em­pre­sa não ti­nha um ou mais aci­o­nis­tas con­tro­la­do­res pa­ra ba­ter de fren­te com ele.”

Se o sta­tus con­quis­ta­do por Mu Hak na Ga­fi­sa des­toa de qual­quer uma de su­as ope­ra­ções an­te­ri­o­res, as ati­tu­des to­ma­das por ele des­de que co­me­çou a ga­nhar po­der na em­pre­sa re­me­te a tra­ços que fi­ze­ram a sua fa­ma no mer­ca­do. “Des­de o iní­cio, a pos­tu­ra de­le foi bé­li­ca, ar­ro­gan­te e tru­cu­len­ta”, afir­ma uma fon­te, que res­sal­ta que es­se com­por­ta- men­to foi re­for­ça­do des­de que o sul-co­re­a­no as­su­miu o co­man­do. “Ele es­tá sen­do mais ra­di­cal e in­fle­xí­vel. E de­ci­de tu­do nu­ma ve­lo­ci­da­de inex­pli­cá­vel, sem pen­sar, em ne­nhum mo­men­to, nas con­sequên­ci­as.” A lis­ta de mu­dan­ças em ape­nas um mês é lon­ga. Na mes­ma as­sem­bleia que co­me­çou a de­fi­nir os no­vos ru­mos, foi apro­va­da a des­ti­tui­ção de San­dro Gam­ba, até en­tão CEO da Ga­fi­sa; de Car­los Edu­ar­do Mo­ra­es Ca­lhei­ros, di­re­tor fi­nan­cei­ro e de re­la­ções com in­ves­ti­do­res; e de Ger­son Cohen, di­re­tor exe­cu­ti­vo ope­ra­ci­o­nal. Ana Re­cart, exe­cu­ti­va de con­fi­an­ça de Mu Hak foi elei­ta co­mo no­va pre­si­den­te e as­su­miu tam­bém, in­te­ri­na­men­te, os car­gos de Ca­lhei­ros.

Nas se­ma­nas se­guin­tes, vi­e­ram as de­mis­sões de boa par­te dos de­mais exe­cu­ti­vos do al­to es­ca­lão. Os cor­tes atin­gi­ram tam­bém ou­tros ní­veis. Ao mes­mo tem­po, Eric Ale­xan­dre de Alen­car e To­más Ro­cha Awad, os dois con­se­lhei­ros in­de­pen­den­tes que ha­vi­am per­ma­ne­ci­do, re­nun­ci­a­ram às su­as po­si­ções. “Há um cli­ma de ter­ror pa­ra os que fi­ca­ram. A sen­sa­ção é de que a em­pre­sa es­tá à de­ri­va”, diz um exe­cu­ti­vo que co­nhe­ce a ope­ra­ção. Ele des­ta­cou ou­tro in­gre­di­en­te nes­se cal­dei­rão: a apro­va­ção de um pro­gra­ma de re­com­pra de ações. “Is­so não faz ne­nhum sen­ti­do pa­ra uma em­pre­sa que es­tá mui­to ala­van­ca­da.” A dí­vi­da lí­qui­da é de R$ 751,9 mi­lhões. Mes­mo com uma re­du­ção de 32,4% no pri­mei­ro se­mes­tre de 2018, em com­pa­ra­ção com igual pe­río­do um ano an­tes, o in­di­ca­dor ain­da é con­si­de­ra­do al­to por ana­lis­tas.

Sob o pre­tex­to de cor­tar cus­tos, ou­tros fa­to­res con­tri­buí­ram pa­ra re­for­çar es­se ce­ná­rio de in­cer­te­zas. A no­va ges­tão fe­chou o es­cri­tó­rio da Ga­fi­sa no Rio de Ja­nei­ro. E pla­ne­ja mu­dar a se­de da com­pa­nhia, ho­je ins­ta­la­da no bair­ro pau­lis­ta­no de Pi­nhei­ros, pa­ra São Ca­e­ta­no do Sul, no ABC pau­lis­ta. Uma das ações que mais cha­ma­ram a aten­ção, no en­tan­to, veio à to­na em 15 de ou­tu­bro, quan­do a em­pre­sa sus­pen­deu o pa­ga­men­to de for­ne­ce­do­res e em­prei­tei­ros, a prin­cí­pio, até 26 de no­vem­bro. O anún­cio, so­ma­do ao pa­co­te de de­mis­sões e a ou­tras po­lí­ti­cas im­plan­ta­das fez com que o Sin­di­ca­to dos Tra­ba­lha­do­res da Cons­tru­ção Ci­vil de São Pau­lo (Sin­tra­con-SP) con­vo­cas­se uma gre­ve ge­ral nos 16 can­tei­ros de obras da em­pre­sa na ca­pi­tal pau­lis­ta pa­ra a quar­ta-fei­ra 25. Pro­cu­ra­da, a GWI, de Mu Hak You, in­for­mou que ape­nas a Ga­fi­sa se pro­nun­ci­a­ria. A in­cor­po­ra­do­ra in­for­mou, por meio de co­mu­ni­ca­do, que ha­via re­to­ma­do os pa­ga­men­tos na ter­ça-fei­ra 24 e evi­ta­do a pa­ra­li­sa­ção, de­pois de uma ex­ten­sa reu­nião com o Sin­tra­con-SP. “A Ga­fi­sa rei­te­ra que a sua re­es­tru­tu­ra­ção tem co­mo fo­co a oti­mi­za­ção de pro­ces­sos e es­tru­tu­ra, o ga­nho de efi­ci­ên­cia e a va­lo­ri­za­ção da com­pa­nhia, ra­ti­fi­can­do seu com­pro­me­ti­men­to de lon­go pra­zo com to­dos os seus sta­kehol­ders”, afir­mou o gru­po, em no­ta. A sus­pen­são da ma­ni­fes­ta­ção foi con­fir­ma­da por An­to­nio de Sou­sa Ra­ma­lho, pre­si­den­te do Sin­tra­con-SP. Ele res­sal­tou, po­rém, que o sin­di­ca­to se­gui­rá ne­go­ci­an­do e man­te­rá o es­ta­do de gre­ve até 21 de no­vem­bro. “Te­mo pe­lo fu­tu­ro não só da em­pre­sa, mas do mer­ca­do, pois po­de ha­ver um efei­to em cas­ca­ta com es­sa si­tu­a­ção”, afir­ma Ra­ma­lho.

Os te­mo­res não es­tão res­tri­tos a Ra­ma­lho e aos fun­ci­o­ná­ri­os da in­cor­po­ra­do­ra. De­pois do anún­cio da sus­pen­são de pa­ga­men­to dos for­ne­ce­do­res, a agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­co S&P re­bai­xou o ra­ting da Ga­fi­sa, res­sal­tan­do que a me­di­da im­pac­ta­va a re­pu­ta­ção da em­pre­sa. Em re­la­tó­rio, o Itaú BBA des­ta­cou que as mu­dan­ças no Con­se­lho e a no­va di­re­to­ria sus­ci­tam in­cer­te­zas so­bre a ope­ra­ção, ci­tan­do, en­tre ou­tros fa­to­res, que al­guns mem­bros des­sa no­va com­po­si­ção “têm um his­tó­ri­co li­mi­ta­do no se­tor de cons­tru­ção re­si­den­ci­al”. Es­sa la­cu­na, fren­te à com­ple­xi­da­de e às par­ti­cu­la­ri­da­des des­se mer­ca­do, tam­bém foi apon­ta­da por um exe­cu­ti­vo do se­tor. “A Ga­fi­sa vi­rou uma em­pre­sa de do­no. E tan­to ele, qu­an­to seus exe­cu­ti­vos, são do mer- ca­do fi­nan­cei­ro e não en­ten­dem pra­ti­ca­men­te na­da de in­cor­po­ra­ção”, afir­ma a fon­te, que re­lem­bra ou­tras em­pre­sas do seg­men­to que so­fre­ram por apos­tar em um per­fil de ges­tão mais fi­nan­cis­ta, co­mo a PDG e a Bro­ok­fi­eld, re­ba­ti­za­da, pos­te­ri­or­men­te, de Te­gra. “Es­se ce­ná­rio, ali­a­do às me­di­das re­cen­tes, só re­for­ça a des­con­fi­an­ça do mer­ca­do e tor­na mais di­fí­ceis as re­la­ções com to­dos os elos da Ga­fi­sa, das ne­go­ci­a­ções com ban­cos e for­ne­ce­do­res aos even­tu­ais cli­en­tes da com­pa­nhia.”

Es­sa fa­se con­tur­ba­da acon­te­ce em um mo­men­to no qual a Ga­fi­sa co­me­ça­va a apre­sen­tar in­di­ca­do­res de me­lho­ra em sua ope­ra­ção. No pri­mei­ro se­mes­tre, além da re­du­ção da dí­vi­da lí­qui­da, a com­pa­nhia apu­rou uma re­cei­ta lí­qui­da de R$ 515 mi­lhões, al­ta de 81,7% so­bre um ano an­tes. E re­du­ziu seu pre­juí­zo lí­qui­do em 74%, pa­ra R$ 85,3 mi­lhões. Boa par­te das fon­tes con­sul­ta­das pe­la DI­NHEI­RO en­ten­de que há ne­ces­si­da­de de mu­dan­ças na ges­tão pa­ra con­so­li­dar es­sa re­to­ma­da. E res­sal­ta que é pre­ci­so ter cau­te­la an­tes de “con­de­nar” as me­di­das to­ma­das até o mo­men­to. Há, no en­tan­to, res­sal­vas, qu­an­to à ve­lo­ci­da­de com que es­se pro­ces­so es­tá sen­do con­du­zi­do. “Te­mos ca­sos no Bra­sil de cho­ques de ges­tão que se pro­vam bem­su­ce­di­dos”, afir­ma Mar­ce­lo Apo­vi­an, só­cio da con­sul­to­ria de ges­tão Sig­nium. “Mas a ex­pe­ri­ên­cia diz que de­ci­sões por im­pul­so, sem que se co­nhe­ça efe­ti­va­men­te a ope­ra­ção, são mais sus­ce­tí­veis ao er­ro.” Um ana­lis­ta do se­tor, que pe­diu ano­ni­ma­to, acres­cen­ta: “A Ga­fi­sa é um pa­ci­en­te que es­tá do­en­te e pre­ci­sa ser me­di­ca­do”, diz. “Mas há uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre to­mar um com­pri­mi­do por dia du­ran­te um mês e to­mar tu­do em ape­nas um dia.”

IMA­GEM AR­RA­NHA­DA: as pri­mei­ras me­di­das to­ma­das sob a no­va ges­tão le­van­ta­ram dú­vi­das e des­con­fi­an­ça no mer­ca­do

SUBSTITUI­çãO: a sé­rie de cor­tes anun­ci­a­da por Mu Hak You e por sua equi­pe nos qua­dros da Ga­fi­sa en­vol­veu to­dos os ní­veis da com­pa­nhia, in­cluin­do a des­ti­tui­ção do pre­si­den­te San­dro Gam­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.