As ma­qui­na­ções de Gu­e­des

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Car­los Jo­sé Mar­ques, di­re­tor edi­to­ri­al

De­co­lou o Bo­eing de re­for­ma­do­res li­be­rais que vai di­tar os ru­mos da eco­no­mia a par­tir de ja­nei­ro, quan­do as­su­me o go­ver­no de Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro. Na ca­bi­ne de co­man­do, o pi­lo­to

Pau­lo Gu­e­des já faz for­tes ma­no­bras pa­ra re­ar­ru­mar o cur­so. An­tes mes­mo de sen­tar na ca­dei­ra de mi­nis­tro ple­ni­po­ten­ciá­rio da Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio, Gu­e­des já avi­sou, por exem­plo, que o Mer­co­sul não é pri­o­ri­da­de, que o ca­rá­ter ide­o­ló­gi­co do blo­co de­ve ser re­vis­to e que irá trans­por fron­tei­ras em bus­ca de no­vos par­cei­ros. Dis­se mais: de­se­ja ace­le­rar as pri­va­ti­za­ções e até mes­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que po­de en­trar em vo­ta­ção ain­da nes­te ano, a de­pen­der de um acor­do com a atu­al equi­pe de Te­mer. O fu­tu­ro czar da eco­no­mia es­ta­be­le­ceu o cor­te de gas­tos co­mo pri­o­ri­da­de nú­me­ro um. Em ou­tras pa­la­vras, tem a in­ten­ção de pro­mo­ver um for­te ajus­te fis­cal, re­a­va­li­an­do im­pos­tos, e ata­car as des­pe­sas com ju­ros e com a má­qui­na pú­bli­ca. Dis­se que é fac­tí­vel ze­rar o dé­fi­cit e já con­ta com uma re­cei­ta “ex­tra” pa­ra 2019, fru­to dos lei­lões e con­ces­sões na área da in­fra­es­tru­tu­ra. Uma me­ta pa­ra­le­la per­se­gui­da pe­lo fu­tu­ro ti­tu­lar da pas­ta econô­mi­ca é ali­nha­var um acor­do pe­la in­de­pen­dên­cia do Ban­co Cen­tral. Den­tro do seu mo­de­lo de ges­tão li­be­ral, es­se se­ria um pi­lar da ope­ra­ção. Co­mo ele fa­ria is­so? A ideia é con­so­li­dar a to­que de cai­xa um pro­je­to nes­se sen­ti­do pa­ra vo­ta­ção pe­lo Con­gres­so lo­go nos pri­mei­ros me­ses de man­da­to. Pa­ra evi­tar rup­tu­ras de ges­tão, pla­ne­ja man­ter no car­go o atu­al pre­si­den­te do BC, Ilan Gold­fajn, e já en­vi­ou re­ca­dos nes­se sen­ti­do, co­mo tam­bém a ou­tros di­re­to­res. No cam­po da In­dús­tria e Co­mér­cio, mais no­vi­da­des. Qu­er no seu co­man­do um em­pre­sá­rio, sem qual­quer re­la­ção com o go­ver­no nem com en­ti­da­des de clas­se co­mo CNI ou Fi­esp. Um ad­mi­nis­tra­dor in­de­pen­den­te de pen­sa­men­to

mo­der­no e vi­são glo­bal. Ao seu la­do es­pe­ra se cer­car de uma es­pé­cie de su­per­con­se­lho de no­tá­veis em­pre­en­de­do­res que apon­tem ca­mi­nhos e aler­tem pa­ra os er­ros na re­to­ma­da do de­sen­vol­vi­men­to. No re­cei­tuá­rio ge­ral, não há co­mo ne­gar, as de­ci­sões do czar Pau­lo Gu­e­des são bem pro­po­si­ti­vas. O gran­de de­sa­fio pe­la fren­te, que não se­rá só de­le mas de to­da a equi­pe de Bol­so­na­ro, es­tá na cons­tru­ção de um blo­co de ali­a­dos ca­pa­zes de fa­zer an­dar no Par­la­men­to tan­tas mu­dan­ças. Por en­quan­to, não só o Con­gres­so, co­mo o mer­ca­do, in­ves­ti­do­res, ban­quei­ros e em­pre­sá­ri­os es­tão em lua de mel com o ti­me que che­ga ao po­der. Os pró­xi­mos pas­sos e o su­ces­so nos re­sul­ta­dos di­ta­rão os hu­mo­res mais adi­an­te e Gu­e­des es­tá cons­ci­en­te de que não se­rá na­da fá­cil man­ter o âni­mo na mes­ma al­tu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.