Os es­ta­dos em bus­ca de so­cor­ro

En­for­ca­dos com gas­tos de ser­vi­do­res e dí­vi­das ex­plo­si­vas, Mi­nas Ge­rais, Rio de Ja­nei­ro e Rio Gran­de do Sul de­vem jun­tos R$ 260 bi­lhões. O que os go­ver­na­do­res elei­tos pla­ne­jam fa­zer pa­ra con­tro­lar o ca­os nas fi­nan­ças pú­bli­cas

ISTO É Dinheiro - - ECONOMIA - Va­lé­ria BRE­TAS

Os es­ta­dos de Mi­nas Ge­rais, Rio de Ja­nei­ro e Rio Gran­de do Sul ocu­pam as úl­ti­mas po­si­ções no ran­king de so­li­dez fis­cal ela­bo­ra­do pe­lo Cen­tro de Li­de­ran­ça Pú­bli­ca (CLP), ONG cri­a­da em 2008. A si­tu­a­ção das fi­nan­ças des­ses es­ta­dos é gra­ve. A com­bi­na­ção de fal­ta de re­cei­ta, des­con­tro­le dos gas­tos e o rom­bo da pre­vi­dên­cia le­vou a um qua­dro in­sus­ten­tá­vel de ges­tão. So­ma­das, as dí­vi­dasm­che­gam a R$ 260 bi­lhões. Es­co­lhi­dos pa­ra equa­ci­o­nar es­se de­se­qui­lí­brio nas con­tas pú­bli­cas, os go­ver­na­do­res elei­tos Ro­meu Ze­ma (No­vo-MG), Wil­son Wit­zel (PSC-RJ) e Edu­ar­do Lei­te (PSDB-RS) her­dam uma eco­no­mia de­sar­ru­ma­da a par­tir de 1º de ja­nei­ro. “Mais do que a ques­tão fis­cal, o que efe­ti­va­men­te pau­tou o re­sul­ta­do das elei­ções foi a re­pul­sa ao sis­te­ma a po­lí­ti­co tra­di­ci­o­nal”, diz Mar­ce­lo Is­sa, só­cio da con­sul­to­ria Pul­so Pú­bli­co.

Pa­ra en­ten­der o ta­ma­nho do de­sa­fio, DI­NHEI­RO re­vi­sou as pro­pos­tas econô­mi­cas di­vul­ga­das pe­los no­vos go­ver­nan­tes du­ran­te a cam­pa­nha pa­ra en­ten­der co­mo eles pre­ten­dem equa­ci­o­nar o de­se­qui­lí­brio nas con­tas pú­bli­cas. Em co­mum, os três go­ver­na­do­res pro­põem a re­vi­são de be­ne­fí­ci­os, a re­ne­go­ci­a­ção da dí­vi­da com a União e o en­xu­ga­men­to da má­qui­na pú­bli­i­ca pa­ra me­lho­rar o ar­ran­jo econô­mi­co dos es­ta­dos. “Não se­rá uma ta­re­fa fá­cil e nem rá­pi­da”, diz z Ze­ma à DI­NHEI­RO. Sem ex­pe­ri­ên­cia na ges­tão pú­bli­ca, o em­pre­sá­rio da ci­da­de de Ara­xá re­ce­beu 71,8% dos vo­tos vá­li­dos do elei­to­ra­do

A pri­mei­ra ação se­rá cor­tar 80% dos car­gos co­mis­si­o­na­dos e re­du­zir o nú­me­ro de se­cre­ta­ri­as”

RO­MEU ZE­MA (NO­VO),

GO­VER­NA­DOR ELEI­TO DE MI­NAS GE­RAIS

WIL­SON WIT­ZEL (PSC),

GO­VER­NA­DOR ELEI­TO DO RIO DE JA­NEI­RO

mi­nei­ro e ocu­pa­rá o Pa­lá­cio Ti­ra­den­tes após 14 anos de go­ver­nos PT e PSDB. Ele te­rá de ad­mi­nis­trar um dé­fi­cit or­ça­men­tá­rio pre­vis­to em R$ 11,4 bi­lhões pa­ra 2019. Da re­cei­ta lí­qui­da do es­ta­do em 2016, úl­ti­mos da­dos dis­po­ní­veis, 77% foi gas­to com a fo­lha de pa­ga­men­to de pes­so­al. “A pri­mei­ra ação se­rá cor­tar 80% dos car­gos co­mis­si­o­na­dos e re­du­zir o nú­me­ro de se­cre­ta­ri­as das atu­ais 21 pa­ra no­ve”, diz Ze­ma, que qu­er man­ter a alí­quo­ta de ICMS e fa­zer al­te­ra­ções na Pre­vi­dên­cia So­ci­al. O es­pe­ci­a­lis­ta em po­lí­ti­cas pú­bli­cas da Fun­da­ção João Pi­nhei­ro diz que o “me­lhor caminho pa­ra o es­ta­do se­ria ter um fun­do pre­vi­den­ciá­rio pró­prio e au­tos­sus­ten­tá­vel.”

As­sim co­mo o em­pre­sá­rio mi­nei­ro, o juiz Wit­zel te­rá de en­fren­tar o de­sen­con­tro en­tre re­cei­tas e des­pe­sas das con­tas pú­bli­cas quan­do as­su­mir o Pa­lá­cio Gu­a­na­ba­ra. O gas­to com pes­so­al é um dos prin­ci­pais mo­ti­vos por trás da si­tu­a­ção de ca­la­mi­da­de: a fo­lha sa­la­ri­al car­re­ga um pe­so de 75% da re­cei­ta cor­ren­te. A fra­gi­li­da­de é ta­ma­nha que o en­di­vi­da­men­to do Es­ta­do equi­va­le a 270% da Re­cei­ta Cor­ren­te Lí­qui­da (RCL) – pa­ta­mar bem aci­ma do te­to per­mi­ti­do pe­la Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, que é de 200%. Is­so pa­ra­li­sa as ações e tor­na im­pos­sí­vel ob­ter fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra a in­fra­es­tru­tu­ra, por exem­plo. O prin­ci­pal de­sa­fio do go­ver­na­dor elei­to com 59,8% dos vo­tos vá­li­dos é es­tan­car o cresc ci­men­to da dí­vi­da fi­nan­cei­ra, es­ti­ma­da em R$ 8 b bi­lhões no ano que vem. A so­lu­ção apre­sen­ta­da por Wit­zel in­clui um pro­gra­ma de de­mis­são vo­lun­tá­ria pa­ra os ser­vi­do­res pú­bli­cos e a re­du­ção da de­pen­dên­cia do es­ta­do dos royal­ti­es do p pe­tró­leo. Es­sa se­ria uma boa de­ci­são, afi­nal, nos úl­ti­mos anos o va­lor ar­re­ca­da­do com a ex­plo­ra­ção do óleo ne­gro vi­nha sen­do usa­do pa­ra fi­nan­ci­ar a pre­vi­dên­cia. “O pre­ço do bar­ril do pe­tró­leo es­tá aci­ma da ex­pec­ta­ti­va de mer­ca­do. O pro­ble­ma é que is­so pas­sa a fal­sa im­pres­são de que es­tá tu­do bem”, diz An­dré Mar­ques, co­or­de­na­dor dos cur­sos de ges­tão de po­lí­ti­cas pú­bli­cas do Ins­per. “Es­ses re­cur­sos são vo­lá­teis, es­tão li­ga­dos a fa­to­res ex­ter­nos e is­so é co­mo fi­car sen­ta­do em um bar­ril de pól­vo­ra.”

O Rio con­se­guiu ga­nhar fô­le­go ao apro­var um pla­no de re­cu­pe­ra­ção fis­cal, par­ce­la­do em três anos, com a União no ano pas­sa­do. “Es­sa é uma me­di­da que po­de­ria ser es­ten­di­da pa­ra ou­tros es­ta­dos na ges­tão do no­vo pre­si­den­te", diz Ri­car­do Is­ma­el, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da PUCRio. Es­se é um dos pla­nos do tu­ca­no Edu­ar­do Lei­te, elei­to por 53,6% dos vo­tos dos elei­to­res gaú­chos: cos­tu­rar um acor­do de re­cu­pe­ra­ção fis­cal. “Pa­ra fe­char as con­tas, o go­ver­no vai ter que pri­va­ti­zar al­gu­mas joi­as de sua co­roa, co­mo o ban­co gaú­cho Ban­ri­sul”, diz o eco­no­mis­ta Raul Vel­lo­so, es­pe­ci­a­lis­ta em con­tas

pú­bli­cas. Va­le lem­brar que o Rio Gran­de do Sul é o úni­co es­ta­do do País com obri­ga­to­ri­e­da­de de re­a­li­zar ple­bis­ci­to pa­ra pri­va­ti­zar em­pre­sas, o que po­de atra­sar as ne­go­ci­a­ções.

Por ora, a es­tra­té­gia econô­mi­ca dos fu­tu­ros go­ver­nan­tes es­tá apro­va­da pe­los es­pe­ci­a­lis­tas. Mas é pre­ci­so ir além das bo­as idei­as pa­ra do­mar o ca­os nas fi­nan­ças. “To­dos eles vão en­fren­tar o gran­de dra­ma de as­su­mir um go­ver­no com uma pi­lha iné­di­ta de pa­ga­men­tos a se­rem fei­tos e sem di­nhei­ro no cai­xa”, diz Vel­lo­so.“Não há so­lu­ção de cur­to pra­zo.”

EDU­AR­DO LEI­TE (PSDB),

GO­VER­NA­DOR ELEI­TO DO RIO GRAN­DE DO SUL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.