VOL­TA DA CAL­MA­RIA?

Vi­tó­ria de Jair Bol­so­na­ro re­no­va a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res, mas a sua go­ver­na­bi­li­da­de ain­da é uma dú­vi­da

ISTO É Dinheiro - - ÍN­DI­CE - Pris­cil­la ARROYO

A vol­ta da cal­ma­ria?...

Acon­fir­ma­ção da vi­tó­ria de Jair Bol­so­na­ro na se­ma­na pas­sa­da acal­mou as até en­tão agi­ta­das águas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro. Di­an­te da pers­pec­ti­va de um go­ver­no que con­si­ga re­for­mar a Pre­vi­dên­cia So­ci­al e con­tro­lar o dé­fi­cit fis­cal, os ad­mi­nis­tra­do­res de di­nhei­ro pas­sa­ram a en­xer­gar um ho­ri­zon­te mais es­tá­vel. Is­so sig­ni­fi­ca mu­dan­ças na es­tra­té­gia. Os ges­to­res de re­cur­sos pre­fe­rem alon­gar pra­zos. Já os es­pe­ci­a­lis­tas dos gran­des ban­cos de va­re­jo re­co­men­dam uma do­se adi­ci­o­nal de ris­co.

O mar me­nos tur­bu­len­to já se apre­sen­ta­va há al­gu­mas se­ma­nas. O fa­vo­ri­tis­mo de Bol­so­na­ro no pri­mei- ro tur­no ha­via tur­bi­na­do o in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res. No mês de ou­tu­bro, até o dia 26, o vo­lu­me de ne­gó­ci­os na Bol­sa su­pe­rou os R$ 354 bi­lhões, mai­or va­lor men­sal des­te ano. E R$ 314 bi­lhões, 88% des­se to­tal, foi mo­vi­men­ta­do por com­pras e por ven­das de in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros. “A en­tra­da de ca­pi­tal ex­ter­no con­tri­buiu pa­ra a su­bi­da dos pre­ços das ações, o que ele­vou os ga­nhos de to­dos”, diz Luiz Al­ves, di­re­tor da ges­to­ra de re­cur­sos Ver­sa. Em­bo­ra oti­mis­tas com a cal­ma­ria no ho­ri­zon­te, os ma­ri­nhei­ros das fi­nan­ças ain­da não en­xer­gam a ter­ra fir­me. Eles aguar­dam o anún­cio das li­de­ran­ças de car­gos es­tra­té­gi­cos do go­ver­no e a de­mons­tra­ção prá­ti­ca do tra­que­jo po­lí­ti­co de Bol­so­na­ro, que te­rá de con­vi­ver com o Con­gres­so mais pul­ve­ri­za­do da his­tó­ria de­mo­crá­ti­ca do País. A con­fir­ma­ção do ru­mo da eco­no­mia já re­fle­te no pla­ne­ja­men­to da Vin­land Ca­pi­tal,

ges­to­ra que ad­mi­nis­tra cer­ca de R$ 2,7 bi­lhões em pa­trimô­nio. “Nos­sas dis­cus­sões ago­ra vi­sam o mé­dio pra­zo”, diz Au­re­lio Bi­ca­lho, eco­no­mis­ta-che­fe da Vin­land. “Até se­tem­bro, as es­co­lhas eram de­ci­di­das em um ho­ri­zon­te cur­tís­si­mo. Pen­sá­va­mos em po­si­ções tá­ti­cas se­ma­na a se­ma­na pa­ra evi­tar per­das pon­tu­ais”, diz. Ain­da há, no en­tan­to, al­guns fo­cos de in­se­gu­ran­ça. Bi­ca­lho apon­ta que o prin­ci­pal ris­co é a in­ca­pa­ci­da­de de Bol­so­na­ro an­ga­ri­ar apoio su­fi­ci­en­te do Con­gres­so pa­ra con­cre­ti­zar mu­dan­ças e es­ta­bi­li­zar a eco­no­mia. “Não exis­te mar­gem pa­ra o er­ro. Se não apro­var­mos a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a dí­vi­da pú­bli­ca vai atin­gir uma si­tu­a­ção in­sus­ten­tá­vel”, diz.

O che­fe glo­bal de in­ves­ti­men­tos do Itaú Pri­va­te Bank, Ni­cho­las Mc­Carthy, acre­di­ta que a atu­a­ção da no­va equi­pe econô­mi­ca, so­ma­da a uma ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca com­pe­ten­te, po­de fa­zer a eco­no­mia mu­dar de pa­ta­mar. Mc­Carthy, po­rém, ain­da não mu­dou su­as re­co­men­da­ções. Des­de ja­nei­ro, ele acon­se­lha os cli­en­tes do pri­va­te, que tem a par­tir de R$ 5 mi­lhões in­ves­ti­dos, a man­ter par­te re­le­van­te dos re­cur­sos em fun­dos mul­ti­mer­ca­dos e di­vi­dir os de­mais re­cur­sos en­tre ações, tí­tu­los de ren­da fi­xa de lon­go pra­zo e ati­vos cam­bi­ais. “Não es­ta­mos to­man­do ne­nhu­ma

“In­di­ca­mos aos cli­en­tes man­ter par­te re­le­van­te dos re­cur­sos em fun­dos mul­ti­mer­ca­dos” NI­CHO­LAS MC­CARTHY, che­fe glo­bal de in­ves­ti­men­tos do Itaú Pri­va­te Bank

de­ci­são ago­ra”, diz. “Va­mos acom­pa­nhar o com­por­ta­men­to do mer­ca­do pa­ra de­ci­dir se mu­da­mos nos­sas re­co­men­da­ções.” A po­si­ção do ban­co é di­fe­ren­te na ho­ra de acon­se­lhar os fre­gue­ses com ren­da men­sal até R$ 10 mil. Na se­ma­na pas­sa­da, o ban­co en­vi­ou uma car­ta pa­ra eles di­zen­do que a vi­tó­ria de Bol­so­na­ro jus­ti­fi­ca­va “pri­o­ri­zar in­ves­ti­men­tos em Bol­sa”.

No San­tan­der, os es­pe­ci­a­lis­tas tam­bém en­xer­gam bo­as opor­tu­ni­da­des na ren­da va­riá­vel. “Tra­du­zi­mos o oti­mis­mo so­bre a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia na re­vi­são das car­tei­ras”, diz Gil­ber­to Abreu, di­re­tor de in­ves­ti­men­tos. A su­ges­tão é o au­men­to da ex­po­si­ção aos fun­dos mul­ti­mer­ca­do e às ações, com­bi­na­do com a re­du­ção das apli­ca­ções em ren­da fi­xa. “No ca­so dos tí­tu­los do te­sou­ro, su­ge­ri­mos a tro­ca ven­ci­men­tos cur­tos, em 2021, pa­ra pe­río­dos mais lon­gos, co­mo 2025”, diz Abreu.

A con­fir­ma­ção do re­sul­ta­do das ur­nas coin­ci­diu com o mau hu­mor nos mer­ca­dos ex­ter­nos di­an­te do acir­ra­men­to da dis­pu­ta co­mer­ci­al en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na e a ex­pec­ta­ti­va por um aper­to mo­ne­tá­rio mai­or que o es­pe­ra­do pe­lo Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed, o ban­co cen­tral ame­ri­ca­no). O mo­vi­men­to re­fle­tiu tam­bém no Bra­sil. “Hou­ve uma re­a­li­za­ção de lu­cros na­tu­ral, uma vez que os tra­ders ti­ve­ram per­das lá fo­ra”, diz An­dré Per­fei­to, eco­no­mis­ta-che­fe da Spi­nel­li. Co­mo com­pa­ra­ção, o S&P, um dos prin­ci­pais ín­di­ces de No­va York, caiu 6,12% no mês pas­sa­do, en­quan­to o Ibo­ves­pa su­biu 19,9% em dó­lar. Pa­ra Pe­dro Li­ma, ana­lis­ta da Ati­va In­ves­ti­men­tos, os es­tran­gei­ros es­tão em com­pas­so de es­pe­ra. “Eles aguar­dam al­gu­ma me­di­da con­cre­ta do no­vo go­ver­no pa­ra vol­tar com for­ça”, diz. Li­ma pro­je­ta uma al­ta de 9% pa­ra o Ibo­ves­pa no fim de 2018, o que sig­ni­fi­ca um pu­lo ao pa­ta­mar de 95 mil pon­tos.

“Su­ge­ri­mos au­men­to da ex­po­si­ção às ações” GIL­BER­TO ABREU di­re­tor de in­ves­ti­men­tos do San­tan­der

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.