A GUER­RA DOS FRAN­GOS

A re­de Po­peyes en­tra na dis­pu­ta pe­lo mer­ca­do fast-fo­od de fran­go no Bra­sil e vai in­ves­tir R$ 1 bi­lhão na aber­tu­ra de 300 res­tau­ran­tes. Co­mo o KFC vai re­a­gir?

ISTO É Dinheiro - - NEGÓCIOS - Va­lé­ria BRETAS

Are­de de fast-fo­od de fran­go KFC, que per­ten­ce ao Gru­po Yum!Brands In­ter­na­ti­o­nal, es­con­de a se­te cha­ves a re­cei­ta de on­ze in­gre­di­en­tes de­sen­vol­vi­da em 1939 pe­lo Co­ro­nel San­ders, nos Es­ta­dos Uni­dos – uma das ra­zões pe­las quais a mar­ca é tão po­pu­lar nos 125 paí­ses on­de es­tá pre­sen­te. No Bra­sil, a re­de che­gou já na dé­ca­da de 70, com o no­me com­ple­to de Ken­tucky Fri­ed Chic­ken, mas te­ve di­fi­cul­da­des pa­ra cres­cer e pre­ci­sou fe­char as por­tas. Ela ten­tou no­va­men­te nos anos 90 e co­me­ço de 2000, com re­sul­ta­dos igual­men­te de­sas­tro­sos. Uma vi­ra­da tí­mi­da co­me­çou em 2011, qu­an­do o KFC ado­tou um mo­de­lo de lo­jas com­pac­tas, de até 60 me­tros qua­dra­dos, em shop­pings cen­ters. Ain­da as­sim, a mé­dia de inau­gu­ra­ções da re­de não pas­sa­va de dez uni­da­des ao ano – ho­je to­ta­li­zam ape­nas 50 es­ta­be­le­ci­men­tos.

Em ja­nei­ro des­te ano, o em­pre­sá­rio Car­los Wi­zard Mar­tins, con­tro­la-

dor das fran­qui­as Piz­za Hut e Ta­co Bell, de­ci­diu sa­cu­dir es­se mer­ca­do: ape­sar dos fre­quen­tes nau­frá­gi­os da com­pa­nhia, Wi­zard com­prou a ope­ra­ção do KFC no Bra­sil.

O va­lor do ne­gó­cio não foi re­ve­la­do. Mas, no co­me­ço do ano, o em­pre­sá­rio dis­se à DI­NHEI­RO que de­sem­bol­sa­ria R$ 60 mi­lhões na aber­tu­ra de 20 lo­jas pró­pri­as nos pró­xi­mos 5 anos. Ago­ra, o pla­no é ain­da mais am­bi­ci­o­so: a me­ta é abrir 500 no­vas lo­jas nos pró­xi­mos 10 anos. Até o fi­nal des­te ano, se­rão 25 no­vos pon­tos em to­do o país.

Mas o KFC vai ter de en­ca­rar um con­cor­ren­te de pe­so. A re­de ame­ri­ca­na Po­peyes Loui­si­a­na Kit­chen, se­gun­da mai­or ca­deia de fast-fo­od de fran­go do mun­do, inau­gu­rou su­as ope­ra­ções no Bra­sil em ou­tu­bro des­te ano. A mar­ca foi com­pra­da em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do pe­la Res­tau­rant Brands In­ter­na­ti­o­nal (RBI), con­tro­la­da pe­lo 3G Ca­pi­tal, dos bra­si­lei­ros Jor­ge Pau­lo Le­mann, Mar­ce­lo Tel­le e Car­los Al­ber­to Si­cu­pi­ra – que tam­bém con­tro­lam a re­de Bur­ger King no país. Em mar­ço, a BK Bra­sil se­lou um acor­do com a RBI pa­ra ser a mas­ter fran­que ado­ra da Po­peyes du­ran­te 20 anos. O ape­ti­te da com­pa­nhia é gran­de. A in­ten­ção de Iu­ri Mi­ran­da, pre­si­den­te da mar­ca no Bra­sil, é in­ves­tir R$ 1 bi­lhão na aber­tu­ra de 300 res­tau­ran­tes nos pró­xi­mos 10 anos. Pa­ra is­so, a ideia do exe­cu­ti­vo é atu­ar com si­mi­la­ri­da­de ao que fez com Bur­ger King no país, que au­men­tou o nú­me­ro de res­tau­ran­tes de 100 pa­ra mais de 700 em 7 anos. “Nós per­ce­be­mos que há um mer­ca­do enor­me de con­su­mo de fran­go no Bra­sil”, diz Mi­ran­da. “O que a gen­te quer é trans­for­mar es­sa pro­teí­na em pro­ta­go­nis­ta na ali­men­ta­ção fo­ra do lar.”

As­sim co­mo no KFC, o car­ro che­fe do ne­gó­cio é o fran­go em­pa­na­do. A di­fe­ren­ça, se­gun­do o pre­si­den­te da Po­peyes, é o mé­to­do de pre­pa­ro, que en­vol­ve um tem­pe­ro tí­pi­co da Loui­si­a­na, no qual a pro­teí­na é ma­ri­na­da du­ran­te 12 ho­ras.

A che­ga­da da ri­val, no en­tan­to, não as­sus­ta o KFC. Com pre­sen­ça já con­so­li­da­da nas pra­ças de ali­men­ta­ção de shop­pings, o fo­co da com­pa­nhia li­de­ra­da por Wi­zard se­rá nos res­tau­ran­tes de rua – com 250 me­tros qua­dra­dos – e no de­li­very dos pro­du­tos. “Até o fi­nal des­te ano, va­mos ter 20 lo­jas com es­se ser­vi­ço”, afir­ma Il­de­fon­so de Cas­tro, ge­ren­te-ge­ral do KFC Bra­sil.

Além de de­sen­vol­ver um apli­ca­ti­vo pró­prio, o exe­cu­ti­vo an­te­ci­pou à DI­NHEI­RO que vai uti­li­zar a pla­ta­for­ma da UberEats pa­ra re­a­li­zar as en­tre­gas. No to­tal, en­tre in­ves­ti­men­tos da mar­ca e dos fran­que­a­dos, se­rão de­sem­bol­sa­dos R$ 40 mi­lhões até de­zem­bro. “So­mos a mar­ca mais co­pi­a­da do mun­do. To­das que usam o for­ma­to de fran­go no bal­de es­tão re­pli­can­do o que o KFC lan­çou em 1952”, afir­ma Il­de­fon­so Cas­tro.

Pa­ra os es­pe­ci­a­lis­tas em fo­od ser­vi­ce, o in­te­res­se no mer­ca­do bra­si­lei­ro tem fun­da­men­to. Por aqui, a ali­men­ta­ção fo­ra de ca­sa re­pre­sen­ta 28% do gas­to da po­pu­la­ção, en­quan­to que em ou­tros paí­ses, co­mo Chi­na e Es­ta­dos Uni­dos, o per­cen­tu­al che­ga a 83% e 52%, res­pec­ti­va­men­te. “O fran­go é a pro­teí­na mais con­su­mi­da no Bra­sil. São 42 qui­los por ha­bi­tan­te por ano”, diz Cris­ti­na Sou­za, di­re­to­ra exe­cu­ti­va da con­sul­to­ria GS&Lib­bra. “O pro­ble­ma é que ne­nhu­ma re­de in­ter­na­ci­o­nal ti­nha se con­so­li­da­do com for­ça nes­se seg­men­to.”

Pa­ra Ra­fa­e­la Na­tal, es­pe­ci­a­lis­ta na área de ali­men­ta­ção da con­sul­to­ria AGR, a ex­pan­são agres­si­va das du­as re­des é po­si­ti­va e de­ve re­a­ni­mar os in­ves­ti­men­tos no se­tor. “Es­sa con­cor­rên­cia aca­ba cha­man­do aten­ção de ou­tras re­des pa­ra es­ta­be­le­ce­rem su­as lo­jas no Bra­sil”, afir­ma. “Quan­to mais elas cres­ce­rem, mais com­pe­ti­ti­vi­da­de ha­ve­rá no mer­ca­do – in­clu­si­ve en­tre as re­des na­ci­o­nais. As du­as mar­cas pre­ci­sam mos­trar a que vi­e­ram.” Res­ta sa­ber que tem­pe­ro vai ga­nhar a pre­fe­rên­cia do con­su­mi­dor. A guer­ra dos fran­gos pro­me­te ser sa­bo­ro­sa.

APE­TI­TE: Il­de­fon­so de Cas­tro, do KFC Bra­sil, diz que a ideia do bal­de é a mais co­pi­a­da do mun­do no se­tor

COM FôLEGO: "Te­mos um mer­ca­do enor­me de con­su­mo de fran­go", diz Mi­ran­da, da Po­peyes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.