CA­PA:

COM PERS­PEC­TI­VAS DE RE­FOR­MAS E RE­TO­MA­DA DA ECO­NO­MIA, EM­PRE­Sá­RI­OS SI­NA­LI­ZAM OTI­MIS­MO E RECOLOCAM PLA­NOS DE IN­VES­TI­MEN­TOS NO RA­DAR

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Ga­bri­el BALDOCCHI, Car­los Edu­ar­do VALIM e Va­lé­ria BRETAS

com pers­pec­ti­va de re­for­mas, in­ves­ti­men­to vol­ta ao ra­dar dos em­pre­sá­ri­os...

Di­an­te do oti­mis­mo ob­ser­va­do no mer­ca­do fi­nan­cei­ro, da pre­vi­são de um PIB mais for­te a par­tir do pró­xi­mo ano e da pers­pec­ti­va de apro­va­ção de re­for­mas que re­sol­vam o pro­ble­ma fis­cal do País, em­pre­sá­ri­os co­me­çam a en­xer­gar um ho­ri­zon­te mais po­si­ti­vo pa­ra os ne­gó­ci­os após um pe­río­do de frus­tra­ção pro­lon­ga­da. As in­cer­te­zas li­ga­das ao pro­ces­so elei­to­ral es­tão fi­can­do pa­ra trás e dan­do lu­gar a um im­pul­so mai­or às ven­das, às con­sul­tas so­bre pla­nos mais am­bi­ci­o­sos e até anún­ci­os de no­vos in­ves­ti­men­tos. A ro­da da eco­no­mia pa­re­ce, aos pou­cos, co­me­çar a des­tra­var. Pa­ra que es­se pro­ces­so se sus­ten­te e to­me for­ça, po­rém, fal­ta ain­da co­nhe­cer os de­ta­lhes do pla­no tra­ça­do pe­lo no­vo go­ver­no e a es­tra­té­gia pa­ra ti­rá­lo do pa­pel. Tra­ta-se do im­pul­so ne­ces­sá­rio pa­ra afas­tar de vez o ris­co de in­sol­vên­cia das con­tas pú­bli­cas, si­na­li­zar uma me­lho­ra do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e trans­for­mar o avan­ço da con­fi­an­ça num rit­mo de cres­ci­men­to mais fir­me. Tra­di­ci­o­nal­men­te os ín­di­ces do mer­ca­do fi­nan­cei­ro cos­tu­mam an­te­ci­par uma ten­dên­cia de me­lho­ra. A agen­da li­be­ral pro­pos­ta pe­lo eco­no­mis­ta Pau­lo Gu­e­des co­lou na can­di­da­tu­ra de Jair Bol­so­na­ro (PSL) um se­lo de re­for­mis­ta e pas­sou a en­tu­si­as­mar in­ves­ti­do­res an­tes mes­mo da elei­ção. O avan­ço do en­tão can­di­da­to im­pul­si­o­nou uma ten­dên­cia de al­ta na Bol­sa des­de me­a­dos de se­tem­bro, um mo­vi­men­to que vem se sus­ten­tan­do até ago­ra. Na se­gun­da-fei­ra 5, o ín­di­ce Bo­ves­pa atin­giu 89.598 pon­tos, o mai­or pa­ta­mar já re­gis­tra­do na his­tó­ria (con­fi­ra os grá­fi­cos ao la­do). A co­ta­ção do dó­lar tam­bém em­bu­te o sen­ti­men­to de mai­or oti­mis­mo. A mo­e­da ame­ri­ca­na já re­cu­ou 10% des­de o mes­mo pe­río­do e se­gue co­ta­da abai­xo do pa­ta­mar de R$ 4,00, rom­pi­do em agos­to. A per­cep­ção de di­mi­nui­ção de ris­cos foi en­dos­sa­da na ata da úl­ti­ma reu­nião do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom), do Ban­co Cen­tral, que man­te­ve a ta­xa de ju­ros em 6,5%. O do­cu­men­to ci­ta uma que­da nas in­cer­te­zas após o pe­río­do elei­to­ral.

O en­tu­si­as­mo com a in­tro­du­ção de um no­vo ru­mo de po­lí­ti­ca econô­mi­ca co­me­ça a im­pac­tar con­su­mi­do­res e em­pre­sá­ri­os. O ho­ri­zon­te é um cres­ci­men­to es­pe­ra­do pe­lo mer­ca­do de 2,5% no pró­xi­mo ano, um de­sem­pe­nho que po­de ser su­pe­ra­do a de­pen­der do su­ces­so dos pri­mei­ros me­ses do go­ver­no Bol­so­na­ro. “A par­tir das idei­as de­fen­di­das pe­lo pre­si­den­te elei­to du­ran­te a cam­pa­nha, mi­nha ex­pec­ta­ti­va é po­si­ti­va”, afir­ma Car­los Wi­zard, fun­da­dor do Gru­po Sfor­za. “Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, re­du­ção do ta­ma­nho do Es­ta­do, con­tro­le do gas­to pú­bli­co, pri­va­ti­za­ções e des­bu­ro­cra­ti­za­ção são ques­tões fun­da­men­tais pa­ra que o Bra­sil en­tre num ci­clo vir­tu­o­so de cres­ci­men­to.” Con­fi­an­te de que es­se con­jun­to de mu­dan­ças irá acon­te­cer de fa­to o só­cio de Wi­zard, Fla­vio Au­gus­to, anun­ci­ou um in­ves­ti­men­to de R$ 120 mi­lhões na ex­pan­são da re­de de es­co­las de idi­o­mas da Wi­ser Edu­ca­ção nos pró­xi­mos 12 me­ses. O gru­po é for­ma­do pe­los dois exe­cu­ti­vos e reú­ne as mar­cas Wi­se Up e You Mo­ve.

O fun­da­dor da in­dús­tria têx­til Kyly, Sa­lé­zio Jo­sé Mar­tins, tam­bém bus­cou se an­te­ci­par aos con­cor­ren­tes e ba­teu o mar­te­lo num no­vo in­ves­ti­men­to sem co­nhe­cer os de­ta­lhes do pla­no de Gu­e­des. Com 1,6 mil fun­ci­o­ná­ri­os, o gru­po ca­ta­ri­nen­se apor­ta­rá R$ 40 mi­lhões pa­ra a com­pra de no­vos equi­pa­men­tos no pró­xi­mo ano. “Com o pla­no econô­mi­co do no­vo go­ver­no, es­pe­ra­mos fa­tu­rar em tor­no de R$ 500 mi­lhões em 2019, um cres­ci­men­to de mais de 10% em re­la­ção a es­te ano.” Mar­tins se­gue os pas­sos de Lu­ci­a­no Hang, do­no da va­re­jis­ta Ha­van, um dos pri­mei­ros a anun­ci­ar um in­ves­ti­men­to após as elei­ções: R$ 500 mi­lhões pa­ra aber­tu­ra de 20 lo­jas. “O que eu e to­dos os em­pre­en­de­do­res no País sen­ti­mos ho­je é mais con­fi­an­ça e se­gu­ran­ça pa­ra de­sen­ga­ve­tar aqui­lo que nós tí­nha­mos de re­cur­sos”, afir­ma o em­pre­sá­rio. “To­do mun­do es­ta­va se­gu­ran­do as ver­bas por con­ta das elei­ções.” Hang foi um apoi­a­dor de­cla­ra­do de Bol­so­na­ro e che­gou a ser mul­ta­do sob acu­sa­ção de co­a­gir os fun­ci­o­ná­ri­os.

O oti­mis­mo an­te­ci­pa­do ao pro­ces­so de re­for­mas al­can­ça em­pre­sas dos mais di­ver­sos se­to­res. O gru­po de pro­du­tos de lim­pe­za Eco­vil­le pre­ten­de de­sen­ga­ve­tar um pla­no pa­ra in­ves­tir R$ 10 mi­lhões na aber­tu­ra de lo­jas e no de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos. Ho­je, a em­pre­sa tem 1.300 fun­ci­o­ná­ri­os e 250 lo­jas. “Es­ta­mos com a con­fi­an­ça má­xi­ma na eco­no­mia pa­ra os pró­xi­mos anos”, afir­ma o pre­si­den­te da em­pre­sa, Le­o­nar­do Cas­te­lo. Ou­tro si­nal de mo­vi­men­ta­ção vol­ta­da à pers­pec­ti­va de 2019 é o au­men­to per­ce­bi­do nas con­sul­tas de em­pre­sas in­te­res­sa­dos em abrir ca­pi­tal. Com­pa­nhi­as que vi­nham se es­tru­tu­ran­do pa­ra cap­tar re­cur­sos com uma en­tra­da na Bol­sa vol­ta­ram a pro­cu­rar os as­ses­so­res. Nas pro­je­ções de ban­cos de in­ves­ti­men­tos, o ano que vem po­de ser mar­ca­do por até 30 ofer­tas ini­ci­ais de ações (IPO, na si­gla em in­glês). “A pers­pec­ti­va de ter um go­ver­no que ata­que o pro­ble­ma fis­cal, dos gas­tos e a re­for­ma do Es­ta­do, põe a ro­da da eco­no­mia pa­ra fun­ci­o­nar e le­van­ta a ne­ces­si­da­de de os agen­tes se fi­nan­ci­a­rem”, afir­ma Je­an Mar­cel Ara­kawa, só­cio do Mat­tos Fi­lho. “Tem uma re­to­ma­da dos em­pre­sá­ri­os em se pre­pa­rar pa­ra uma aber­tu­ra de ca­pi­tal. Es­sas con­sul­tas au­men­ta­ram já um dia após o re­sul­ta­do das elei­ções.” Se­gun­do ele, a ten­dên­cia é que as ope­ra­ções es­te­jam fo­ca­das a le­van­tar re­cur­sos pa­ra am­pli­a­ção de in­ves­ti­men­tos.

No se­tor de tu­ris­mo, o fim das in­cer­te­zas elei­to­rais co­me­ça a des­tra­var as re­ser­vas pa­ra o fi­nal de ano. No seg­men­to de lu­xo, a pre­vi­são é de um cres­ci­men­to de 10% pa­ra o pe­río­do – em 2017, as ven­das fi­ca­ram es­tag­na­das. “As

coi­sas es­tão re­to­man­do ao ru­mo nor­mal”, afir­ma Al­ber­to Ces­tro­ne, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­sorts. Na ava­li­a­ção de Ces­tro­ne, o prog­nós­ti­co po­si­ti­vo pa­ra o pró­xi­mo ano de­ve le­var os em­pre­en­di­men­tos a efe­ti­var um mai­or nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os tem­po­rá­ri­os e si­na­li­za uma tem­po­ra­da de pla­nos de ex­pan­são e mo­der­ni­za­ção. “Exis­te uma con­fi­an­ça da re­to­ma­da de in­ves­ti­men­tos pa­ra o al­to pa­drão.” Além do apor­te de R$ 1 bi­lhão anun­ci­a­do pe­lo gru­po Rio Quen­te ( leia mais na pá­gi­na 68), o exe­cu­ti­vo acre­di­ta na mo­vi­men­ta­ção de mais com­pa­nhi­as do se­tor.

MON­TA­DO­RAS Em­ba­la­dos pe­lo de­sem­pe­nho do mer­ca­do do­més­ti­co, os exe­cu­ti­vos do se­tor au­to­mo­ti­vo se po­si­ci­o­nam pa­ra um pe­río­do po­si­ti­vo. “O cres­ci­men­to do mer­ca­do vai ser aju­da­do pe­lo no­vo go­ver­no”, afir­ma Edu­ar­do Jin, pre­si­den­te da Hyun­dai. “Is­so vai per­mi­tir ter­mos mais con­fi­a­bi­li­da­de pa­ra in­ves­tir.” Além da ex­pec­ta­ti­va quan­to à apro­va­ção das re­for­mas, o se­tor res­pon­de à apro­va­ção do no­vo mar­co re­gu­la­tó­rio, o pro­gra­ma Ro­ta 2030, com as di­re­tri­zes tri­bu­tá­ri­as, de tec­no­lo­gia e se­gu­ran­ça que ori­en­ta­rão as de­ci­sões dos pró­xi­mos anos. A BMW anun­ci­ou um in­ves­ti­men­to de R$ 125 mi­lhões pa­ra pro­du­zir no­vos mo­de­los na fá­bri­ca de Ara­qua­ri, em San­ta Ca­ta­ri­na.

O gru­po HPE, res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção na­ci­o­nal de mo­de­los da Mit­subshi, con­fir­mou apor­tes de R$ 300 mi­lhões pa­ra a pro­du­ção de no­vos car­ros na uni­da­de de Ca­ta­lão, em Goiás.

A vi­são é po­si­ti­va en­tre a mai­o­ria das mon­ta­do­ras. Al­gu­mas, po­rém, si­na­li­zam um pou­co mais de cau­te­la so­bre o vo­lu­me e o mo­men­to cor­re­to de am­pli­ar in­ves­ti­men­tos. “O no­vo go­ver­no re­a­fir­ma uma re­to­ma­da que já es­pe­ra­mos que vá con­ti­nu­ar em 2019”, afir­ma Mar­co Sil­va, pre­si­den­te da Nis­san. A com­pa­nhia pre­vê um avan­ço nas ven­das de veí­cu­los até 10% no pró­xi­mo ano. “Va­mos es­pe­rar os três me­ses do no­vo go­ver­no pa­ra sa­ber qual vai ser o ní­vel de cres­ci­men­to e po­de­re­mos fa­zer um anún­cio gran­de pa­ra o Bra­sil.” Se­gun­do ele, um au­men­to de ca­pa­ci­da­de no País já es­tá sen­do ava­li­a­do com a ma­triz no Ja­pão. A em­pre­sa es­tá pres­tes a ini­ci­ar o ter­cei­ro tur­no de pro­du­ção na fá­bri­ca de Re­sen­de (RJ). A Toyo­ta anun­ci­ou no fi­nal de se­tem­bro um in­ves­ti­men­to de R$ 1 bi­lhão na uni­da­de de In­dai­a­tu­ba e abriu o ter­cei­ro tur­no na li­nha de pro­du­ção de Por­to Fe­liz (SP). “A apro­va­ção do Ro­ta 2030 vai dar pre­vi­si­bi­li­da­de e po­de­re­mos ter mais in­ves­ti­men­tos.” O pro­gra­ma foi apro­va­do no Con­gres­so na quar­ta-fei­ra 7 ( leia mais na pág. 42).

No pla­no con­cre­to, o que em­ba­sa o sen­ti­men­to mais oti­mis­ta é o am­bi­en­te ma­cro­e­conô­mi­co sau­dá­vel, com in­fla­ção con­tro­la­da (o IP­CA de ou­tu­bro fe­chou em 4,56% no acu­mu­la­do em 12 me­ses) a bai­xa ta­xa de ju­ros e a re­to­ma­da – ain­da que tí­mi­da – do cré­di­to e do con­su­mo. Na con­fi­an­ça, o ho­ri­zon­te é de mais lon­go pra­zo e mi­ra a apro­va­ção de re­for­mas, o que pa­ra mui­tos re­ser­va uma boa do­se de ris­cos ( leia mais na

Com o pla­no econô­mi­co do no­vo go­ver­no, es­pe­ra­mos fa­tu­rar R$ 500 mi­lhões em 2019” SA­Lé­ZIO JO­Sé MAR­TINS PRE­SI­DEN­TE DO GRU­PO KYLY

pág. 31). “O oti­mis­mo do mer­ca­do se ba­seia na per­cep­ção de que o pre­si­den­te fa­rá as re­for­mas, e de que o ul­tra­li­be­ral Pau­lo Gu­e­des vai pri­va­ti­zar es­ta­tais e re­for­mar o Es­ta­do”, diz Maíl­son da Nó­bre­ga, ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da ( leia a en­tre­vis­ta ao la­do). “Se is­so ocor­rer, o oti­mis­mo con­ti­nua. Ca­so con­trá­rio, en­tra­re­mos em um pro­ces­so de de­te­ri­o­ra­ção das ex­pec­ta­ti­vas.”

En­tre em­pre­sá­ri­os e eco­no­mis­tas, há ain­da pre­o­cu­pa­ções de ou­tras na­tu­re­zas, des­de a fu­são de mi­nis­té­ri­os até a pro­pos­ta de aber­tu­ra de mer­ca­do es­bo­ça­da no pla­no de Gu­e­des. De­cla­ra­ções de­sen­con­tra­das en­tre a equi­pe de Bol­so­na­ro, so­ma­das à re­sis­tên­ci­as do Con­gres­so, ge­ram in­cer­tas so­bre a di­re­ção da pau­ta. “Co­mo es­tão ba­ten­do mui­ta ca­be­ça, é pre­ci­so es­pe­rar um pou­co es­se ce­ná­rio pa­ra as coi­sas co­me­ça­rem a apa­re­cer”, afir­ma Fer­nan­do Pi­men­tel, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria Têx­til (Abit). Nes­se se­tor, a re­to­ma­da do con­su­mo po­de­rá ser ini­ci­al­men­te su­pri­da pe­lo par­que fa­bril que ain­da es­tá oci­o­so. Num le­van­ta­men­to re­cen­te da Abit, ape­nas 8% dos em­pre­sá­ri­os afir­ma­ram ter in­ten­ção de fa­zer no­vos in­ves­ti­men­tos. En­tre os fa­bri­can­tes de cal­ça­dos, a ca­pa­ci­da­de oci­o­sa es­tá pró­xi­mo de 30%. “A nos­sa ex­pec­ta­ti­va é que o go­ver­no atue nas re­for­mas com o pro­pó­si­to de di­mi­nuir o cus­to Bra­sil”, afir­ma Hei­tor Klein, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Cal­ça­dos (Abi­cal­ça­dos). “O se­tor es­tá mais oti­mis­ta por­que os anún­ci­os que es­tão sen­do fei­tos vão na di­re­ção cer­ta. Po­rém, o di­a­bo mo­ra nos de­ta­lhes.” Não só na for­ma, mas so­bre­tu­do na ma­nei­ra co­mo eles se trans­for­ma­rão em ini­ci­a­ti­vas con­cre­tas.

AQUE­CEN­DO OS MO­TO­RES: O gru­po HPE, res­pon­sá­vel pe­la fa­bri­ca­ção da mar­ca Mit­su­bishi no Bra­sil, anun­ci­ou in­ves­ti­men­tos de R$ 300 mi­lhões pa­ra a pro­du­ção de no­vos mo­de­los em Ca­ta­lão (GO)

APOS­TA RE­NO­VA­DA: O pre­si­den­te do gru­po Eco­vil­le, Le­o­nar­do Cas­te­lo (dir.), ao la­do do ir­mão, Le­an­dro, na fá­bri­ca da com­pa­nhia. Em­pre­sa in­ves­ti­rá no de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos

SEM FO­CO: Em vez de con­se­guir apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, Con­gres­so am­plia gas­tos e ele­va o de­sa­fio fis­cal da pró­xi­ma ges­tão. Na fo­to de ter­ça-fei­ra 6, Ro­dri­go Maia cap­tu­ra ima­gem de Bol­so­na­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.