EN­TRE­VIS­TA:

Uma das pai­xões do ca­ri­o­ca Pau­lo Cor­rea, 53 anos, é pra­ti­car ki­te­surf. Três ve­zes ao ano, ele cos­tu­ma tro­car a ro­ti­na do dia a dia à fren­te da operação bra­si­lei­ra da C&A pe­la be­le­za na­tu­ral da Praia do Preá, no li­to­ral ce­a­ren­se. Há ou­tra ro­ti­na da qual el

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Por Fe­li­pe MEN­DES

“Nos­so pa­pel é li­de­rar e in­flu­en­ci­ar o mer­ca­do de mo­da pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de”, afir­ma Pau­lo Cor­rea, CEO da C&A Bra­sil...

Cor­rea se reú­ne to­dos os me­ses com co­mi­tês de ex-cli­en­tes da C&A. “São pes­so­as que dei­xa­ram de ir às lo­jas e nós que­re­mos en­ten­der os mo­ti­vos”, afir­ma ele. “Nós as le­va­mos pa­ra co­nhe­cer os no­vos pa­drões de lo­jas e ou­vi­mos o que elas pen­sam. O que não é bem acei­to, nós tra­ba­lha­mos me­lhor”, dis­se Cor­rea à DI­NHEI­RO du­ran­te o even­to Fashi­on Fe­a­tu­res, pro­mo­vi­do pe­la em­pre­sa em 23 de novembro, pa­ra dis­cu­tir o fu­tu­ro da mo­da por meio de ações sus­ten­tá­veis. Com 14 anos de casa, Pau­lo Cor­rea as­su­miu a operação da C&A no Bra­sil em 2015, au­ge da re­ces­são econô­mi­ca. Ho­je o mer­ca­do dá pe­que­nos si­nais de me­lho­ra. A re­cei­ta do va­re­jo de ves-

tuá­rio de­ve­rá cres­cer 2,7% es­te ano, al­can­çan­do R$ 226,4 bi­lhões, se­gun­do da­dos da IEMI — In­te­li­gên­cia de Mer­ca­do. Em 2017, o avan­ço foi de 9%. Com 279 uni­da­des e 15 mil fun­ci­o­ná­ri­os no País, a em­pre­sa gui­a­da por Cor­rea li­de­ra trans­for­ma­ções a fa­vor de uma pro­du­ção mais sus­ten­tá­vel, tor­nan­do-se exem­plo nu­ma in­dús­tria que é cons­tan­te­men­te acu­sa­da de não res­pei­tar pre­cei­tos bá­si­cos dos di­rei­tos hu­ma­nos.

DI­NHEI­RO – Qual é im­por­tân­cia da in­dús­tria da mo­da ho­je no Bra­sil e no mun­do?

PAU­LO COR­REA – A mo­da é a for­ma co­mo vo­cê se ex­pres­sa pa­ra o mun­do. Quan­do vo­cê re­sol­ve co­lo­car uma rou­pa, qual­quer uma, exis­te um pro­ces­so cons­ci­en­te ou não pa­ra a es­co­lha. Is­so vai de­mons­trar, de al­gu­ma for­ma, o seu hu­mor ou a sua ex­pec­ta­ti­va. No iní­cio do sé­cu­lo 20, a mo­da era fe­cha­da em um nú­me­ro re­du­zi­do de ca­sas que di­ta­vam a ten­dên­cia. E du­ran­te mui­tas dé­ca­das es­se mo­de­lo pre­va­le­ceu, de­fi­nin­do se as pes­so­as per­ten­ci­am ou não à mo­da. A evo­lu­ção é o que nós es­ta­mos fa­zen­do ho­je em dia. A sua ex­pres­são tem a ver com a sua for­ma de ser, com aqui­lo que vo­cê acre­di­ta e gos­ta. Ago­ra as re­des so­ci­ais pos­si­bi­li­tam que a ten­dên­cia ve­nha de tu­do quan­to é lu­gar. Ho­je, de fa­to, dá pa­ra to­dos se in­for­ma­rem so­bre o que acon­te­ce em qual­quer par­te no mun­do. Es­sa é a be­le­za da história, por­que tem a ver com aqui­lo que nós sem­pre acre­di­ta­mos que é a in­clu­são pa­ra to­dos, sem pre­con­cei­to e sem ró­tu­los.

DI­NHEI­RO – O mer­ca­do de ves­tuá­rio ain­da é mui­to pul­ve­ri­za­do no Bra­sil. Qual é o de­sa­fio pa­ra as gran­des em­pre­sas do seg­men­to?

COR­REA – O mer­ca­do de ves­tuá­rio é pul­ve­ri­za­do no Bra­sil des­de sem­pre. Ga­nha­mos par­ti­ci­pa­ção ao lon­go des­ses úl­ti­mos anos, mas, mes­mo as­sim, o ní­vel de in­for­ma­li­da­de ain­da é a pi­or par­te. É al­tís­si­mo. Eu cos­tu­mo en­xer­gar o co­po meio cheio e meio va­zio. Por um la­do, exis­te es­sa con­cor­rên­cia des­le­al que não aju­da nin­guém, mas por ou­tro la­do is­so ge­ra uma opor­tu­ni­da­de de cres­ci­men­to enor­me. Exis­tem mui­tas em­pre­sas de mui­tos for­ma­tos di­fe­ren­tes. Es­sa pul­ve­ri­za­ção dá uma pos­si­bi­li­da­de de cres­ci­men­to gran­de pa­ra to­dos. COR­REA – Nós es­ta­mos tra­ba­lhan­do nis­so há mais de dez anos. No fi­nal da história, ou vo­cê le­va a sé­rio o as­sun­to ou não o le­va a sé­rio. Ho­nes­ta­men­te, acho que es­se é o pon­to. Na C&A, nós te­mos uma pla­ta­for­ma glo­bal de sus­ten­ta­bi­li­da­de. Um dos ele­men­tos é a re­de de fornecimento que co­me­ça com a ava­li­a­ção de for­ne­ce­dor. “Es­se ca­ra po­de ser for­ne­ce­dor da C&A? Bom, va­mos lá ver as con­di­ções...” Nós vi­si­ta­mos uma a uma as ofi­ci­nas com as quais ele tra­ba­lha. De­pois dis­so, pas­sa­mos pa­ra a fa­se do con­tra­to. Fa­la­mos cla­ra­men­te co­mo é que tem que ser es­se for­ne­ci- men­to, por­que em de­ter­mi­na­das dis­cus­sões não tem ne­go­ci­a­ção. Tra­ba­lhos aná­lo­gos à es­cra­vi­dão, por exem­plo, não têm dis­cus­são.

DI­NHEI­RO – Re­cen­te­men­te a M. Of­fi­cer re­ce­beu uma con­den­ção por tra­ba­lho aná­lo­go à es­cra­vi­dão. Já hou­ve ad­ver­tên­ci­as, en­tre mais le­ves e mais gre­ves, à Ren­ner, Per­nam­bu­ca­nas, Ma­ri­sa e Za­ra. Co­mo o mer­ca­do po­de atu­ar pa­ra que si­tu­a­ções as­sim não ocor­ram?

COR­REA – Nós en­ten­de­mos que, pe­lo nos­so ta­ma­nho, te­mos o pa­pel de in­flu­en­ci­ar o mer­ca­do nes­se sen­ti­do. Is­so é le­va­do mui­to a sé­rio. Nós já per­de­mos inú­me­ros for­ne­ce- do­res que fa­zem pro­du­tos in­te­res­san­tes, bo­ni­tos e com­pe­ti­ti­vos, mas que não cum­prem con­di­ções mí­ni­mas que es­ta­be­le­ce­mos.

DI­NHEI­RO – A C&A atua com os for­ne­ce­do­res pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to dos pro­du­tos?

COR­REA – Sim. De­pois que co­me­ça es­se pro­ces­so, nós es­ta­mos jun­tos com es­se for­ne­ce­dor, com con­sul­to­res e au­di­to­res, em to­das as ofi­ci­nas que ele ope­ra. Nós es­ta­mos jun­tos com ele o tem­po in­tei­ro. Não exis­te a hi­pó­te­se de dei­xar de vi­si­tar pe­ri­o­di­ca­men­te o for­ne­ce­dor. Se, por aca­so, ele de­sen­vol­ver uma ofi­ci­na no­va, is­so tem que ser fa­la­do, por­que es­tá tu­do re­gis­tra­do em con­tra­to. É um tra­ba­lho em con­jun­to, cu­jas re­gras são mui­to cla­ras. Ho­je, nós te­mos mais de 200 for­ne­ce­do­res. A nos­sa lis­ta es­tá dis­po­ní­vel no si­te, pa­ra to­dos que qui­se­rem sa­ber de on­de vem os nos­sos pro­du­tos. An­ti­ga­men­te, is­so era um se­gre­do es­tra­té­gi­co.

“Nós já per­de­mos inú­me­ros for­ne­ce­do­res que fa­zem pro­du­tos in­te­res­san­tes, bo­ni­tos e com­pe­ti­ti­vos, mas que não cum­prem con­di­ções mí­ni­mas”

DI­NHEI­RO – O dó­lar dis­pa­rou es­te ano. Is­so che­gou a afe­tar a operação da C&A no Bra­sil?

COR­REA – Afe­tou pou­co, por­que a mai­o­ria dos nos­sos pro­du­tos é fei­ta aqui no País. Ape­nas um con­jun­to me­nor é im­por­ta­do. Além dis­so, nós sa­bía­mos que exis­ti­ria, por con­ta das elei­ções, al­gu­ma flu­tu­a­ção cam­bi­al. En­tão fi­ze­mos al­guns con­tra­tos de hed­ge, que pre­ser­va­ram o va­lor do dó­lar ao lon­go des­te ano. O im­pac­to dis­so na nos­sa operação foi re­al­men­te mui­to pe­que­no.

DI­NHEI­RO – Al­gu­mas em­pre­sas do mer­ca­do de mo­da es­tão tra­ba­lhan­do sem caixa e sem es­to­que nas lo­jas. É um mo­de­lo que já vem sen­do uti­li­za­do nos Es­ta­dos Uni­dos e em re­des bra­si­lei­ras. A C&A já de­sen­vol­ve uma for­ma de pa­ga­men­to nos pró­pri­os pro­va­do­res. Acre­di­ta que is­so po­de se tor­nar ten­dên­cia no País?

COR­REA – Há mui­tas coi­sas acon­te­cen­do em vá­ri­as fren­tes. Nós te­mos, em al­gu­mas de nos­sas lo­jas, a pos­si­bi­li­da­de de vo­cê pa­gar a sua com­pra di­re­ta­men­te no pro­va­dor. Não é uma tec­no­lo­gia di­fe­ren­te, é mui­to mais uma ação de con­ve­ni­ên­cia. Tam­bém co­me­ça­mos a fa­zer um ex­pe­ri­men­to, em du­as lo­jas, de pa­ga­men­to pe­lo apli­ca­ti­vo, que es­ta­mos cha­man­do de self-chec­kout. Por es­se mé­to­do, o cli­en-

te po­de es­ca­ne­ar as eti­que­tas pe­lo nos­so apli­ca­ti­vo e apro­vei­tar um caixa es­pe­ci­al nas lo­jas, que ape­nas con­fe­re e ti­ra os alar­mes das pe­ças. Um ou­tro for­ma­to, que lan­ça­mos há 15 di­as na lo­ja do Le­blon, no Rio de Ja­nei­ro, é o de uma co­le­ção que cha­ma­mos de “mind­se7”. Tra­ba­lha­mos com ape­nas uma pe­ça de ca­da ta­ma­nho em ca­da co­le­ção. A pes­soa ex­pe­ri­men­ta e, ca­so gos­te, po­de fa­zer a com­pra pe­lo pró­prio apli­ca­ti­vo ou por meio de um iPad dis­po­ní­vel na lo­ja. Ela con­cre­ti­za a com­pra e re­ce­ber o pro­du­to em casa. COR­REA – O de­sa­fio é con­se­guir olhar pa­ra o cur­to pra­zo e en­ten­der que ele é o seu pas­sa­por­te pa­ra o lon­go pra­zo. Ou se­ja, não exis­te lon­go pra­zo se vo­cê não con­se­guir pas­sar pe­lo cur­to pra­zo de ma­nei­ra sus­ten­tá­vel. Nós ti­ve­mos que to­mar de­ci­sões di­fí­ceis. No fun­do, que­ría­mos ma­xi­mi­zar tu­do, mas em mo­men­tos co­mo es­se é pre­ci­so fa­zer es­co­lhas. Mas to­ma­mos to­das as de­ci­sões di­fí­ceis que pre­ci­sa­vam ser to­ma­das e, ao mes­mo tem­po, ini­ci­a­mos uma sé­rie de ini­ci­a­ti­vas de sus­ten­ta­bi­li­da­de, cons­tru­ção de co­le­ção, mo­de­lo de lo­ja, ex­pe­ri­ên­cia no pon­to de ven­da...

DI­NHEI­RO – Qual es­co­lha vo­cê di­ria que foi a mais di­fí­cil?

COR­REA – A re­du­ção dos ní­veis de es­to­ques da com­pa­nhia. Fo­ca­mos na­qui­lo que era re­le­van­te pa­ra o cli­en­te. Quan­do vo­cê es­tá pas­san­do por um mo­men­to des­ses, é ne­ces­sá­rio tra­ba­lhar com um ní­vel de es­to­que me­nor em de­ter­mi­na­das lo­jas.

DI­NHEI­RO – En­tão po­de­mos di­zer que a re­ces­são tam­bém im­pac­tou os re­sul­ta­dos da C&A no Bra­sil?

COR­REA – Sim. Ela fez com que nós fe­chás­se­mos al­gu­mas lo­jas. De 2012 a 2014 hou­ve bo­om de no­vos pro­je­tos imo­bi­liá­ri­os, com shop­ping cen­ters e em­pre­en­di­men­tos, e exis­tia um ce­ná­rio que in­di­ca­va a con­ti­nu­a­ção do cres­ci­men­to. À me­di­da que is­so não acon­te­ceu, ti­ve­mos a ne­ces­si­da­de de re­vi­sar­mos a nos­sa par­ti­ci­pa­ção nes­ses pro­je­tos. Ao mes­mo tem­po, co­me­ça­mos a olhar pa­ra os pro­je­tos que já tí­nha­mos pa­ra ver o que po­día­mos ajus­tar pa­ra fa­zer es­sas lo­jas fun­ci­o­na­rem de for­ma mais efi­ci­en­te. Is­so foi mui­to im­por­tan­te na­que­le mo­men­to.

DI­NHEI­RO – A mo­da é aces­sí­vel a to­dos os pú­bli­cos ho­je em dia?

COR­REA – Eu acre­di­to que exis­te so­lu­ção na mo­da pa­ra to­do mun­do. Mas as so­lu­ções são di­fe­ren­tes. Com o cres­ci­men­to da clas­se C, mui­tos fo­ram in­cluí­dos eco­no­mi­ca­men­te nes­se mer­ca­do. O de­se­jo do bra­si­lei­ro por mo­da é al­to. As pes­so­as aqui cur­tem se cui­dar. Não é à toa que um dos mai­o­res mer­ca­dos no País é o de be­le­za. O bra­si­lei­ro é pre­o­cu­pa­do com a sua ima­gem, com o seu jei­to, gos­ta de mais co­res e mais ale­gria. É mais in­for­mal, mais ale­gre e mais pa­ra ci­ma do que, por exem­plo, pes­so­as que vi­vem em ou­tros gran­des centros na Amé­ri­ca do Nor­te e na Eu­ro­pa.

DI­NHEI­RO – A C&A e a Ren­ner es­tão in­ves­tin­do em co­le­ções sus­ten­tá­veis. Exis­te de­man­da do con­su­mi­dor pa­ra es­sa pro­du­ção no Bra­sil?

COR­REA – É co­mo a ado­ção de uma no­va tec­no­lo­gia: a pri­mei­ra cur­va às ve­zes pa­re­ce len­ta, mas ela é cla­ra­men­te uma cur­va cres­cen­te. Fa­ço vá­ri­as reu­niões com cli­en­tes e per­gun­to se es­sas ações são im­por­tan­tes. E sem­pre al­guém fa­la que es­se ti­po de in­ves­ti­men­to é es­sen­ci­al. A be­le­za das re­des so­ci­ais e da re­vo­lu­ção di­gi­tal é que to­do ti­po de ado­ção po­de ser ex­po­nen­ci­al. Um país que tem um ní­vel al­to de cons­ci­ên­cia com re­la­ção a es­ses pro­du­tos é a Ale­ma­nha. Mas eu ve­jo que nós es­ta­mos pro­gre­din­do ra­pi­da­men­te aqui no Bra­sil. O con­su­mi­dor tem um pa­pel cha­ve nes­sa trans­for­ma­ção, pois é ele que es­tá no con­tro­le, ele é quem man­da.

DI­NHEI­RO – E qual o pa­pel das em­pre­sas?

Te­mos que pro­por, ino­var e, de al­gum jei­to, edu­car tam­bém. Es­ta­mos or­ga­ni­zan­do even­tos so­bre a im­por­tân­cia da eco­no­mia cir­cu­lar, com par­ti­ci­pa­ção de es­tu­dan­tes de mo­da e ati­vis­tas. E is­so é um pro­ces­so con­tí­nuo. Quan­to mais as em­pre­sas en­tra­rem nes­se ca­mi­nho, mas rá­pi­do es­sa ado­ção irá acon­te­cer, por­que co­me­ça a ter ofer­ta, de­man­da e a es­tru­tu­rar ca­dei­as, co­mo for­ne­ce­do­res e agri­cul­to­res com um ní­vel de cons­ci­ên­cia ca­da vez mai­or pa­ra is­so. Nós te­mos um com­pro­mis­so glo­bal de ter 100% do nos­so al­go­dão mais sus­ten­tá­vel em 2020. Ho­je, es­ta­mos com 55%.

“O de­se­jo do bra­si­lei­ro por mo­da é al­to. As pes­so­as aqui cur­tem se cui­dar. Não é à toa que um dos mai­o­res mer­ca­dos no País é o de be­le­za”

DI­NHEI­RO – Qual a im­por­tân­cia do e-com­mer­ce pa­ra o va­re­jo de mo­da? A pró­pria C&A pas­sou um lon­go tem­po fo­ra des­se ca­nal e só vol­tou ao on­li­ne em 2015...

COR­REA – Fo­mos pi­o­nei­ros 15 anos atrás. A C&A lan­çou não só o ca­nal on­li­ne co­mo tam­bém a pri­mei­ra gui­de shop no Bra­sil. Mas, na­que­le mo­men­to, aqui­lo não era tão re­le­van­te pa­ra a so­ci­e­da­de e a em­pre­sa saiu do e-com­mer­ce. Quan­do vol­tou, em ja­nei­ro de 2015, ra­pi­da­men­te es­se ca­nal se tor­nou a lo­ja nú­me­ro 1 da C&A. Na ver­da­de, não exis­te diferenças en­tre os ca­nais, o que exis­te é a con­ve­ni­ên­cia e o seu mo­men­to. O pro­ces­so de pes­qui­sa dos cli­en­tes es­tá ex­tre­ma­men­te di­gi­tal ho­je em dia. Eles pro­cu­ram os pro­du­tos na lo­ja, pa­ra ex­pe­ri­men­tar, e com­pram pe­la in­ter­net, mas o con­trá­rio tam­bém acon­te­ce. Não sa­be­mos mais on­de o pro­ces­so de com­pra co­me­ça e on­de ele ter­mi­na.

Des­de 1995, se­gun­do a ONG Re­pór­ter Bra­sil, mais de 52 mil pes­so­as fo­ram res­ga­ta­das por con­di­ções aná­lo­gas à es­cra­vi­dao na in­dús­tria da mo­da

A re­cei­ta do va­re­jo de ves­tuá­rio de­ve­rá cres­cer 2,7% es­te ano, al­can­çan­do R$ 226,4 bi­lhões, se­gun­do da­dos da IEMI — In­te­li­gên­cia de Mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.