ON­DA PRIVATIZANTE:

Os nú­me­ros apoi­am as te­ses pri­va­ti­zan­tes de Pau­lo Gu­e­des, mas o cál­cu­lo a fa­zer é mui­to mais po­lí­ti­co do que econô­mi­co

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Ga­bri­el BALDOCCHI

o que Pau­lo Gu­e­des de­ve le­var em con­ta ao ten­tar ven­der as es­ta­tais fe­de­rais...

Pe­la óti­ca es­tri­ta­men­te fi­nan­cei­ra, as em­pre­sas es­ta­tais são um pe­so pa­ra o Es­ta­do. O con­jun­to de 138 com­pa­nhi­as fe­de­rais con­so­me mais re­cur­sos do que de­vol­ve aos co­fres da União. No acu­mu­la­do dos úl­ti­mos seis anos, a di­fe­ren­ça en­tre o di­nhei­ro re­pas­sa­do pe­lo Te­sou­ro Na­ci­o­nal e o re­tor­no ge­ra­do pe­las em­pre­sas pú­bli­cas por meio de di­vi­den­dos e ou­tros ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros fi­cou ne­ga­ti­va em R$ 46,6 bi­lhões, o su­fi­ci­en­te pa­ra ban­car um ano e meio de Bol­sa Fa­mí­lia, res­pon­sá­vel por trans­fe­rir re­cur­sos a 14 mi­lhões de fa­mí­li­as de bai­xa ren­da. O de­ba­te so­bre pri­va­ti­za­ções ga­nhou for­ça no­va­men­te di­an­te da fa­lên­cia fis­cal e foi en­cam­pa­do com ên­fa­se pe­lo fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des. Co­mo li­be­ral fer­re­nho, ele pro­me­te exe­cu­tar um am­bi­ci­o­so pro­gra­ma de de­ses­ta­ti­za­ção, no qual es­ta­rá em xe­que um am­plo rol de ins­ti­tui­ções, em se­to­res tão di­ver­sos co­mo in­dús­tria e saú­de. O que faz sen­ti­do ven­der?

As com­pa­nhi­as es­ta­tais têm co­mo ob­je­ti­vo pres­tar ser­vi­ços de in­te­res­se pú­bli­co, em ati­vi­da­des que su­pos­ta­men­te não des­per­ta­ri­am a aten­ção de in­ves­ti­do­res pri­va­dos. No Bra­sil, os ca­sos re­mon­tam ao sé­cu­lo 19, com o sur­gi­men­to do Ban­co do Bra­sil e da Caixa Econô­mi­ca Fe­de­ral. O pro­ces­so foi con­ti­nu­a­do ao lon­go de to­do o sé­cu­lo se­guin­te, quan­do fo­ram cri­a­dos gi­gan­tes co­mo Pe­tro­bras, na dé­ca­da de 1950, e a In­fra­e­ro, na dé­ca­da de 1970. Pa­ra além de ide­o­lo­gi­as so­bre o pa­pel do Es­ta­do na eco­no­mia, es­pe­ci­a­lis­tas ava­li­am que o cus­to-be­ne­fí­cio de­ve ser cons­tan­te­men­te re­a­va­li­a­do, pa­ra iden­ti­fi­car se é jus­ti­fi­ca­da a ma­nu­ten­ção do con­tro­le pú­bli­co. “Pon­de­rar o im­pac­to fis­cal é mui­to im­por­tan­te, mas é igual­men­te fun­da­men­tal ana­li­sar o que ca­da es­ta­tal en­tre­ga de ser­vi­ços e se o seu gas­to é jus­ti­fi­ca­do”, afir­ma o pro­fes­sor de Es­tra­té­gia do Ins­per, Sér­gio Laz­za­ri­ni. “Em te­se, a de­ses­ta­ti­za­ção po­de con­tri­buir pa­ra o qua­dro fis­cal no ca­so de es­ta­tais que con­so­mem mui­tos re­cur­sos e en­tre­gam pou­co ou na­da de im­pac­to pú­bli­co.”

O con­jun­to das em­pre­sas es­ta­tais é dividido en­tre de­pen­den­tes do Te­sou­ro Na­ci­o­nal (18 ins­ti­tui­ções) e não de­pen­den­tes (29). So­mam-se a ou­tras 91 sub­si­diá­ri­as. A re­la­ção pró­xi­ma com os co­fres BAR­RA­DA NO CON­GRES­SO: pro­ces­so de privatiza­ção da Ele­tro­bras en­fren­tou re­sis­tên­cia de par­la­men­ta­res. Ven­da se­rá re­to­ma­da por Bol­so­na­ro pú­bli­cos co­lo­ca o pri­mei­ro gru­po na mi­ra da equi­pe Gu­e­des. Há no­mes po­ten­ci­ais pa­ra even­tu­al ven­da co­mo a Va­lec, da área fer­ro­viá­ria, que amar­gou um pre­juí­zo de R$ 947 mi­lhões em 2017 e acu­mu­la mais de R$ 10 bi­lhões em re­cur­sos re­ce­bi­dos da União nos úl­ti­mos seis anos. No mes­mo seg­men­to há a Em­pre­sa de Pla­ne­ja­men­to Lo­gís­ti­co (EPL), cri­a­da ori­gi­nal­men­te pa­ra im­ple­men­tar o trem­ba­la, tam­bém de­fi­ci­tá­ria, e que re­ce­beu mais de R$ 300 mi­lhões em sub­ven­ções e au­men­tos de ca­pi­tal de 2012 a 2017, se­gun­do da­dos do Te­sou­ro Na­ci­o­nal.

A lis­ta tam­bém traz exem­plos de ca­sos em que a privatiza­ção pa­re­ce não ser jus­ti­fi­ca­da, co­mo o da Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria (Em­bra­pa). A es­ta­tal tem um dos mai­o­res graus de de­pen­dên­cia dos re­cur­sos pú­bli­cos (99%) e ex­pres­sa a fra­gi­li­da­de fi­nan­cei­ra em nú­me­ros – o pa­trimô­nio lí­qui­do es­tá ne­ga­ti­vo em qua­se R$ 2 bi­lhões. Em seis anos, o go­ver­no fe­de­ral re­pas­sou qua­se R$ 16 bi­lhões em re­cur­sos pa­ra a com­pa­nhia, mas o pa­pel da es­ta­tal é con­si­de­ra­do fun­da­men­tal no avan­ço da pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la no Bra­sil. Pa­ra al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, ca­sos co­mo es­se po­de­ri­am ser re­sol­vi­dos com uma re­vi­são de na­tu­re­za ju­rí­di­ca. “Em vez de em­pre­sa, po­de­ria ser um ins­ti­tu­to”, afir­ma o economista Mar­cel Ba­las­si­a­no, da FGV/Ibre. “Não en­tra­ria na con­ta do dé­fi­cit das es­ta­tais.”

O pro­gra­ma de go­ver­no do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) de­di­ca um ca­pí­tu­lo pa­ra as es­ta­tais e dá ên­fa­se ao con­jun­to das de­pen­den­tes, ci­tan­do a Va­lec, a EPL e a Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Abas­te­ci­men­to (Co­nab). “O gas­to é al­tís­si­mo e cres­cen­te e o re­tor­no não é van­ta­jo­so”, de­fen­de o do­cu­men­to. Além de ven­da pa­ra ini­ci­a­ti­va pri­va­da, tam­bém se co­gi­ta a ex­tin­ção de al­gu­mas em­pre­sas. Os re­cur­sos ar­re­ca­da­dos com as pri­va­ti­za­ções de­vem ser usa­dos pa­ra o aba­ti­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca. Gu­e­des che­gou a de­cla­rar que pre­ten­de le­van­tar R$ 1 tri­lhão com o pro­ces­so de ven­da de ati­vos – in­cluin­do imó­veis. No pro­gra­ma de go­ver­no há ain­da uma es­ti­ma­ti­va de aba­ter 20% da dí­vi­da pú­bli­ca com es­ses re­cur­sos. Os nú­me­ros, po­rém, são con­si­de­ra­dos su­pe­res­ti­ma­dos pe­la mai­o­ria dos es­pe­ci­a­lis­tas. “O po­si­ti­vo é que ele en­trou no de­ba­te”, afir­ma Ba­las­si­a­no. “O Bol­so­na­ro não foi elei­to por cau­sa dis­so, mas pe­la pri­mei­ra vez o Bra­sil po­de ter

um pro­je­to li­be­ral com um de­ba­te que es­tá acon­te­cen­do.”

Pa­ra co­man­dar o pro­gra­ma de ven­da das em­pre­sas pú­bli­cas, Gu­e­des es­ca­lou o em­pre­sá­rio Sa­lim Mat­tar, fun­da­dor da Lo­ca­li­za. À fren­te da Se­cre­ta­ria de Pri­va­ti­za­ções, o exe­cu­ti­vo te­rá co­mo de­sa­fio ini­ci­al fi­na­li­zar a ven­da do con­tro­le da Ele­tro­bras, ini­ci­a­da no go­ver­no Mi­chel Te­mer. O pro­ces­so da gigante ener­gé­ti­ca mos­tra que os pro­ble­mas fi­nan­cei­ros não es­tão res­tri­tos ao gru­po das es­ta­tais de­pen­den­tes do Te­sou­ro. A com­pa­nhia en­cer­rou o ano com um pre­juí­zo de R$ 1,7 bi­lhão e en­glo­ba as qua­tro sub­si­diá­ri­as com os mai­o­res pa­trimô­ni­os lí­qui­dos ne­ga­ti­vos, um si­nal de in­vi­a­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra do ne­gó­cio.

O ca­so Ele­tro­bras mos­tra o ta­ma­nho do de­sa­fio que se­rá en­fren­tan­do pa­ra con­ven­cer a po­pu­la­ção e os par­la­men­ta­res da re­al ne­ces­si­da­de de privatiza­ção. Num le­van­ta­men­to do fi­nal de 2017, 70% dos en­tre­vis­ta­dos pe­lo Da­ta­fo­lha se de­cla­ra­ram con­tra a ven­da de com­pa­nhi­as pú­bli­cas. Num es­for­ço pa­ra qua­li­fi­car me­lhor es­sa ava­li­a­ção, uma pes­qui­sa da

Ip­sos mos­trou que a apro­va­ção fi­ca ain­da mais bai­xa se a privatiza­ção es­ti­ver atre­la­da ao aba­ti­men­to de dí­vi­da pú­bli­ca – so­men­te 14,9% se dis­se­ram fa­vo­rá­veis, an­te 17,3% de for­ma ge­ral no le­van­ta­men­to ge­ral da Ip­sos. O per­cen­tu­al fa­vo­rá­vel au­men­ta quan­do éco­lo­ca­da a hi­pó­te­se de que a em­pre­sa se­ja re­pas­sa­da à ini­ci­a­ti­va pri­va­da, mas com um pro­ces­so que in­clua apri­mo­ra­men­tos re­gu­la­tó­ri­os pa­ra evi­tar pre­ços ex­ces­si­vos e ga­ran­tir a qua­li­da­de de ser­vi­ços. Nes­sa si­tu­a­ção, a apro­va­ção alcança 27,6% - ain­da as­sim um ní­vel de­sa­fi­a­dor. “O novo go­ver­no tem de pen­sar nas ba­ta­lhas que têm pe­la fren­te”, afir­ma Laz­za­ri­ni, do Ins­per. “Eu não en­tra­ria nu­ma bri­ga pa­ra pri­va­ti­zar ma­ci­ça­men­te em con­jun­to com uma ba­ta­lha que é a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.”

Pa­ra Laz­za­ri­ni, é pre­ci­so qua­li­fi­car o de­ba­te a par­tir da efi­ci­ên­cia do gas­to pú­bli­co e não do ca­rá­ter ide­o­ló­gi­co. Num exer­cí­cio que fez so­bre uma po­ten­ci­al privatiza­ção da Caixa Econô­mi­ca Fe­de­ral, em con­jun­to com os eco­no­mis­tas Mar­cos Lis­boa e Kle­nio Barbosa, o pro­fes­sor do Ins­per con­cluiu que em­bo­ra os cus­tos de con­tro­le es­ta­tal pa­re­çam su­pe­rar os pos­sí­veis be­ne­fí­ci­os, há ne­ces­si­da­de de apri­mo­ra­men­tos re­gu­la­tó­ri­os pa­ra ga­ran­tir a pres­ta­ção efi­ci­en­te de ser­vi­ços de in­te­res­se pú­bli­co, co­mo a ges­tão de pro­gra­mas so­ci­ais, por meio, por exem­plo, do mo­ni­to­ra­men­to de in­di­ca­do­res ope­ra­ci­o­nais dos re­pas­ses. Bol­so­na­ro já deu si­nais de que di­fi­cil­men­te irá pri­va­ti­zar a Caixa por com­ple­to. A com­pa­nhia es­tá in­cluí­da num res­tri­to gru­po de es­ta­tais con­si­de­ra­das es­tra­té­gi­cas, en­tre as quais tam­bém fi­gu­ram a Pe­tro­bras e o Ban­co do Bra­sil. Ain­da as­sim, os pre­si­den­tes no­me­a­dos por Gu­e­des pa­ra co­man­dar es­sas ins­ti­tui­ções te­rão a mis­são de iden­ti­fi­car fa­ti­as de ne­gó­ci­os que pos­sam ser ven­di­das. Eles se­rão a ex­ten­são do pen­sa­men­to li­be­ral do gu­ru econô­mi­co de Bol­so­na­ro.

SA­LIM MAT­TAR, FUN­DA­DOR DA LO­CA­LI­ZA, COMANDARá AS PRI­VA­TI­ZA­çõES. GO­VER­NO QUER LE­VAN­TAR R$ 1 TRI­LHãO

PRIVATIZA­çãO FATIADA: Pe­tro­bras es­tá no gru­po de com­pa­nhi­as con­si­de­ra­das es­tra­té­gi­cas. Ven­das de­vem se con­ce­trar em ati­vos iso­la­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.