NO­VA CAR­TI­LHA:

Sem aban­do­nar os in­ves­ti­men­tos no en­si­no su­pe­ri­or, o gru­po de edu­ca­ção co­me­ça a in­te­grar a operação da So­mos e quer di­tar a ges­tão de es­co­las em to­do o País

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Mo­a­cir DRSKA

sem aban­do­nar os in­ves­ti­men­tos no en­si­no su­pe­ri­or, Kro­ton co­me­ça a in­te­grar a operação da So­mos e quer as­su­mir a ges­tão de es­co­las...

Fun­da­da em 1966, em Be­lo Ho­ri­zon­te, a par­tir do cur­so de pré-ves­ti­bu­lar Pi­tá­go­ras, a Kro­ton co­me­çou a es­cre­ver seu no­me no mer­ca­do bra­si­lei­ro de edu­ca­ção com co­lé­gi­os pró­pri­os e os sis­te­mas de en­si­no ado­ta­dos por uma re­de de es­co­las par­cei­ras. No iní­cio dos anos 2000, veio a gui­na­da pa­ra o en­si­no su­pe­ri­or. Com uma car­ti­lha de aqui­si­ções, a com­pa­nhia se tor­nou o mai­or gru­po edu­ca­ci­o­nal do mun­do. De­pois de fa­zer sua li­ção de casa e in­te­grar uma sé­rie de ins­ti­tui­ções, a em­pre­sa vol­tou às su­as ori­gens nes­te ano. Em abril, cri­ou a Sa­ber, hol­ding que reú­ne seus ne­gó­ci­os de edu­ca­ção bá­si­ca, e de­sem­bol­sou R$ 4,6 bi­lhões pa­ra ar­re­ma­tar a So­mos Edu­ca­ção, do­na de mar­cas co­mo An­glo e Sig­ma. Es­se ape­ti­te por con­so­li­da­ção não se­rá, no en­tan­to, a úni­ca es­tra­té­gia pa­ra ga­nhar tra­ção em um seg­men­to que mo­vi­men­ta mais de R$ 100 bi­lhões por ano no Bra­sil. A Kro­ton co­me­ça a adi­ci­o­nar um novo ele­men­to nes­sa equa­ção: a ofer­ta de um pa­co­te de ser­vi­ços de ges­tão pa­ra es­co­las de to­do o País.

Ba­ti­za­do de Es­co­la Ali­a­da, o novo mo­de­lo in­clui pro­ces­sos co­mo con­tas a pa­gar e a re­ce­ber, re­cur­sos hu­ma­nos, sis­te­mas de ges­tão e de pla­ta­for­mas vir­tu­ais de apren­di­za­gem, de mar­ke­ting e de cap­ta­ção di­gi­tal. A ideia é as­su­mir to­das as ro­ti­nas ad­mi­nis­tra­ti­vas e fi­nan­cei­ras, e li­be­rar a di­re­ção dos co­lé­gi­os cli­en­tes pa­ra pen­sar úni­ca e ex­clu­si­va­men­te nas ques­tões es­sen­ci­ais ao ne­gó­cio. “O que es­ta­mos cons­truin­do tem po­ten­ci­al pa­ra ge­rar uma dis­rup­ção nes­sa in­dús­tria”, afir­ma Ro­dri­go Ga­lin­do, CEO da Kro­ton. “E es­sa pro­pos­ta não in­clui um gran­de cus­to adi­ci­o­nal, pois já te­mos es­sa es­tru­tu­ra pa­ra sus­ten­tar as nos­sas pró­pri­as ope­ra­ções”, diz o exe­cu­ti­vo, que en­xer­ga um mer­ca­do anu­al de R$ 21 bi­lhões pa­ra es­sa ofer­ta. Ele res­sal­ta que a abor­da­gem ain­da es­tá em for­ma­ta­ção e de­ve ser lan­ça­da ofi­ci­al­men­te en­tre 2019 e 2020.

Pa­ra Carlos Monteiro, pre­si­den­te da CM Con­sul­to­ria, o pla­no tem bo­as pers-

pec­ti­vas. “Es­se é um mo­de­lo co­mum em paí­ses co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, mas que ain­da é inex­plo­ra­do no Bra­sil”, afir­ma. “Ter­cei­ri­zar es­sa ca­pa­ci­da­de po­de abrir um novo cam­po mui­to ren­tá­vel.” Pa­ra res­sal­tar es­se po­ten­ci­al, ele des­ta­ca a pul­ve­ri­za­ção do mer­ca­do bra­si­lei­ro, for­ma­do, em boa par­te, por es­co­las de pe­que­no por­te e com ges­tão fa­mi­li­ar. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC), o País con­ta com 30,6 mil co­lé­gi­os par­ti­cu­la­res. Pa­ra efei­to de com­pa­ra­ção, o seg­men­to de en­si­no su­pe­ri­or abran­ge 2,4 mil ins­ti­tui­ções. Nes­sa área, a Kro­ton de­tém uma par­ti­ci­pa­ção de 14%. Já na edu­ca­ção bá­si­ca, sua fa­tia é de ape­nas 1%.

En­quan­to es­tru­tu­ra es­se novo pas­so, o gru­po tra­ba­lha em ou­tras fren­tes pa­ra im­pul­si­o­nar sua pre­sen­ça no seg­men­to. De­pois de con­cluir a aqui­si­ção da So­mos em me­a­dos de ou­tu­bro, a com­pa­nhia iden­ti­fi­cou no­vas sinergias na operação. “Quan­do mer­gu­lha­mos no ne­gó­cio, re­vi­sa­mos nos­sa pro­je­ção de ga­nhos pa­ra R$ 360 mi­lhões com a in­te­gra­ção da

So­mos”, afir­ma Má­rio Ghio, di­re­tor­pre­si­den­te de edu­ca­ção bá­si­ca da Kro­ton. Em abril, quan­do a aqui­si­ção foi anun­ci­a­da, o mon­tan­te no ra­dar era de R$ 300 mi­lhões. A pro­je­ção atu­a­li­za­da se di­vi­de as­sim: R$ 104 mi­lhões em es­co­las, R$ 90 mi­lhões da área cor­po­ra­ti­va e R$ 166 mi­lhões dos ne­gó­ci­os que en­vol­vem re­cur­sos co­mo sis­te­mas de en­si­no, ma­te­ri­al di­dá­ti­co im­pres­so e di­gi­tal, pla­ta­for­mas de apren­di­za­gem e de ava­li­a­ção, for­ma­ção de pro­fes­so­res, as­ses­so­ria pe­da­gó­gi­ca, mar­ket­pla­ce de ma­te­ri­ais es­co­la­res e tec­no­lo­gia. Nes­sa úl­ti­ma di­vi­são, o pla­no é in­te­grar os port­fó­li­os e in­ves­tir em ven­das cru­za­das pa­ra am­pli­ar a pre­sen­ça nos co­lé­gi­os cli­en­tes das du­as em­pre­sas.

O fo­co não es­tá res­tri­to à edu­ca­ção bá­si­ca. No en­si­no su­pe­ri­or, uma das es­tra­té­gi­as é avan­çar no en­si­no a dis­tân­cia, com a pos­si­bi­li­da­de de aber­tu­ra de até 950 po­los em 2019. No seg­men­to pre­sen­ci­al, a em­pre­sa vai dar mai­or pe­so à ex­pan­são dos cam­pi, com ên­fa­se nas re­giões Nor­te e

Nor­des­te, que tam­bém fo­ram al­vo de aqui­si­ções re­cen­tes. Des­de 2017, a Kro­ton in­ves­tiu no acrés­ci­mo de 65 ci­da­des ao seu ma­pa de ope­ra­ções, por meio de 71 no­vas uni­da­des. Des­se to­tal, 44 já es­tão im­plan­ta­das. As 27 res­tan­tes es­tão sen­do es­tru­tu­ra­das. A com­pa­nhia pre­vê a adi­ção de 200 mil alu­nos quan­do es­sas ope­ra­ções atin­gi­rem a ma­tu­ri­da­de. Em con­tra­par­ti­da, Ga­lin­do des­ta­ca que boa par­te des­ses centros só co­me­ça­rá a ge­rar caixa a par­tir de 2020, o que po­de pres­si­o­nar as mar­gens da operação. Pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de nes­se in­di­ca­dor, o gru­po es­tá cen­tran­do seus es­for­ços na bus­ca de efi­ci­ên­cia em fren­tes co­mo a fi­de­li­za­ção dos alu­nos. A ado­ção de re­cur­sos di­gi­tais e a for­ma­ção de ti­mes mul­ti­dis­ci­pli­na­res, fo­ca­dos em pro­je­tos de cur­ta du­ra­ção e te­mas es­pe­cí­fi­cos, são al­gu­mas das apos­tas. Uma das apli­ca­ções é o uso de da­dos so­bre a evo­lu­ção dos es­tu­dan­tes pa­ra iden­ti­fi­car mé­to­dos mais as­ser­ti­vos de trans­mis­são dos con­teú­dos e apri­mo­rar a ex­pe­ri­ên­cia do alu­no. A abor­da­gem já trou­xe re­sul­ta­dos. O ín­di­ce de eva­são, por exem­plo, foi de 12,9% no ter­cei­ro tri­mes­tre de 2018, con­tra 13,6%, um ano an­tes. “Es­ta­mos em uma on­da de trans­for­ma­ção e a tec­no­lo­gia es­tá mu­dan­do a ca­ra da nos­sa com­pa­nhia”, afir­ma Ga­lin­do. “Te­mos mui­tas se­men­tes plan­ta­das, mas ain­da há mui­tas opor­tu­ni­da­des pa­ra cap­tu­rar.”

EQUA­ÇÃO: MÁ­RIO GHIO, DI­RE­TOR-PRE­SI­DEN­TE DE EDU­CA­ÇÃO BÁ­SI­CA DA KRO­TON, PRE­VÊ GA­NHOS DE R$ 360 MI­LHÕES EM SINERGIAS COM A SO­MOS

OLHO VI­VO: RO­DRI­GO GA­LIN­DO, CEO DA KRO­TON, ES­TI­MA UM MER­CA­DO PO­TEN­CI­AL DE R$ 21 BI­LHõES NO PAíS COM A NO­VA OFER­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.