Os Em­pre­en­de­do­res do ano 2018...

A gra­va­ta que Octavio De Lazari Jú­ni­or, o di­re­tor-pre­si­den­te do Bra­des­co, ves­te na fo­to ao la­do, é uma de­fe­rên­cia aos leitores da DI­NHEI­RO. Há al­guns me­ses, to­da a al­ta cú­pu­la do ban­co foi dis­pen­sa­da de ves­tir o aces­só­rio — uma li­be­ra­li­da­de im­pen­sá­vel par

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE -

MI­NHA FUN­çãO GA­NHOU MAIS PRO­Pó­SI­TOS. ME­LHO­RAR O DE­SEM­PE­NHO DO BAN­CO é MI­NHA OBRI­GA­çãO, MAS NóS, BRA­SI­LEI­ROS QUE LIDERAMOS GRAN­DES EM­PRE­SAS, TAM­BéM TE­MOS DE SER MAIS ATI­VOS PA­RA ME­LHO­RAR O PAíS” A me­lho­ria do de­sem­pe­nho e dos re­sul­ta­dos e a no­va ma­nei­ra de pen­sar a re­la­ção com o cli­en­te ga­ran­ti­ram o prê­mio ao di­re­tor-pre­si­den­te do Bra­des­co Cláu­dio GRADILONE

Usar gra­va­ta po­de ser um as­sun­to se­cun­dá­rio. No en­tan­to, é ape­nas uma das mui­tas mu­dan­ças que vêm ocor­ren­do na Ci­da­de de Deus, se­de do Bra­des­co, em Osas­co, re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Pau­lo. Há pou­co me­nos de um ano na pre­si­dên­cia, Lazari vem der­ru­ban­do al­guns dog­mas, so­bre­tu­do na for­ma de en­can­tar os cli­en­tes. E os re­sul­ta­dos são cla­ros. Nos três pri­mei­ros tri­mes­tres de 2018, a úl­ti­ma li­nha do ba­lan­ço exi­biu um lu­cro lí­qui­do re­cor­ren­te de R$ 15,7 bi­lhões, al­ta de 11,1% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2017. O Bra­des­co em­pres­tou mais: nes­ses no­ve me­ses, fo­ram con­ce­di­dos R$ 523 bi­lhões em em­prés­ti­mos, an­te

R$ 487 bi­lhões en­tre ja­nei­ro e se­tem­bro do ano pas­sa­do. Tam­bém em­pres­tou me­lhor: nes­se pe­río­do, a pro­vi­são pa­ra de­ve­do­res du­vi­do­sos – a fa­tia dos em­prés­ti­mos que são con­si­de­ra­dos pra­ti­ca­men­te per­di­dos – caiu 29%, de R$ 15,2 bi­lhões em 2017 pa­ra R$ 10,8 bi­lhões nes­te ano. Com tu­do is­so, a ren­ta­bi­li­da­de pa­tri­mo­ni­al anu­a­li­za­da no ter­cei­ro tri­mes­tre foi de 19%, um pon­to per­cen­tu­al aci­ma da mé­dia dos tri­mes­tres an­te­ri­o­res. “E eu já avi­sei que, a par­tir de ago­ra, 19% ao ano é o pi­so, é o mí­ni­mo acei­tá­vel”, diz Lazari. Es­ses re­sul­ta­dos ga­ran­ti­ram ao exe­cu­ti­vo de 55 anos de ida­de e qua­se 40 de ban­co o prê­mio de EM­PRE­EN­DE­DOR DO ANO de 2018.

Pa­ra man­ter os lu­cros em as­cen­são, Lazari es­tá pro­mo­ven­do al­te­ra­ções pro­fun­das na ma­nei­ra de tra­tar a fre­gue­sia. “An­tes o ban­co era um cou­ra­ça­do e os cli­en­tes na­ve­ga­vam ao re­dor de­le. Ago­ra, co­lo­ca­mos o cli­en­te no cen­tro e pen­sa­mos o tem­po to­do co­mo po­de­mos aten­der me­lhor às ne­ces­si­da­des de­le.” Co­mo es­sas ino­va­ções de­pen­dem bas­tan­te de tec­no­lo­gia, as por­tas de abri­ram pa­ra quem po­de de­sen­vol­ver so­lu­ções. Por meio da Ino­vaB­ra, mis­to de ace­le­ra­do­ra e in­cu­ba­do­ra, já são 160 as fin­te­chs e star­tups que au­xi­li­am no de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos e ser­vi­ços, es­pe­ci­al­men­te pa­ra os ce­lu­la­res. No iní­cio do se­gun­do tri­mes­tre, o Bra­des­co co­me­çou a dis­tri­buir se­gu­ros pe­los ce­lu­la­res. E os re­sul­ta­dos sur­pre­en­de­ram. “Es­pe­rá­va­mos ven­der 250 mil apó­li­ces, mas ven­de­mos 500 mil”, diz Lazari. “Nin­guém ima­gi­na que al­guém vai con­tra­tar um se­gu­ro odon­to­ló­gi­co às três ho­ras da ma­nhã do sá­ba­do, mas acon­te­ce.” As­sim co­mo nos se­gu­ros, os em­prés­ti­mos con­ce­di­dos por meio de ce­lu­la­res tam­bém vem cres­cen­do ace­le­ra­da­men­te. Se­gun­do o pre­si­den­te, na mé­dia são con­ce­di­dos 80 mil fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra pes­so­as fí­si­cas nos fins

de se­ma­na, 40 mil por dia. Às sex­tas-fei­ras, são fe­cha­dos de 28 mil a 30 mil ne­gó­ci­os des­se ti­po. A ló­gi­ca é sim­ples. Pe­dir di­nhei­ro em­pres­ta­do não é uma si­tu­a­ção agra­dá­vel. Se o cli­en­te pu­der fa­zer is­so sem ter de con­ver­sar com um ge­ren­te, fi­ca mais fá­cil. “E aos fins de se­ma­na as pes­so­as têm mais tem­po e tranquilidade pa­ra cal­cu­lar se o to­tal é ade­qua­do, se o pra­zo é o me­lhor e se as par­ce­las ca­bem no bol­so.” O ban­co ino­vou tam­bém na ma­nei­ra de con­ce­der em­prés­ti­mos imo­bi­liá­ri­os. Em vez do ar­ran­jo ha­bi­tu­al, em que um ge­ren­te ana­li­sa­va a pa­pe­la­da de ca­da mu­tuá­rio em po­ten­ci­al, ago­ra os pro­ces­sos pas­sam por uma es­tru­tu­ra se­me­lhan­te à das li­nhas de mon­ta­gem. Com is­so, o pra­zo ha­bi­tu­al de 60 di­as pa­ra apro­va­ção de um pe­di­do caiu à me­ta­de, e o ban­co con­ce­deu R$ 7,2 bi­lhões nes­ses fi­nan­ci­a­men­tos nos três pri­mei­ros tri­mes­tres.

A mai­or al­te­ra­ção foi cri­ar no­vas for­mas de a cli­en­te­la se re­la­ci­o­nar com o Bra­des­co. Des­de sua fun­da­ção, a me­ta era con­quis­tar cor­ren­tis­tas. Deu cer­to: ho­je, são 27 mi­lhões de con­tas-cor­ren­tes ati­vas. Po­rém, de sua ex­pe­ri­ên­cia na se­gu­ra­do­ra, Lazari per­ce­beu um po­ten­ci­al não-ex­plo­ra­do mui­to gran­de. Os com­pu­ta­do­res da Bra­des­co Se­gu­ros têm 50 mi­lhões de pes­so­as em sua ba­se de da­dos. Des­ses, 28 mi­lhões não têm con­tas-cor­ren­tes, mas pos­su­em apó­li­ces de se­gu­ro, pla­nos de pre­vi­dên­cia ou de ca­pi­ta­li­za­ção. “A con­ta-cor­ren­te dei­xou de ser a úni­ca cha­ve pa­ra o cli­en­te en­trar no ban­co”, diz o exe­cu­ti­vo. “Po­de­mos nos re­la­ci­o­nar com eles de vá­ri­as ma­nei­ras, sem que eles se­jam obri­ga­dos a abrir uma con­ta.” Por is­so, no iní­cio do ter­cei­ro tri­mes­tre foi cri­a­da uma di­re­to­ria es­ta­tu­tá­ria fo­ca­da ape­nas em não-cor­ren­tis­tas. E os prog­nós­ti­cos são ani­ma­do­res. “Quan­tas em­pre­sas co­me­çam com uma ba­se de 28 mi­lhões de cli­en­tes pa­ra tra­ba­lhar?”, per­gun­ta o exe­cu­ti­vo.

O mer­ca­do con­cor­da com o oti­mis­mo. No ano, até o dia 28 de novembro, as ações do ban­co su­bi­ram 26,6%, dez pon­tos per­cen­tu­ais aci­ma do Ín­di­ce Bo­ves­pa e um pon­to per­cen­tu­al mais que o ín­di­ce se­to­ri­al ori­al do mer­ca­do fi­nan­cei­ro. Se­gun­do Ta­ti­a­na na Brandt, ana­lis­ta da Ele­ven Fi­nan­ci­al, o ban­co o tem si­do mui­to bem-su­ce­di­do em am­pli­ar a con­ces­são on­ces­são de em­prés­ti­mos e, ao mes­mo tem­po, , man­ter bai­xos tan­to os cus­tos quan­to as pro­vi­sões vi­sões pa­ra de­ve­do­res du­vi­do­sos. “A qua­li­da­de das no­vas sa­fras de cré­di­to é su­pe­ri­or à das an­te­ri­o­res, eri­o­res, al­go fun­da­men­tal pa­ra a sus­ten­ta­ção o dos re­sul­ta­dos fu­tu­ros”, es­cre­veu ela em um re­la­tó­rio do iní­cio de novembro. Ela re­co­men­da a com­pra dos pa­péis, com um pre­ço-al­vo de R$ $ 42,00, re­pre­sen­tan­do uma al­ta po­ten­ci­al de e 9,3%.

Quin­to pre­si­den­te do ban­co em m 75 anos, Lazari cum­priu a tra­je­tó­ria ha­bi­tu­al. Co­me­çou a tra­ba­lhar no Bra­des­co, seu úni­co em­pre­ga­dor, aos 15 anos co­mo con­tí­nuo, em boa par­te por pres­são fa­mi­li­ar. O pal­mei­ei­ren­se Lazari trei­na­va nas ca­te­go­ri­as as de ba­se da So­ci­e­da­de Es­por­ti­va Pal­mei­ras, mas seu pai pre­fe­ria vê-lo lo se­guir uma car­rei­ra me­nos in­cer­ta. As­sim co­mo Luiz Carlos Tra­bu­co Cap­pi, seu an­te­ces­sor no car­go, pas­sou por r vá­ri­os pos­tos até as­cen­der ao co­man­do da a se­gu­ra­do­ra, di­vi­são es­tra­té­gi­ca pa­ra ga­ran­tir an­tir os re­sul­ta­dos em anos di­fí­ceis. O bom tra­ba­lho o ca­pa­ci­tou pa­ra a pre­si­dên­cia en­tre e os se­te vi­ce-pre­si­den­tes exe­cu­ti­vos. Mes­mo ad­mi­tin­do que a no­va fun­ção am­pli­ou iou uma jor­na­da de tra­ba­lho já ex­ten­sa, a, Lazari se diz ani­ma­do. “Mi­nha fun­ção ção ga­nhou mais pro­pó­si­tos. Me­lho­rar o de­sem­pe­nho do ban­co é mi­nha obri­i­ga­ção, mas nós, bra­si­lei­ros que li­de­ra­ra­mos gran­des em­pre­sas, tam­bém te­mos mos de ser mais ati­vos pa­ra me­lho­rar o País.” s.”

OCTAVIO DE LAZARI Jú­NI­OR: novo fo­co é ven­der pro­du­tos pa­ra os 28 mi­lhões de cli­en­tes que não pos­su­em con­tas­cor­ren­tes

CO­NE­XãO: o uso de In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al no aten­di­men­to é uma fer­ra­men­ta pa­ra a efi­ci­ên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.