Es­tá na ho­ra de mos­trar ser­vi­ço

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Car­los Jo­sé Mar­ques, di­re­tor edi­to­ri­al

Do es­pe­tá­cu­lo a prá­ti­ca, o go­ver­no Bol­so­na­ro pre­ci­sa o quan­to an­tes, nes­sas se­ma­nas que an­te­ce­dem a pos­se, sair da tá­ti­ca de aber­tu­ra de vá­ri­as fren­tes de com­ba­te sem so­lu­ções prag­má­ti­cas para ca­da uma de­las. Des­de que des­pon­tou vi­to­ri­o­so nas ur­nas, o fu­tu­ro man­da­tá­rio e seu sé­qui­to en­fro­nha­ram-se em dis­cus­sões va­ri­a­das, da ide­o­lo­gia nas es­co­las às res­tri­ções ex­ter­nas na área do cli­ma, pro­vo­ca­ções a paí­ses­par­cei­ros, re­vi­são da po­lí­ti­ca in­dí­ge­na e até mes­mo no pla­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que ago­ra se­rá fa­ti­a­da, não se sa­be ain­da bem co­mo. As apos­tas fa­vo­rá­veis ao ca­pi­tão re­for­ma­do tem pra­zo de va­li­da­de. Lo­go nos pri­mei­ros me­ses ele ne­ces­si­ta di­zer a que veio e cons­truir re­sul­ta­dos. O oti­mis­mo pai­ra no ar. Mas por en­quan­to. Ana­lis­tas fa­lam em cres­ci­men­to que po­de che­gar à ca­sa dos 2,5% a 3% do PIB. Se­ria uma re­a­ção clas­si­fi­ca­da co­mo vi­go­ro­sa, em­bo­ra de­pen­da, de­ci­si­va­men­te, do ru­mo a to­mar. Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os es­tão a con­ta­bi­li­zar dí­vi­das que pre­ci­sam de ne­go­ci­a­ção e te­mas co­mo es­se pa­re­cem re­a­lo­ca­dos em se­gun­do pla­no, en­quan­to de­cla­ra­ções mais mi­diá­ti­cas to­mam fô­le­go. Os pro­ble­mas que exi­gem saí­das ime­di­a­tas, co­mo a pró­pria on­da de de­sem­pre­go que le­vou o Bra­sil a em­pur­rar mais de dois mi­lhões de pes­so­as para a con­di­ção de ex­tre­ma po­bre­za, não pa­re­cem ain­da te­rem en­tra­do no ra­dar de pri­o­ri­da­des. O czar da Economia, Pau­lo Gu­e­des, tra­ba­lha à to­que de cai­xa para dar for­ma a um pla­no de ajus­te que in­cor­po­re to­das es­sas ques­tões. Ocor­re que de ca­da dez me­di­das pen­sa­das, no­ve irão de­pen­der di­re­ta­men­te do Con­gres­so. E aí en­tra o po­der de ne­go­ci­a­ção do pre­si­den­te Bol­so­na­ro & Cia., que se­rá tes­ta­do ao li­mi­te. Não há es­pa­ço para im­pro­vi­sos. O cres­ci­men­to e a dis­tri­bui­ção de renda não po­dem de­mo­rar um man­da­to in­tei­ro para ocor­rer. O mi­nis­tro che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx

Lo­ren­zo­ni, que ne­ga qual­quer pos­si­bi­li­da­de do to­ma lá,da cá com os par­ti­dos, deu uma de­cla­ra­ção equi­vo­ca­da na se­ma­na pas­sa­da fa­lan­do que Bol­so­na­ro te­ria qua­tro anos para im­ple­men­tar o seu mo­de­lo de Pre­vi­dên­cia, em eta­pas - fa­ti­a­da, co­mo vi­rou a ex­pres­são cor­ren­te. Da re­tó­ri­ca à re­a­li­da­de, na ver­da­de não se po­de es­pe­rar nem me­ta­de des­se tem­po para exe­cu­tar a mu­dan­ça. A bom­ba fis­cal es­tá co­bran­do seu pre­ço. Os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros mos­tram-se di­re­ta­men­te pre­o­cu­pa­dos com es­se item e o im­pac­to de­le no or­ça­men­to pú­bli­co. O mai­or equí­vo­co na lar­ga­da é o de des­vi­ar a aten­ção para ques­tões pa­ra­le­las que, em­bo­ra ge­rem re­per­cus­são, não tra­zem be­ne­fí­ci­os ime­di­a­tos. O tri­pé em­pre­go, renda e de­sen­vol­vi­men­to es­tá na ca­be­ça dos gol­den boys de Chi­ca­go, mas pre­ci­sa ser in­cor­po­ra­do co­mo al­vo pri­o­ri­tá­rio por to­do o ti­me, o quan­to an­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.