Du­e­lo de TITÃS

EN­QUAN­TO A MI­CRO­SOFT Dá MOSTRAS DE QUE VAI VOL­TAR A SER A MAI­OR EM­PRE­SA DO PLA­NE­TA, A EX-TRILIONáRIA AP­PLE Vê O SEU VA­LOR DE MERCADO DESPENCAR QUA­SE 20%

ISTO É Dinheiro - - MERCADO DIGITAL - Ro­dri­go LOUREIRO

Um dos slo­gans mais fa­mo­sos do mercado pu­bli­ci­tá­rio traz uma fra­se que, tra­du­zi­da do in­glês, se­ria: “Pen­se di­fe­ren­te”. Du­ran­te anos, es­sa cur­ta com­bi­na­ção de pa­la­vras foi o man­tra de uma das mais re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as em­pre­sas que já exis­ti­ram. Cu­ri­o­sa­men­te, a men­sa­gem que ins­pi­rou a Ap­ple a se tor­nar a com­pa­nhia mais va­li­o­sa do mercado, ao mol­dar os ru­mos de uma no­va in­dús­tria digital – prin­ci­pal­men­te, após o lan­ça­men­to do iPho­ne, em 2007 –, pa­re­ce com­bi­nar ca­da vez me­nos com seu DNA. Pelo con­trá­rio. Se não ti­ves­se si­do cu­nha­da por Ste­ve Jobs, a tal men­sa­gem – “Think dif­fe­rent” - po­de­ria fa­zer parte de qual­quer pro­pa­gan­da atu­al da Mi­cro­soft. E is­so cho­ca­ria quem, por mui­tos anos, con­si­de­rou a com­pa­nhia cri­a­da por Bill Ga­tes tão qua­dra­da quan­to as ja­ne­las do seu sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal. Sob o co­man­do de Satya Na­del­la, a de­sen­vol­ve­do­ra do Win­dows apos­tou na ino­va­ção e saiu da cai­xa para vol­tar a cres­cer e fi­gu­rar co­mo pro­ta­go­nis­ta.

No pre­gão de 26 de no­vem­bro, a Mi­cro­soft con­se­guiu vol­tar a ser a com­pa­nhia mais va­li­o­sa do mercado, ao ser ava­li­a­da em US$ 812,9 bi­lhões, con­tra US$ 812,6 bi­lhões da Ap­ple. A li­de­ran­ça du­rou ape­nas al­gu­mas ho­ras, já que a fa­bri­can­te do iPho­ne re­cu­pe­rou o pos­to no fim do dia e, até ago­ra, man­te­ve a li­de­ran­ça. Mes­mo as­sim, é um epi­só­dio sim­bó­li­co. Em abril, va­le lem­brar, a de­sen­vol­ve­do­ra de softwa­res já ha­via con­se­gui­do ul­tra­pas­sar o va­lor de mercado da Alpha­bet, hol­ding que con­tro­la o Go­o­gle, em meio bilhão de dó­la­res. Mes­mo com uma re­cu­pe­ra­ção das ações do con­glo­me­ra­do de Lar­ry Pa­ge e Ser­gey Brin, a gi­gan­te de Red­mond ain­da man­te­ve-se à fren­te. A li­de­ran­ça, as­sim co­mo ho­je, per­ten­cia à Ap­ple. Em agos­to, a com­pa­nhia da ma­çã ul­tra­pas­sou os do­ze dí­gi­tos de va­lor de mercado.

FRUTO PROIBIDO De lá pra cá, mui­ta coi­sa mu­dou. Prin­ci­pal­men­te, em no­vem­bro. O pe­núl­ti­mo mês do ano mar­cou uma que­da li­vre nos pa­péis da em­pre­sa da ma­çã. A com­pa­nhia de Cu­per­ti­no viu seu va­lor de mercado cair 19,6%, de US$ 1,1 tri­lhão para US$ 893 bi­lhões. “A Ap­ple se tor­nou mui­to de­pen­den­te de um pro­du­to”, diz Ro­ger Kay, da con­sul­to­ria ame­ri­ca­na End­point. “Não há mais uma dis­tin­ção su­fi­ci­en­te en­tre seus con­cor­ren­tes.” Is­so não se­ria ruim, não fos­se o fa­to de que as ven­das de iPho­nes cres­ce­ram me­nos de 1% no úl­ti­mo tri­mes­tre.

Em ter­mos de re­cei­ta, as ven­das de ce­lu­la­res re­pre­sen­ta­ram uma fa­tia de 58,9% do fa­tu­ra­men­to de US$ 63 bi­lhões no pe­río­do. O res­tan­te foi ob­ti­do com as ven­das de iPads, Macs – que caí­ram 6% e 2% res­pec­ti­va­men­te – e ou­tros dis­po­si­ti­vos, além de con­teú­do digital, co­mo a ven­da de apli­ca­ti­vos.

Es­se mau re­sul­ta­do fez com que for­ne­ce­do­res da Ap­ple vi­ves­sem mo­men­tos de in­cer­te­za, após a fa­bri­can­te di­mi­nuir em qua­se um ter­ço a sua de­man­da por apa­re­lhos. A em­pre­sa ame­ri­ca­na Lu­men­tum Hol­dings, que for­ne­ce com­po­nen­tes para o sis­te­ma de re­co­nhe­ci­men­to fa­ci­al para te­le­fo­nes, por exem­plo, já re­du­ziu sua pre­vi­são de re­cei­ta lí­qui­da de US$ 430 mi­lhões para, no má­xi­mo, US$ 355 mi­lhões – que­da de mais de 17%. Ou­tra par­cei­ra pre­o­cu­pa­da é a taiwa­ne­sa Fox­conn, que faz a mon­ta­gem dos ce­lu­la­res. De acor­do com um do­cu­men­to ob­ti­do pe­la Blo­om­berg, a com­pa­nhia pre­ten­de re­du­zir US$ 2,9 bi­lhões em gas­tos em 2019, por­que en­fren­ta “um ano mui­to di­fí­cil e com­pe­ti­ti­vo.”

En­quan­to a Ap­ple pa­re­ce ter pa­ra­do no tem­po, a Mi­cro­soft re­sol­veu ace­le­rar, por per­ce­ber o de­clí­nio em seu mercado. Da­dos da con­sul­to­ria ame­ri­ca­na Sta­tis­ta mos­tram que a ven­da de com­pu­ta­do­res pas­sou de 365,3 mi­lhões de uni­da­des, em 2011, para 262,5 mi­lhões no ano pas­sa­do – qua­se 30% a me­nos. Era pre­ci­so mu­dar a men­ta­li­da­de de uma em­pre­sa que apos­ta­va to­das as su­as fi­chas no Win­dows. Is­so foi fei­to com a subs­ti­tui­ção do CEO, Ste­ve Ball­mer, por Satya Na­del­la, em fe­ve­rei­ro de 2014. Em sua pri­mei­ra men­sa­gem ofi­ci­al para os fun­ci­o­ná­ri­os da com­pa­nhia, o novo ho­mem-forte da Mi­cro­soft lem­brou que “a in­dús­tria não res­pei­ta a tra­di­ção. Ape­nas a ino­va­ção.”

NA NU­VEM Se nos ce­lu­la­res a dis­pu­ta com a Ap­ple fi­cou di­fí­cil – ain­da mais, pelo fra­cas­so na ten­ta­ti­va de trans­for­mar a No­kia nu­ma gi­gan­te do se­tor –, a prin­ci­pal aposta foi na nu­vem. Do fa­tu­ra­men­to de US$ 29,1 bi­lhões no ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano, US$ 8,6 bi­lhões (29,5%) fo­ram de ser­vi­ços ba­se­a­dos na tecnologia Azu­re. De acor­do com a con­sul­to­ria ame­ri­ca­na Gart­ner, a pla­ta­for­ma da Mi­cro­soft de­tém qua­se um ter­ço do mercado. O lí­der do se­tor é o Ama­zon Web Ser­vi­ces, da em­pre­sa de Jeff Be­zos, com 49% do seg­men­to. A di­fe­ren­ça já foi mai­or. No fim de 2017, o ser­vi­ço da Ama­zon era usa­do por 62% dos usuá­ri­os.

O in­ves­ti­men­to em no­vas tec­no­lo­gi­as ani­ma­va o mercado. Em de­zem­bro do ano pas­sa­do, o fun­do de in­ves­ti­men­tos Ti­ger Glo­bal Ma­na­ge­ment in­je­tou US$ 132 mi­lhões na ope­ra­ção da Mi­cro­soft. No mes­mo mês, uma pre­vi­são do Key­banc Ca­pi­tal Mar­ket es­pe­cu­lou que as ações da Mi­cro­soft es­ta­ri­am co­ta­das a US$ 106, num pe­río­do de do­ze me­ses. Na quar­ta-fei­ra 5, elas es­ta­vam sen­do ven­di­das na Nas­daq por US$ 108,5. Um ti­ro tão cer­tei­ro quan­to o que Na­del­la es­tá acer­tan­do no co­man­do da Mi­cro­soft. Ou co­mo os que Jobs dis­pa­ra­va quan­do era o cé­re­bro por trás da ma­çã.

O JO­GO VI­ROU: Sob o co­man­do de Tim Co­ok (à dir.), a Ap­ple vê sua li­de­ran­ça ame­a­ça­da pe­la ino­va­ção que Satya Na­del­la (à esq.) trou­xe à Mi­cro­soft

MA­ÇÃ PODRE? Fra­co de­sem­pe­nho nas ven­das dos iPho­nes XS, XR e XS Max con­tou para a que­da de 19,6% das ações da Ap­ple

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.