O CHAMPAGNE QUE DESPERTA OS SENTIDOS

OLI­VI­ER KRUG, DI­RE­TOR DA MAI­SON QUE LE­VA SEU SO­BRE­NO­ME, TRAZ AO BRA­SIL O GRAN­DE CU­VÉE 166ÈM E CON­TA POR QUE ES­SA BE­BI­DA PRE­CI­SA SER HARMÔNICA CO­MO UMA SIN­FO­NIA

ISTO É Dinheiro - - ESTILO - Lu­a­na MENEGHETTI

Be­ber cham­pa­nhe lo­go de ma­nhã po­de pa­re­cer es­no­bis­mo, mas não para Oli­vi­er Krug. Para ele, é ape­nas ne­gó­cio. O ró­tu­lo que ele de­gus­ta des­de as pri­mei­ras ho­ras do dia le­va o so­bre­no­me de sua fa­mí­lia, Krug que há seis ge­ra­ções pro­duz uma be­bi­da len­dá­ria. Des­de 1989, Oli­vi­er di­ri­ge a mai­son fun­da­da pelo ta­ta­ravô Jo­seph em 1843. E tem uma fun­ção bem mais do que ad­mi­nis­tra­ti­va é o res­pon­sá­vel por cri­ar os sa­bo­res úni­cos do Krug.

Es­pu­man­te pro­du­zi­do ex­clu­si­va­men­te em re­giões de­mar­ca­das da Fran­ça a par­tir de uma ou vá­ri­as uvas (Pi­not Noir, Pi­not Meu­ni­er e Char­don­nay são nor­mal­men­te usa­das co­mo ba­se, mas po­dem ain­da en­trar no blend pe­que­nas por­ções de Pi­not Blanc, Pi­not Gris e Pe­tit Mes­li­ter), o cham­pa­nhe é qua­se sem­pre re­sul­ta­do da com­bi­na­ção de sa­fras dis­tin­tas do mes­mo pro­du­tor. O Gran­de Cu­vée 166Ème, lan­ça­do du­ran­te a rá­pi­da pas­sa­gem de Oli­ver Krug pelo Bra­sil, con­tém 120 vi­nhos de 13 sa­fras di­fe­ren­tes (de 1996 a 2010). De­pois da mis­tu­ra, ca­da gar­ra­fa pas­sou se­te anos em re­pou­so na ade­ga da vi­ní­co­la em Reims, na Fran­ça. “De­mo­ra mais de vin­te anos para fa­zer uma gar­ra­fa de Krug”, diz Oli­vi­er. “So­mos ob­ce­ca­dos pe­los de­ta­lhes.”

De­gus­tar cham­pa­nhe pe­la ma­nhã, por vol­ta das no­ve ho­ras, é parte des­sa ob­ses­são. “É o me­lhor ho­rá­rio por­que o pa­la­dar es­tá lim­po”, diz ele. Na cur­ta pas­sa­gem pelo País, Krug ex­pe­ri­men­tou cai­pi­ri­nha, mas gos­tou mes­mo foi de uma ca­cha­ça que be­beu pu­ra — e que se re­cu­sou a re­ve­lar o no­me. Ele tam­bém es­te­ve na úni­ca em­bai­xa­da da mar­ca Krug na Amé­ri­ca do Sul, no res­tau­ran­te Ki­noshi­ta, em São Pau­lo, que per­ten­ce a Mar­ce­lo Fer­nan­des. Se­gun­do Oli­vi­er, a cu­li­ná­ria ja­po­ne­sa é a que me­lhor har­mo­ni­za com cham­pa­nhe. Não por aca­so o Ja­pão é o prin­ci­pal mercado para Krug, que in­tro­du­ziu a be­bi­da no país as­sim que seu pai o con­vi­dou para su­ce­dê-lo na di­re­ção da em­pre­sa. “Fui um pi­o­nei­ro, e os ja­po­ne­ses me re­com­pen­sa­ram”, diz. O país é ho­je o quin­to do mun­do em con­su­mo de cham­pa­nhe, se­gun­do da­dos da con­sul­to­ria Eu­ro­mo­ni­tor.

Em­bo­ra pa­re­ça im­pos­sí­vel fa­zer um bom cham­pa­nhe to­dos os anos por con­ta das va­ri­a­ções cli­má­ti­cas, a ca­sa se­gue im­pres­si­o­nan­do de­vi­do à es­tra­té­gia do fun­da­dor Jo­seph Krug, que con­ti­nua a ser se­gui­da até ho­je. “Ele de­ci­diu ser ex­tre­ma­men­te se­le­ti­vo com os ele­men­tos que usa­va”, diz Oli­vi­er. “Ti­nha bons for­ne­ce­do­res e con­se­guia man­ter al­guns com­po­nen­tes co­mo re­ser­va, co­mo uma bi­bli­o­te

ca para anos não tão bons.”

A mis­tu­ra dos me­lho­res vi­nhos para con­se­guir o as­sem­bla­ge per­fei­to ga­ran­te à mar­ca Krug um lu­gar de des­ta­que en­tre os me­lho­res cham­pa­nhes do

mun­do. Al­gu­mas gar­ra­fas al­can­çam va­lo­res es­tra­tos­fé­ri­cos, ca­so do Krug Clos D’Am­bon­nay, ven­di­do a R$ 20 mil.

Em 1999, a LVMH in­cluiu a vi­ní­co­la no seu port­fó­lio, mas a fa­mí­lia Krug se­guiu no co­man­do. Oli­ver gos­ta de com­pa­rar a be­bi­da a uma or­ques­tra, na qu­al os me­lho­res ele­men­tos com­põem uma per­fei­ta sin­fo­nia no pa­la­dar. “As pes­so­as que gos­tam de Krug des­cre­vem o vi­nho co­mo mú­si­ca, pois há mui­tos aro­mas, co­mo se fos­sem vá­ri­os ins­tru­men­tos jun­tos”. Por is­so a Krug a ofe­re­ce tam­bém uma ex­pe­ri­ên­cia mu­si­cal. Des­de 2011, as gar­ra­fas tra­zem um se­lo que per­mi­te ao usuá­rio bai­xar um apli­ca­ti­vo e apre­ci­ar uma se­le­ção de mú­si­cas — jazz, ele­trô­ni­ca e world mu­sic — cri­a­das es­pe­ci­al­men­te para a mar­ca. A ca­sa tra­ba­lha com neu­ro­ci­en­tis­tas da uni­ver­si­da­de de Ox­ford e afir­ma ter al­can­ça­do uma co­ne­xão en­tre as áre­as de pra­zer do cé­re­bro que tor­nam o cham­pa­nhe ain­da mais es­pe­ci­al com a mú­si­ca cer­ta.

DES­DE 1843 : a mai­son Krug, em Reims, no­ro­es­te da Fran­ça, on­de são pro­du­zi­das as uvas que com­põem al­guns dos mais co­bi­ça­dos cham­pa­nhes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.