ENTREVISTA:

O cres­ci­men­to da economia bra­si­lei­ra nos pró­xi­mos anos po­de­rá fi­car aci­ma do res­to mun­do, que já ini­ci­ou um pro­ces­so de de­sa­ce­le­ra­ção

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Por Le­o­nar­do MOTTA

“Os nú­me­ros do Bra­sil vão na di­re­ção opos­ta do mun­do", afir­ma Jens Ar­nold, eco­no­mis­ta che­fe para Bra­sil e Ar­gen­ti­na da OCDE...

Em­bo­ra o Bra­sil ain­da não se­ja mem­bro ofi­ci­al da Or­ga­ni­za­ção para Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE), en­ti­da­de co­nhe­ci­da in­for­mal­men­te co­mo clu­be das na­ções ri­cas, o País é vis­to com aten­ção pe­los seus mem­bros. A pon­to de ha­ver nos qua­dros da OCDE um eco­no­mis­ta de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te à aná­li­se das po­lí­ti­cas ado­ta­das pelo go­ver­no bra­si­lei­ro: o ale­mão Jens Ar­nold. Da se­de da ins­ti­tui­ção, em Pa­ris, ele fa­lou à DINHEIRO so­bre a im­por­tân­cia das re­for­mas para co­lo­car a economia bra­si­lei­ra nos tri­lhos e des­ta­cou a ne­ces­si­da­de de se avan­çar na aber­tu­ra co­mer­ci­al. Ar­nold des­ta­cou tam­bém que as pri­va­ti­za­cões, te­ma es­tra­tíe­gi­co para o pla­no econô­mi­co do pró­xi­mo go­ver­no, de­vem ser ana­li­sa­das sem viés ide­o­ló­gi­co. Por acu­mu­lar a res­pon­sa­bi­li­da­de de se­guir de per­to a economia ar­gen­ti­na, ele tem ra­zões para crer que o pi­or da cri­se no país vi­zi­nho já pas­sou. E faz ques­tão de dei­xar um aler­ta im­por­tan­te para am­bos os paí­ses: “o cres­ci­men­to glo­bal atin­giu seu pi­co.”

DINHEIRO – Quais se­rão os prin­ci­pais de­sa­fi­os da economia bra­si­lei­ra nos pró­xi­mos qua­tro anos?

JENS AR­NOLD — O mais im­por­tan­te é fa­zer re­for­mas. Os pri­mei­ros dois me­ses do novo go­ver­no se­rão ob­ser­va­dos com gran­de in­te­res­se, para ver até que pon­to ha­ve­rá ca­pa­ci­da­de de im­ple­men­tá-las. Es­tou me re­fe­rin­do, em pri­mei­ro lu­gar, a uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, por­que is­so é mui­to im­por­tan­te para a sustentabilidade das con­tas fis­cais. Em se­gun­do lu­gar, é pre­ci­so ha­ver avan­ços na pro­du­ti­vi­da­de. Quan­do vo­cê com­pa­ra o Bra­sil com ou­tras eco­no­mi­as, tan­to emer­gen­tes quan­to avan­ça­das, fi­ca cla­ro quão len­to o cres­ci­men­to da pro­du­ti­vi­da­de tem si­do no País. Is­so se de­ve a po­lí­ti­cas econô­mi­cas in­ter­nas des­fa­vo­rá­veis, a um sis­te­ma tri­bu­tá­rio mui­to com­ple­xo, a um sis­te­ma ju­di­ci­al que apre­sen­ta um de­sem­pe­nho aquém do es­pe­ra­do e ao que eu con­si­de­ro ser o ele­fan­te na sa­la – o bai­xo ní­vel de aber­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal da economia. Há mui­tos be­ne­fí­ci­os que po­dem ser ob­ti­dos com uma in­te­gra­ção mai­or com o mun­do, tan­to em ter­mos de ta­ri­fas quan­to de bens de con­teú­do lo­cal.

DINHEIRO — Co­mo is­so se tra­duz em cres­ci­men­to?

AR­NOLD — De du­as for­mas. E pri­mei­ro lu­gar, per­mi­tin­do às em­pre­sas bra­si­lei­ras ob­ter in­su­mos in­ter­me­diá­ri­os e bens de ca­pi­tal aos mes­mos pre­ços e ní­veis de qua­li­da­de que ou­tros paí­ses. Iria ain­da ex­por mui­tos se­to­res à con­cor­rên­cia, que tem si­do fra­ca de­vi­do a uma sé­rie de ce­ná­ri­os que não le­va­ram os mais for­tes a cres­cer e im­pe­di­ram que os re­cur­sos fluís­sem para on­de eles se­ri­am, de fa­to, mais pro­du­ti­vos.

DINHEIRO – Se­to­res que ho­je são pro­te­gi­dos não se­ri­am bom­bar­de­a­dos pe­la con­cor­rên­cia?

AR­NOLD — Sim, is­so faz parte do jo­go.

DINHEIRO – Co­mo o se­nhor ava­lia a pre­sen­ça dos mi­li­ta­res no go­ver­no. Po­de ser uma fonte de pre­o­cu­pa­ção para in­ves­ti­do­res ou para a OCDE?

AR­NOLD – Um go­ver­no é elei­to para fa­zer bo­as po­lí­ti­cas e boa go­ver­nan­ça. Eles ain­da não es­tão no car­go, en­tão não sa­be­mos. Vai de­pen­der do que fi­ze­rem. Por is­so acho tão im­por­tan­te ver co­mo se­rão os dois pri­mei- ros me­ses, para sa­ber até que pon­to eles con­se­gui­rão che­gar a um con­sen­so po­lí­ti­co e ga­ran­tir que as re­for­mas se­jam fei­tas. Não só dis­cu­ti­das, mas im­ple­men­ta­das.

DINHEIRO — Não im­por­ta, por­tan­to, se o go­ver­no é for­ma­do por mi­li­ta­res?

AR­NOLD — O que mais im­por­ta é o que eles [os mi­nis­tros] fi­ze­rem e con­se­gui­rem fa­zer em ter­mos de de­se­nho das po­lí­ti­cas econô­mi­cas.

DINHEIRO – En­tre as po­lí­ti­cas pre­vis­tas pelo novo go­ver­no, há uma gran­de pro­pos­ta de pri­va­ti­za­ções. Qu­al é a sua ava­li­a­ção so­bre is­so?

AR­NOLD – Não acho que se­ja uma ques­tão pre­to no bran­co. Se olhar­mos es­pe­ci­fi­ca­men­te para o exem­plo bra­si­lei­ro, tem ha­vi­do pro­ble­mas na go­ver­nan­ça de em­pre­sas do se­tor pú­bli­co. Bas­ta pen­sar nas in­di­ca­ções po­lí­ti­cas, em que os car­gos se tor­nam al­vo de bar­ga­nhas e o re­sul­ta­do des­se jo­go di­fi­cil­men­te le­va à es­co­lha do me­lhor pro­fis­si­o­nal. Nes­se con­tex­to, é con­ce­bí­vel que a ges­tão pri­va­da pos­sa le­var a uma me­lhor go­ver­nan­ça. Há es­pa­ço para me­lho­ri­as. Se­ria uma boa ideia se­pa­rar de­ci­sões econô­mi­cas re­la­ci­o­na­das a em­pre­sas pú­bli­cas do pro­ces­so po­lí­ti­co. Acho que há es­pa­ço para ga­nho de efi­ci­ên­cia com as pri­va­ti­za­ções. Mas is­so não sig­ni­fi­ca que vo­cê te­nha que pri­va­ti­zar ne­ces­sa­ri­a­men­te tu­do o que é pú­bli­co.

“A ide­o­lo­gia nun­ca de­ve­ria ser a ra­zão para pri­va­ti­zar ou não uma es­ta­tal”

DINHEIRO – Co­mo é pos­sí­vel apri­mo­rar o pro­ces­so?

AR­NOLD – De­ve-se olhar para ca­da ca­so e fa­zer uma aná­li­se. A ide­o­lo­gia nun­ca de­ve­ria ser a ra­zão para pri­va­ti­zar ou não pri­va­ti­zar. A de­ci­são de­ve ser o re­sul­ta­do de de­li­be­ra­ções mui­to cui­da­do­sas, de aná­li­ses econô­mi­cas que com­pa­rem as des­van­ta­gens e os be­ne­fí­ci­os. Não é co­mo se o de­ba­te se di­vi­dis­se en­tre pri­va­ti­zar tu­do ou na­da.

DINHEIRO – Há quem de­fen­da que a cri­se fis­cal jus­ti­fi­ca as pri­va­ti­za­ções. É um ar­gu­men­to vá­li­do?

AR­NOLD – Quan­do vo­cê pri­va­ti­za uma em­pre­sa, ob­vi­a­men­te ob­tém al­gu­ma re­cei­ta, o que é atra­en­te, mas só po­de ser fei­to uma vez. Vo­cê fi­ca com o dinheiro, mas sem o ati­vo. Não acho que se­ja um forte ar­gu­men­to para a pri­va­ti­za­ção. O ar­gu­men­to re­al de­ve­ria ser: “Acre­di­ta­mos que uma es­tru­tu­ra de go­ver­nan­ça fei­ta pelo se­tor pri­va­do se­ria mais efi­ci­en

te e fa­ria mais bem à economia do que a ges­tão fei­ta pelo go­ver­no em uma em­pre­sa pú­bli­ca?”

DINHEIRO – A Pe­tro­bras de­ve ser pri­va­ti­za­da?

AR­NOLD — É mais im­por­tan­te pen­sar: “exis­tem par­tes da em­pre­sa em que a ges­tão pri­va­da po­de­ria re­sul­tar em me­lho­res re­sul­ta­dos? To­das as par­tes são im­por­tan­tes?” Além dis­so, há ou­tras ma­nei­ras de o go­ver­no tra­zer mais pro­du­ti­vi­da­de ao se­tor. A pri­va­ti­za­ção não pre­ci­sa ser o úni­co fo­co. Exis­tem par­tes do se­tor em que a com­pe­ti­ção po­de­ria ser mais bem apro­vei­ta­da sem a par­ti­ci­pa­ção da pró­pria Pe­tro­bras. AR­NOLD — No pas­sa­do, o Bra­sil não pri­o­ri­zou a ade­são à OCDE. Só ago­ra o País en­trou com um pe­di­do for­mal e es­sa so­li­ci­ta­ção es­tá sen­do con­si­de­ra­da pe­los paí­ses mem­bros. Não há obs­tá­cu­lo con­cre­to, mas é uma es­co­lha po­lí­ti­ca. Tem de ser uma de­ci­são unâ­ni­me e, no mo­men­to, não há una­ni­mi­da­de so­bre is­so. Mes­mo as­sim, o Bra­sil já é um dos mais en­ga­ja­dos com a OCDE. Bas­ta ver o número de co­mi­tês dos quais par­ti­ci­pa.

DINHEIRO – No úl­ti­mo re­la­tó­rio, a OCDE re­du­ziu a pre­vi­são do PIB mun­di­al de 3,7% para 3,5% em 2019. Co­mo o Bra­sil se­rá afe­ta­do?

AR­NOLD — O cres­ci­men­to glo­bal atin­giu o seu pi­co. Nos pró­xi­mos anos, as ta­xas se­rão me­no­res, so­bre­tu­do a par­tir de 2020. Para o Bra­sil, se­rá um pou­co di­fe­ren­te. Pro­je­ta­mos 1,2% de ex­pan­são em 2018, 2,1% em 2019 e 2,4% em 2020. Se as re­for­mas fo­rem fei­tas, o Bra­sil po­de cres­cer aci­ma da mé­dia mun­di­al. O Bra­sil ain­da po­de ser afe­ta­do pelo res­to do mun­do? Bem, um dos ris­cos que des­ta­ca­mos é o fa­to de que as ten­sões co­mer­ci­ais pas­sam a se tor­nar mais in­ten­sas. Nes­se ca­so, o Bra­sil po­de­ria ser afe­ta­do, mas co­mo é uma economia re­la­ti­va­men­te fe­cha­da, es­se pro­va­vel­men­te não se­ria o fa­tor mais im­por­tan­te para o cres­ci­men­to. Ain­da as­sim, po­de­ria pre­ju­di­car e di­mi­nuir al­guns pon­tos per­cen­tu­ais de PIB.

DINHEIRO – Co­mo o se­nhor ava­lia a si­tu­a­ção da Ar­gen­ti­na? É pos­sí­vel no­tar al­gu­ma me­lho­ra após a re­ne­go­ci­a­ção com o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI)?

AR­NOLD — As mu­dan­ças no acor­do com o FMI exi­gem uma pos­tu­ra mui­to mais rí­gi­da so­bre a po­lí­ti­ca ma­cro­e­conô­mi­ca, tan­to na área fis­cal quan­to na mo­ne­tá­ria. Aju­dam cla­ra­men­te a res­tau­rar a confiança e a es­ta­bi­li­zar a economia. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, a ta­xa de câm­bio tem es­ta­do ra­zo­a­vel­men­te es­tá­vel, en­tão acha­mos que, por en­quan­to, a tem­pes­ta­de deu uma tré­gua. Ao mes­mo tem­po, es­sas po­lí­ti­cas ma­cro­e­conô­mi­cas mais ri­go­ro­sas te­rão um im­pac­to re­ces­si­vo, pelo me­nos no cur­to pra­zo. As ques­tões ago­ra são: “quan­to tem­po es­sa re­ces­são vai du­rar? Se­rá pro­fun­da e cur­ta? Há chan­ces de um re­tor­no para um PIB tri­mes­tral po­si­ti­vo já em me­a­dos do pró­xi­mo ano?” Es­se é o nos­so ce­ná­rio-ba­se. Di­ria que as pers­pec­ti­vas para a economia ar­gen­ti­na não são tão ruins, mas há ob­vi­a­men­te ris­cos. Al­gum even­to nos mer­ca­dos ou na po­lí­ti­ca in­ter­na po­de­ria de­sen­ca­de­ar ou­tra cri­se agu­da, com de­pre­ci­a­ção do câm­bio e efei­tos so­bre as va­riá­veis econô­mi­cas. Ou se­ja, a tem­pes­ta­de ain­da não pas­sou com­ple­ta­men­te.

DINHEIRO – De que for­ma o pro­ble­ma nos ou­tros paí­ses emer­gen­te po­de con­ta­mi­nar o Bra­sil?

AR­NOLD — Vi no pas­sa­do os efei­tos co­la­te­rais de uma economia emer­gen­te para ou­tra. Se vo­cê pen­sar na se­gun­da on­da de des­va­lo­ri­za­ção da moeda na Ar­gen­ti­na, acon­te­ceu lo­go após a de­pre­ci­a­ção na Tur­quia. En­tão, po­de ha­ver sim efei­tos co­la­te­rais de uma gran­de cri­se nas eco­no­mi­as emer­gen­tes. Cer­ta­men­te nas mais fra­cas, co­mo a Ar­gen­ti­na, mas tam­bém nas mais for­tes, que iclui o Bra­sil. Mas ain­da não ve­jo ne­nhu­ma ra­zão ago­ra para es­se ti­po de ce­ná­rio. Pen­san­do em in­ves­ti­men­tos, eu di­ria que o Bra­sil tem atra­ti­vi­da­de su­fi­ci­en­te por si só e não de­pen­de do que acon­te­ce em ou­tros paí­ses. Há um enor­me po­ten­ci­al. Se o Bra­sil fi­zer as coi­sas cer­tas para re­du­zir cus­tos e me­lho­rar a con­cor­rên­cia e a pro­du­ti­vi­da­de, acho que po­de atrair mui­to mais in­ves­ti­men­tos do que no pas­sa­do e se man­ter fir­me.

“Não há una­ni­mi­da­de so­bre a en­tra­da do Bra­sil na OCDE. É uma de­ci­são po­lí­ti­ca”

Se­de da Pe­tro­bras no Rio de Ja­nei­ro. Ven­da de negócios da es­ta­tal para o se­tor pri­va­do de­ve ser ava­li­a­da se­pa­ra­da­men­te

OCDE, com se­de em Pa­ris, reú­ne as prin­ci­pais eco­no­mi­as do mun­do. O pe­di­do de in­gres­so do Bra­sil co­mo mem­bro, fei­to em ju­nho de 2017, es­tá sob ava­li­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.