CARREFOUR:

Ho­ras de­pois de anun­ci­ar in­ves­ti­men­to de R$ 2 bi­lhões, a re­de en­fren­ta uma cri­se de ima­gem por con­ta da agres­são e mor­te de um ca­chor­ro

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Felipe MENDES

no mes­mo dia que anun­cia in­ves­ti­men­to de R$ 2 bi, a re­de en­fren­ta cri­se de ima­gem pe­la agres­são e mor­te de um ca­chor­ro...

Era tar­de da se­gun­da-fei­ra 3. Os prin­ci­pais exe­cu­ti­vos do Carrefour Bra­sil se reu­ni­am no res­tau­ran­te de cu­li­ná­ria uru­guaia Las Leñas, lo­ca­li­za­do no ro­of­top do Jar­dim Pam­plo­na Shop­ping, pom­po­so em­pre­en­di­men­to do Carrefour Pro­perty em São Pau­lo. O cli­ma de festa to­ma­va con­ta do am­bi­en­te. A em­pre­sa con­ta­bi­li­zou um cres­ci­men­to con­sis­ten­te em 2018. De ja­nei­ro a se­tem­bro, a re­de al­can­çou re­cei­ta de R$ 40,5 bi­lhões, 6,5% a mais que o mes­mo pe­río­do do ano an­te­ri­or. O lu­cro lí­qui­do ajus­ta­do avan­çou 40%, para R$ 1,12 bilhão. Para ce­le­brar os bons re­sul­ta­dos, a va­re­jis­ta reu­niu a im­pren­sa e anun­ci­ou me­tas para 2019. No pa­co­te, um in­ves­ti­men­to de R$ 2 bi­lhões para a ex­pan­são do gru­po, com a aber­tu­ra de 20 lo­jas do Ata­ca­dão, além de no­vas uni­da­des das ban­dei­ras Ex­press e Mar­ket, cu­jos for­ma­tos es­tão pas­san­do por uma fa­se de re­es­tru­tu­ra­ção. Tam­bém hou­ve pro­je­ções para o cur­to pra­zo. “Se o

Na­tal ge­rar al­ta de 4% a 5% nas ven­das, se­rá mui­to bom”, dis­se, com sor­ri­so no ros­to, o fran­cês Noël Pri­oux, CEO do Carrefour Bra­sil des­de ou­tu­bro de 2017.

Mas o sor­ri­so du­rou pou­co. No mes­mo dia, ho­ras de­pois do even­to, um ví­deo gra­va­do em 28 de no­vem­bro mos­tra­va um cão de rua sen­do es­pan­ca­do e, se­gun­do de­nún­ci­as, tam­bém en­ve­ne­na­do por um dos vi­gi­lan­tes ter­cei­ri­za­dos de um hi­per­mer­ca­do Carrefour em Osas­co, na Gran­de São Pau­lo.

Na épo­ca, o De­par­ta­men­to de Fau­na e Bem Es­tar Ani­mal da Pre­fei­tu­ra a de Osas­co foi aci­o­na­do e pres­tou so­cor­ros, mas en­con­trou o ani­mal com es­co­ri­a­ções ões múl­ti­plas e em um es­ta­do de san­gra­men­to nto avan­ça­do. Ape­sar do pron­to aten­di­men­to, men­to, o ata­que re­sul­tou na mor­te do ani­mal. al. O ca­so ga­nhou re­per­cus­são nas re­des so­ci­ais ci­ais e ge­rou um mo­vi­men­to de boi­co­te ao Carrefour.

Em no­ta, o Carrefour re­co­nhe­ceu a gra­vi­da­de do ocor­ri­do e dis­se que é o mai­or or in­te­res­sa­do para que to­dos os fa­tos se­jam es­cla­re­ci­dos. “Des­de o iní­cio da apu­ra­ção, o fun­ci­o­ná­rio da em­pre­sa ter­cei­ri­za­da foi afas­ta­do. Qual­quer que se­ja a con­clu­são do inqué­ri­to, estamos in­tei­ra­men­te com­pro­me­ti­dos em dar uma res­pos­ta a to­dos”, afir­mou a em­pre­sa, que es­tu­da cri­ar uma no­va po­lí­ti­ca or­ga­ni­za­ci­o­nal para a pro­te­ção e de­fe­sa dos ani­mais em par­ce­ri­as com or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais (ONGs) e en­ti­da­des de­di­ca­das ao bem es­tar ani­mal. “Com as re­des so­ci­ais, a re­per­cus­são e a abran­gên­cia são mui­to mai­o­res. As pes­so­as são mais sen­sí­veis em re­la­ção a ani­mais, cri­an­ças e ao meio am­bi­en­te”, diz Pa­tri­cia Tei­xei­ra, es­pe­ci­a­lis­ta da con­sul­to­ria de ge­ren­ci­a­men­to de cri­ses We Plan Be­fo­re. A des­pei­to da cri­se de ima­gem, a em­pre­sa não de­ve ar­re­fe­cer os es­for­ços para co­lo­car em prá­ti­ca o seu pla­no de

trans­for­ma­ção para 2022. Lí­der no va­re­jo ali­men­tar bra­si­lei­ro, o Carrefour ad­qui­riu a e-Mi­dia, star­tup fo­ca­da em con­teú­do digital – que con­tro­la os por­tais Cy­ber Co­ok, Vi­la Mu­lher e Mais Equi­lí­brio –, em uma ne­go­ci­a­ção in­for­ma­da em no­vem­bro, cu­jo va­lor não foi di­vul­ga­do. A ideia, com is­so, é es­ti­mu­lar há­bi­tos de ali­men­ta­ção mais sau­dá­veis por meio de uma ofer­ta mul­ti­ca­nal. mul­ti “Qu­e­re­mos apren­der mais do con­su­mi­dor con­sum para que pos­sa­mos ofe­re­cer mais tam­bém”, ta afir­ma Pri­oux.

Para avan­çar no pla­no de trans­for­ma­ção digital, di­gi­ta um dos fo­cos da va­re­jis­ta é con­se­guir fir­mar mais par­ce­ri­as com star­tups para pa le­var ino­va­ção aos pon­tos de ven­da. “A “As star­tups te per­mi­tem ga­nhar tem­po. temp Não po­de­mos fa­zer tu­do so­zi­nhos”, diz o CEO.

DRI­VE TH­RU Nes­te mês, o Carrefour co co­me­ça a tes­tar o sis­te­ma “Scan and Go”, que per­mi­te o es­ca­ne­a­men­to e o pa­ga­men­to dos pro­du­tos atra­vés do apli­ca­ti­vo mó­vel da em­pre­sa. O mo­de­lo se­rá tes­ta­do em al­gu­mas uni­da­des do Carrefour Ex­press, ban­dei­ra de con­ve­ni­ên­cia do gru­po. En­quan­to is­so, dez hi­per­mer­ca­dos já ope­ram com um mo­de­lo pi­o­nei­ro no mercado: o “Re­ti­re de Car­ro”. Nes­se mé­to­do, pa­re­ci­do com um dri­ve-th­ru, o con­su­mi­dor con­se­gue re­ti­rar su­as com­pras em uma es­tru­tu­ra cons­truí­da no es­ta­ci­o­na­men­to das lo­jas. “Nem sem­pre ou qua­se nun­ca o Carrefour é o pri­mei­ro a lan­çar uma no­va ten­dên­cia de mercado”, diz Fer­nan­do Car­do­so, he­ad de fo­od ser­vi­ce da AGR Con­sul­to­res. “A em­pre­sa não pri­ma pe­la ino­va­ção de con­cei­tos, mas con­se­gue exe­cu­tar me­lhor e ter mais pro­fun­di­da­de no pon­to de ven­da.” Res­ta sa­ber co­mo Pri­oux, que tem 35 anos na em­pre­sa, con­se­gui­rá re­cu­pe­rar a re­pu­ta­ção do Carrefour no Bra­sil, um mercado es­tra­té­gi­co para a com­pa­nhia.

SE­MA­NA AGITADA: um ano após as­su­mir o Carrefour Bra­sil, o fran­cês Noël Pri­oux tem de en­fren­tar mo­vi­men­tos de boi­co­te na in­ter­net

MANCHINHA: o cão foi es­pan­ca­do e mor­to por um fun­ci­o­ná­rio ter­cei­ri­za­do do Carrefour em Osas­co (SP), o que ge­rou pro­tes­tos nas re­des so­ci­ais e boi­co­tes de con­su­mi­do­res

INO­VA­çÃO: “Re­ti­re de CCar­ro”, im­ple­men­ta­do em dez hi­per­mer­ca­dos, per­mi­te que o cli­en­te re­ti­re ssu­as com­pras sem pre­ci­sar en­trar na lo­ja

SEM FI­LAS: lo­ja do Car­re­fou­rur no Jar­dim Pam­plo­na Shop­ping foi a pri­mei­ra da re­de a con­tar com au­to­a­ten­di­men­to para dar flui­dez às fi­las

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.