CAPA:

CONFIANTES NA EX­PAN­SÃO DA ECONOMIA, MON­TA­DO­RAS, RE­DES DE RES­TAU­RAN­TES, EM­PRE­SAS DE TECNOLOGIA E GRU­POS VAREJISTAS VOL­TAM A CON­TRA­TAR

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - Hu­go CILO e Mo­a­cir DRSKA

em­pre­sas de vá­ri­os se­to­res da economia vol­tam a con­tra­tar di­an­te da pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to do País em 2019...

As úl­ti­mas se­ma­nas do ano es­tão mo­vi­men­ta­das além do nor­mal na se­de da em­pre­sa sul-afri­ca­na de tecnologia Di­men­si­on Da­ta no Bra­sil, no bair­ro pau­lis­ta­no do Mo­rum­bi. En­quan­to o ti­me ope­ra­ci­o­nal ace­le­ra a en­tre­ga dos pro­je­tos de 2018 para seus 350 cli­en­tes no País – en­tre eles BR Dis­tri­bui­do­ra, Ri­a­chu­e­lo, Hos­pi­tal Oswal­do Cruz e Ne­o­e­ner­gia –, o pre­si­den­te Jef­fer­son An­sel­mo acom­pa­nha in lo­co a con­tra­ta­ção de 200 no­vos fun­ci­o­ná­ri­os. Eles se­rão in­cor­po­ra­dos, com sa­lá­rio mé­dio ini­ci­al de R$ 6 mil, ao qua­dro de em­pre­ga­dos da com­pa­nhia, ho­je com 410 pes­so­as. O pro­ces­so se­le­ti­vo, fo­ca­do em can­di­da­tos com ex­pe­ri­ên­cia nas áre­as de tecnologia, mar­ke­ting e co­mer­ci­al, é o pi­lar do mai­or pla­no de ex­pan­são da sub­si­diá­ria bra­si­lei­ra, uma das que apre­sen­ta o me­lhor de­sem­pe­nho glo­bal do gru­po, do­no de um fa­tu­ra­men­to de US$ 8 bi­lhões. Du­ran­te o ano, as con­tra­ta­ções es­ta­vam con­ge­la­das até que as tur­bu­lên­ci­as po­lí­ti­cas e econô­mi­cas se dis­si­pas­sem. “Re­ce­be­mos da ma­triz a mis­são de do­brar o ta­ma­nho da nos­sa ope­ra­ção até 2020, al­go que só é pos­sí­vel com o re­cru­ta­men­to de no­vas men­tes bri­lhan­tes”, dis­se An­sel­mo à DINHEIRO, du­ran­te uma pau­sa en­tre uma entrevista e ou­tra. “Co­mo uma em­pre­sa de tecnologia, nos­sa mai­or ri­que­za é o co­nhe­ci­men­to, a pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al que es­tá nas pes­so­as.”

A mis­são do exe­cu­ti­vo, no en­tan­to, não tem si­do fá­cil. Se­gun­do cál­cu­los do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca ( IBGE), em ou­tu­bro 12,3 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos bus­ca­vam um lu­gar ao sol no mercado de tra­ba­lho. Mes­mo as­sim, para con­se­guir pre­en­cher as vagas, a Di­men­si­on Da­ta te­ve de fa­zer par­ce­ria com ONGs de­di­ca­das à re­co­lo­ca­ção pro­fis­si­o­nal de re­fu­gi­a­dos, com uni­ver­si­da­des e es­co­las téc­ni­cas, além de al­gu­mas em­pre­sas ca­ça-ta­len­tos. “O de­sem­pre­go en­cheu o mercado de no­vos can­di­da­tos, mas não so­lu­ci­o­nou o en­dê­mi­co de­sa­fio da bai­xa qua­li­fi­ca­ção da mão- de- obra bra­si­lei­ra”, afir­mou An­sel­mo, que co­me­mo­rou a con­tra­ta­ção de en­ge­nhei­ros sí­ri­os e ve­ne­zu­e­la­nos nes­ta se­ma­na. “Por is­so, ca­da vez mais, com­por uma equi­pe com­pe­ten­te e bem-trei­na­da exi­ge pa­ci­ên­cia e in­ves­ti­men­to para re­ter ta­len­tos.”

A re­to­ma­da do em­pre­go, de fa­to, es­tá pro­mo­ven­do um ra­li en­tre as gran­des em­pre­sas. Para al­can­çar o ob­je­ti­vo de do­brar de ta­ma­nho nos pró­xi­mos 12 me­ses, a em­pre­sa de TI Top­mind de­ci­diu pul­ve­ri­zar seu pro­ces­so de con­tra­ta­ção de 126 fun­ci­o­ná­ri­os nas pró­xi­mas se­ma­nas, na ci­da­de pa­ra­na­en­se de Lon­dri­na e na ca­pi­tal pau­lis­ta. Ou­tras 80 vagas se­rão pre­en­chi­das nas uni­da­des de Mi­nas Ge­rais e Rio de Ja­nei­ro, al­go ou­sa­do para uma em­pre­sa de 360 fun­ci­o­ná­ri­os. “De­fi­ni­mos um pro­je­to para con­tra­tar e, prin­ci­pal­men­te, fi­de­li­zar es­ses no­vos co­la­bo­ra­do­res”, dis­se a CEO da em­pre­sa, San­dra Mau­ra. A es­tra­té­gia, se­gun­do ela, con­sis­te em ofe­re­cer uma re­mu­ne­ra­ção atra­ti­va e um am­bi­en­te de tra­ba­lho agra­dá­vel. “Mes­mo com tan­ta gen­te de­sem­pre­ga­da no mercado, te­mos de es­co­lher os me­lho­res, trei­nar os pro­fis­si­o­nais e bus­car um ín­di­ce bai­xo de ro­ta­ti­vi­da­de. A nos­sa es­tá na ca­sa de 2%, abai­xo da mé­dia ge­ral de 5%.”

TECNOLOGIA O seg­men­to que pro­me­te ser um dos prin­ci­pais pal­cos da dis­pu­ta por bons cur­rí­cu­los nes­se novo ce­ná­rio é o tec­no­ló­gi­co. “O se­tor é o que mais vem de­man­dan­do vagas”, diz Fer­nan­do Mo­ret­ti, di­re­tor de ope­ra­ções do si­te de em­pre­gos da Catho. Dos 30 car­gos com mai­or ofer­ta de vagas dis­po­ní­veis atu­al­men­te na pla­ta­for­ma, 12 são di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­dos a es­sa ati­vi­da­de. A in­di­a­na TCS, de ser­vi­ços de TI, é uma das em­pre­sas cu­ja área de RH tem cum­pri­do uma agen­da bem mo­vi­men­ta­da nos úl­ti­mos me­ses.

Des­de mar­ço, a com­pa­nhia am­pli­ou sua equi­pe em mais de 500 pes­so­as. E ago­ra vai con­tra­tar mil pro­fis­si­o­nais no Bra­sil até ju­lho de 2019. O pla­no é pre­en­cher me­ta­de des­sas vagas até o fim do ano. As opor­tu­ni­da­des se di­vi­dem en­tre o cen­tro de de­sen­vol­vi­men­to, ins­ta­la­do em Lon­dri­na ( PR), e os es­cri­tó­ri­os em São Pau­lo e no Rio de Ja­nei­ro. “Te­mos per­ce­bi­do que os nos­sos cli­en­tes es­tão mais oti­mis­tas”, afir­ma Tushar Pa­rikh, CEO lo­cal da TCS. O gru­po aten­de gran­des em­pre­sas em seg­men­tos co­mo fi­nan­ças, mi­ne­ra­ção, bens de con­su­mo, e óleo e gás. “Nos­so ob­je­ti­vo é che­gar a 4 mil pro­fis­si­o­nais no pra­zo de dois a qua­tro anos.”

Es­pe­ci­a­li­za­da em trans­for­ma­ção digital, a bra­si­lei­ra CI&T tam­bém es­tá à ca­ça de pro­gra­ma­do­res, de­sen­vol­ve­do­res e afins. A em­pre­sa abriu 480 vagas nes­te ano, das quais 100 ain­da es­tão dis­po­ní­veis nas ope­ra­ções em Cam­pi­nas, São Pau­lo e Be­lo Ho­ri­zon­te. “Cres­ce­mos a uma ta­xa mé­dia de 30% nos úl­ti­mos anos”, diz Mar­ce­lo Tre­vi­sa­ni, exe­cu­ti­vo-che­fe de mar­ke­ting da CI&T, do­na de uma re­cei­ta de R$ 498 mi­lhões em 2017. “Se con­se­gui­mos na­ve­gar bem em um am­bi­en­te que não era fa­vo­rá­vel, a ex­pec­ta­ti­va é que a de­man­da au­men­te ain­da mais com a economia em cres­ci­men­to.” As con­tra­ta­ções acom­pa­nham in­ves­ti­men­tos re­cen­tes da com­pa­nhia, en­tre eles, a trans­for­ma­ção de seu cen­tro de tec­no­lo­gi­as di­gi­tais, em Be­lo Ho­ri­zon­te, em um hub de ex­por­ta­ção para pro­je­tos in­ter­na­ci­o­nais. Ho­je, 40% do fa­tu­ra­men­to já vem do ex­te­ri­or, por meio de cli­en­tes co­mo Co­ca- Co­la, McDo­nald’s e

John­son & John­son.

A ex­pec­ta­ti­va pe­la re­to­ma­da não es­tá res­tri­ta às em­pre­sas de tecnologia. A con­sul­to­ria ame­ri­ca­na de re­cru­ta­men­to Ro­bert Half an­te­ci­pou à DINHEIRO da­dos da 6ª edi­ção do Ín­di­ce de Confiança, re­a­li­za­da em no­vem­bro e que se­rá di­vul­ga­da na pró­xi­ma se­ma­na. Fo­ram re­a­li­za­das 1.161 en­tre­vis­tas com pro­fis­si­o­nais em­pre­ga­dos, de­sem­pre­ga­dos e res­pon­sá­veis pelo RH em com­pa­nhi­as de di­ver­sos se­to­res. O ín­di­ce, que me­de a per­cep­ção quan­to ao mercado de tra­ba­lho, foi de 55,3, o mai­or da sé­rie his­tó­ri­ca, ini­ci­a­da em ju­lho de 2017. En­tre os re­cru­ta­do­res, 70% acre­di­tam que 2019 se­rá me­lhor que 2018 em re­la­ção à cri­a­ção de vagas. No âm­bi­to ge­ral, ou­tros 70% apon­ta­ram a de­fi­ni­ção do ce­ná­rio elei­to­ral co­mo o fa­tor pre­pon­de­ran­te para es­se re­a­que­ci­men­to. “Com mai­or pre­vi­si­bi­li­da­de, as em­pre­sas es­tão mais dis­pos­tas a as­su­mir ris­cos e a de­sen­ga­ve­tar pro­je­tos que es­ta­vam sus­pen­sos”, diz Má­rio Cus­tó­dio, di­re­tor as­so­ci­a­do da Ro­bert Half.

Um dos mais afe­ta­dos pe­la cri­se dos úl­ti­mos anos, o va­re­jo vem re­for­çan­do es­se sen­ti­men­to de mai­or confiança. “Es­tou per­ce­ben­do um cli­ma mais po­si­ti­vo en­tre os empresários”, diz Car­los Wi­zard, fun­da­dor da Sfor­za, hol­ding que reú­ne negócios co­mo as re­des de fast fo­od KFC, Piz­za Hut e Ta­co Bell. “Se o novo go­ver­no ob­ti­ver su­ces­so na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, nas pri­va­ti­za­ções e na re­du­ção do ta­ma­nho do Es­ta­do, acre­di­to que o Bra­sil en­tra­rá em um ciclo virtuoso de cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel.” Sob es­sa pers­pec­ti­va, a Sfor­za anun­ci­ou, em no­vem­bro, um pla­no de in­ves­ti­men­to de R$ 1,6 bilhão para os pró­xi­mos cin­co anos. No pe­río­do, a pro­je­ção é ge­rar 45 mil em­pre­gos nos res­tau­ran­tes, a par­tir da

ex­pan­são do número atu­al de 250 lo­jas para 1.250 uni­da­des, uma al­ta de 400%. Os apor­tes in­clu­em ain­da o Mun­do Ver­de, re­de de pro­du­tos na­tu­rais e or­gâ­ni­cos, e a Hub Fin­te­ch, de mei­os de pa­ga­men­to.

FARMÁCIAS Do­no das re­des Dro­ga­ria São Pau­lo e Dro­ga­ria Pa­che­co, o gru­po DPSP tam­bém se­gue es­sa to­a­da de ex­pan­são. A em­pre­sa pla­ne­ja man­ter um rit­mo de aber­tu­ra de cem lo­jas por ano. Ho­je, são mais de 1,3 mil. Nes­sa tri­lha, além dos pro­gra­mas de es­tá­gio e de trai­ne­es, que con­ta­bi­li­zam cer­ca de 170 vagas, a com­pa­nhia tem mais de mil opor­tu­ni­da­des dis­po­ní­veis, a mai­o­ria de­las vol­ta­das a aten­den­tes e far­ma­cêu­ti­cos. “Estamos se­guin­do as pers­pec­ti­vas do se­tor, que tem pre­vi­são de cres­ci­men­to en­tre 8% e 9% para 2019”, afir­ma Li­li­a­ne Cam­ma­ra­no, ge­ren­te- exe­cu­ti­va de re­cur­sos hu­ma­nos da DPSP. Na ava­li­a­ção de Nil­son Pe­rei­ra, CEO da con­sul­to­ria Man­power, es­se iní­cio de re­cu­pe­ra­ção em seg­men­tos co­mo o va­re­jo vem sen­do gui­a­do pe­la ofer­ta de vagas ope­ra­ci­o­nais, em de­tri­men­to de po­si­ções mais es­tra­té­gi­cas. “Com a fle­xi­bi­li­za­ção do cré­di­to e a pers­pec­ti­va de aumento do con­su­mo, as em­pre­sas es­tão re­a­ti­van­do pos­tos de tra­ba­lho para ampliar sua ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to e de ven­das”, afir­ma o exe­cu­ti­vo. A Hei­ne­ken é mais uma que aposta na vol­ta dos con­su­mi­do­res às pra­te­lei­ras. O gru­po tem 600 con­tra­ta­ções para fa­zer. “Nes­te ano, ti­ve­mos um cres­ci­men­to de 12% em re­la­ção ao número de vagas no ano pas­sa­do”, ob­ser­va Ra­quel Gu­a­ri­non Za­gui, vi­ce-pre­si­den­te de Re­cur­sos Hu­ma­nos da

Hei­ne­ken no Bra­sil.

Um mo­vi­men­to se­me­lhan­te é re­gis­tra­do pe­la mai­or re­de ho­te­lei­ra do mun­do com 9 mil ho­téis, a Wyndham. O pre­si­den­te da ope­ra­ção na Amé­ri­ca La­ti­na, o me­xi­ca­no Ale­jan­dro Mo­re­no, es­tá ca­pi­ta­ne­nan­do a aber­tu­ra de 34 ho­teis no País en­tre 2018 e 2019, e a con­tra­ta­ção de 5 mil fun­ci­o­ná­ri­os ope­ra­ci­o­nais na re­gião, cer­ca de 2,8 mil de­les no Bra­sil. “Estamos em uma fa­se sen­sa­ci­o­nal de ex­pan­são das ope­ra­ções no Bra­sil”, afir­ma Mo­re­no, que so­men­te em no­vem­bro as­si­nou a car­tei­ra de tra­ba­lho de 200 no­vos fun­ci­o­ná­ri­os com a aber­tu­ra do Wyndham Gra­ma­do Ter­mas Spa, no Rio Gran­de do Sul. “Va­mos ace­le­rar no nos­so mais am­bi­ci­o­so pla­no de cres­ci­men­to.”

Em ou­tra fren­te, Pe­rei­ra, da Man­power, apon­ta ou­tras in­dús­tri­as que in­ves­ti­ram for­te­men­te até 2014 e que, com a che­ga­da da cri­se, pas­sa­ram a ope­rar com gran­de ca­pa­ci­da­de oci­o­sa. “Pou­co a pou­co, es­sas com­pa­nhi­as es­tão abrin­do no­vos tur­nos e re­a­ti­van­do li­nhas de pro­du­ção.” Es­se é o ca­so de gran­des mon­ta­do­ras, co­mo Volkswa­gen e Mer­ce­des-Benz. No ca­so da VW, a re­to­ma­da das ven­das de veí­cu­los mo­ti­vou o anún­cio de con­tra­ta­ção de 800 pes­so­as nes­ta se­ma­na. Cer­ca de 500, mui­tos de­les que ti­ve­ram seus con­tra­tos sus­pen­sos nos úl­ti­mos anos, em ra­zão da que­da dos mer­ca­dos, se­rão rein­cor­po­ra­dos para a fá­bri­ca de São Jo­sé dos Pi­nhais, no Pa­ra­ná, on­de se­rá pro­du­zi­do o T-Cross, pri­mei­ro SUV da Volkswa­gen a ser fa­bri­ca­do no País. “A Volkswa­gen vi­ve um ex­ce­len­te mo­men­to, com a mai­or ofen­si­va de pro­du­tos da nos­sa his­tó­ria e uma forte re­to­ma­da das ven­das”, dis­se Pa­blo Di Si, pre­si­den­te e CEO da Volkswa­gen Amé­ri­ca La­ti­na. “Cres­ce­mos em 2018 mais do que o do­bro da in­dús­tria e fe­cha­mos o ano com uma só­li­da se­gun­da po­si­ção. Anun­ci­a­mos a con­tra­ta­ção de 250 em­pre­ga­dos na nos­sa fá­bri­ca de mo­to­res, em São Car­los, no in­te­ri­or de São Pau­lo, em ra­zão do aque­ci­men­to do mercado in­ter­no e da am­pli­a­ção do con­tra­to de ex­por­ta­ção.”

Já a Mer­ce­des-Benz es­tá contratando 600 no­vos co­la­bo­ra­do­res para au­men­tar os seus vo­lu­mes de pro­du­ção de ca­mi­nhões para a cres­cen­te de­man­da no mercado bra­si­lei­ro em 2019. “As em­pre­sas de trans­por­te es­tão olhan­do com mais oti­mis­mo para o ce­ná­rio econô­mi­co em fun­ção do con­tro­le de ín­di­ces co­mo a in­fla­ção, ta­xa de ju­ros e câm­bio, além da ex­pec­ta­ti­va pelo cres­ci­men­to do PIB”, dis­se Phi­lipp Schi­e­mer, pre­si­den­te da Mer­ce­des-Benz Amé­ri­ca La­ti­na. “Is­so traz a de­se­ja­da pre­vi­si­bi­li­da­de nos negócios, ge­ran­do se­gu­ran­ça para que cli­en­tes in­vis­tam na re­no­va­ção de fro­ta. Estamos no­va­men­te ao la­do de­les nes­se mo­men­to de re­to­ma­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.