ARTIGO –

ISTO É Dinheiro - - ÍNDICE - *Ed­son Aran é re­da­tor-che­fe da DINHEIRO

Sal­vem a li­te­ra­tu­ra e as li­vra­ri­as es­ta­rão sal­vas...

Gran­des es­cri­to­res bra­si­lei­ros sem­pre de­ram um jei­ti­nho de en­cos­tar no ser­vi­ço pú­bli­co para so­bre­vi­ver. Ma­cha­do de As­sis tra­ba­lhou na Im­pren­sa Na­ci­o­nal, Sta­nis­law Pon­te Pre­ta foi do Ban­co do Bra­sil e Vi­ní­cius de Mo­ra­es era do Ita­ma­raty. Li­ma Bar­re­to, Jo­sé de Alen­car, Ma­no­el Antô­nio de Al­mei­da: tu­do bu­ro­cra­ta. Ape­sar dis­so, ain­da foi pos­sí­vel, em ou­tra épo­ca, produzir es­cri­to­res ta­len­to­sos e bons de ven­da­gem: Jor­ge Ama­do, Éri­co Ve­rís­si­mo, Nel­son Ro­dri­gues e Ru­bem Fon­se­ca, além do pró­prio Ma­cha­do, cu­jos ro­man­ces eram se­ri­a­li­za­dos em jor­nais, co­mo as te­le­no­ve­las de ho­je. Mas nun­ca con­se­gui­mos, de fa­to, se­di­men­tar uma li­te­ra­tu­ra com­pe­ten­te, bem es­cri­ta e de al­to con­su­mo. Nun­ca ti­ve­mos um Stephen King, um John Le Car­ré ou uma Agatha Ch­ris­tie. Nun­ca ti­ve­mos um Co­nan Doy­le, um Ian Fle­ming ou um Ju­les Ver­ne.

No Bra­sil, ga­nhar dinheiro com li­te­ra­tu­ra sem­pre foi vis­to co­mo uma ofen­sa a Deus e à or­dem na­tu­ral das coi­sas. O es­cri­tor bra­si­lei­ro de­ve tra­ba­lhar ape­nas em tro­ca de crí­ti­cas fa­vo­rá­veis em su­ple­men­tos cul­tu­rais que nin­guém lê e pa­les­tras va­zi­as em even­tos a que nin­guém vai. As edi­to­ras não in­ves­tem em mar­ke­ting sob o ar­gu­men­to de que a coi­sa não se pa­ga. E o au­tor, co­mo sa­be que não po­de vi­ver da­qui­lo, pre­fe­re par­tir para ex­pe­ri­men­ta­ções joy­ce­a­nas para, ao me­nos, fa­zer ami­gos na Aca­de­mia. Só que o li­vrei­ro pre­ci­sa ven­der al­gu­ma coi­sa e aí, para sus­ten­tar uma ati­vi­da­de que, afi­nal de con­tas, pre­ci­sa dar lu­cro para al­guém, o edi­tor in­ves­te nu­ma su­bli­te­ra­tu­ra des­car­tá­vel fei­ta por you­tu­bers, gu­rus de au­to­a­ju­da e ce­le­bri­da­des te­le­vi­si­vas. Is­so en­che o cai­xa mo­men­ta­ne­a­men­te, mas não for­ma pú­bli­co e nem se­di­men­ta o mercado. O li­vro do Felipe Ne­to ga­ran­te uns tro­ca­dos ho­je, mas não con­se­gue que o fre­guês vol­te ama­nhã.

A fa­lên­cia das gran­des re­des de li­vra­ri­as é só a pon­ta do ice­berg. O se­tor li­vrei­ro in­tei­ro vai mal e pre­ci­sa ser rei­ma­gi­na­do an­tes que se­ja tar­de de­mais. As lo­jas são imen­sas, mas quan­tas ve­zes vo­cê en­trou nu­ma de­las em bus­ca de al­go pra ler e saiu de mãos aba­nan­do? Aliás, qu­al foi a úl­ti­ma vez que vo­cê es­pe­rou, an­si­o­so, o novo li­vro de um es­cri­tor na­ci­o­nal? En­quan­to as gran­des re­des­de li­vra­ri­as fe­cham lo­jas, na ou­tra pon­ta do mercado mi­cro­e­di­to­ras ágeis co­mem pe­las bor­das em fei­ras li­te­rá­ri­as al­ter­na­ti­vas e ven­das di­re­tas pe­la in­ter­net — de li­vros fí­si­cos, ve­ja bem. Ala­van­ca­do pelo hip hop, há um res­sur­gi­men­to da po­e­sia nas pe­ri­fe­ri­as dos gran­des cen­tros, com au­to­res usan­do até o mi­meó­gra­fo para vei­cu­lar sua pro­du­ção. E es­cri­to­res co­me­çam a lan­çar mão do crowd­fun­ding para im­pri­mir e dis­tri­buir su­as obras por­que ve­em nis­so a chan­ce de ga­nhar uns tro­ca­dos, coi­sa im­pos­sí­vel no mercado li­vrei­ro tra­di­ci­o­nal.

Li­te­ra­tu­ra não é ne­gó­cio no Bra­sil. Exis­tem ape­nas du­as agen­tes li­te­rá­ri­as que re­al­men­te im­por­tam no País, en­quan­to em qual­quer pré­dio de es­cri­tó­ri­os em Los An­ge­les é pos­sí­vel en­con­trar o tri­plo dis­so. É que lá, ao con­trá­rio da­qui, a li­te­ra­tu­ra, qua­dri­nhos in­clu­sos, é a ba­se de uma economia cri­a­ti­va que mo­vi­men­ta mi­lhões de dó­la­res to­do ano. E é aí que es­tá o “bu­sí­lis”, co­mo di­zi­am os per­so­na­gens do Ru­bem Fon­se­ca: se a li­te­ra­tu­ra não é lu­cra­ti­va para quem es­cre­ve, para quê sal­var as gran­des li­vra­ri­as? Edi­to­res e li­vrei­ros pre­ci­sam en­ten­der fi­nal­men­te que o im­por­tan­te é cri­ar con­su­mi­do­res e não en­tu­pir lo­jas imen­sas de pro­du­tos des­car­tá­veis. Dinheiro não traz fe­li­ci­da­de, di­zem, mas fal­ta de dinheiro nun­ca fez nin­guém pu­lar de ale­gria.

En­quan­to as gran­des re­des fe­cham lo­jas, mi­cro­e­di­to­ras ágeis co­mem pe­las bor­das em fei­ras li­te­rá­ri­as al­ter­na­ti­vas e ven­das di­re­tas pe­la in­ter­net — de li­vros fí­si­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.