“FA­ZER HU­MOR FI­COU MAIS PE­RI­GO­SO”

ISTO É - - ENTREVISTA - Por Vi­cen­te Vi­lar­da­ga

Al­guns dos pou­cos mo­men­tos di­ver­ti­dos da cam­pa­nha elei­to­ral de 2018 se de­ve­ram ao ta­len­to do hu­mo­ris­ta Mar­ce­lo Ad­net, 37 anos. Ao en­ce­nar sá­ti­ras dos can­di­da­tos à pre­si­dên­cia e ao go­ver­no do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro, fei­tas por meio de imi­ta­ções en­co­men­da­das pe­lo jor­nal O Glo­bo, Ad­net trou­xe ir­re­ve­rên­cia a um am­bi­en­te re­ple­to de ódio e fa­na­tis­mo. Pa­ra fa­zer o bra­si­lei­to rir, o co­me­di­an­te es­tu­dou exaus­ti­va­men­te as fra­ses e os ví­ci­os de lin­gua­gem dos imi­ta­dos, pro­du­zin­do uma sé­rie hi­la­ri­an­te. Mas nem tu­do fo­ram flo­res. A ca­ri­ca­tu­ra do can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro foi re­ce­bi­da com ame­a­ças de mor­te — e Ad­net viu seu no­me achin­ca­lha­do por “fa­ke news”. Sua re­a­ção foi de­nun­ci­ar o ca­so à po­lí­cia e pro­ces­sar cri­mi­nal­men­te aque­les que o ata­ca­ram pe­las re­des so­ci­ais. “Fiz um nú­me­ro de co­mé­dia e fui ame­a­ça­do de mor­te por mais de uma pes­soa”, dis­se Ad­net nes­ta en­tre­vis­ta à ISTOÉ. “Há um ti­po de cen­su­ra que já é uma re­a­li­da­de. As pes­so­as já es­tão sen­do agre­di­das ou mor­ren­do nas ru­as, as­sas­si­na­das por sua po­si­ção po­lí­ti­ca. O Bra­sil já es­tá nu­ma si­tu­a­ção de gran­de ame­a­ça à de­mo­cra­cia”.

Vo­cê re­ce­beu ame­a­ças por cau­sa da imi­ta­ção dos po­lí­ti­cos?

Na pri­mei­ra do Bol­so­na­ro, sim, re­ce­bi al­gu­mas ame­a­ças do ti­po “quan­do vo­cê vi­er na mi­nha ci­da­de vou te ba­ter” ou “vou te dar um ti­ro de 12 na ca­ra”. Fui ame­a­ça­do com ti­ros e por­ra­das. Foi uma ou ou­tra pes­soa, não é to­do mun­do que che­ga com um ti­ro na pon­ta da lín­gua. É uma mi­no­ria. E não sei se as pes­so­as fa­ri­am is­so de ver­da­de. Mas te­mo pe­la mi­nha pró­pria vi­da. Pre­ci­sei en­trar na Jus­ti­ça con­tra es­sas pes­so­as pa­ra sa­ber o que elas pre­ten­dem. Não que­ro di­nhei­ro, não que­ro vin­gan­ça, não que­ro na­da dis­so. Só que­ro de­fen­der o di­rei­to do bra­si­lei­ro de opi­nar. Não co­me­ti ne­nhum cri­me na mi­nha imi­ta­ção e me­re­cia o mí­ni­mo de res­pei­to.

Vo­cê en­trou na Jus­ti­ça con­tra quem te ofen­deu?

Exa­ta­men­te. É um pro­ces­so que es­tá cor­ren­do em si­gi­lo, eu não te­nho os de­ta­lhes de­le, mas a gen­te aci­o­nou es­sas pes­so­as por ame­a­ça. Hou­ve al­gu­mas que cri­a­ram “fa­ke news” com meu no­me e es­tão sen­do pro­ces­sa­das por di­fa­ma­ção e ca­lú­nia.

O que vo­cê acha des­se bai­xo ní­vel de to­le­rân­cia pa­ra o hu­mor du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral?

Os bra­si­lei­ros es­tão pa­gan­do um mi­co his­tó­ri­co, uma ver­go­nha in­ter­na­ci­o­nal. Os grin­gos olham pa­ra a gen­te com uma ca­ra de “o que es­tá acon­te­cen­do?, o que es­sas pes­so­as es­tão fa­zen­do, por­que es­sas pes­so­as es­tão pas­san­do por es­sa si­tu­a­ção?”. É um mo­men­to to­tal­men­te es­ta­pa­fúr­dio, iló­gi­co, ir­ra­ci­o­nal. Eu não sei ex­pli­car por que a gen­te che­gou nes­te pon­to. O go­ver­no do PT er­rou, cri­ou uma bo­la de ne­ve, um fan­tas­ma. Mas o mons­tro do an­ti-pe­tis­mo cres­ceu mui­to além do que se ima­gi­na­va e aca­bou por dei­xar mui­ta gen­te com rai­va. Ve­ja o ti­po de cli­ma que a gen­te es­tá vi­ven­do. Não é na­da de­mo­crá­ti­co. Quan­do in­sis­to em fa­zer meu pa­pel na co­mé­dia, quan­do vou à Jus­ti­ça, es­tou, na ver­da­de, pe­que­ni­ni­nho, no meu mi­cro­cos­mo, lu­tan­do pa­ra que a gen­te te­nha di­rei­to de se ex­pres­sar.

Nor­mal­men­te a po­lí­ti­ca ofe­re­ce uma boa ma­té­ria-pri­ma pa­ra a co­mé­dia. Fi­cou ar­ris­ca­do fa­zer hu­mor po­lí­ti­co?

Vi­rou ar­ris­ca­do, mas a gen­te não po­de pa­rar por is­so. Por­que acho que o ob­je­ti­vo da­que­les que ame­a­çam, da­que­les que pro­du­zem no­tí­ci­as fal­sas con­tra as pes­so­as que se ex­pres­sam, é fa­zer com que a gen­te pa­re. Que­rem que a gen­te sin­ta me­do e se ca­le. Ro­la uma ame­a­ça or­ga­ni­za­da, não é uma coi­sa es­pon­tâ­nea. É uma ame­a­ça que vem de al­gum lu­gar e a gen­te não con­se­gue sa­ber exa­ta­men­te de on­de.

Não exis­te neu­tra­li­da­de no atu­al con­tex­to?

Acho que não. Mui­ta gen­te re­al­men­te não en­ten­de o que es­tá acon­te­cen­do. Os pró­pri­os ana­lis­tas po­lí­ti­cos não es­tão en­ten­den­do es­te mo­men­to. En­tão ima­gi­na a pes­soa co­mum, me­nos ain­da. Uma coi­sa é a gen­te não sa­ber o que di­zer e não que­rer fa­lar. E ou­tra é ter coi­sas pa­ra di­zer, mas não que­rer fa­lar por­que vai dar pro­ble­ma, por­que vai cau­sar al­gum ti­po de pre­juí­zo, por­que vou ser ame­a­ça­do e vai ser ruim pa­ra mi­nha fa­mí­lia. Cria-se es­se am­bi­en­te to­tal­men­te hos­til à po­lí­ti­ca, hos­til a qual­quer de­ba­te.

Vo­cê dis­se ter re­a­li­za­do um “tra­ba­lho jor­na­lís­ti­co” pa­ra fa­zer es­sas imi­ta­ções. Po­de ex­pli­car?

Eu ve­jo as sa­ba­ti­nas, en­tre­vis­tas e dis­cur­sos prin­ci­pais com um ca­der­no ao la­do e vou ano­tan­do as prin­ci­pais fra­ses e os prin­ci­pais ví­ci­os de lin­gua­gem. Quan­do che­ga ao fi­nal, de­pois de um par de ho­ras, ve­jo tu­do que foi ano­ta­do e ten­to or­ga­ni­zar o ma­te­ri­al pa­ra cons­truir um dis­cur­so. Aí vo­cê tem um es­for­ço jor­na­lís­ti­co. O tra­ba­lho não es­tá só em ano­tar as ca­rac­te­rís­ti­cas de lin­gua­gem dos can­di­da­tos, mas em edi­tar tu­do is­so, trans­for­mar num tex­to só e co­lo­car o hu­mor pa­ra dar uma li­ga.

Quais fo­ram os mais fá­ceis e os mais di­fí­ceis de imi­tar?

Te­ve três que eu imi­tei de ca­ra, sem es­tu­dar mui­to, que fo­ram o Ci­ro, o Bol­so­na­ro e o Edu­ar­do Pa­es. Os ou­tros eu es­tu­dei mais. Acho que ti­ve­ram três que fo­ram im­por­tan­tes con­quis­tas — o Had­dad, o Alck­min e a Ma­ri­na, que eu não ti­nha ideia de co­mo eu ia fa­zer. Mas o re­sul­ta­do fi­cou mui­to le­gal. O mais de­sa­fi­a­dor foi o Had­dad por­que ele não tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca mui­to im­por­tan­te na fa­la. Ele não é ca­ri­ca­to e é mui­to su­til. Não sa­bia co­mo imi­tá-lo, mas acho que ro­lou, en­tão foi a mais sur­pre­en­den­te pa­ra mim. A mais fá­cil tal­vez te­nha si­do a do Hen­ri­que Mei­rel­les, por­que ele pa­re­ce um per­so­na­gem e já tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca ca­ri­ca­tu­ral. Não é co­mo Had­dad, que vo­cê pre­ci­sa pro­cu­rar on­de es­tá es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca. No Mei­rel­les ela já vem su­bli­nha­da.

E o Bol­so­na­ro es­pe­ci­fi­ca­men­te?

O Bol­so­na­ro fa­la mui­ta bes­tei­ra, fa­la mui­ta coi­sa po­lê­mi­ca, fo­ra da ca­si­nha, coi­sas ab­sur­das, en­tão fi­ca mais fá­cil pa­ra

cons­truir um per­so­na­gem que é tão ca­ri­ca­to. Per­to dos ou­tros foi mais fá­cil por­que ele tem uma ca­ri­ca­tu­ra for­te.

Vo­cê con­si­de­ra que faz um hu­mor mi­li­tan­te?

Não, no má­xi­mo ele se­ria mi­li­tan­te pe­la de­mo­cra­cia. Por­que fa­la de to­dos os can­di­da­tos, deu es­pa­ço pa­ra to­dos. Mes­mo o João Amo­e­do, que nun­ca foi a um de­ba­te, te­ve es­pa­ço no meu tu­to­ri­al. A Ve­ra Lu­cia, o Ey­ma­el, o João Gou­lart Fi­lho, de quem pou­co a gen­te ou­ve fa­lar, ti­ve­ram es­pa­ço tam­bém. A Ma­ri­na, que te­ve uma vo­ta­ção me­nor que a do Da­ci­o­lo, te­ve o es­pa­ço de­la. En­tão são mo­men­tos em que os can­di­da­tos têm voz, têm es­pa­ço, até de for­ma mais equâ­ni­me e mais de­mo­crá­ti­ca do que na mí­dia tra­di­ci­o­nal ou na pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca.

E po­li­ti­ca­men­te, co­mo vo­cê se si­tua?

É um mo­men­to com­pli­ca­do, es­tá to­do mun­do com di­fi­cul­da­de de se si­tu­ar e pa­ra mim não é di­fe­ren­te. Eu con­su­mi mui­to ma­te­ri­al, vi mui­tos can­di­da­tos fa­la­rem e pa­re­ce que há uma cer­ta mor­te da po­lí­ti­ca co­mo a gen­te co­nhe­cia. Não tem mais dis­cus­são de pau­ta, não tem de­ba­te, não tem pro­pos­ta, o que tem é me­me, ata­que, fa­bri­ca­ção e cir­cu­la­ção de no­tí­ci­as fal­sas. O de­ba­te che­gou num pon­to mui­to pre­o­cu­pan­te de es­va­zi­a­men­to e acir­ra­men­to dos con­teú­dos.

Vo­cê com­pa­ra nos­sa si­tu­a­ção com a do Trump?

Não, acho que Bol­so­na­ro é mui­to mais à di­rei­ta do que Trump. Per­to do Bol­so­na­ro, o Trump é um mo­de­ra­do. O pro­ble­ma no Bra­sil é mui­to mais gra­ve do que o dos Es­ta­dos Uni­dos, até por­que lá vo­cê não tem um cli­ma de co­me­di­an­tes se­rem ame­a­ça­dos. Trump tem bar­ba­ri­da­des ex­tre­mis­tas co­mo o mu­ro, ou aqui­lo que foi fei­to com as cri­an­ças na fron­tei­ra, mas aqui es­ta­mos num ter­re­no me­nos de­mo­crá­ti­co que os Es­ta­dos Uni­dos e as ame­a­ças são mai­o­res. Se elas vão se con­cre­ti­zar ou não a gen­te não sa­be.

O que vo­cê acha que po­de acon­te­cer se o Bol­so­na­ro for elei­to?

Nes­se mo­men­to o que exis­te é in­cer­te­za. Já que não hou­ve de­ba­te, não hou­ve pro­pos­ta na me­sa, a gen­te não sa­be o que vai acon­te­cer. O que pai­ra so­bre es­se even­tu­al go­ver­no é dú­vi­da e a gen­te tor­ce pa­ra que te­nham vo­zes dis­cor­dan­tes no Bra­sil, pa­ra que te­nha uma voz de opo­si­ção. Nos Es­ta­dos Uni­dos há uma opo­si­ção es­ta­be­le­ci­da ao Trump.

Vo­cê te­me, por exem­plo, uma vol­ta da cen­su­ra?

Acho que a cen­su­ra co­mo a gen­te co­nhe­ceu no pas­sa­do é di­fí­cil. Is­so ge­ra­ria uma re­a­ção mui­to gran­de da so­ci­e­da­de ci­vil. Mas ago­ra há uma cen­su­ra di­fe­ren­te, co­mo a que es­tá sen­do fei­ta co­mi­go. Ten­ta­ti­vas de in­ti­mi­da­ção, co­er­ção e ame­a­ças são uma for­ma de cen­su­ra. Fiz um nú­me­ro de co­mé­dia e fui ame­a­ça­do de mor­te por mais de uma pes­soa. Es­sa cen­su­ra é uma re­a­li­da­de. As pes­so­as es­tão sen­do agre­di­das ou mor­ren­do nas ru­as, as­sas­si­na­das por sua po­si­ção po­lí­ti­ca. Não é que em 1º de ja­nei­ro vai vi­rar. O Bra­sil já es­tá nu­ma si­tu­a­ção de ame­a­ça gran­de à de­mo­cra­cia. Pa­re­ce uma coi­sa in­con­tro­lá­vel, há uma von­ta­de de sair dan­do ti­ro na ca­ra dos ou­tros. Há uma ideia de se ar­mar pa­ra ma­tar pes­so­as que co­me­tem cri­mes. Há uma lu­ta dos ci­da­dãos de bem con­tra as pes­so­as do mal. É uma sim­pli­fi­ca­ção gro­tes­ca da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra.

Há um dis­cur­so con­tra mi­no­ri­as. De on­de vem is­so?

Is­so eu já não con­si­go en­ten­der. Não ve­jo ne­nhu­ma ra­zão ló­gi­ca e pal­pá­vel pa­ra es­se dis­cur­so. O pró­prio Bol­so­na­ro usa sua imu­ni­da­de par­la­men­tar pa­ra di­zer que é ho­mo­fó­bi­co. Mas qual é o po­der que o pre­si­den­te vai ter so­bre is­so? Ele já te­ve o po­der de nor­ma­li­zar um dis­cur­so e di­zer que aqui­lo é pe­ca­do, é er­ra­do, é ver­go­nho­so e dig­no de pi­a­da. En­tão eu não con­si­go en­ten­der is­so e fi­co mui­to pre­o­cu­pa­do. Eu que sou ho­mem, hé­te­ro, ri­co, bran­co, fi­co mui­to pre­o­cu­pa­do com meus ami­gos e mi­nhas ami­gas que mo­ram na pe­ri­fe­ria ou que são pre­tos ou LGBT ou que mi­li­tam no cam­po da es­quer­da.

As imi­ta­ções vão con­ti­nu­ar?

A gen­te fez um te­a­ser na se­ma­na pas­sa­da que fa­la­va de Te­mer e do se­gun­do tur­no e tam­bém uma sé­rie com os can­di­da­tos pa­ra os go­ver­nos do Rio, São Pau­lo, Mi­nas e Rio Gran­de do Sul. Na sex­ta-fei­ra an­tes da elei­ção, vou pre­pa­rar uma sur­pre­sa, al­gu­ma coi­sa que es­ta­mos bo­lan­do e que de­ve en­vol­ver os dois can­di­da­tos à pre­si­dên­cia. De­pois da elei­ção, as imi­ta­ções vão con­ti­nu­ar, mas não no mes­mo rit­mo. Tem mui­ta coi­sa acon­te­cen­do na po­lí­ti­ca e é bom acom­pa­nhar de per­to.

“Eu que sou ho­mem, hé­te­ro, ri­co e bran­co fi­co pre­o­cu­pa­do com meus ami­gos e ami­gas que são pre­tos ou LGBT”

As su­as imi­ta­ções ti­ve­ram al­gum im­pac­to elei­to­ral?

Is­so a gen­te nun­ca vai sa­ber, mas não acre­di­to. Se hou­ve foi mui­to pe­que­no. Acho que tu­do que a gen­te faz den­tro des­se de­ba­te in­flu­en­cia. O tra­ba­lho que fiz foi isen­to, e di­fi­cil­men­te se trans­for­ma­ria em vo­tos. Nos­so ob­je­ti­vo não era con­ven­cer elei­to­res do que quer que se­ja. Era mui­to mais fa­zer co­mé­dia em ci­ma das elei­ções e con­vi­dar as pes­so­as pa­ra um ou­tro ti­po de de­ba­te.

AME­A­ÇAS Ata­ca­do por sua imi­ta­ção, Ad­net pres­tou quei­xa na po­lí­cia: “Que­rem que a gen­te sin­ta me­do e se ca­le”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.