GASTANÇA PÚ­BLI­CA E SUBMERGÊNCIA BRA­SI­LEI­RA

ISTO É - - ARTIGOS -

Tal­vez, nun­ca an­tes na his­tó­ria des­te país, as ex­pec­ta­ti­vas de gran­de par­te da po­pu­la­ção com um no­vo go­ver­no te­nham si­do tão gran­des. A in­sa­tis­fa­ção po­pu­lar com o pés­si­mo de­sem­pe­nho do país e, por con­sequên­cia, com sua qu­a­li­da­de de vi­da são fá­ceis de com­pre­en­der, mas os fa­to­res que os cau­sa­ram ain­da são in­com­pre­en­di­dos pe­la mai­o­ria.

Nos úl­ti­mos 25 anos, os gas­tos do go­ver­no fe­de­ral — pu­xa­dos pe­los gas­tos com a Pre­vi­dên­cia e o fun­ci­o­na­lis­mo — cres­ce­ram mui­to mais do que a eco­no­mia. Nos es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, a ten­dên­cia foi pa­re­ci­da. Na Pre­vi­dên­cia, por exem­plo, o Bra­sil gas­ta o dobro dos paí­ses ri­cos — 14% x 7% do PIB — ape­sar de ter uma po­pu­la­ção em mé­dia 8 anos mais jo­vem. Por cor­rup­ção, ine­fi­ci­ên­cia, pri­o­ri­da­des dis­tor­ci­das e pri­vi­lé­gi­os de al­guns gru­pos, o go­ver­no gas­ta mui­to, mas ser­vi­ços es­sen­ci­ais fi­cam sem re­cur­sos. Pa­ra a Saú­de, por exem­plo, vão ape­nas 3,8% do PIB, con­tra 6% do PIB nos paí­ses ri­cos. Por is­so, mais de 41 mil lei­tos do SUS fo­ram fe­cha­dos nos úl­ti­mos 10 anos. Seis lei­tos con­ti­nu­am sen­do fe­cha­dos di­a­ri­a­men­te. Pa­ra com­ple­tar, mais de 100 mi­lhões de bra­si­lei­ros não têm aces­so a tra­ta­men­to de es­go­to.

Nos úl­ti­mos 25 anos, os gas­tos do go­ver­no fe­de­ral cres­ce­ram mui­to mais do que a eco­no­mia

Pa­ra ban­car a mai­or par­te do au­men­to dos gas­tos pú­bli­cos, os im­pos­tos pa­gos pe­las em­pre­sas cres­ce­ram mui­to - tor­nan­do pro­du­tos e ser­vi­ços no Bra­sil mais ca­ros do que no ex­te­ri­or — e os im­pos­tos pa­gos por to­dos os bra­si­lei­ros tam­bém — re­du­zin­do a ren­da que so­bra pa­ra con­su­mo de­pois do pa­ga­men­to dos im­pos­tos. Com me­nos in­ves­ti­men­to pro­du­ti­vo e me­nos con­su­mo, a eco­no­mia cres­ceu me­nos. Por con­sequên­cia, a ren­da per ca­pi­ta no Bra­sil, que era mai­or do que a mé­dia mun­di­al, ho­je é me­nor. A ren­da mé­dia dos bra­si­lei­ros foi ul­tra­pas­sa­da pe­la de vá­ri­os ou­tros paí­ses, in­cluin­do Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na, Ira­que, Botswa­na, Azer­bai­jão, Tailândia, Tur­co­me­nis­tão e Ga­bão.

Além dis­so, co­mo os gas­tos pú­bli­cos cres­ce­ram ain­da mais ra­pi­da­men­te do que os im­pos­tos, o go­ver­no en­di­vi­dou­se ca­da vez mais pa­ra ban­cá-los. O cres­ci­men­to do en­di­vi­da­men­to au­men­tou os gas­tos com ju­ros da dí­vi­da, au­men­tan­do ain­da mais o bu­ra­co das con­tas pú­bli­cas.

Por tudo is­so, ou o pró­xi­mo presidente e seu go­ver­no en­ca­ram a cor­rup­ção e os pri­vi­lé­gi­os e re­du­zem os gas­tos pú­bli­cos com Pre­vi­dên­cia e fun­ci­o­na­lis­mo cri­an­do um es­pa­ço re­al pa­ra po­der­mos in­ves­tir co­mo ne­ces­si­ta­mos em saú­de, sa­ne­a­men­to, se­gu­ran­ça e in­fra­es­tru­tu­ra, ou a vi­da dos bra­si­lei­ros não vai me­lho­rar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te e de for­ma sus­ten­ta­da.

Ri­car­do Amorim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.