ENFERMEIRO MA­TA­VA PA­CI­EN­TES PA­RA TEN­TAR RESSUSCITá-LOS

ISTO É - - SEMANA -

O enfermeiro Ni­els Hö­gel, 41 anos, ad­mi­tiu ser o res­pon­sá­vel pe­lo mai­or as­sas­si­na­to em sé­rie na Ale­ma­nha des­de a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Ni­els con­fes­sou os cri­mes na aber­tu­ra de seu jul­ga­men­to, na ter­ça-fei­ra 30. Era tan­ta gen­te que que­ria vê-lo, que a au­di­ên­cia te­ve de ser fei­ta no cen­tro po­li­es­por­ti­vo de Ol­den­burg. Ele de­cla­rou que “té­dio” e “es­tres­se” fo­ram os mo­ti­vos que o le­va­ram a ma­tar pe­lo me­nos cem pa­ci­en­tes com in­je­ções le­tais, en­tre 2000 e 2005 - o nú­me­ro de ví­ti­mas po­de ser mais al­to, mas é im­pos­sí­vel sa­ber ao cer­to ten­do em vis­ta que mui­tas fo­ram cre­ma­das. O enfermeiro, sub­me­ti­do a exa­mes psi­quiá­tri­cos, re­ce­beu diagnóstico de trans­tor­no “nar­cí­si­co” e de “sín­dro­me de pâ­ni­co de mor­te”. Ele gos­ta­va de in­je­tar subs­tân­ci­as le­tais nos pa­ci­en­tes pa­ra cau­sar­lhes pa­ra­da car­día­ca e en­tão ten­ta­va re­a­ni­má-los. Ni­els já cum­pre pe­na de pri­são per­pé­tua por seis cri­mes se­me­lhan­tes.

“Ma­tei em ra­zão do es­tres­se. Com as dro­gas, pa­re­cia mais fá­cil. Eu de­ve­ria ter per­ce­bi­do que es­se tra­ba­lho não era pa­ra mim” Ni­els Hö­gel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.