BOL­SO­NA­RO, O HO­MEM E SEU TEM­PO

ISTO É - - BRASIL - por Car­los Jo­sé Mar­ques

Jair Mes­si­as Bol­so­na­ro, o 38º presidente do Bra­sil, é o ho­mem que cap­tou o es­pí­ri­to do seu tem­po, aqui­lo que os ci­en­tis­tas pas­sa­ram a re­su­mir na ex­pres­são alemã “Zeit­geist” pa­ra re­fle­tir as ma­ni­fes­ta­ções in­te­lec­tu­ais, po­lí­ti­cas e cul­tu­rais de uma de­ter­mi­na­da épo­ca e ge­ra­ção. Bol­so­na­ro pa­re­ce ter en­ten­di­do, co­mo pou­cos can­di­da­tos, o cli­ma de ex­pec­ta­ti­vas e ne­ces­si­da­des dos elei­to­res que fo­ram às ur­nas. Ven­ceu con­tra­ri­an­do to­das as previsões, no bo­jo de um par­ti­do na­ni­co, sem cam­pa­nha, sem tem­po de TV, sem ali­an­ças par­ti­dá­ri­as re­pre­sen­ta­ti­vas, com par­cos re­cur­sos e uma mas­sa de opo­si­to­res que se man­tém nu­me­ro­sa. Há pou­co mais de um ano, quan­do ini­ci­ou a ca­mi­nha­da, nin­guém en­xer­ga­ria qu­al­quer chan­ce nes­sa candidatura. Quan­do ten­tou, pou­co an­tes, a pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos con­tra Ro­dri­go Maia, do DEM, ob­te­ve me­ros qua­tro vo­tos dos par­la­men­ta­res. Ti­nha di­fi­cul­da­des pa­ra en­con­trar uma le­gen­da que o abri­gas­se e até mes­mo um no­me a vi­ce. Era ti­do co­mo per­so­na­gem pi­to­res­co, mo­vi­do a ar­rou­bos ra­di­cais. Um xe­nó­fo­bo, ho­mo­fó­bi­co e ra­cis­ta de car­tei­ri­nha, que abo­mi­na­va as li­ber­da­des de gê­ne­ro e opi­nião, com um tem­pe­ra­men­to pro­vo­ca­dor, ins­ti­gan­do emo­ções ex­tre­mas. Bol­so­na­ro eri­giu, mes­mo as­sim, um per­so­na­gem sob me­di­da pa­ra uso elei­to­ral nes­se es­cru­tí­nio. Caiu nas gra­ças do po­vo, ten­do co­mo re­fle­xo mais de 57 mi­lhões de vo­tos – fei­to ex­tra­or­di­ná­rio pa­ra qu­em mal ha­via em­pla­ca­do meia dú­zia de pro­je­tos de lei na lon­ga tem­po­ra­da de qua­se 30 anos e se­te man­da­tos no Con­gres­so. No fun­do, no fun­do, Bol­so­na­ro sur­fou a on­da de um sen­ti­men­to di­fu­so da po­pu­la­ção, mis­tu­ran­do me­do e es­pe­ran­ça, de­sen­can­to e re­bel­dia. No Bra­sil, co­mo de res­to em boa par­te do mun­do, há uma es­pé­cie de his­te­ria con­ser­va­do­ra que im­pac­ta a vi­da das pes­so­as e co­lo­ca de pon­ta-ca­be­ça com­por­ta­men­tos e prin­cí­pi­os, res­va­lan­do no re­tro­ces­so.

O ca­pi­tão re­for­ma­do des­pon­tou por en­car­nar es­ses va­lo­res. A evan­ge­li­za­ção do mo­ra­lis­mo en­trou na or­dem do dia. Não é di­fí­cil en­con­trar qu­em apos­te em trans­for­ma­ções con­cre­tas na ro­ti­na dos bra­si­lei­ros por con­ta des­sa as­cen­são da ul­tra­di­rei­ta por aqui. Nas es­co­las, li­vros di­dá­ti­cos po­dem ser re­vis­tos e o há­bi­to, su­pe­ra­do faz tem­po, de can­tar o Hi­no Na­ci­o­nal an­tes das au­las po­de vol­tar a vi­go­rar. Na TV, pro­gra­mas de cu­nho eró­ti­co-se­xu­al já co­me­çam a so­frer com o fenô­me­no da bai­xa au­di­ên­cia. Nas ru­as, o pa­tri­o­tis­mo vi­rou mo­da. Si­nal de “no­vos” ve­lhos tem­pos. Nos idos de 60, o en­tão presidente Jâ­nio Qua­dros, ti­do co­mo um de­le­ga­do de cos­tu­mes, ce­le­bri­zou-se não ape­nas pe­la vas­sou­ra na mão a var­rer cor­rup­tos co­mo tam­bém por proi­bir o biquí­ni na praia e mul­tar apos­ta­do­res do jo­go de bi­cho e das cor­ri­das de cavalo. Que­ria uma fa­xi­na do que en­ca­ra­va co­mo maus cos­tu­mes, tal qual Bol­so­na­ro ten­ta ho­je. Am­pa­ra­do por mi­li­ta­res e re­li­gi­o­sos, que de­ram es­teio a sua cam­pa­nha com o viés na­ci­o­na­lis­ta do “Bra­sil aci­ma de tudo, Deus aci­ma de to­dos”, Bol­so­na­ro se con­ver­teu no ter­cei­ro presidente dos qua­dros do exér­ci­to eleito di­re­ta­men­te pe­las ur­nas. An­tes de­le, Her­mes da Fon­se­ca, ain­da na in­fan­te Re­pú­bli­ca, fez uma ges­tão mar­ca­da pe­la ocu­pa­ção dos es­ta­dos fe­de­ra­ti­vos com a mis­são de com­ba­ter oli­gar­qui­as. Eu­ri­co Gas­par Du­tra, em me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do, que ha­via mon­ta­do trin­chei­ra de re­sis­tên­cia ao Te­nen­tis­mo – a cé­le­bre re­be­lião de ofi­ci­ais que saí­ram em mar­cha dos quar­téis pa­ra pro­tes­tar con­tra as prá­ti­cas po­lí­ti­cas cor­ren­tes nos anos 20 –,

proi­biu o co­mu­nis­mo e man­dou in­ter­vir nos sin­di­ca­tos. Es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as, um tan­to usur­pa­do­ras de di­rei­tos in­di­vi­du­ais, so­bran­cei­ra­men­te au­to­ri­tá­ri­as, acen­dem o si­nal de aler­ta so­bre even­tu­ais des­vi­os de con­du­ta do fu­tu­ro man­da­tá­rio. A par­ti­da­ri­za­ção da caserna, se­ja no Bra­sil ou em ou­tros paí­ses – ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te ter­cei­ro-mun­dis­tas –, não pro­du­ziu até aqui exem­plos en­gran­de­ce­do­res. Ao con­trá­rio. Pa­ra fi­car em um úni­co ca­so, a Ve­ne­zu­e­la do co­man­dan­te Hu­go Cha­ves é o re­tra­to tris­te da de­gra­da­ção so­ci­al que es­sa com­bi­na­ção po­de pro­vo­car. Na te­o­ria pu­ra do Es­ta­do, as­sim co­mo em uma re­pú­bli­ca é im­pres­cin­dí­vel e ine­ren­te a tri­par­ti­ção dos po­de­res (Le­gis­la­ti­vo, Exe­cu­ti­vo e Ju­di­ciá­rio) é in­com­pa­tí­vel a um mem­bro das For­ças Ar­ma­das, que têm de ze­lar por tal tri­par­ti­ção, in­te­grar um des­ses po­de­res. Sal­vo na si­tu­a­ção do pos­tu­lan­te de far­da se­guir pa­ra a re­ser­va an­tes de al­me­jar qu­al­quer car­go ele­ti­vo. Mes­mo nes­sas cir­cuns­tân­ci­as, co­mo é a de Bol­so­na­ro, a mis­tu­ra po­de ser uma aven­tu­ra pe­ri­go­sa. A par­ti­da­ri­za­ção dos quar­téis fler­ta com a que­bra da or­dem e da hi­e­rar­quia, con­fun­de po­der ori­gi­ná­rio e de­ri­va­do e, qua­se sem­pre, des­cam­ba pa­ra a anar­quia. O in­di­ví­duo ta­lha­do no am­bi­en­te de ri­gi­dez e dis­ci­pli­na dos quar­téis, com o apoio das ar­mas, po­de se ver se­du­zi­do pe­lo po­der des­pro­por­ci­o­nal que o vo­to e o cla­mor das ru­as lhe en­tre­gam e usar in­de­vi­da­men­te a so­ma des­ses instrumentos. Es­tá mar­ca­do na his­tó­ria, às ve­zes até em for­ma de gol­pes de Es­ta­do. Mes­mo a “Qu­ar­te­la­da”, que le­vou a der­ru­ba­da da mo­nar­quia e a pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, traz em seu ím­pe­to ori­gi­nal uma re­be­lião con­tra a or­dem cons­ti­tuí­da.

O presidente Bol­so­na­ro, nos no­vos tem­pos que se des­cor­ti­nam, pre­ci­sa dar de­mons­tra­ções ca­bais de que vai res­pei­tar as ins­ti­tui­ções e os di­ta­mes da Car­ta Mag­na. Ne­ces­si­ta de uma vez por to­das per­ce­ber que há uma gran­de di­fe­ren­ça en­tre fa­zer cam­pa­nha e ad­mi­nis­trar um país, com as com­ple­xi­da­des, di­fe­ren­ças re­gi­o­nais e de pen­sa­men­to do Bra­sil. Que o fu­tu­ro che­fe da Na­ção des­ça do pa­lan­que em paz pa­ra go­ver­nar pa­ra to­dos. Sem ran­co­res ou per­se­gui­ções in­de­vi­das, mo­vi­do pe­lo sen­ti­men­to de ver­da­dei­ro es­ta­dis­ta que sa­be não cor­res­pon­der ao de­se­jo da mai­o­ria, mas que se es­for­ça­rá pa­ra aten­der aos an­sei­os ge­rais. Ele te­rá de en­con­trar, pe­la na­tu­re­za do pos­to on­de não ca­bem ins­pi­ra­ções ti­râ­ni­cas, no­vas for­mas de con­ci­li­a­ção e pro­xi­mi­da­de com o uni­ver­so ide­o­ló­gi­co que não com­par­ti­lha de su­as idei­as e ex­pri­me ain­da me­do e de­sen­can­to. O can­di­da­to que ca­te­qui­zou fiéis e foi cha­ma­do de “mi­to” por al­guns es­tá de­ven­do gran­de­za de es­pí­ri­to es­pe­ci­al­men­te quan­do re­pu­dia a crí­ti­ca. So­a­ram mal su­as ame­a­ças ao jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo que, de mais a mais, exer­ceu a fun­ção pro­fí­cua da li­ber­da­de de ex­pres­são, pi­lar da ci­da­da­nia. Acom­pa­nhar, de­ba­ter e fis­ca­li­zar os po­de­res são mis­sões ine­ren­tes à im­pren­sa res­pon­sá­vel e qu­al­quer man­da­tá­rio pre­ci­sa sa­ber con­vi­ver com o con­tra­di­tó­rio des­se ou de ou­tros se­to­res da so­ci­e­da­de. Nas re­tó­ri­cas opor­tu­nis­tas, cru­a­men­te sin­ce­ras, Bol­so­na­ro já afron­tou ins­ti­tui­ções, di­rei­tos hu­ma­nos e o pró­prio su­frá­gio que le­gi­ti­mou a sua vi­tó­ria. An­tes de as­su­mir, de­ve vi­rar a pá­gi­na, mo­de­lar o dis­cur­so e as prá­ti­cas. Até por que não re­ce­beu um che­que em branco pa­ra go­ver­nar. Con­ti­nu­a­rá sob o olhar crí­ti­co e in­de­pen­den­te, sem tré­gua, de to­dos os gu­ar­diões na­ci­o­nais que, co­mo ele (as­sim es­pe­ra­mos), ze­lam pe­la nos­sa de­mo­cra­cia.

BOL­SO­NA­RO NO PLA­NAL­TO O fu­tu­ro ocu­pan­te te­rá de bus­car a pa­ci­fi­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.