HORA DE UNIãO

ISTO É - - BRASIL -

Não adi­an­ta mais cho­rar, es­per­ne­ar, gri­tar “ele não”: Bol­so­na­ro se­rá o pró­xi­mo presidente do Bra­sil. A es­quer­da te­rá que apren­der a con­vi­ver com is­so. Mas, se a ex­pe­ri­ên­cia com Trump ser­ve de apren­di­za­do, po­de­mos es­pe­rar uma pos­tu­ra in­fan­til, con­tra­pro­du­cen­te e de­so­nes­ta de boa par­te des­sa tur­ma.

O pri­mei­ro dis­cur­so de Fer­nan­do Had­dad após a der­ro­ta deu o tom: in­ca­paz de uma re­fle­xão sin­ce­ra so­bre o que acon­te­ceu, o pe­tis­ta pre­fe­riu a ame­a­ça, a de­se­le­gân­cia e a cam­pa­nha po­lí­ti­ca. Ma­no Brown e Cid Go­mes en­ten­de­ram me­lhor o que se pas­sou. O PT per­deu o con­ta­to com o po­vo, e se ne­ga a fa­zer uma au­to­crí­ti­ca sin­ce­ra.

A im­pren­sa, em sua bo­lha “pro­gres­sis­ta”, tam­bém de­ve­ria es­cu­tar o re­ca­do das ur­nas. O Bra­sil não quer ser ver­me­lho. Op­tou por uma gui­na­da con­ser­va­do­ra, e em qu­al­quer de­mo­cra­cia é le­gí­ti­mo e sau­dá­vel al­ter­nân­cia de po­der com viés ide­o­ló­gi­co. Após anos de he­ge­mo­nia es­quer­dis­ta, o po­vo cla­mou por mu­dan­ças. Is­so de­ve ser res­pei­ta­do.

Bol­so­na­ro, em seu pri­mei­ro dis­cur­so co­mo eleito, ado­tou um tom con­ci­li­a­tó­rio, de união, ape­sar de al­fi­ne­tar a mídia, que tem si­do mes­mo des­le­al com ele. O pa­pel dos jor­na­lis­tas é ser crí­ti­co, mas o du­plo pa­drão é que ma­ta. Nun­ca usa­ram o mes­mo ri­gor con­tra os pe­tis­tas, e exa­ge­ram na do­se com Bol­so­na­ro, com ró­tu­los ab­sur­dos.

Tudo is­so, po­rém, de­ve fi­car pa­ra trás. O fa­to é que Bol­so­na­ro foi eleito, ape­sar do es­for­ço con­trá­rio do es­ta­blish­ment. E tem mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te, pa­ra re­cons­truir o país, co­lo­car a eco­no­mia no tri­lho no­va­men­te, res­ga­tar va­lo­res mo­rais per­di­dos. Pa­ra tan­to, te­rá de bus­car ali­an­ças, en­go­lir al­guns sa­pos, con­tem­po­ri­zar. Cla­ro, com fir­me­za e lem­bran­do de qual agen­da foi a ven­ce­do­ra. A di­rei­ta agora es­tá no po­der.

Mas o fo­co de­ve es­tar no fu­tu­ro, não no pas­sa­do. “Qu­em se vin­ga de­pois da vi­tó­ria é in­dig­no de ven­cer”, dis­se Vol­tai­re. O po­vo não quer vin­gan­ça con­tra os pe­tis­tas; quer Jus­ti­ça, cla­ro, mas quer, aci­ma de tudo, mu­dar o ru­mo, pro­du­zir em­pre­gos, di­mi­nuir a cri­mi­na­li­da­de, re­cu­pe­rar a de­cên­cia.

Bol­so­na­ro pre­ci­sa fa­zer um cha­ma­do à na­ção, con­vo­can­do to­das as pes­so­as de bem, in­cluin­do aque­las que, por vá­ri­os mo­ti­vos, de­ci­di­ram não vo­tar ne­le, a ar­re­ga­çar as man­gas e tra­ba­lhar pe­las mu­dan­ças de que o Bra­sil ne­ces­si­ta. Re­for­mas du­ras te­rão de ser apro­va­das, gru­pos de in­te­res­se se­rão en­fren­ta­dos no com­ba­te pe­lo fim de pri­vi­lé­gi­os e os obs­tá­cu­los se­rão imen­sos.

Sem união não há co­mo avan­çar. Nes­se as­pec­to, Bol­so­na­ro não po­de ser com­pa­ra­do a Trump, pois o sis­te­ma ame­ri­ca­no é bi­par­ti­dá­rio. Já o ca­pi­tão te­rá de ne­go­ci­ar com vá­ri­os par­ti­dos. Que ele te­nha mui­to jo­go de cin­tu­ra, hu­mil­da­de e fir­me­za ao mes­mo tem­po, pa­ra que sua agen­da ven­ce­do­ra pos­sa vin­gar. Os pa­tri­o­tas es­tão na tor­ci­da, e tam­bém pron­tos pa­ra sua co­ta de con­tri­bui­ção nes­sa lu­ta por um Bra­sil me­lhor.

Tudo is­so, po­rém, de­ve fi­car pa­ra trás. O fa­to é que Bol­so­na­ro foi eleito, ape­sar do es­for­ço con­trá­rio do es­ta­blish­ment

por Ro­dri­go Cons­tan­ti­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.