O ris­co da ten­ta­ção au­to­ri­tá­ria

O re­tor­no dos mi­li­ta­res ao po­der reabre o te­mor de par­ti­da­ri­za­ção dos quar­téis e de en­fra­que­ci­men­to das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas

ISTO É - - BRASIL - Vi­cen­te Vi­lar­da­ga

Uma for­ça que sem­pre acom­pa­nha go­ver­nos mi­li­ta­res, se­ja no Bra­sil ou em ou­tros paí­ses, é a ten­ta­ção au­to­ri­tá­ria. A ex­pe­ri­ên­cia mos­tra que, his­to­ri­ca­men­te, na mai­o­ria das ve­zes em que es­ti­ve­ram no cen­tro do po­der e pres­ti­gi­a­dos, eles bus­ca­ram a am­pli­a­ção do con­tro­le so­ci­al, tan­to em di­ta­du­ras quan­to em pe­río­dos de­mo­crá­ti­cos. Des­de os mo­men­tos de mai­or pros­pe­ri­da­de econô­mi­ca após o gol­pe de 1964, eles nun­ca se en­con­tra­ram em con­di­ções tão fa­vo­rá­veis pa­ra im­plan­tar um no­vo pro­je­to de po­der. A elei­ção mos­trou que vol­ta­ram vi­go­ro­sos de­pois de mais de 30 anos de um si­lên­cio qua­se que ob­se­qui­o­so. Nes­se mo­men­to, par­la­men­ta­res que apói­am o presidente eleito Jair Bol­so­na­ro (PSL) ten­tam, por exem­plo, apro­var uma lei que con­ver­te o ati­vis­mo po­lí­ti­co em ato ter­ro­ris­ta e cri­mi­na­li­za o mo­vi­men-

to so­ci­al, me­di­da au­to­ri­tá­ria por ex­ce­lên­cia - pro­je­to que, di­fi­cil­men­te, se­rá apro­va­do. Há ou­tras ini­ci­a­ti­vas que es­tão sen­do co­gi­ta­das, co­mo a vi­gi­lân­cia dos con­teú­dos trans­mi­ti­dos pe­los pro­fes­so­res nas es­co­las. No Bra­sil, sem­pre que a pre­sen­ça mi­li­tar na po­lí­ti­ca se in­ten­si­fi­ca mu­dan­ças pro­fun­das po­dem ser an­te­vis­tas.

LÍ­DER CA­RIS­MÁ­TI­CO

A po­pu­la­ri­da­de dos mi­li­ta­res não che­ga a ser tão al­ta co­mo em ou­tros im­por­tan­tes mo­men­tos da his­tó­ria, até por­que co­man­dos mi­li­ta­res são en­fá­ti­cos em as­se­gu­rar o fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções e o cum­pri­men­to da Cons­ti­tui­ção. É bem di­fe­ren­te o am­bi­en­te das for­ças po­lí­ti­cas que se vi­ve ho­je, se co­te­ja­do, por exem­plo, com a épo­ca do mo­vi­men­to te­nen­tis­ta, con­jun­to de re­be­liões, co­mo a Re­vol­ta dos 18 do For­te de Co­pa­ca­ba­na, que to­mou as For­ças Ar­ma­das na dé­ca­da de 1920. Des­ta­cou jo­vens mi­li­ta­res de bai­xa e mé­dia pa­ten­te e cri­ou uma ge­ra­ção de lí­de­res, co­mo Ju­a­rez Tá­vo­ra, Góis Mon­tei­ro e Edu­ar­do Go­mes, que ocu­pa­ram gran­de es­pa­ço po­lí­ti­co a par­tir da Re­vo­lu­ção de 1930 e per­ma­ne­ce­ram à fren­te dos go­ver­nos das dé­ca­das se­guin­tes, apoi­an­do a di­ta­du­ra do Es­ta­do No­vo ins­tau­ra­da por Ge­tú­lio Vargas em 1937. For­ta­le­ce-se agora, a ide­o­lo­gia po­si­ti­vis­ta do sol­da­do-ci­da­dão, sur­gi­da às vés­pe­ras da Pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca, que pre­co­ni­za­va uma mai­or par­ti­ci­pa­ção dos mi­li­ta­res na po­lí­ti­ca co­mo so­lu­ção pa­ra dos pro­ble­mas na­ci­o­nais. A si­tu­a­ção no­va com Bol­so­na­ro, que se di­fe­re de ou­tros mo­men­tos do pas­sa­do, é a che­ga­da ao po­der de uma li­de­ran­ça mi­li­tar ca­ris­má­ti­ca, al­go que seus an­te­ces­so­res da caserna não ti­nham. Ne­nhum de­les foi cha­ma­do de “mi­to”. Ex-paraquedista e ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to, Bol­so­na­ro é o mi­li­tar de mais bai­xa pa­ten­te a che­gar à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. An­tes de­le, dois ma­re­chais fo­ram elei­tos pe­lo vo­to di­re­to: Her­mes da Fon­se­ca e Eu­ri­co Gas­par Du­tra, am­bos sem gran­de ca­pa­ci­da­de de se­du­zir as mas­sas. “Não dá pa­ra com­pa­rar”, diz o his­to­ri­a­dor Sér­gio Mu­ri­lo Pinto, au­tor do li­vro “Exér­ci­to e Po­lí­ti­ca no Bra­sil”. “Her­mes era res­pei­ta­dís­si­mo, vi­nha de uma fa­mí­lia de mi­li­ta­res e ha­via si­do mi­nis­tro da Guer­ra, mas não era po­lí­ti­co”. Foi eleito em 1910 e cri­ou o ser­vi­ço mi­li­tar obri­ga­tó­rio no Bra­sil. Ten­tou im­plan­tar uma po­lí­ti­ca cha­ma­da de sal­va­ci­o­nis­ta, cu­jo ob­je­ti­vo era re­cu­pe­rar a in­fluên­cia e o pres­tí­gio dos mi­li­ta­res na es­fe­ra pú­bli­ca. Na prá­ti­ca, Her­mes, com o ar­gu­men­to de com­ba­ter a cor­rup­ção e sa­ne­ar as ins­ti­tui­ções re­pu­bli­ca­nas, re­ti­rou do po­der as oli­gar­qui­as es­ta­du­ais con­trá­ri­as a seu go­ver­no por meio da for­ça mi­li­tar. Os pre­si­den­tes dos es­ta­dos fo­ram subs­ti­tuí­dos por ofi­ci­ais das For­ças Ar­ma­das. O sal­va­ci­o­nis­mo ti­nha um viés au­to­ri­tá­rio e não deu cer­to.

Pri­mei­ro presidente eleito pe­lo vo­to di­re­to de­pois do Es­ta­do No­vo, Du­tra ha­via si­do mi­nis­tro da Guer­ra de Ge­tú­lio Vargas e seu go­ver­no se ca­rac­te­ri­zou pe­lo ali­nha­men­to in­con­di­ci­o­nal com os in­te­res­ses ame­ri­ca­nos e pe­la per­se­gui­ção ao co­mu­nis­mo e às or­ga­ni­za­ções tra­ba­lhis­tas. Du­tra to­mou ini­ci­a­ti­vas po­lí­ti­cas de na­tu­re­za au­to­ri­tá­ria

TE­NEN­TIS­MO Ide­o­lo­gia do sol­da­do-ci­da­dão: mai­or par­ti­ci­pa­ção dos mi­li­ta­res na po­lí­ti­ca e viés au­to­ri­tá­rio

LI­NHA DU­RA Du­tra: proi­bi­ção do par­ti­do co­mu­nis­ta, in­ter­ven­ção em sin­di­ca­tos e res­tri­ções ao di­rei­to de gre­ve

“Ne­nhum elei­tor ele­geu Bol­so­na­ro rei do Bra­sil e a mai­o­ria que vo­tou ne­le es­tá es­pe­ran­do que ele si­ga as re­gras de­mo­crá­ti­cas” Roberto da Mat­ta, an­tro­pó­lo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.