A equa­ção de Bol­so­na­ro

ISTO É - - BRASIL - An­dré Vargas

Ca­pi­tão re­for­ma­do pas­sa a te­sou­ra nos mi­nis­té­ri­os, mas uti­li­za uma ló­gi­ca ele­men­tar na hora de dis­tri­buir as pas­tas da Es­pla­na­da de mo­do a não de­sa­gra­dar seus gru­pos de apoio

Ogran­de in­cha­ço da má­qui­na pú­bli­ca, des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção, ga­nhou for­ma en­tre os go­ver­nos Fer­nan­do Col­lor e Ita­mar Fran­co. Em 1992, sob a ad­mi­nis­tra­ção do au­to­pro­cla­ma­do ca­ça­dor de ma­ra­jás, o Bra­sil pos­suía 14 mi­nis­té­ri­os. Pu­lou pa­ra 28 pas­tas — ou se­ja, do­brou — dois anos de­pois, na co­a­li­zão mon­ta­da pa­ra dar sus­ten­ta­ção ao vi­ce do presidente de­pos­to. Foi quan­do o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia aca­bou des­mem­bra­do no tri­pé Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to e In­dús­tria e Co­mér­cio. E ga­nhou vi­da o mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. De lá pa­ra cá, a Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os só au­men­tou, em­bo­ra não com o ím­pe­to da­que­le in­ter­va­lo de ape­nas dois anos. Vin­te e seis anos de­pois, o presidente eleito Jair Bol­so­na­ro tri­lha o ca­mi­nho in­ver­so. Pa­ra a her­cú­lea ta­re­fa de pas­sar a te­sou­ra na es­tru­tu­ra mi­nis­te­ri­al, sem se in­dis­por com os ali­a­dos, o ca­pi­tão re­for­ma­do mon­tou uma equa­ção ma­te­má­ti­ca sim­ples e de ló­gi­ca ele­men­tar. Ao re­du­zir pa­ra 15 o nú­me­ro de pas­tas, di­vi­diu-as em três gru­pos de cin­co e cri­ou sua pró­pria re­gra de três: es­tá con­ce­den­do cin­co pas­tas pa­ra mi­li­ta­res, co­mo o Ge­ne­ral Au­gus­to He­le­no pa­ra a De­fe­sa, cin­co pas­tas pa­ra co­la­bo­ra­do­res da cam­pa­nha, co­mo Pau­lo Gu­e­des, da Eco­no­mia, e ou­tras cin­co pa­ra in­te­gran­tes dos par­ti­dos ali­a­dos, co­mo Onyx Lo­ren­zo­ni, do DEM, es­co­lhi­do pa­ra a Ca­sa Ci­vil. A van­ta­gem des­sa com­po­si­ção é que lhe so­bra mar­gem de ma­no­bra pa­ra en­cai­xar mais apoi­a­do­res de ou­tras le­gen­das, co­mo o DEM, ca­so en­con­tre di­fi­cul­da­des mais adi­an­te em seu go­ver­no. Nes­se ca­so, ele po­de sa­cri­fi­car al­gum in­te­gran­te da ala mi­li­tar ou do gru­po dos co­la­bo­ra­do­res de cam­pa­nha, que lhe são fiéis, pa­ra agre­gar ao gru­po dos 15 al­gum ne­o­a­li­a­do com o pro­pó­si­to de al­can­çar a go­ver­na­bi­li­da­de.

HO­MEM FOR­TE

Es­sa no­va equa­ção do po­der, Bol­so­na­ro pre­ten­de re­sol­ver até o iní­cio de de­zem­bro, quan­do anun­ci­a­rá a lis­ta com­ple­ta dos no­vos au­xi­li­a­res. An­tes dis­so, o presidente eleito co­me­ça a so­lu­ci­o­nar uma ques­tão mais sim­ples, de so­mar dois mais dois: na lar­ga­da es­co­lheu os qua­tro prin­ci­pais mi­nis­tros. Na área econô­mi­ca, o ho­mem for­te do go-

ver­no se­rá o economista Pau­lo Gu­e­des, que as­su­mi­rá o su­per­mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, en­glo­ban­do a Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to, In­dús­tria e Co­mér­cio Ex­te­ri­or. Ou se­ja, a pas­ta des­mem­bra­da por Ita­mar Fran­co, no lon­gín­quo ano de 1994, vol­ta a sua com­po­si­ção ori­gi­nal. A Ca­sa Ci­vil, pas­ta cri­a­da em de­zem­bro de 1938 por Ge­tú­lio Vargas, se­rá co­man­da­da de­pu­ta­do re­e­lei­to Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM-RS) as­su­mi­rá o pa­pel de prin­ci­pal ges­tor po­lí­ti­co. Em sua es­tréia, con­du­zi­rá a equi­pe de tran­si­ção.

Ou­tro no­me pro­e­mi­nen­te se­rá aco­mo­da­do na Jus­ti­ça, pas­ta nas­ci­da em 1822, pe­las mãos do en­tão Prín­ci­pe Re­gen­te D. Pe­dro de Bra­gan­ça, mas que agora se­rá ro­bus­te­ci­da a par­tir da in­cor­po­ra­ção de no­vas atri­bui­ções, co­mo a ad­mi­nis­tra­ção do CO­AF. Até en­tão, o mi­nis­te­riá­vel era o ad­vo­ga­do Gus­ta­vo Be­bi­an­no, presidente do PSL que cui­dou da es­tra­té­gia ju­rí­di­ca da cam­pa­nha. Mas na quin­ta-fei­ra 1 Bol­so­na­ro re­a­li­zou seu so­nho dou­ra­do, aca­len­ta­do des­de os pri­mór­di­os da cam­pa­nha: ob­te­ve o “sim” do juiz Ser­gio Mo­ro pa­ra a pas­ta. O mar­te­lo foi ba­ti­do em en­con­tro no Rio. A Jus­ti­ça de­ve ser o ca­rim­bo no pas­sa­por­te pa­ra, em me­nos de dois anos, Mo­ro as­cen­der ao STF (leia mais às págs. 42 e 43). Por fim, ao ge­ne­ral Au­gus­to He­le­no se­rá en­tre­gue a cha­ve da De­fe­sa, ou­tro ór­gão de des­ta­que no go­ver­no.

Der­ro­ta­do na dis­pu­ta ao Se­na­do, Mag­no Mal­ta (PR-ES) es­tá ca­van­do es­pa­ço no gru­po dos co­la­bo­ra­do­res di­re­tos. Ele foi um dos mais ar­do­ro­sos ar­ti­cu­la­do­res com as li­de­ran­ças evan­gé­li­cas. Co­ta­do pa­ra as Re­la­ções Ex­te­ri­o­res (MRE), o mi­nis­té­rio mais lon­ge­vo de to­dos, cri­a­do em 1736 por D. João V, en­con­trou re­sis­tên­ci­as in­ter­nas no Ita­ma­raty, on­de a pre­fe­rên­cia é por um di­plo­ma­ta de car­rei­ra. Mas o di­plo­ma­ta Ernesto Fra­ga Araú­jo tam­bém é con­si­de­ra­do em ra­zão de su­as po­si­ções fa­vo­rá­veis ao presidente dos EUA, Do­nald Trump, o que agra­da Bol­so­na­ro. A al­ter­na­ti­va pa­ra Mal­ta se­ria o no­vís­si­mo Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia, que po­de ser cri­a­do e reu­ni­ria frag­men­tos das pas­tas do De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al, dos Di­rei­tos Hu­ma­nos e da Cul­tu­ra. A ce­re­ja do bo­lo é o con­tro­le do Bol­sa Fa­mí­lia, com um or­ça­men­to es­ti­ma­do em R$ 30 bi­lhões pa­ra 2019.

POS­TOS ES­TRA­TÉ­GI­COS

Pa­ra a Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, uma pas­ta da la­vra do go­ver­no Jo­sé Sar­ney, Bol­so­na­ro anun­ci­ou o no­me do as­tro­nau­ta Mar­cos Pon­tes, mais um no­me téc­ni­co, con­tras­tan­do com o des­fi­le de fi­gu­ri­nhas ca­rim­ba­das da velha po­lí­ti­ca que sem­pre com­pu­se­ram os mi­nis­té­ri­os dos seus an­te­ces­so­res. Considerada es­tra­té­gi­ca, a Agri­cul­tu­ra é al­vo de ne­go­ci­a­ções. Os ru­ra­lis­tas ba­ti­am o pé con­tra a in­ten­ção de co­lo­car o Meio Am­bi­en­te sob a tu­te­la da pas­ta, mas a fu­são es­tá con­su­ma­da, se­gun­do anún­cio de Onyx Lo­ren­zo­ni na ter­ça-fei­ra 30. Os pos­tu­lan­tes pa­ra o car­go são Nabhan Gar­cia, agro­pe­cu­a­ris­ta que pre­si­de a União De­mo­crá­ti­ca Ru­ra­lis­ta (UDR), o se­na­dor eleito Luiz Car­los Hein­ze (PPRS) e Val­dir Co­lat­to (MDB-SC), que não se re­e­le­geu. A ar­ti­cu­la­ção é acom­pa­nha­da pe­la de­pu­ta­da Te­re­za Cris­ti­na (DEMMS), presidente da Fren­te Par­la­men­tar da Agro­pe­cuá­ria (FPA), que tam­bém tem chan­ces de ser es­co­lhi­da.

Pa­ra a Edu­ca­ção são qua­tro os can­di­da­tos: Alés­sio Ri­bei­ro, Stra­vos Xantho­poy­los, Men­don­ça Fi­lho e Edu­ar­do Mu­fa­rej. Ri­bei­ro é ge­ne­ral da re­ser­va e foi as­ses­sor de cam­pa­nha pa­ra o te­ma e é con­tra o que cha­ma de “ide­o­lo­gia de es­quer­da e de gê­ne­ro”. Xantho­poy­los é es­pe­ci­a­lis­ta em en­si­no à dis­tân­cia, uma das ban­dei­ras da cam­pa­nha. Der­ro­ta­do pa­ra o Se­na­do, o ex-mi­nis­tro da Edu­ca­ção de Te­mer Men­don­ça Fi­lho (DEM) es­tá no pá­reo. Edu­ar­do Mu­fa­rej, da ONG Re­no­vaBR, con­ta com o apoio do fu­tu­ro mi­nis­tro da Fa­zen­da Pau­lo Gu­e­des. Pa­ra a Saú­de, os co­ta­dos não são po­lí­ti­cos, co­mo Nelson Tei­ch, on­co­lo­gis­ta do Rio. Bol­so­na­ro pro­me­teu for­mar um go­ver­no lon­ge do to­ma-lá-dá-cá dos par­ti­dos tra­di­ci­o­nais. Até aqui, a equa­ção lo­grou êxi­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.