O no­vo xe­ri­fe do Bra­sil

ISTO É - - BRASIL - Ger­ma­no Oli­vei­ra

Em qua­tro anos à fren­te da La­va Ja­to, o juiz Ser­gio Mo­ro co­lo­cou mais de 140 pes­so­as na ca­deia, en­tre elas o ex­pre­si­den­te Lu­la, po­lí­ti­cos e em­prei­tei­ros. Agora, o ma­gis­tra­do vai ter su­per­po­de­res pa­ra con­ti­nu­ar o com­ba­te à cor­rup­ção

De­pois de con­de­nar e pren­der Lu­la por cor­rup­ção, cu­jo pro­ces­so ti­rou o ex-presidente da su­ces­são pre­si­den­ci­al des­te ano, o juiz fe­de­ral Ser­gio Mo­ro acei­tou nes­ta quin­ta-fei­ra 1 o con­vi­te do presidente eleito Jair Bol­so­na­ro pa­ra trans­for­mar-se em su­per­mi­nis­tro do no­vo go­ver­no. Mo­ro não se­rá ape­nas mi­nis­tro da Jus­ti­ça, mas te­rá sob seu co­man­do a Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, a Po­lí­cia Fe­de­ral e o Con­se­lho de Con­tro­le de Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras, o temido Co­af, que mo­ni­to­ra to­da a mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra sus­pei­ta. A Trans­pa­rên­cia e a Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União es­tão em ne­go­ci­a­ção. Com es­se po­der to­do, o juiz, de 46 anos, tor­na-se o xe­ri­fe do Bra­sil, a qu­em es­ta­rão su­bor­di­na­dos to­dos os ór­gãos de com­ba­te à cor­rup­ção.

Mo­ro já vi­nha sen­do son­da­do por Bol­so­na­ro ain­da no se­gun­do tur­no. Em me­a­dos de ou­tu­bro, o economista Pau­lo Gu­e­des, que tam­bém se­rá su­per­mi­nis­tro da Eco­no­mia, foi a Cu­ri­ti­ba e reu­niu-se com o juiz. Mo­ro gos­tou da idéia, em­bo­ra te­nha dei­xa­do cla­ro que pre­fe­ria ser in­di­ca­do pa­ra uma va­ga no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). No iní­cio de 2020, o mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo com­ple­ta­rá 75 anos e te­rá que se apo­sen­tar. Mo­ro che­gou a pen­sar em trans­mi­tir a Bol­so­na­ro que a pri­o­ri­da­de era o STF, mas de­pois de fa­lar com ami­gos con­cluiu que uma coi­sa não des­car­ta­va a ou­tra. “O Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça po­de­rá ser o ca­mi­nho

pa­ra che­gar ao STF”, dis­se Mo­ro à IS­TOÉ. Gu­e­des le­vou es­sa ex­pec­ta­ti­va a Bol­so­na­ro. Na se­gun­da-fei­ra 29, um dia após ven­cer a elei­ção, o no­vo presidente tor­nou pú­bli­co o con­vi­te, por meio de uma en­tre­vis­ta ao Jor­nal Na­ci­o­nal. Mo­ro le­vou dois di­as re­fle­tin­do so­bre a pro­pos­ta e, na quar­ta à noi­te, re­sol­veu acei­tar. Na quin­ta-fei­ra 1, o mar­te­lo foi ba­ti­do.

O COM­BA­TE à COR­RUP­ÇÃO CON­TI­NUA

De­pois de du­as ho­ras de con­ver­sas na ca­sa de Bol­so­na­ro no Rio, em que o juiz vol­tou a fa­lar de sua pre­ten­são pa­ra ocu­par uma das 11 va­gas no STF, Mo­ro con­fir­mou a ida pa­ra o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. Dis­se que a au­di­ên­cia foi um mis­to de tris­te­za e ale­gria. La­men­tou por ter de dei­xar a Jus­ti­ça Fe­de­ral, de­pois de 22 anos, mas fi­cou en­vai­de­ci­do por po­der con­ti­nu­ar a exer­cer na no­va fun­ção a mis­são de com­ba­te à cor­rup­ção. “A pers­pec­ti­va de im­ple­men­tar uma for­te agen­da an­ti­cor­rup­ção e an­ti­cri­me or­ga­ni­za­do, com res­pei­to à Cons­ti­tui­ção, le­va­ram-me a to­mar es­ta de­ci­são. Ela con­so­li­da os avan­ços con­tra o cri­me e a cor­rup­ção dos úl­ti­mos anos e afas­ta ris­cos de re­tro­ces­sos por um bem mai­or”, dis­se Mo­ro, nu­ma no­ta ofi­ci­al que ele es­cre­veu ain­da den­tro do car­ro da PF que o trans­por­tou da ca­sa de Bol­so­na­ro ao ae­ro­por­to. Ele não con­se­guiu fa­lar com os jor­na­lis­tas que se aglo­me­ra­vam na por­ta do con­do­mí­nio, pois uma pe­que­na mul­ti­dão de se­gui­do­res se jun­tou aos re­pór­te­res. Ele da­rá uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va na ter­ça-fei­ra 6.

“Acei­tei o con­vi­te por­que ape­sar de to­dos os es­for­ços fei­tos pe­la La­va Ja­to, a cor­rup­ção ain­da não aca­bou. Pre­ci­sa­mos apri­mo­rar dis­po­si­ti­vos que re­du­zam ain­da mais es­sa prá­ti­ca la­men­tá­vel”, acres­cen­tou Mo­ro à IS­TOÉ. Em qua­tro anos à fren­te da La­va Ja­to, Mo­ro pro­fe­riu 215 con­de­na­ções, con­tra 140 pes­so­as, en­tre elas o ex-presidente Lu­la. Co­mo ele ga­ran­te que já se afas­tou de to­dos os ca­sos que vem to­can­do, ca­be­rá à juí­za Ga­bri­e­la Hardt, sua subs­ti­tu­ta na 13ª Va­ra Fe­de­ral do Pa­ra­ná, pro­fe­rir a no­va sen­ten­ça con­tra Lu­la no ca­so de fa­vo­res que ele re­ce­beu da Ode­bre­cht pa­ra a com­pra de um du­plex no pré­dio on­de mo­ra e de um ter­re­no pa­ra o Ins­ti­tu­to Lu­la. Ela tam­bém irá con­du­zir o in­ter­ro­ga­tó­rio do ex-presidente no pró­xi­mo dia 14 pa­ra tra­tar do Sí­tio de Ati­baia. Mo­ro não atu­a­rá mais na Jus­ti­ça Fe­de­ral, pois não quer ser cha­ma­do de par­ci­al. Afi­nal, seus de­tra­to­res vem acu­san­do-o de ter fei­to o que fez nas ações de com­ba­te à cor­rup­ção ape­nas por per­se­gui­ção po­lí­ti­ca ao PT. Mo­ro de­se­ja pre­ser­var sua cre­di­bi­li­da­de. Até por­que a gran­de mai­o­ria das pes­so­as o iden­ti­fi­ca co­mo res­pon­sá­vel pe­la mai­or ope­ra­ção de lim­pe­za éti­ca já fei­ta no País.

“Acei­tei o con­vi­te por­que, ape­sar de to­dos os es­for­ços fei­tos pe­la La­va Ja­to, a cor­rup­ção ain­da não aca­bou” Ser­gio Mo­ro, juiz fe­de­ral

SU­PER­MI­NIS­TRO O juiz Ser­gio Mo­ro dei­xa a reu­nião com Bol­so­na­ro na quin­ta-fei­ra 1 no Rio, de­pois de di­zer “sim” a mi­nis­té­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.